EUA, Washington, homem, de 36 a 45 anos, português, inglês, espanhol e francês

Leia mais

  





01/02/2010 a 15/02/2010
16/01/2010 a 31/01/2010
01/01/2010 a 15/01/2010
16/12/2009 a 31/12/2009
01/12/2009 a 15/12/2009
16/11/2009 a 30/11/2009
01/11/2009 a 15/11/2009
16/10/2009 a 31/10/2009
01/10/2009 a 15/10/2009
16/09/2009 a 30/09/2009
01/09/2009 a 15/09/2009
16/08/2009 a 31/08/2009
01/08/2009 a 15/08/2009
16/07/2009 a 31/07/2009
01/07/2009 a 15/07/2009
16/06/2009 a 30/06/2009
01/06/2009 a 15/06/2009
16/05/2009 a 31/05/2009
01/05/2009 a 15/05/2009
16/04/2009 a 30/04/2009
01/04/2009 a 15/04/2009
16/03/2009 a 31/03/2009
01/03/2009 a 15/03/2009
16/02/2009 a 28/02/2009
01/02/2009 a 15/02/2009
16/01/2009 a 31/01/2009
01/01/2009 a 15/01/2009
16/12/2008 a 31/12/2008
01/12/2008 a 15/12/2008
16/11/2008 a 30/11/2008
01/11/2008 a 15/11/2008
16/10/2008 a 31/10/2008
01/10/2008 a 15/10/2008
16/09/2008 a 30/09/2008
01/09/2008 a 15/09/2008
16/08/2008 a 31/08/2008
01/08/2008 a 15/08/2008
16/07/2008 a 31/07/2008
01/07/2008 a 15/07/2008
16/06/2008 a 30/06/2008
01/06/2008 a 15/06/2008
16/05/2008 a 31/05/2008
01/05/2008 a 15/05/2008
16/04/2008 a 30/04/2008
01/04/2008 a 15/04/2008
16/03/2008 a 31/03/2008
01/03/2008 a 15/03/2008
16/02/2008 a 29/02/2008
01/02/2008 a 15/02/2008
16/01/2008 a 31/01/2008
01/01/2008 a 15/01/2008
16/12/2007 a 31/12/2007
01/12/2007 a 15/12/2007
16/11/2007 a 30/11/2007
01/11/2007 a 15/11/2007
16/10/2007 a 31/10/2007
01/10/2007 a 15/10/2007
16/09/2007 a 30/09/2007
01/09/2007 a 15/09/2007
16/08/2007 a 31/08/2007
01/08/2007 a 15/08/2007
16/07/2007 a 31/07/2007
01/07/2007 a 15/07/2007
16/06/2007 a 30/06/2007
01/06/2007 a 15/06/2007
16/05/2007 a 31/05/2007
01/05/2007 a 15/05/2007
16/04/2007 a 30/04/2007
01/04/2007 a 15/04/2007
16/03/2007 a 31/03/2007
01/03/2007 a 15/03/2007
16/02/2007 a 28/02/2007
01/02/2007 a 15/02/2007
16/01/2007 a 31/01/2007
01/01/2007 a 15/01/2007
01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005

VOTAÇÃO
Dê uma nota para meu blog




Os palpites da Variety ao Oscar 2006

 

Estes são os palpites da "Variety", a bíblia da indústria cinematográfica norte-americana.

ATOR
Russell Crowe
Ralph Fiennes
Philip Seymour Hoffman
Anthony Hopkins
Terrence Howard
Heath Ledger
Tommy Lee Jones
Joaquin Phoenix
Jonathan Rhys Meyers
David Strathairn
Johnny Depp
Jeff Daniels
Jake Gyllenhaal
Nathan Lane
Viggo Mortensen

ATOR - ZEBRAS

Eric Bana
Pierce Brosnan
Cillian Murphy
Bill Murray
Tom Wilkinson

ATORES COADJUVANTES
Clifton Collins Jr.
George Clooney
Matt Dillon
Paul Giamatti
Jake Gyllenhaal
Bob Hoskins
Richard Jenkins
Peter Sarsgaard
Donald Sutherland
Ken Watanabe
Roger Bart / Gary Beach
Don Cheadle
Frank Langella
Robert Patrick

ATORES COADJUVANTES - ZEBRAS
Anthony Anderson
Matt Damon
Colin Farrell
Woody Harrelson
William Hurt
Greg Kinnear
Jesse L. Martin
Ian McDiarmid
Barry Pepper
Geoffrey Rush



Escrito por Sérgio Dávila às 20h50
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Nárnia

 

Chegue às suas conclusões.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 20h11
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Nárnia - The Guardian escreveu isso - 2

 

THE GUARDIAN - CONTINUAÇÃO

But so far, so good. The story makes sense. The lion exchanging his life for Edmund's is the sort of thing Arthurian legends are made of. Parfait knights and heroes in prisoner-of-war camps do it all the time. But what's this? After a long, dark night of the soul and women's weeping, the lion is suddenly alive again. Why? How?, my children used to ask. Well, it is hard to say why. It does not make any more sense in CS Lewis's tale than in the gospels. Ah, Aslan explains, it is the "deep magic", where pure sacrifice alone vanquishes death.

Of all the elements of Christianity, the most repugnant is the notion of the Christ who took our sins upon himself and sacrificed his body in agony to save our souls. Did we ask him to? Poor child Edmund, to blame for everything, must bear the full weight of a guilt only Christians know how to inflict, with a twisted knife to the heart. Every one of those thorns, the nuns used to tell my mother, is hammered into Jesus's holy head every day that you don't eat your greens or say your prayers when you are told. So the resurrected Aslan gives Edmund a long, life-changing talking-to high up on the rocks out of our earshot. When the poor boy comes back down with the sacred lion's breath upon him he is transformed unrecognisably into a Stepford brother, well and truly purged.

Tolkien hated Narnia: the two dons may have shared the same love of unquestioning feudal power, with worlds of obedient plebs and inferior folk eager to bend at the knee to any passing superior white persons - even children; both their fantasy worlds and their Christianity assumes that rigid hierarchy of power - lord of lords, king of kings, prince of peace to be worshipped and adored. But Tolkien disliked Lewis's bully-pulpit.

Over the years, others have had uneasy doubts about the Narnian brand of Christianity. Christ should surely be no lion (let alone with the orotund voice of Liam Neeson). He was the lamb, representing the meek of the earth, weak, poor and refusing to fight. Philip Pullman - he of the marvellously secular trilogy His Dark Materials - has called Narnia "one of the most ugly, poisonous things I have ever read".

Why? Because here in Narnia is the perfect Republican, muscular Christianity for America - that warped, distorted neo-fascist strain that thinks might is proof of right. I once heard the famous preacher Norman Vincent Peale in New York expound a sermon that reassured his wealthy congregation that they were made rich by God because they deserved it. The godly will reap earthly reward because God is on the side of the strong. This appears to be CS Lewis's view, too. In the battle at the end of the film, visually a great epic treat, the child crusaders are crowned kings and queens for no particular reason. Intellectually, the poor do not inherit Lewis's earth.

Does any of this matter? Not really. Most children will never notice. But adults who wince at the worst elements of Christian belief may need a sickbag handy for the most religiose scenes. The Guardian film critic Peter Bradshaw gives the film five stars and says, "There is no need for anyone to get into a PC huff about its Christian allegory." Well, here's my huff.

Lewis said he hoped the book would soften-up religious reflexes and "make it easier for children to accept Christianity when they met it later in life". Holiness drenches the Chronicles. When, in the book, the children first hear someone say, mysteriously, "Aslan is on the move", he writes: "Now a very curious thing happened. None of the children knew who Aslan was any more than you do; but the moment the Beaver had spoken these words everyone felt quite different. Perhaps it has sometimes happened to you in a dream that someone says something which you don't understand but in the dream it feels as if it had enormous meaning ..." So Lewis weaves his dreams to invade children's minds with Christian iconography that is part fairytale wonder and joy - but heavily laden with guilt, blame, sacrifice and a suffering that is dark with emotional sadism.

Children are supposed to fall in love with the hypnotic Aslan, though he is not a character: he is pure, raw, awesome power. He is an emblem for everything an atheist objects to in religion. His divine presence is a way to avoid humans taking responsibility for everything here and now on earth, where no one is watching, no one is guiding, no one is judging and there is no other place yet to come. Without an Aslan, there is no one here but ourselves to suffer for our sins, no one to redeem us but ourselves: we are obliged to settle our own disputes and do what we can. We need no holy guide books, only a very human moral compass. Everyone needs ghosts, spirits, marvels and poetic imaginings, but we can do well without an Aslan.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 20h10
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Nárnia - The Guardian escreveu isso - 1

'Narnia represents everything that is most hateful about religion'

Children won't get the Christian subtext, but unbelievers should keep a sickbag handy during Disney's new epic, writes Polly Toynbee

Monday December 5, 2005
The Guardian

Aslan the lion shakes his mighty mane and roars out across Narnia and eternity. Christ is risen! However, not many British children these days will get the message. The Lion, the Witch and the Wardrobe opens this week to take up the mantle left by The Lord of the Rings. CS Lewis's seven children's books, The Chronicles of Narnia, will be with us now and for many Christmases to come. Only Harry Potter has outsold these well-loved books' 85 million copies.

 
How suitable that one fantasy saga should follow on from the other, despite the immense difference between the writings and magic worlds of these two old Oxford dons. It was JRR Tolkien who converted CS Lewis to Christianity during one long all-night walk that ended in dawn and revelation. Narnia is a strange blend of magic, myth and Christianity, some of it brilliantly fantastical and richly imaginative, some (the clunking allegory) toe-curlingly, cringingly awful.

This new Disney film is a remarkably faithful rendition of the book - faithful in both senses. It is beautiful to look at and wonderfully acted. The four English children and their world are all authentically CS Lewis olde England. But from its opening scenes of the bombing of their Finchley home in the blitz and the tear-jerking evacuation from their mother in a (spotlessly clean) steam train, there is an emotional undertow to this film that tugs on the heart-strings from the first frames. By the end, it feels profoundly manipulative, as Disney usually does. But then, that is also deeply faithful to the book's own arm-twisting emotional call to believers.

Disney is deliberately promoting this film to the religious - it has appointed Outreach, an evangelical publisher, to promote the Christian message behind the movie in British churches. The Christian radio station Premier is urging churches to hold services on the theme of The Gospel According to Narnia. Even the Methodists have written a special Narnia-themed service. And a Kent parish is giving away £10,000 worth of film tickets to single-parent families. (Are the children of single mothers in special need of the word?)

US born-agains are using the movie. The Mission America Coalition is "inviting church leaders around the country to consider the fantastic ministry opportunity presented by the release of this film". The president's brother, Jeb Bush, the governor of Florida, is organising a scheme for every child in his state to read the book. Walden Media, co-producer of the movie, offers a "17-week Narnia Bible study for children". The owner of Walden Media is both a big Republican donor and a donor to the Florida governor's book promotion - a neat synergy of politics, religion and product placement. It has aroused protests from Americans United for Separation of Church and State, which complains that "a governmental endorsement of the book's religious message is in violation of the First Amendment to the US Constitution".

Disney may come to regret this alliance with Christians, at least on this side of the Atlantic. For all the enthusiasm of the churches, Mel Gibson's The Passion of the Christ bombed in Britain and warehouses are stuffed with unsold DVDs of that stomach-churner. There are too few practising Christians in the empty pews of this most secular nation to pack cinemas. So there has been a queasy ambivalence about how to sell the Narnia film here. Its director, Andrew Adamson (of Shrek fame), says the movie's Christian themes are "open to the audience to interpret". One soundtrack album of the film has been released with religious music, the other with secular pop.

Most British children will be utterly clueless about any message beyond the age-old mythic battle between good and evil. Most of the fairy story works as well as any Norse saga, pagan legend or modern fantasy, so only the minority who are familiar with Christian iconography will see Jesus in the lion. After all, 43% of people in Britain in a recent poll couldn't say what Easter celebrated. Among the young - apart from those in faith schools - that number must be considerably higher. Ask art galleries: they now have to write the story of every religious painting on the label as people no longer know what "agony in the garden", "deposition", "transfiguration" or "ascension" mean. This may be regrettable cultural ignorance, but it means Aslan will stay just a lion to most movie-goers.

All the same, children may puzzle over the lion and ask embarrassing questions. For non-CS Lewis aficionados, here is a recap. The four children enter Narnia through a wardrobe and find themselves in a land frozen into "always winter, never Christmas" by the white witch, (played with elemental force by Tilda Swinton). Unhappy middle child Edmund, resentful of being bossed about by his older brother, broods with meanness and misery. The devil, in the shape of the witch, tempts him: for the price of several chunks of turkish delight, rather than 30 pieces of silver, Edmund betrays his siblings and their Narnian friends.

The sins of this "son of Adam" can only be redeemed by the supreme sacrifice of Aslan. This Christ-lion willingly lays down his life, submitting himself to be bound, thrashed and humiliated by the white witch, allowing his golden mane to be cut and himself to be slaughtered on the sacrificial stone table: it cracks in sympathetic agony and his body goes missing. The two girls lay down their heads and weep, Magdalene and Mary-like. Be warned, the film lingers long and lovingly over all this. CONTINUA

 



Escrito por Sérgio Dávila às 20h09
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Nárnia - O NYTimes escreveu isso

The New York Times

December 12, 2005
Op-Ed Contributor

The Lion, the Witch and the Metaphor

THOUGH it's fashionable nowadays to come out of the closet, lately folks are piling in - into the wardrobe, that is, to battle over who owns Narnia: secular or Christian lovers of C. S. Lewis's stories.

Children, of course, have been slipping through the magic cupboard into the mythical land for 50 years without assistance from pundits or preachers (though fauns and talking badgers have been helpful). But now that the chronicles' first book, "The Lion, the Witch and the Wardrobe," has been made into a Disney movie, adults are fighting to claim the action. And that means analyzing it. Or not.

The 7-year-old who sat next to me during a recent showing said, "This is really scary." It was scary when the White Witch kills the lion Aslan, who dies to save the loathsome Edmund before rising to help him and his siblings vanquish evil. But adults reducing the story to one note - their own - are even scarier. One side dismisses the hidden Jesus figure as silly or trivial, while the other insists the lion is Jesus in a story meant to proselytize. They're both wrong.

As a child, I never knew that Aslan was "Jesus." And that's a good thing. My mother recently remarked that if she'd known the stories were Christian, she wouldn't have given me the books - which are among my dearest childhood memories.

But parents today will not be innocent of the religious subtext, considering the drumbeat of news coverage and Disney's huge campaign to remind churchgoing audiences of the film's religious themes. The marketing is so intense that the religious Web site HollywoodJesus.com even worried that ham-fisted promotion might ruin it for non-Christians.

But a brief foray into Criticism 101 shows that the wardrobe is big enough for everyone. Symbolism, for example, is when one thing stands for another but is not the thing itself. Psychoanalysts, for instance, have interpreted "The Wonderful Wizard of Oz" as Dorothy's quest for a penis - that is, retrieving the witch's broomstick. Does that symbolism - if you buy it - make Dorothy a pervert? No, because it's hidden. That's the point. Overt and covert meaning can exist independently.

Those with a fiduciary, rather than phallic bent, might prefer the theory that L. Frank Baum's Oz stories are a Populist manifesto, with the yellow brick road as the gold standard, the Tin Man as alienated labor, Scarecrow as oppressed farmers, and so on. (And surely some Jungian theory about the collective unconscious explains why both Oz and Narnia are populated by four heroic characters fighting an evil witch.)

Yes, it's allegory land, a place that strings symbols together to create levels of meaning, which a determined scholar has actually quantified as ranging from two to seven layers. (No word on why not eight.) Allegory, the oldest narrative technique, often involves talking animals, from Aesop's fox with the grapes to Dr. Seuss's Yertle the Turtle, supposedly a Hitler figure.

Does that twist the Seuss tale into a political treatise on fascism? No, it adds another level for adults, it teaches morals (even the meekest can unseat the powerful, etc.), and it's fun - when plain little Mack burps, he shakes the bad king Yertle from his throne built on turtles.

But which layer is more important - the surface or beneath? Deep thinkers specialize in hidden meanings (building demand, of course, for their interpretive expertise). An Oxford English professor, Lewis himself explored the depths in his scholarly books. But he also defended the literal, lamenting in his essay "On Stories" how modern criticism denigrates the pleasures of a good yarn - and that was 50 years ago.

While critics today call it "fallacy" to interpret a work by citing the author's intentions, Lewis left a road map for us marked with special instructions for not annoying children. In his essay "Sometimes Fairy Stories May Say Best What's to Be Said," he denounced as "moonshine" the idea that he wrote the Narnia chronicles to proselytize the young. The lion Aslan, he wrote, bounded into his imagination from his experience as a Christian, coming to him naturally as should all good writing.

"Let the pictures tell you their own moral," he advised in "On Three Ways of Writing for Children." "If they don't show you a moral, don't put one in."

In keeping with that advice, the Narnia chronicles don't beat you on the head - nor does the faithful movie adaptation. If everyone stays on his own level - the surface for adventurers, and the depths for believers - we can all enjoy, so long as the advertisers stay out of the way.

Jessica Seigel teaches journalism at New York University and comments on culture for NPR.



Escrito por Sérgio Dávila às 20h06
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Nárnia - Contardo escreveu isso

São Paulo, quinta-feira, 15 de dezembro de 2005

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

CONTARDO CALLIGARIS

Filmes para toda a família

Estão em cartaz dois filmes ótimos para as férias, "Harry Potter e o Cálice de Fogo", de Mike Newell, e "As Crônicas de Nárnia: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa", de Andrew Adamson.
O filme de Adamson leva ao cinema uma das sete "Crônicas de Nárnia", escritas por C. S. Lewis nos anos 50 do século passado. O filme de Newell corresponde ao quarto volume das aventuras de Harry Potter, escritas por J.K. Rowling. Os dois filmes são encantadores, como os escritos que os inspiram.
O "Cálice de Fogo" (talvez o melhor "Harry Potter" até agora) foi elogiado, em particular, por "humanizar" Harry e seus colegas. Já com 14 anos, o jovem herói, por mais que seja mago, conhece as dores da adolescência. Por exemplo, envergonhado na hora de convidar a menina de quem ele gosta, acaba levando para o baile uma substituta. No baile, ele fica jogado numa cadeira como todos ficamos aos 14 anos: comentando sardonicamente a dança dos outros, com medo de termos ares de criança se nos aventurássemos na pista.
Por causa disso, alguns críticos afirmaram que "O Cálice de Fogo", magia à parte, é um filme sobre a adolescência. Concordo, mas não só pelas atrapalhações de Harry, que despertam em nós sorrisos condescendentes.
No filme, quatro jovens são encorajados a competir em provas desesperadoramente perigosas. Trata-se de um jogo, mas, para os concorrentes, a questão é de vida ou morte.
Ora, a maior aspiração de qualquer adolescente é que sua existência (não só seu futuro) seja levada a sério e que as aventuras de seu dia-a-dia não sejam consideradas por nós como percalços engraçados de um tempo protegido de formação. Os adolescentes, aliás, não param de inventar atos e riscos extremos para sacudir nossa condescendência e forçar nosso respeito. Melhor ainda se, como no filme, os ditos atos e riscos forem impostos por nós: os jovens saberiam, enfim, quais provas são exigidas para que eles se tornem adultos aos nossos olhos.
Pois é, se nossos adolescentes tivessem mesmo que encarar dragões, eles talvez não precisassem de drogas.
Mas vamos a "O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa". O filme suscitou uma salva de críticas ideológicas, porque a história seria uma alegoria do triunfo do cristianismo.
C. S. Lewis era cristão (convertido tardiamente pelo amigo Tolkien, o autor de "O Senhor dos Anéis"). De fato, na história do leão Aslam, há elementos que evocam a história de Cristo. Mas em termos: para mim (e para vários outros), a "loucura" da mensagem cristã fala do sacrifício de um humilde, de um cordeiro que resgata a todos. Nada a ver com um leão que reúne um exército para enfrentar o mal.
Alguns comentadores não se preocuparam com essa discrepância e não se perguntaram de onde ela vem. Preferiram apresentar Lewis como um conselheiro espiritual de George W. Bush: sua visão de um cristianismo guerreiro coincidiria com o espírito dos falcões que promoveram a invasão do Iraque como mais uma cruzada.
Por gratidão pelo prazer que a leitura das "Crônicas" me proporcionou na infância, devo defender Lewis desse disparate.
Lewis escreveu uma deliciosa autobiografia, "Surprised by Joy: the Shape of My Early Life" (surpreendido pela alegria: a forma do começo de minha vida), na qual ele narra o caminho de sua conversão.
Sua paixão, desde a infância, foi o mundo mágico da aventura. Da vasta e excelente produção de Lewis crítico e historiador da literatura da Idade Média e da Renascença, conheço dois livros, talvez os principais: "The Allegory of Love" (a alegoria do amor), de 1936, e "The Discarded Image" (a imagem descartada), de 1964. Ambos celebram e festejam a possibilidade (que explode na literatura da Renascença italiana com Ariosto, Boiardo e Tasso) de narrar o maravilhoso, além da vida real e além do mistério da fé.
É por causa dessa paixão pelo maravilhoso que Lewis se converteu: adotou o cristianismo porque viu nas verdades da fé mais uma história fantástica, que tinha a vantagem de poder ser verdadeira.
É injusto dizer que Lewis escreveu as "Crônicas de Nárnia" como uma alegoria do cristianismo. Ao contrário, ele se tornou cristão porque a história de Cristo lhe parecia tão fantástica quanto a história dos Cavaleiros da Mesa Redonda (ou a do leão Aslam, salvador de Nárnia).
Na hora de criticar, a ideologia é má conselheira: os mesmos críticos que quiseram enxergar em Lewis um falcão com espírito de cruzado, esqueceram-se de notar que algo, nas "Crônicas", pode mesmo incomodar nosso espírito libertário. Esse "algo" não é a alegoria do cristianismo, mas a felicidade um pouco babaca com a qual os animais de Nárnia, uma vez libertados da feiticeira, apressam-se a aclamar novos reis, sem pensar nem um instante que eles poderiam se governar sozinhos. O cenário dos mundos encantados é quase sempre a sociedade tradicional, com seu respeito incontestável por hierarquia e autoridade.
Seja como for, deleitem-se com os filmes, pois ambos expressam um anseio que todos conhecemos (não só os adolescentes): o anseio de encontrar provas maravilhosas que nos testem.


@ - ccalligari@uol.com.br



Escrito por Sérgio Dávila às 20h04
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Nárnia - Eu escrevi isso

São Paulo, sexta-feira, 09 de dezembro de 2005

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

CRÍTICA

Catequismo pontua o livro e o filme

SÉRGIO DÁVILA
DA REPORTAGEM LOCAL

"As Crônicas de Nárnia: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa" é Hollywood juntando a fome, a vontade de comer e a criança esfaimada. A fome é a carência absoluta de roteiros originais: mais da metade dos dez filmes com maior bilheteria de 2005 até agora são seqüências, refilmagens, adaptações de livros, quadrinhos ou videogames. A vontade de comer é o imenso público disposto a consumir produtos já conhecidos, que ofereçam pouco risco, diversão segura e o efeito comparativo "é melhor/igual/ pior que o livro/original/etc.".
Já a criança esfaimada é problema deste filme. Depois de "A Paixão de Cristo", de Mel Gibson, o cinema mainstream acordou para a guinada à direita que a platéia religiosa norte-americana havia dado sob o George Bush pós-11 de Setembro. Era preciso um "Harry Potter" do bem, um "Senhor dos Anéis" não-laico. Sai da gaveta o britânico C.S. Lewis, que aliás foi colega de classe em Oxford de J.R.R. Tolkien, que o achava muito carola, segundo relatos da época de amigos dos dois -Lewis, de volta, achava Tolkien "complicado" demais, com seus atlas, suas terras e seus nomes.
"As Crônicas de Nárnia", em geral, nada mais são do que uma adaptação da Bíblia, mormente o "Novo Testamento", para crianças. Adaptação competente e imaginosa, com elementos novos, atraentes, mas com o livro sagrado como fonte inegável. Assim, o leão Aslan (Liam Neeson na voz original) é Jesus Cristo, a Feiticeira Branca é o anjo caído e assim por diante. Nenhum problema nem juízo de valor, fosse tudo feito às claras.
Não é. E diz o contrato social atual que devem ser catequizados somente os que escolhem ser, não os que são levados às escuras.
Dito isso, do ponto de vista estritamente cinematográfico, o diretor, Andrew Adamson, em atuação pendular depois dos idiossincráticos "Shrek 1" e "Shrek 2", faz um trabalho competente, ajudado pelo tripé cenário-figurino-efeitos especiais, impecável. O elenco infantil também não decepciona, mesmo para quem, como este crítico, acredita que a legislação trabalhista brasileira devesse ser aplicada também a Hollywood: criança com menos de 14 anos não trabalha, estuda. Já o elenco adulto é liderado pela excelente Tilda Swilton (a feiticeira) e o versátil Jim Broadbent (como o professor amalucado, dono da casa em que fica o armário).
Um detalhe irrita, pelo menos na cópia assistida pela Folha: a dublagem brasileira é feita seguindo os cânones do padrão Jardim Botânico de sotaque, ou seja, em carioquês. Assim, o espectador ouve meninos e meninas supostamente britânicos chiando mais que chaleira e dizendo "míssi", em vez de "miss"...


As Crônicas de Nárnia: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa
The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe
  
Direção: Andrew Adamson
Produção: EUA, 2005
Com: Tilda Swinton, Jim Broadbent, Georgie Henley, Skandar Keynes, William Moseley, Anna Popplewell e outros
Quando: a partir de hoje, nos cines HSBC Belas Artes, Bristol e circuito



Escrito por Sérgio Dávila às 20h03
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Acredite, este é Tom Hanks em "O Código Da Vinci"

185632__hanks_l

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Escrito por Sérgio Dávila às 11h46
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

É hoje!

14/12/2005 - 09h31

Sérgio Dávila participa de bate-papo sobre "King Kong"

Publicidade
language=javascript type=text/javascript> marginWidth=0 marginHeight=0 src="http://de.uol.com.br/html.ng/site=folha&chan=online.ilustrada&size=180x150&page=7&expble=0&ord=39484716?" frameBorder=0 width=180 scrolling=no height=150> language="javascript1.1" type="text/javascript" src="http://de.uol.com.br/js.ng/Params.richmedia=yes&site=folha&chan=online.ilustrada&size=180x150&page=7&expble=0&ord=39484716?">
da Folha Online

O jornalista Sérgio Dávila, repórter especial da Folha, participa nesta quinta-feira, às 17h, de bate-papo sobre o filme Kong Kong, que estréia na Brasil na próxima sexta-feira. Dávila entrevistou o diretor do filme Peter Jackson em Nova York no início do mês.

Na entrevista, Jackson disse que o "King Kong" original, de 1933, foi o filme mais "marcante" de sua vida. A versão de Jackson concorre ao Globo de Ouro de melhor diretor, prêmio também disputado pelo brasileiro Fernando Meirelles (Jardineiro Fiel). O resultado sai 16 de janeiro.

Colunista da Revista da Folha e comentarista de internacional do telejornal "SBT Brasil", Dávila também é curador da coleção "Jornalismo de Guerra", da editora Objetiva. O jornalista foi o único repórter brasileiro a cobrir a Guerra do Iraque em Bagdá, com o fotógrafo Juca Varella, experiência que lhe rendeu o Prêmio Esso de Reportagem de 2003, o Grande Prêmio Folha de Reportagem do mesmo ano e o livro "Diário de Bagdá - A Guerra do Iraque Segundo os Bombardeados".

Sérgio Dávila foi correspondente da Folha em Nova York de 2000 a 2003, onde cobriu o ataque terrorista de 11 de Setembro (que rendeu outro livro, "Nova York - Antes e Depois do Atentado"), a eleição de George W. Bush e da ex-primeira-dama Hillary Clinton.

Como bolsista da Fundação Knight, estudou um ano na Universidade Stanford, entre 2004 a 2005, período em que também foi correspondente da Folha na Califórnia e atravessou o país de carro de costa a costa para a cobertura da reeleição de Bush.

Antes disso, foi editor da Ilustrada (1996-2000), repórter da Revista da Folha e trabalhou nas revistas "Veja SP" e "Playboy". Já cobriu três festivais de Cannes, quatro Oscar e dois festivais de Sundance, na sua opinião o melhor de todos.

Bate-papo

Os bate-papos com jornalistas da Folha são abertos ao público em geral, mesmo para quem não é assinante da Folha ou do UOL.

Para participar, basta estar conectado à internet e acessar o site da Folha Online, no www.folha.com.br.

Do site da Folha Online, o internauta é levado para seção de bate-papos do UOL. O internauta tem, então, que digitar um "pseudônimo", o nome pelo qual aparecerá na sala, e seguir os procedimentos de segurança do UOL para entrar no chat.


Escrito por Sérgio Dávila às 08h52
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Meio milhão em menos de três meses!

 

Passamos dos 500 mil internautas. Como diria Odorico Paraguaçu, "é com a alma lavada e enxagüada..."



Escrito por Sérgio Dávila às 17h33
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Ainda sobre o trailer de "Da Vinci"

 

O lançamento foi mundial, hoje de manhã, como se fosse o filme já completo, tamanha a ansiedade dos milhares de fãs do livro --que eu, particularmente, acho uma bobagem bem-escrita, na linha Paulo Coelho.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h55
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Ah, e tem isso, também -- é na quinta, às 17h

14/12/2005 - 09h31

Sérgio Dávila participa de bate-papo sobre "King Kong"

da Folha Online

O jornalista Sérgio Dávila, repórter especial da Folha, participa nesta quinta-feira, às 17h, de bate-papo sobre o filme Kong Kong, que estréia na Brasil na próxima sexta-feira. Dávila entrevistou o diretor do filme Peter Jackson em Nova York no início do mês.

Na entrevista, Jackson disse que o "King Kong" original, de 1933, foi o filme mais "marcante" de sua vida. A versão de Jackson concorre ao Globo de Ouro de melhor diretor, prêmio também disputado pelo brasileiro Fernando Meirelles (Jardineiro Fiel). O resultado sai 16 de janeiro.

Colunista da Revista da Folha e comentarista de internacional do telejornal "SBT Brasil", Dávila também é curador da coleção "Jornalismo de Guerra", da editora Objetiva. O jornalista foi o único repórter brasileiro a cobrir a Guerra do Iraque em Bagdá, com o fotógrafo Juca Varella, experiência que lhe rendeu o Prêmio Esso de Reportagem de 2003, o Grande Prêmio Folha de Reportagem do mesmo ano e o livro "Diário de Bagdá - A Guerra do Iraque Segundo os Bombardeados".

Sérgio Dávila foi correspondente da Folha em Nova York de 2000 a 2003, onde cobriu o ataque terrorista de 11 de Setembro (que rendeu outro livro, "Nova York - Antes e Depois do Atentado"), a eleição de George W. Bush e da ex-primeira-dama Hillary Clinton.

Como bolsista da Fundação Knight, estudou um ano na Universidade Stanford, entre 2004 a 2005, período em que também foi correspondente da Folha na Califórnia e atravessou o país de carro de costa a costa para a cobertura da reeleição de Bush.

Antes disso, foi editor da Ilustrada (1996-2000), repórter da Revista da Folha e trabalhou nas revistas "Veja SP" e "Playboy". Já cobriu três festivais de Cannes, quatro Oscar e dois festivais de Sundance, na sua opinião o melhor de todos.

Bate-papo

Os bate-papos com jornalistas da Folha são abertos ao público em geral, mesmo para quem não é assinante da Folha ou do UOL.

Para participar, basta estar conectado à internet e acessar o site da Folha Online, no www.folha.com.br.

Do site da Folha Online, o internauta é levado para seção de bate-papos do UOL. O internauta tem, então, que digitar um "pseudônimo", o nome pelo qual aparecerá na sala, e seguir os procedimentos de segurança do UOL para entrar no chat.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h29
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

O que achei das indicações ao Globo de Ouro - Extended Version

 

Não é ciência exata e as estatísticas pouco valem nessa hora, mas as indicações dada a "O Jardineiro Fiel" pelos 90 tiozinhos e tiazinhas que compõem a Hollywood Foreign Press Association (a HFPA, Associação dos Críticos Estrangeiros de Hollywood, uma espécie de Academia Brasileira de Letras de Hollywood) devem ajudar a abrir o caminho de Fernando Meirelles rumo a uma das cinco vagas de melhor diretor no Oscar 2006.

Primeiro porque o Globo de Ouro, que anuncia antes e premia antes de o Oscar anunciar seus indicados, funciona como um termômetro mais liberal e político do que seu primo rico. Assim, aponta tendências, indica caminhos que os mais de 6 mil votantes da premiação da indústria podem seguir. No ano passado, seus premiados em quatro das principais categorias foram repetidos pelo Oscar, poucas semanas depois.

Segundo porque este é um ano sem favoritos. O filme que recebeu mais indicações no Globo, o western gay "Brokeback Mountain", uma belíssima história de amor filmada pelo taiwanês-americano Ang Lee a partir de um conto publicado pela revista "The New Yorker", talvez seja "pesado" demais para galvanizar os votos do Oscar. Afinal, é baseado não só num relacionamento entre dois caubóis (Heath Ledger e Jake Gyllenhal) como mostra uma cena de sexo entre eles.

Talvez seja "liberal" demais para uma Hollywood que vem tentanto fazer as pazes com a "América Profunda" (a população de maioria conservadora que vive entre os dois litorais do país) desde que George W. Bush foi levado ao seu segundo mandato ajudado em grande parte pela mobilização e boca de urna feita pela direita religiosa nos Estados indecisos, a mesma Hollywood que quer fazer as pazes com esta parcela do público pagante, cujo "Titanic" é "A Última Tentação de Cristo".

E o Oscar é o prêmio da indústria, na o da crítica, como é o Globo de Ouro.

Ainda assim, vale destacar o quão política é a cédula deste ano. Além do western citado, há a biografia de um jornalista abertamente homossexual e alcoólatra, que não foi redimido pela vida no final (diferentemente de "Ray"), como é "Capote"; há o excelente "Syriana", que pretende ser para a indústria do petróleo norte-americana e sua intersecção com a política externa norte-americana, especialmente no oriente Médio o que "Traffic", do mesmo roteirista, que agora estréia como diretor, foi para a indústria das drogas ilegais.

Há "Good Night, and Good Luck", outra cinebiografia polêmica de um jornalista, Edward Murrow, que ousou desafiar o macarthismo e penou por isso. E o próprio "O jardineiro Fiel", de Meirelles, um dos grandes filmes do ano, que vai mais fundo do que o livro de John LeCarré em que é baseado ao colocar a história de amor como pano de fundo para as denúncias da indústria farmacêutica mundial e o uso de cobaias humanos, especialmente na África, para remédios novos.

Mesmo no Globo de Ouro, porém, Meirelles está em briga de cachorro grande: Além de Ang Lee e George Clooney (que dirige "Good Night"), terá de enfrentar Woody Allen por ‘Match Point‘, que dizem ser o melhor filme do diretor nova-iorquino desde os anos 80, o mamute (11 Oscar no ano passado, 17 no total) Peter Jackson por ‘King Kong‘ e Steven Spielberg por ‘Munich‘.

De resto, a partir da lição dada pelas indicações do Globo de Ouro, Holywood pode surpreender e ir para a briga. Ou fugir pela direita, pela porta do escapismo, exaltando filmes bem-feitos e bons no que se propõe, como "King Kong" e o religioso "As Crônicas de Nárnia"

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h14
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

O macacão chegou

 

Quem ainda agüenta King Kong? Este é um dos efeitos da megacampanha publicitária, mesmo antes de o filme estrear. Pois ele chega às telas do mundo inteiro hoje (no Brasil, a partir da 0h de manhã), com números tão superlativos quanto seu personagem principal: 3.568 cinemas (não telas, que é muito mais) nos EUA e 6.000 cinemas em 56 outros países. A isso Hollywood chama de globalização. Na verdade, é o esforço conjunto para trazer de volta os US$ 208 milhões investidos. Ah, e entreter as pessoas, claro.

 

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h07
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Aliás, já tem data de estréia para o Brasil

 

O thriller religioso, baseado no überseller de Dan Brown, com Tom Hanks no papel principal, também já tem data de estréia definida no Brasil: dia 19 de maio do ano que vem.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h01
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Sai o primeiro trailer de O Código da Vinci

 

Veja com exclusividade aqui. Ou aqui. E, melhor ainda, aqui.

The Da Vinci Code

 



Escrito por Sérgio Dávila às 09h58
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Há dois anos, Saddam era preso

Two years ago today, U.S.-led troops captured ousted Iraqi President Saddam Hussein.



Escrito por Sérgio Dávila às 15h57
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Quem eu acho que deve ganhar - cinema

DRAMA

Brokeback Mountain

O Jardineiro Fiel

Good Night, and Good Luck.

Uma História de Violência

Match Point (NÃO VI)

 

MUSICAL OU COMÉDIA

Mrs. Henderson Presents

Pride & Prejudice

The Producers

A Lula e a Baleia

Walk the Line

ATOR - DRAMA

Russell Crowe for Cinderella Man

Philip Seymour Hoffman for Capote

Terrence Howard for Hustle & Flow

Heath Ledger for Brokeback Mountain

David Strathairn for Good Night, and Good Luck.

ATRIZ - DRAMA

Maria Bello for A History of Violence

Felicity Huffman for Transamerica (não vi, mas estão falando bem)

Gwyneth Paltrow for Proof

Charlize Theron for North Country

Ziyi Zhang for Memoirs of a Geisha

ATOR - MUSICAL OU COMÉDIA

Pierce Brosnan for The Matador

Jeff Daniels for The Squid and the Whale

Johnny Depp for Charlie and the Chocolate Factory

Nathan Lane for The Producers

Cillian Murphy for Breakfast on Pluto

Joaquin Phoenix for Walk the Line

ATRIZ - MUSICAL OU COMÉDIA

Judi Dench for Mrs. Henderson Presents

Keira Knightley for Pride & Prejudice

Laura Linney for The Squid and the Whale

Sarah Jessica Parker for The Family Stone

Reese Witherspoon for Walk the Line

ATOR COADJUVANTE

George Clooney for Syriana

Matt Dillon for Crash

Will Ferrell for The Producers

Paul Giamatti for Cinderella Man

Bob Hoskins for Mrs. Henderson Presents

ATRIZ COADJUVANTE

Scarlett Johansson for Match Point

Shirley MacLaine for In Her Shoes

Frances McDormand for North Country

Rachel Weisz for The Constant Gardener

Michelle Williams for Brokeback Mountain

DIRETOR

Woody Allen for Match Point

George Clooney for Good Night, and Good Luck.

Peter Jackson for King Kong

Ang Lee for Brokeback Mountain

Fernando Meirelles for The Constant Gardener

Steven Spielberg for Munich

ROTEIRO

Brokeback Mountain - Larry McMurtry, Diana Ossana

Crash - Paul Haggis, Robert Moresco

Good Night, and Good Luck. - George Clooney, Grant Heslov

Match Point - Woody Allen

Munich - Tony Kushner

MÚSICA ORIGINAL

Brokeback Mountain ("A Love That Will Never Grow Old")

Christmas in Love ("Christmas in Love")

The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe ("Wunderkind")

The Producers ("There’s Nothing Like a Show on Broadway")

Transamerica ("Travelin’ Thru")

TRILHA ORIGINAL

Brokeback Mountain - Gustavo Santaolalla

The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe - Harry Gregson-Williams

King Kong - James Newton Howard

Memoirs of a Geisha - John Williams

Syriana - Alexandre Desplat

FILME ESTRANGEIRO

Joyeux Noël (France)

Kung fu (Hong Kong)

Mo gik (China)

Paradise Now (Palestine)

Tsotsi (South Africa)

 



Escrito por Sérgio Dávila às 12h38
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

A lista completa - TV

DRAMA

"Commander in Chief" (2005)

"Grey's Anatomy" (2005)

"Lost" (2004)

"Prison Break" (2005)

"Rome" (2005)

MUSICAL OU COMÉDIA

"Curb Your Enthusiasm" (2000)

"Desperate Housewives" (2004)

"Entourage" (2004)

"Everybody Hates Chris" (2005)

"My Name Is Earl" (2005)

"Weeds" (2005)

MINISSÉRIE OU TELEFILME

"Blackpool" (2004) (mini)

Empire Falls (2005) (TV)

"Into the West" (2005) (mini)

"Sleeper Cell" (2005)

Warm Springs (2005) (TV)

ATOR - MINISSÉRIE OU TELEFILME

Kenneth Branagh for Warm Springs (2005) (TV)

Ed Harris for Empire Falls (2005) (TV)

Bill Nighy for The Girl in the Café (2005) (TV)

Jonathan Rhys-Meyers for "Elvis" (2005) (mini)

Donald Sutherland for "Human Trafficking" (2005) (mini)

ATRIZ - MINISSÉRIE OU TELEFILME

Halle Berry for Their Eyes Were Watching God (2005) (TV)

Kelly Macdonald for The Girl in the Café (2005) (TV)

S. Epatha Merkerson for Lackawanna Blues (2005) (TV)

Cynthia Nixon for Warm Springs (2005) (TV)

Susan Sarandon for The Exonerated (2005) (TV)

ATOR - MUSICAL OU COMÉDIA

Zach Braff for "Scrubs" (2001)

Steve Carell for "The Office" (2005)

Larry David for "Curb Your Enthusiasm" (2000)

Jason Lee for "My Name Is Earl" (2005)

Charlie Sheen for "Two and a Half Men" (2003)

ATOR - MUSICAL OU COMÉDIA

Marcia Cross for "Desperate Housewives" (2004)

Teri Hatcher for "Desperate Housewives" (2004)

Felicity Huffman for "Desperate Housewives" (2004)

Eva Longoria for "Desperate Housewives" (2004)

Mary-Louise Parker for "Weeds" (2005)

ATOR - DRAMA

Patrick Dempsey for "Grey's Anatomy" (2005)

Matthew Fox for "Lost" (2004)

Hugh Laurie for "House, M.D." (2004)

Wentworth Miller for "Prison Break" (2005)

Kiefer Sutherland for "24" (2001)

ATRIZ - DRAMA

Patricia Arquette for "Medium" (2005)

Glenn Close for "The Shield" (2002)

Geena Davis for "Commander in Chief" (2005)

Kyra Sedgwick for "The Closer" (2005)

Polly Walker for "Rome" (2005)

ATOR COADJUVANTE - MINISSÉRIE OU TELEFILME

Naveen Andrews for "Lost" (2004)

Paul Newman for Empire Falls (2005) (TV)

Jeremy Piven for "Entourage" (2004)

Randy Quaid for "Elvis" (2005) (mini)

Donald Sutherland for "Commander in Chief" (2005)

ATRIZ COADJUVANTE - MINISSÉRIE OU TELEFILME

Candice Bergen for "Boston Legal" (2004)

Camryn Manheim for "Elvis" (2005) (mini)

Sandra Oh for "Grey's Anatomy" (2005)

Elizabeth Perkins for "Weeds" (2005)

Joanne Woodward for Empire Falls (2005) (TV)

 



Escrito por Sérgio Dávila às 12h30
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

A lista completa - cinema

DRAMA

Brokeback Mountain

O Jardineiro Fiel

Good Night, and Good Luck.

Uma História de Violência

Match Point

MUSICAL OU COMÉDIA

Mrs. Henderson Presents

Pride & Prejudice

The Producers

A Lula e a Baleia

Walk the Line

ATOR - DRAMA

Russell Crowe for Cinderella Man

Philip Seymour Hoffman for Capote

Terrence Howard for Hustle & Flow

Heath Ledger for Brokeback Mountain

David Strathairn for Good Night, and Good Luck.

ATRIZ - DRAMA

Maria Bello for A History of Violence

Felicity Huffman for Transamerica

Gwyneth Paltrow for Proof

Charlize Theron for North Country

Ziyi Zhang for Memoirs of a Geisha

ATOR - MUSICAL OU COMÉDIA

Pierce Brosnan for The Matador

Jeff Daniels for The Squid and the Whale

Johnny Depp for Charlie and the Chocolate Factory

Nathan Lane for The Producers

Cillian Murphy for Breakfast on Pluto

Joaquin Phoenix for Walk the Line

ATRIZ - MUSICAL OU COMÉDIA

Judi Dench for Mrs. Henderson Presents

Keira Knightley for Pride & Prejudice

Laura Linney for The Squid and the Whale

Sarah Jessica Parker for The Family Stone

Reese Witherspoon for Walk the Line

ATOR COADJUVANTE

George Clooney for Syriana

Matt Dillon for Crash

Will Ferrell for The Producers

Paul Giamatti for Cinderella Man

Bob Hoskins for Mrs. Henderson Presents

ATRIZ COADJUVANTE

Scarlett Johansson for Match Point

Shirley MacLaine for In Her Shoes

Frances McDormand for North Country

Rachel Weisz for The Constant Gardener

Michelle Williams for Brokeback Mountain

DIRETOR

Woody Allen for Match Point

George Clooney for Good Night, and Good Luck.

Peter Jackson for King Kong

Ang Lee for Brokeback Mountain

Fernando Meirelles for The Constant Gardener

Steven Spielberg for Munich

ROTEIRO

Brokeback Mountain - Larry McMurtry, Diana Ossana

Crash - Paul Haggis, Robert Moresco

Good Night, and Good Luck. - George Clooney, Grant Heslov

Match Point - Woody Allen

Munich - Tony Kushner

MÚSICA ORIGINAL

Brokeback Mountain ("A Love That Will Never Grow Old")

Christmas in Love ("Christmas in Love")

The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe ("Wunderkind")

The Producers ("There’s Nothing Like a Show on Broadway")

Transamerica ("Travelin’ Thru")

TRILHA ORIGINAL

Brokeback Mountain - Gustavo Santaolalla

The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe - Harry Gregson-Williams

King Kong - James Newton Howard

Memoirs of a Geisha - John Williams

Syriana - Alexandre Desplat

FILME ESTRANGEIRO

Joyeux Noël (France)

Kung fu (Hong Kong)

Mo gik (China)

Paradise Now (Palestine)

Tsotsi (South Africa)



Escrito por Sérgio Dávila às 12h26
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Mas, graças ao IMDb...

 

Sempre confiável, a lista completa.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 12h21
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Enquanto isso, longe dali...

 

O site oficial dos tiozinhos do Globo de Ouro, http://www.hfpa.org/index/index.html, deu pau...



Escrito por Sérgio Dávila às 12h11
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

A lista quase completa do Globo de Ouro 2006

Melhor Filme (Drama)

Brokeback Mountain

The Constant Gardener

Good Night, and Good Luck

A History of Violence

Match Point

Melhor Filme (Musical)

Mrs. Henderson Presents

Pride & Prejudice

The Producers

The Squid and the Whale

Walk the Line

Melhor Diretor

Woody Allen, Match Point

George Clooney, Good Night, and Good Luck

Peter Jackson, King Kong

Ang Lee, Brokeback Mountain

Fernando Mereilles, The Constant Gardener

Steven Spielberg, Munich

Melhor Roteiro

Match Point

Good Night, And Good Luck

Crash

Munich

Brokeback Mountain

Melhor Ator (Drama)

Russell Crowe, Cinderella Man

Philip Seymour Hoffman, Capote

Terence Howard, Hustle and Flow

Heath Ledger, Brokeback Mountain

David Strathairn, Good Night, and Good Luck

Melhor Ator (Comédia)

Peirce Brosnan, The Matador

Jeff Daniels, The Squid and the Whale

Johnny Depp, Charlie and the Chocolate Factory

Nathan Lane, The Producers

Cillian Murphy,Breakfast on Pluto

Joaquin Phoenix, Walk the Line

Melhor Atriz (Comédia)

Judi Dench, Mrs. Henderson Presents

Keira Knightley, Pride & Prejudice

Laura Linney, Squid and the Whale

Sarah Jessica Parker, The Family Stone

Reese Witherspoon, Walk the Line

Melhor Atriz (Drama)

Maria Bello, A History of Violence

Felicity Huffman, Transamerica

Gwyneth Paltrow, Proof

Charlize Theron, North Country

Ziyi Zhang, Memoirs of a Geisha

 

Melhor Atriz Coadjuvante

Scarlett Johannsson, Match Point

Shirley MacLaine, In Her Shoes

Frances McDormand, North Country

Rachel Weisz, Contant Gardener

Michelle Williams, Brokeback Mountain

 

Melhor Ator Coadjuvante

George Clooney, Syriana

Matt Dillon, Crash

Wil Farrell, The Producers

Paul Giamatti, Cinderella Man

Bob Hoskins, Mrs. Henderson Presents

Melhor Filme Estrangeiro

Kung Fu Hustle

The Promise

Merry Christmas

Paradise Now

Tsotsi

 

Melhor Trilha Sonora

Syriana

King Kong

Brokeback Mountain

Chronicles of Narnia

Memoirs of a Geisha

 

(thanks to Marcelo Bernardes)



Escrito por Sérgio Dávila às 12h06
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Mais atrizes do Globo de Ouro

 

ATRIZES COADJUVANTES

Scarlett Johansson, "Match Point"

Shirley MacLaine, "In Her Shoes"

Frances McDormand, "North Country"

Rachel Weisz, "The Constant Gardener"

Michelle Williams, "Brokeback Mountain"



Escrito por Sérgio Dávila às 11h01
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Fernando Meirelles é um dos indicados ao Globo de Ouro


O Jardineiro Fiel e Fernando Meirelles estão nas categorias drama e diretor do Globo de Ouro 2006.


Melhor Drama

Brokeback Mountain, de Ang Lee
O Jardineiro Fiel, de Fernando Meirelles
Good Night, and Good Luck, de George Clooney
A History of Violence, de David Cronenberg
Match Point, de Woody Allen

Melhor Diretor:

Woody Allen, Match Point
George Clooney, Good Night, and Good Luck
Peter Jackson, King Kong
Ang Lee, Brokeback Mountain
Fernando Meirelles, O Jardineiro Fiel
Steven Spielberg, Munique

(Thanks to Marcelo Bernardes)

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h54
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Mais categorias do Globo de Ouro 2006

ATOR COADJUVANTE

George Clooney, "Syriana"

Matt Dillon, "Crash"

Will Ferrell, "The Producers"

Paul Giamatti, "Cinderella Man"

Bob Hoskins, "Mrs. Henderson Presents"

 

ROTEIRO ORIGINAL

"Syriana"

"King Kong"

"Brokeback Mountain"

"The Chronicles of Narnia"

"Memoirs of a Geisha"   



Escrito por Sérgio Dávila às 10h41
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Anthony Hopkins recebe prêmio por conjunto de obra

 

Anthony Hopkins, que já anunciou várias vezes que iria se aposentar, vai receber o prêmio Cecil B. DeMille por conjunto de obra. Os vencedores do Globo de Ouro serão anunciados em jantar no dia 16 de janeiro. No dia 31, é a vez de o Oscar anunciar seus indicados. A cerimônia de premiação acontece dia 5 de março, em West Hollywood, no Teatro Kodak.

 

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h33
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Os principais indicados ao Globo de Ouro 2006

 

Ainda o Globo de Ouro 2006:

FILMES

"Brokeback Mountain"

"Memoirs of a Geisha"

"Syriana"

"Munich"

"Walk the Line"

"Capote"

"Good Night, and Good Luck"

 

ATORES

Heath Ledger, "Brokeback Mountain"

Joaquin Phoenix, "Walk the Line"

David Strathairn, "Good Night, and Good Luck"

ATRIZES

Reese Witherspoon, "Walk the Line"

Felicity Huffman, "Transamerica"

Ziyi Zhang, "Memoirs of a Geisha"

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h26
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Outro blog bom

 

Outro blog bom é este, do meu amigo The Force, expert em cinema.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 16h47
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Bruna surfistinha - versão brasileira 2

Marcelo Duarte achou que o livro seria popular entre os homens, mas ele não imaginava que a história de uma prostituta faria tanto sucesso entre as mulheres.

Mas Rosely Sayão, psicóloga que estuda o comportamento sexual, diz que a popularidade do livro entre as mulheres faz sentido.

"A idéia de uma garota de programa, de uma prostituta, é algo que provoca a fantasia das mulheres", disse ela. "As mulheres querem ser uma amante para seus parceiros, e na mente de muita gente, uma prostituta é alguém que sabe como ser a amante perfeita."

O livro também provocou interesse no exterior. Duarte está negociando publicá-lo em Portugal e na Espanha, e está estudando ofertas de vender os direitos para transformar o livro em filme.

Essa possibilidade fez com que um site perguntasse aos leitores em uma pesquisa quem deveria interpretar Raquel na telona. A atriz que mais foi votada foi Mel Lisboa, que ganhou fama ao interpretar na minissérie "Presença de Anita" uma ninfeta que seduzia um homem mais velho.

Com dinheiro na conta do banco e um best-seller no currículo, Raquel diz que pretende terminar o colegial e entrar em uma faculdade de psicologia. Ela também quer encontrar um emprego, mas teme ter dificuldades em ser contratada por causa do seu passado.

"Não sei se serei aceita", disse. "Embora não seja mais uma prostituta, aos olhos de muita gente, ainda sou."



Escrito por Sérgio Dávila às 16h37
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Bruna Surfistinha - versão brasileira 1

12/12/2005 - 15h17
Bruna Surfistinha vira best-seller contando vida de prostituta

Por Todd Benson

SÃO PAULO (Reuters) - Há apenas dois meses, Raquel Pacheco ganhava a vida como uma garota de programa de luxo, atendendo até cinco homens por dia em um flat de um bairro chique de São Paulo. Na época, ela era conhecida por seu nome de guerra, Bruna Surfistinha.

Desde então, ela deixou o negócio e se transformou em uma escritora best-seller, que passa os dias correndo de entrevista para entrevista, promovendo seu livro no rádio e aparecendo em talk-shows no fim da noite na televisão.

Seu livro, "O Doce Veneno do Escorpião: o Diário de uma Garota de Programa", nasceu de um blog (http://www.brunasurfistinha.com) e virou um acerto de contas detalhado dos três anos que Raquel, 21 anos, passou vendendo seu corpo por dinheiro.

Escrito na gíria de uma adolescente paulista de classe média, o livro mistura passagens de quando Raquel ainda vivia com seus pais e de quando virou Bruna Surfistinha. No final, ainda há dicas para os leitores que quiserem apimentar suas vidas sexuais.

Em apenas um mês, vendeu cerca de 30 mil cópias e já está na terceira edição. Também conseguiu ficar na terceira posição da lista dos mais vendidos em não-ficção, ao lado de best-sellers internacionais como "Freakonomics", de Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner.

O sucesso do livro foi uma surpresa para Raquel, que caiu na vida depois de ter fugido de casa quando tinha 17 anos. Hoje ela mora com seu namorado, um ex-cliente.

"Achei que as pessoas ficariam curiosas, não necessariamente sobre a minha vida, mas sobre a vida de uma garota de programa", disse. "Mas não achei que a reação seria assim. Nunca achei que ficaria famosa."

DO BLOG PARA O LIVRO

Raquel já flertava com a fama antes de lançar seu livro. Solitária e ansiosa para desabafar, ela começou a escrever sobre suas experiências com clientes em um blog que ficou tão popular que foi retratado em várias revistas. Hoje, o blog raramente fala sobre sexo e, ainda assim, recebe cerca de 20.000 visitas por dia.

Foi o blog que atraiu os editores. Raquel tinha dito no site que estava escrevendo um livro. Ela rejeitou três ofertas para colocar sua história no papel, antes de fechar com uma pequena editora chamada Panda Books, que contratou um jornalista para ajudá-la a organizar suas idéias.

"Assim que comecei a ler o blog, fui fisgado", disse Marcelo Duarte, editor do livro. "Tinha todos os ingredientes de uma boa novela -- drama familiar, histórias de amor e muito sexo."

 



Escrito por Sérgio Dávila às 16h37
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Bruna Surfistinha na Reuters - foto

 

A foto:


Former Brazilian prostitute Raquel Pacheco poses for Reuters in Sao Paulo, December 7, 2005. REUTERS/Paulo Whitaker



Escrito por Sérgio Dávila às 16h18
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Deu Bruna Surfistinha até na Reuters

Tá la, na seção "Oddly Enough News" (notícias esquisitas), da agência de notícias, com direito a foto e tudo:

 
  Print this article Close This Window
Prostitute tells all in Brazilian bestseller
Mon Dec 12, 2005 1:42 PM GMT

By Todd Benson

SAO PAULO, Brazil (Reuters) - Just two months ago, Raquel Pacheco was making a living as a high-end call girl, turning tricks with up to five men a day in an apartment in a swank neighbourhood of Sao Paulo, Latin America's financial hub.

Back then she went by her nom de guerre, Bruna Surfistinha, or Bruna the Surfer Girl. She has since left the business and become a best-selling author who spends her days rushing to interviews, promoting her book on the radio and appearing on late-night TV talk shows.

Her book, "The Sweet Venom of the Scorpion: The Diary of a Call Girl," is a vivid account of the three years that the 21-year-old Pacheco spent selling her body for money. Written in the slang of a middle-class teen-ager from Sao Paulo, it is part diary, part blog and even offers how-to tips for readers looking to spice up their sex lives.

In just over a month, it has sold some 30,000 copies and is already in its third edition -- a huge success in a country where only a fraction of the population reads books. It also ranks third on Brazil's bestseller list for nonfiction books, neck and neck with international hits like "Freakonomics" by Steven D. Levitt and Stephen J. Dubner.

Though Brazil is the world's largest Roman Catholic country, sex is far from a taboo subject. Brazilians of all social classes frequently flaunt their sexuality, donning skimpy clothing even in formal settings. X-rated magazines hang in plain sight at newsstands. The government distributes free condoms as part of its AIDS prevention program. And prostitution is legal, although pimping is not.

Still, the book's success was a surprise to Pacheco, who turned to prostitution after running away from home when she was 17 and now lives with her boyfriend, a former customer.

"I thought people would be curious, not necessarily about my life, but about the life of a call girl," she said. "But I didn't think the reaction would be like this. I never thought I would be famous."

FROM BLOG TO BOOK

In truth, Pacheco was already flirting with fame before her book. Lonely and eager to vent, she started writing about her experiences with customers in a blog that became so popular it was profiled in several Brazilian magazines. These days the site (http://www.brunasurfistinha.com/blogs/) rarely focuses on sexual escapades, but it still gets about 20,000 hits a day.

It was the blog that drew publishers to Pacheco, who had boasted on the site that she was writing a book. She rejected three offers to put her story in print before finally signing with a small publishing house called Panda Books, which hired a journalist to help her organise her ideas into a book.

"Once I started reading the blog, I was hooked," said Marcelo Duarte, the book's publisher. "It had all the ingredients of a good soap opera -- family drama, love stories and lots of sex."

Duarte thought it would be popular with men, but he did not imagine that the story of a prostitute would be such a big hit with women, who have been buying the book in droves.

O resto aqui.



Escrito por Sérgio Dávila às 16h17
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Hollywood x Jornalistas

 

O papel do jornalista e da imprensa em geral fica abaixo da mosta da ..... do cavalo do bandido em Hollywood. Basta ver dois exemplos recentes, o último filme da série Harry Potter e Batman Begins. Mas 2005 tem três notáveis exceções: "Good Night, and Good Luck", "Capote" e o "nosso" "O Jardineiro Fiel". Este é o tema pertinente da coluna sobre mídia de David Carr no "NYTImes".



Escrito por Sérgio Dávila às 11h22
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Primeiras fotos de "11/9" de Oliver Stone

Oliver Stone começa a construir seu "Ground Zero" em Los Angeles para o filme sobre 11 de Setembro que vai dirigir. A reportagem está no NYTimes de hoje. As primeiras fotos impressionam.



Escrito por Sérgio Dávila às 10h52
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Old Blue Eyes

 

Frank Sinatra (1915-1998) faria aniversário hoje.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 09h56
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Acharam o piadista da Wikipedia

 

É Brian Chase o autor do trote aplicado num jornalista na Wikipedia, que noticiei na coluna Outra América, da Revista da Folha de ontem. Ele pediu desculpas hoje.



Escrito por Sérgio Dávila às 09h40
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

TV da Gente na AP

 

A Associated Press descobre a "TV da Gente", de Netinho.

 



Categoria: Li e gostei
Escrito por Sérgio Dávila às 09h31
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Tem também os dez melhores da TV em 2005

 

Aí, já não concordo 100%... Com a exceção de "House", a melhor série de TV no ar hoje em dia, ainda em sua primeira temporada no Brasil.

24

BATTLESTAR GALACTICA

DEADWOOD

GREY'S ANATOMY

HOUSE

LOST

RESCUE ME

SLEEPER CELL

SOMETIMES IN APRIL

VERONICA MARS

 



Escrito por Sérgio Dávila às 09h29
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Os dez melhores de 2005, segundo o AFI

 

O renomado American Film Institute anuncia os dez melhores de 2005. Finalmente, uma lista de quem entende do assunto:

''Munich'', o novo de Steven Spielberg

''Syriana'', do mesmo roteirista de "Traffic", para mim o melhor

o western gay ''Brokeback Mountain'', de Ang Lee, uma bela história de amor

a grande cinebiografia ''Capote'', que deve valer o Oscar a Philip Seymour-Hoffman

a subestimada comédia ''The 40-Year-Old Virgin''

o arrasa-quarteirão ''King Kong''

''Crash'', o melhopr filme nas telas brasileiras

''Good Night, and Good Luck'', grande acerto de George Clooney, embora específico demais

''The Squid and the Whale'', independente dirigipo pelo marido de Jennifer Jason-Leigh que está ganhando lista após lista

''A History of Violence'', Cronenberg em excelente forma.

Irretocável.

 

 



Escrito por Sérgio Dávila às 09h27
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

"Variety" começa a soltar suas apostas ao Oscar 2006

 

A Variety, a "bíblia" da indústria cinematográfica, começa a soltar suas apostas para o Oscar 2006. Começou com as mulheres:

ATRIZES

Toni Collette, "In Her Shoes"
Judi Dench, "Mrs. Henderson Presents"
Felicity Huffman, "Transamerica"
Q'orianka Kilcher, "The New World"
Keira Knightley, "Pride & Prejudice"
Gwyneth Paltrow, "Proof"
Sarah Jessica Parker, "The Family Stone"
Charlize Theron, "North Country"
Reese Witherspoon, "Walk the Line"
Ziyi Zhang, "Memoirs of a Geisha"
Claire Danes, "Shopgirl"
Cameron Diaz, "In Her Shoes"

ATRIZES - ZEBRAS
Joan Allen, "The Upside of Anger"
Julianne Moore, "The Prize-winner of Defiance, Ohio"
Natasha Richardson, "The White Countess"
Meryl Streep, "Prime"
Tilda Swinton, "The Chronicles of Narnia"
Renee Zellweger, "Cinderella Man"

ATRIZES COADJUVANTES
Maria Bello, "A History of Violence"
Sandra Bullock, "Crash"
Scarlett Johansson, "Match Point"
Diane Keaton, "The Family Stone"
Catherine Keener, "Capote"
Gong Li, "Memoirs of a Geisha"
Shirley MacLaine, "In Her Shoes"
Frances McDormand, "North Country"
Rachel Weisz, "The Constant Gardener"
Michelle Williams, "Brokeback Mountain"
Amy Adams, "Junebug"
Rachel McAdams, "The Family Stone"
Thandie Newton, "Crash"
Michelle Yeoh, "Memoirs of a Geisha"

ATRIZES COADJUVANTES - ZEBRAS
Brenda Blethyn, "Pride & Prejudice"
Hope Davis, "Proof"
Rosario Dawson, "Rent"
Anne Hathaway, "Brokeback Mountain"
Taraji P. Henson, "Hustle & Flow"
Jessica Lange, "Broken Flowers"
Laura Linney, "The Squid and the Whale"
Emily Mortimer, "Match Point"
Sissy Spacek, "North Country"
Uma Thurman, "The Producers"



Escrito por Sérgio Dávila às 09h21
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

De Billy Elliot a King Kong

São Paulo, segunda-feira, 12 de dezembro de 2005

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

CINEMA

Quem tem um sonho não dança

SÉRGIO DÁVILA
ENVIADO ESPECIAL A NOVA YORK

Esse carinha de cabelo espetado, jeans rasgado, cinto de corrente, olhos azuis e cara de bebê não é estranho, por mais que se esforce em trabalhar numa "atitude", em ter, se não fama, pelo menos cara de mau. Puxando pela memória, era o grumete de "King Kong", não era?, o filme-evento da sexta retrasada, que vi num cinema do Upper West Side, em Manhattan, que me dá entrevista agora, com outros dois atores do elenco?
Era. Acabo de perguntar sobre a bonita relação pai-filho que ele, como o ex-pivete "Jimmy", desenvolve com o ator negro Evan Parke, que interpreta "Hayes", um dos comandantes do navio-expedição que parte em busca da ilha do gorilão. Então, cai a ficha. "Jimmy" foi "Billy Elliot", o menino-título do filme, que só queria dançar e ser feliz. É o ator britânico Jamie Bell, 19.
De repente, uma luz vermelha acende no fundo do cérebro e faz a sinapse: pai-"Billy Elliot"-assunto delicado. Jamie Bell vem de uma família de dançarinas amadoras, avó, mãe, irmã e uma das tias, e foi ele próprio um dançarino, descoberto em testes pelo diretor Stephen Daldry, de "Billy Elliot", e depois "adotado" pelo britânico, um pouco como aconteceu com Hector Babenco e Fernando Ramos da Silva (1967-1987) no pungente "Pixote -A Lei do Mais Fraco".
Teve final feliz, diferentemente do brasileiro. Mas nunca conheceu seu próprio pai. Ele olha para o chão. "Não, não diria que é uma relação de pai e filho, mas de amigos", responde o ator ao repórter da Folha. "De amigos que confiam um no outro, mesmo com a diferença de idade, a diferença de cor, a diferença de cargos no navio. Não, não vejo nenhuma relação paterna aí."
Jamie Bell nasceu em Billingham, cidade rica em refinarias de petróleo e pobre em beleza, que se prepara agora para sediar a maior fábrica de biodiesel do mundo. Desde "Billy Elliot", já trabalhou com diretores como Thomas Vintenberg (em "Dear Wendy", em cartaz em São Paulo), produtores como Terrence Mallick (em "Contra Corrente") e filmes como "Nicholas Nickleby", num total de cinco longas.
"Estou acabando agora "Flags of Our Fathers" (as bandeiras de nossos pais), com o Clint", diz ele, sem pretensão. Clint, no caso, é Clint Eastwood, o próprio, e o filme conta a história dos seis soldados que fincaram a bandeira norte-americana depois de vencida a Batalha de Iwo Jima, no monte Suribachi da ilha homônima do Pacífico, um episódio decisivo da Segunda Guerra.
Seu papel em "King Kong" não existia no roteiro original, de 1933. "Foi especialmente escrito por Pete [Peter Jackson, o diretor do filme] e Fran [Walsh, mulher de Jackson e co-roteirista] para dar um toque humano no meio de tanta ação", revela o menino.
Que não gosta de ser chamado de menino. E, sinceramente, anda meio de saco cheio de ser o eterno Billy Elliot. "Não me entenda mal, eu me orgulho daquele papel e sei que a tendência é me ligarem à minha primeira aparição no cinema, mas eu fiz outras coisas depois, porra!"
E fará outras mais, aparentemente. Para o ano que vem, está previsto o próximo filme em que interpretará o papel principal desde... Bem, desde "Billy Elliot". É "Hallam Foe", dirigido por David Mackenzie, com roteiro baseado no romance de Peter Jinks, sobre um adolescente que desconfia que sua madrasta (Tilda Swilton) foi a responsável pela morte de sua mãe -e se apaixona por ela pelas vias do voyeurismo.
Quando está filmando gosta de: "Jogar PlayStation; sair com amigos; e escrever roteiros, nessa ordem". Escrever roteiros? "Já escrevi dezenas. Talvez mostre um ao Stephen (Daldry). O mais recente é um sobre um cara cujo melhor amigo vai à guerra, morre e volta como um espírito, para se comunicar com ele." Um drama com toques sobrenaturais? "Não, um musical, na verdade. Os mortos todos dançam."
Uma vez Billy Elliot...




Escrito por Sérgio Dávila às 09h09
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Medeio debate sobre dez anos de "Terra Estrangeira" hoje

São Paulo, segunda-feira, 12 de dezembro de 2005

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

EVENTO

Sessão celebra dez anos do filme, relançado em DVD

Encontro debate "Terra Estrangeira" e "país das oportunidades perdidas"

EDUARDO SIMÕES
DA REPORTAGEM LOCAL

A Folha e a VideoFilmes realizam hoje, às 20h, no Espaço Unibanco, em São Paulo, uma sessão especial de "Terra Estrangeira", que em 2005 completa dez anos de sua estréia. Após a exibição, os diretores do filme, Walter Salles e Daniela Thomas, participarão de um debate com o público, mediado por Sérgio Dávila, repórter especial da Folha. Na pauta, a atualidade do longa-metragem, que retrata a falta de perspectivas do Brasil no início da era Collor.
"Algumas questões me parecem tão vivas hoje quanto há dez anos. A mais importante: que país queremos ser?", pergunta-se Salles.
"Continua-se com a impressão de que o Brasil é um país que deve e merece ser reinventado. Avançamos desde o desgoverno Collor? É claro que sim, mas ainda falta um projeto que mexa a fundo, de verdade, com o país. Ainda somos o país das oportunidades perdidas", conclui o diretor.
No filme, cujo DVD é lançado este mês (VideoFilmes, R$ 52,90), o estreante em longas Fernando Alves Pinto faz Paco, jovem que, em 1990, após o anúncio do Plano Collor e a morte da mãe, aceita transportar uma encomenda suspeita em troca de uma passagem para Portugal. Lá, seu destino se cruza com o de Alex (Fernanda Torres), uma brasileira também às voltas com perda e desilusão.
O DVD traz, entre os extras, um curta-metragem de Thomas e um documentário com depoimentos dos diretores, do fotógrafo Walter Carvalho e dos atores.
O documentário também mostra imagens de bastidores da produção, em que a palavra-chave, como ressalta Thomas, foi a "permeabilidade" do roteiro, que permitiu a inclusão da música "Vapor Barato" na trilha sonora, fruto da sintonia de Fernanda Torres com seu personagem e a história.
"Algo coagulou ali, sentiu-se na veia que o exílio político dos anos 70 tinha uma conexão com o exílio econômico dos anos 90. E tão importante quanto o "Vapor Barato" foi a trilha maravilhosa criada por Zé Miguel Wisnik para "Terra", que deu sentido ao filme como um todo", diz Salles.


Terra Estrangeira
Quando:
hoje, às 20h (entrada franca; senhas distribuídas a partir das 19h30)
Onde: Espaço Unibanco (r. Augusta, 1475, Cerqueira César, São Paulo, tel.: 0/xx/11/ 3288-6780)


Escrito por Sérgio Dávila às 09h03
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

As melhores idéias do ano, segundo a revista do NYT

 

Pela quinta vez consecutiva, a revista dominical do "The New York Times" elege as melhores idéias do ano. Para mim, uma das melhores é a "folksonomy".

The Year in Ideas
The Year in Ideas
This issue marks the fifth anniversary of what is becoming a venerable tradition at the magazine: The Year in Ideas.




Categoria: Li e gostei
Escrito por Sérgio Dávila às 12h55
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Novo atlas

 

Eis o mapa da Terra, se fosse feito de acordo com o tamanho das populações, segundo a odt.org, que lida com e vende mapas:



Escrito por Sérgio Dávila às 12h28
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

A minha conclusão

 

O cara não assistia a "Syriana" nem a "O Jardineiro Fiel", de Fernando Meirelles. E não digo isso porque o diretor é brasileiro, não --é que os críticos norte-amerianos geralmente só olham para o que vem prontinho e embalado de Hollywood.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 12h23
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

As melhores atrizes

1. JUDI DENCH, "Mrs. Henderson Presents." A delight as a deliciously imperious dowager.
2. VERA FARMIGA, "Down to the Bone." A revelation as a working-class junkie struggling to get clean.
3. CONNIE NIELSEN, "Brothers." Brilliant as a Danish soldier's conflicted wife.
4. NAOMI WATTS, "King Kong." Who else could really sell this interspecies love story?
5. REESE WITHERSPOON, "Walk the Line." Hard to believe she's not really a Nashville star.

 



Categoria: Li e gostei
Escrito por Sérgio Dávila às 12h22
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Os melhores atores

1. JEFF DANIELS, "The Squid and the Whale." Pitch-perfect as a vain, self-absorbed novelist.
2. DANIEL DAY-LEWIS, "The Ballad of Jack and Rose." The last angry gasp of a '60s radical.
3. PHILIP SEYMOUR HOFFMAN, "Capote." The artist as Judas.
4. HEATH LEDGER, "Brokeback Mountain." A career-changing change of pace as a gay cowboy.
5. DAVID STRATHAIRN, "Good Night, and Good Luck." Channeling Edward R. Murrow's fierce integrity.



Categoria: Li e gostei
Escrito por Sérgio Dávila às 12h21
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Os dez melhores, segundo a Newsweek

 

De acordo com o gosto de David Ansen, o crítico da revista, de gosto nem sempre muito confiável.

2005's Top 10 Movies
1. HEAD-ON: A rough German masterpiece about two lost Turks transformed by love.
2. GOOD NIGHT, AND GOOD LUCK: Clooney's stunning, stirring tribute to a brave journalist.
3. KINGS AND QUEEN: Exhilaratingly unpredictable French gem about the havoc wreaked by a bourgeois femme fatale.
4. BROKEBACK MOUNTAIN: Ang Lee's devastating gay love story of the New West. A watershed.
5. THE BEST OF YOUTH: This Italian epic follows two brothers from '66 to now. It's six hours. You don't want it to end.
6. CAPOTE: Smart, unblinking portrait of a charming, ruthless genius.
7. CACHÉ: This chillingly ambiguous thriller shows a French couple under siege. Is the enemy without or within?
8. MUNICH: Spielberg's tense, disturbing study of terrorism and reprisal.
9. THE SQUID AND THE WHALE: Painfully funny comedy of a bookish family's self-destructing.
10. A HISTORY OF VIOLENCE: Small-town hero or savage gangster? Cronenberg's tight, provocative teaser.



Categoria: Li e gostei
Escrito por Sérgio Dávila às 12h20
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

O filmes mais frustrantes de 2005

 

Os cinco filme mais frustrantes de 2005, segundo a Newsweek:

1. ELIZABETHTOWN: Cameron Crowe goes tone deaf in this limp love story.
2. MEMOIRS OF A GEISHA: Sayonara, authenticity. A sumptuous but silly vulgarization of the novel.
3. KINGDOM OF HEAVEN: Who'd have guessed the director of "Gladiator" could make the Crusades dull?
4. BEE SEASON: A miscast and humorless mangling of the book.
5. 9 SONGS: It was touted as a breakthrough: real sex in a real movie with real actors! And it was really boring!



Categoria: Li e gostei
Escrito por Sérgio Dávila às 12h18
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

As melhores fotos na Time

 

Já a Time traz as melhores fotos de 2005.

Cover



Categoria: Li e gostei
Escrito por Sérgio Dávila às 12h17
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Bush na bolha

 

Bush, o Lula norte-americano, é o tema da capa da Newsweek de amanhã. Ele vive numa bolha, defende a revista, num mundo todo próprio, protegido por assessores que filtram a realidade e estimulado por ele mesmo. Alguém lembrou de alguém?



Categoria: Li e gostei
Escrito por Sérgio Dávila às 12h07
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]



Categoria: Li e gostei
Escrito por Sérgio Dávila às 11h57
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

New York Times começa blogs

 

O jornal "The New York Times", um dos maiores dos EUA e o mais influente do planeta, liberou alguns de seus jornalistas para fazer blogs (muito na linha do que já havia feito aqui jornais como a Folha, com Josias de Souza, e outros). Segundo o editor-chefe do diário, é para atingir os "leitores cada vez mais sofisticados", que exigem o blog. E não é que o primeiro a estrear é justamente sobre cinema, como este que você visita agora? Chama-se Carpetbagger e é assinado por David Carr, que foi liberado de escrever para o papel e se dedicar só ao online. Como diria Bob Dylan, The Times, they are a-changin'...

 

 



Escrito por Sérgio Dávila às 11h37
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Coluna Outra AMérica de hoje


11/12/2005

 
Os 'hackers da notícia'

Acabo de voltar de algumas horas em Nova York. O suficiente para "pescar" no ar o efeito nocivo que a "plantação" na mídia iraquiana de notícias positivas aos Estados Unidos por uma empresa contratada pelo Pentágono causou. O descrédito em relação ao que se lê na mídia do país (os EUA, não o Iraque) é geral e preocupante.

Junte a isso os recentes episódios em que a relação imprensa-governo americano saiu chamuscada --falsos jornalistas credenciados pela Casa Branca, os fiascos de Judith Miller, do "New York Times", e Bob Woodward, do "Washington Post"--, e você tem no público a (falsa) noção de que "é tudo a mesma coisa", governo, imprensa, notícias falsas...

Não é, mas a blogosfera ajuda a reforçar esta impressão. O que existe de diário virtual no ar com pretensões jornalísticas, mas uma agenda específica e nunca revelada ao internauta, que compra gato (notícia) por lebre (opinião, muitas vezes paga), é uma grandeza. Há também informação de má qualidade, pura e simplesmente: pessoas que acham que jornalismo é saber escrever.

Mas talvez a categoria mais perniciosa seja a dos "hackers da notícia" (o termo não existe). São sujeitos que aproveitam fóruns abertos de informação, como os dados do banco ImDB, o maior de cinema do mundo, ou da Wikipedia, a maior enciclopédia do gênero, para colocar ali suas vinganças pessoais, seus recalques, seus trocos a figuras públicas. Um caso da Wikipedia na semana passada é exemplar.

No verbete da biografia de John Seigenthaler Sênior, 78, ex-editor do jornal "The Tennessean", de Nashville, ficou escrito por dias que foi "suspeito de participar do assassinato tanto de John F. Kennedy quanto de seu irmão, Robert Kennedy" (respectivamente presidente e secretário de Justiça dos EUA), "mas nada ficou provado". Mentira, é claro.

Risível, até, mas ficou como verdade por vários dias, para quem quisesse consultar. Até que alguém topou com o verbete, mandou ao próprio Seigenthaler, que tentou ir atrás de quem lhe pregou a peça. Impossível. Qualquer um pode contribuir com a Wikipedia. Basta abrir uma conta usando dados falsos, que não são conferidos. Nem e-mail é pedido.

O jornalista exigiu que a empresa telefônica que aluga a conexão ao pregador de trote desse o nome de seu assinante. Só com ordem judicial, respondeu a tele, que não foi dada, pois a Wikipedia permite que os artigos sejam corrigidos assim que um erro factual é detectado. Seigenthaler se irritou e escreveu no "USA Today", contando a história toda.

No dia seguinte, seu verbete na Wikipedia estava de novo pichado pelos hackers, dizendo que ele era homofóbico e racista. De novo foi corrigido. "Agora, imagine no ano que vem, quando teremos eleições para o Congresso, o que os vândalos podem fazer com a biografia dos candidatos", escreveu Seigenthaler. A partir da polêmica, a Wikipedia anunciou que terá mais controle sobre seus colaboradores.

Enquanto isso, o melhor mesmo é ficar com o novo lançamento dos rapazes da "Onion", revista especializada em notícias falsas, uma sucessora do brasileiro "Planeta Diário" (que se juntaria com a "Casseta Popular", ambos impressos, e viraria o programa humorístico de sucesso da Globo). Eles acabam de colocar nas livrarias "Embedded in America -- The Onion Complete News Archives Volume 16" (Embutido na América -- Os Arquivos Noticiosos Completos da "Onion").

Uma das manchetes: "Bush anuncia que nomeará alguém para comandar o país". Já não era sem tempo.

* * * *

De novo, viagem, de novo, constrangimento (sou um quádruplo "S", de "security", ou seja, estou na lista negra das empresas aéreas). Mas um leitor, cuja identidade protejo, me suplantou em sofrimento: tem seis "S". Em sua última viagem, foi levado a uma espécie de câmera de sucção e, seminu, viu o aparelho ser ligado, em busca de resíduos de drogas ou explosivos. Não acharam nada, mas perderam um cliente. Depois reclamam que as aéreas estão falindo...



Categoria: Eu na Folha e na Revista
Escrito por Sérgio Dávila às 11h21
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

A noite da Barra Funda

MUDANÇA DE RUMO

Bares como Casa Belfiori, Berlin e D-Edge fazem fervilhar bairro que já abrigou o Radar Tantã e o Projeto SP


Noite da Barra Funda revê pico dos anos 80

SÉRGIO DÁVILA
DA REPORTAGEM LOCAL

Cazuza está no banheiro do Radar Tantã cheirando cocaína. É 1985. O resto dos integrantes do Barão Vermelho bate na porta para que ele saia e venha cantar para uma multidão cada vez mais ansiosa. Ele não responde, ou responde com frases desconexas.
Até que Roberto Frejat, seu parceiro, perde a paciência e empurra com força a porta. Esta cede e atinge o músico, que começa a sangrar. Os mais novos devem se lembrar da cena da cinebiografia "O Tempo Não Pára", de 2004.
Sofia Carvalhosa lembra-se por ter estado lá. Foi quem levou Cazuza (1958-1990) ao hospital. "Fomos ao pronto-socorro de fraturas da Lapa", diz. Então com 24 anos, a assessora de imprensa era hostess do Radar Tantã. "Hostess, produtora cultural, assessora."
"Tudo" acontecia na "danceteria" (equivalente histórico a "club") da Barra Funda, que reunia de anônimos ao restaurateur Rogério Fasano, de futuros alguéns ao designer Carlos Mota.
A vida noturna do bairro paulistano vem em ondas como o mar da poesia de Vinicius de Moraes (1913-1980). A mais importante é do meio dos anos 80, quando o Radar Tantã foi inaugurado e era o farol, seguido depois pela segunda versão do Projeto SP.
A atual tem como centro a Casa Belfiori, também conhecida como Porcão ou Bar do Rock, ao redor do qual orbitam o Berlin e o D-Edge. A diferenciar os momentos, o fato de que o atual mostra-se mais longevo e se move mais ao centro da Barra Funda -o da década retrasada foi efêmero e englobava também nacos do Bom Retiro e outros bairros-limítrofe.
Ninguém sabe dizer o motivo de tal renascimento e longevidade -assim como não há teorias sobre o porquê de, de tempos em tempos, a zona central ser "redescoberta" pela noite. Cansaço dos bares e bairros da moda, talvez.
O resto aqui.



Categoria: Eu na Folha e na Revista
Escrito por Sérgio Dávila às 11h20
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

"Brokeback Mountain" sai na frente na corrida ao Oscar 2006

 

O western "Brokeback Mountain", de Ang Lee, exibido aqui em SP na Mostra de Cinema, sai na frente na corrida pelo Oscar 2006. Acaba de ser escolhido o melhor filme pela Associação de Críticos de Los Angeles --que escolheu também Lee como melhor diretor. E não é que o Oscar 2006 vai ser gay?

 



Escrito por Sérgio Dávila às 23h45
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Atriz de "Diários de Motocicleta" em clipe de Prince

 

Mia Maestro, a namorada do jovem Ernesto Guevara no filme "Diários de Motocicleta" (2004), do brasileiro Walter Salles, aparecerá no novo clipe da música de trabalho do novo álbum de Prince, a se chamar "3121". A música que virará clipe no qual a atriz argentina aprecerá é "Te Amo Corazón", e o vídeo serpa dirigido pela também atriz mexicana Salma Hayek. O CD está programado para o ano que vem.

 

Não é a primeira aparição de Maestro em "Hollywood". Desde a fama de "Diários", a Argentina já apareceu na série "Alias", como "Nadia Santos", a meia-irmã argentina de Sydney (Jennifer Garner). Ela e Salma são amigas --Mia já trabalhou em quatro filmes com a mexicana, inclusive "Frida".  

 



Escrito por Sérgio Dávila às 21h29
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Salam Pax volta a blogar

 

Depois de um hiato de mais de um ano --seu último post é de 18 de agosto de 2004, Salam Pax volta a blogar. O primeiro texto está aqui, na coluna de blogs do jornal londrino "The Guardian". E ele volta falando das eleições iraquianas, que acontecem na semana que vem, para variar com a acidez e elegância de sempre. Um trecho:

"Just one more week. The last couple of metres before the finish line and this means it’s down to biting and hair pulling; everybody is shouting, “No fair!” What started with ripping your opponents’ posters or just pasting yours over theirs has developed into public display of the others’ dirty laundry. I bet that after Mr Caveman found out how useful a sharp pointy stick is to kill an animal he tried it on his fellow cavemen. Politicians are just like that with freedom of speech. It’s lovely to have the right to speak your mind until someone says something nasty about you."

Já escrevi sobre ele aqui. Meu colega Bruno Saito o entrevistou aqui.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 20h14
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Morre Richard Pryor

 

Um minuto de silêncio por Richard Pryor, comediante negro que foi o pai de Eddie Murphy, Chris Rock, Chris Tucker, David Chapelle e tantos outros, que acaba de morrer em decorrência da esclerosa múltipla que o atacava havia anos. Ele tinha 65 anos e teve um infarto. Entre seus filmes, diversas parcerias com o comediante branco Gene Wilder. Se der, alugue seus especiais na HBO nos anos 70, imperdíveis.

Comediante entrou para o Hall da Fama e ganhou o prêmio da Associação Nacional para o Avanço da Imagem das Pessoas de Cor. Foto: Reuters

 



Escrito por Sérgio Dávila às 19h48
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Minha crítica de "Nárnia"

Catequismo pontua o livro e o filme

SÉRGIO DÁVILA
DA REPORTAGEM LOCAL

"As Crônicas de Nárnia: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa" é Hollywood juntando a fome, a vontade de comer e a criança esfaimada. A fome é a carência absoluta de roteiros originais: mais da metade dos dez filmes com maior bilheteria de 2005 até agora são seqüências, refilmagens, adaptações de livros, quadrinhos ou videogames. A vontade de comer é o imenso público disposto a consumir produtos já conhecidos, que ofereçam pouco risco, diversão segura e o efeito comparativo "é melhor/igual/ pior que o livro/original/etc.".
Já a criança esfaimada é problema deste filme. Depois de "A Paixão de Cristo", de Mel Gibson, o cinema mainstream acordou para a guinada à direita que a platéia religiosa norte-americana havia dado sob o George Bush pós-11 de Setembro. Era preciso um "Harry Potter" do bem, um "Senhor dos Anéis" não-laico. Sai da gaveta o britânico C.S. Lewis, que aliás foi colega de classe em Oxford de J.R.R. Tolkien, que o achava muito carola, segundo relatos da época de amigos dos dois -Lewis, de volta, achava Tolkien "complicado" demais, com seus atlas, suas terras e seus nomes.
"As Crônicas de Nárnia", em geral, nada mais são do que uma adaptação da Bíblia, mormente o "Novo Testamento", para crianças. Adaptação competente e imaginosa, com elementos novos, atraentes, mas com o livro sagrado como fonte inegável. Assim, o leão Aslan (Liam Neeson na voz original) é Jesus Cristo, a Feiticeira Branca é o anjo caído e assim por diante. Nenhum problema nem juízo de valor, fosse tudo feito às claras.
Não é. E diz o contrato social atual que devem ser catequizados somente os que escolhem ser, não os que são levados às escuras.
Dito isso, do ponto de vista estritamente cinematográfico, o diretor, Andrew Adamson, em atuação pendular depois dos idiossincráticos "Shrek 1" e "Shrek 2", faz um trabalho competente, ajudado pelo tripé cenário-figurino-efeitos especiais, impecável. O elenco infantil também não decepciona, mesmo para quem, como este crítico, acredita que a legislação trabalhista brasileira devesse ser aplicada também a Hollywood: criança com menos de 14 anos não trabalha, estuda. Já o elenco adulto é liderado pela excelente Tilda Swilton (a feiticeira) e o versátil Jim Broadbent (como o professor amalucado, dono da casa em que fica o armário).
Um detalhe irrita, pelo menos na cópia assistida pela Folha: a dublagem brasileira é feita seguindo os cânones do padrão Jardim Botânico de sotaque, ou seja, em carioquês. Assim, o espectador ouve meninos e meninas supostamente britânicos chiando mais que chaleira e dizendo "míssi", em vez de "miss"...


As Crônicas de Nárnia: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa
The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe
  
Direção: Andrew Adamson
Produção: EUA, 2005
Com: Tilda Swinton, Jim Broadbent, Georgie Henley, Skandar Keynes, William Moseley, Anna Popplewell e outros
Quando: a partir de hoje, nos cines HSBC Belas Artes, Bristol e circuito



Escrito por Sérgio Dávila às 12h55
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Terra Estrangeira, 10 anos depois

 

Walter Salles e Daniela Thomas se reúnem para discutir a atualidade de "Terra Estrangeira", que fizeram juntos há 10 anos. Vai ser no Unibanco da rua AUgusta, em São Paulo, nesta segunda, às 20h. O filme também está sendo lançado em DVD pela coleção da VideoFilmes inspirada na Criterium, com extras bem-cuidados e cópia remasterizada.



Escrito por Sérgio Dávila às 14h25
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Podcast é escolhida a "palavra do ano" por dicionário

 

A palavra "podcast" foi escolhida como a Palavra do Ano pelo New Oxford American Dictionary. Será incluída na próxima edição online do livro. A definição será: "uma gravação digital de um programa de rádio ou similar, colocada à disposição na Internet para download para um tocador de áudio particular". O termo foi criado pelo jornalista Ben Hammersley. Outro termo incluído é "rootkit", um software instalado em um computador pessoal por outro agente que não o proprietário do computador. Ficaram de fora palavras como "bird flu" (gripe aviária), sudoku (popular jogo de números) e transfat (um tipo de gordura).

 



Escrito por Sérgio Dávila às 08h28
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Casa de Edemar Cid Ferreira pode virar museu

 

De acordo com decisão do juiz Fausto de Sanctis, da 6a Vara Federal Criminal, o empresário Edemar Cid Ferreira tem quarenta dias para deixar sua casa na rua Gália, no Morumbi --que pode virar museu. O juiz é o mesmo que decidiu entregar a coleção de arte do ex-proprietário do Banco Santos para o Museu de Arte Contemporânea da USP e que condenou o doleiro Toninho da Barcelona à prisão.

Já a casa é um complexo de cinco andares que ocupa uma área de 8.000 m2, custou R$ 142,7 milhões. Só a mesa de mogno da sala de jantar, para 20 pessoas, consumiu US$ 390 mil. O banqueiro desembolsou 262,5 mil por uma luminária criada pelo designer alemão Ingo Maurer para iluminar a mesa de mogno -a peça foi batizada de "Golden Ribbon" (mais dados da casa em reportagem da Folha, aqui).

 



Escrito por Sérgio Dávila às 14h56
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Entra no ar blog de classe

 

Acaba de entrar no ar o "Media Soup, blog de classe de Marcelo Bernardes, que sabe tudo de cinema, Nova York e mais. Aqui.



Escrito por Sérgio Dávila às 14h43
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

KING KONG - A PRIMEIRA CRÍTICA

Novo Kong é humano, demasiado humano

DO ENVIADO A NOVA YORK

Como é o novo "King Kong", a refilmagem que Peter Jackson fez do clássico de 1933, seu primeiro filme desde a trilogia "O Senhor dos Anéis", um dos mais aguardados deste final de 2005/ começo de 2006 e candidato a blockbuster dos feriados de fim de ano do mundo inteiro?
Humano, demasiadamente humano. Kong ainda é o primata de oito metros que aterroriza os habitantes da Ilha da Caveira (Skull Island no original, ou Ilha dos Crânios) e exige um sacrifício humano feminino de tempos em tempos, mas na versão atual está na crise da meia-idade: tem alguns pêlos grisalhos, barriga proeminente, cicatriz na cara e anda desanimado com as meninas locais que são oferecidas.
A Folha entrou na primeira exibição mundial do filme "King Kong", na sexta-feira à noite em Nova York -parte da imprensa brasileira que foi convidada só iria assistir ao filme no sábado à noite. Pois foi uma das premières com o maior esquema de segurança da história de Hollywood até hoje, por conta da indústria globalizada da pirataria, que consegue colocar DVDs de boa qualidade à venda em quiosques nas ruas das grandes capitais do planeta horas depois da estréia oficial de um filme desse porte.
Para chegar à sala, o repórter passou por detetor de metais, teve o corpo revistado em seguida por um detetor portátil, foi apalpado pelo segurança e viu o conteúdo do casaco e mochila revistados, assim como o celular examinado -nada que tivesse qualquer possibilidade de gravação de áudio ou vídeo digital era permitido. Dois policiais armados da força regular de Nova York guardavam a porta de entrada.
Não só: uma vez dentro da sala, durante as quase três horas que dura o filme, seis seguranças andavam pela sala mirando os jornalistas com binóculos de visão noturna, comumente utilizados por militares em missão, em busca de algum aparelho de gravação não-permitido em funcionamento. Não houve incidentes. Na sala.
Na tela, não passaram cinco minutos sem uma cena de ação muito bem elaborada ou de fazer prender a respiração. Faz sentido o raciocínio de Peter Jackson, ele próprio o King Kong de Hollywood, não só por suas dimensões corporais (perdeu 15 quilos nos últimos meses), mas pelo bilhão de dólares que sua cinessérie baseada na série de livros "O Senhor dos Anéis" trouxe para os EUA, assim como o recorde de Oscars: se é para refilmar um título que já virou verbete cinematográfico, faça referências e exagere.
Pois referências ele fez, e exageros também. No bom sentido: "King Kong", o de agora, não fica nada a dever ao original e dá de dez na refilmagem de 1976, produzida por Dino de Laurentiis -embora a norte-americana Jessica Lange ainda dê um banho na anglo-australiana Naomi Watts como a loira que chama a atenção do gorila. Jackson cita de "Parque dos Dinossauros" a "Titanic", de "Bruxa de Blair" a "O Resgate do Soldado Ryan", de "Elo Perdido" ao próprio passado do diretor, que até o fenômeno "O Senhor dos Anéis" era conhecido quase só na Austrália e geralmente por seus filmes extremamente violentos e gráficos.
Assim, não espere um filme para crianças ou pré-adolescentes: há pessoas sendo decapitadas e esmagadas e Tiranossauros Rex tendo a boca escancarada na marra. Ao mesmo tempo, acomode-se bem na cadeira: exagerado, Jackson gastou o tempo e o dinheiro que quis para refazer do jeito que quis o filme que o fez decidir ser diretor quando criança: o primeiro grito de Kong só é dado com uma hora e cinco minutos; o próprio só aparece aos 70 minutos; a vinda para Nova York só ocorre aos 150 minutos.
Que passam voando, pela mistura em doses certas de ação (especialmente as lutas de Kong com outros animais) e bom humor (a cargo do produtor de cinema inescrupuloso interpretado por Jack Black). Humano, o Kong de Jackson é deprimido e sofre por amor, mas é a declaração do diretor ao cinema: a fera que se apaixona pela bela e, para sorte da platéia, é correspondida.
(SÉRGIO DÁVILA)


Os custos da viagem do jornalista Sérgio Dávila foram pagos parcialmente pela Universal Studios.



Categoria: Eu na Folha e na Revista
Escrito por Sérgio Dávila às 09h31
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

KING KONG 2

Folha - Por que "King Kong" e por que agora?
Peter Jackson -
"King Kong", o original, foi o filme mais marcante da minha vida e é o meu preferido até hoje. Assisti aos nove anos, na Nova Zelândia, e me lembro daquele dia até hoje. E também da manhã seguinte, quando refiz com bonecos de papel a batalha dele com o brontossauro, cena por cena, peguei emprestada a câmera fotográfica dos meus pais e fotografei desenho por desenho. Estava utilizando então, instintivamente, a mesma técnica que o filme usava e que se usa até hoje em títulos mais baratos e mesmo em grandes produções, como "Team America - Detonando o Mundo" (2004), chamada "stop-motion". Com o passar dos anos, fui ficando mais interessado e intrigado pelo filme. Aos 12, tentei fazer um "remake", o que pareceu um projeto ambicioso para um pré-adolescente (risos).

Folha - Em 1996, o sr. tentou de novo, dessa a vez a sério.
Jackson -
Tentei, mas a Universal não me permitiu. Aí aconteceu "O Senhor dos Anéis" e, depois da trilogia, eu estava numa posição confortável, em que poderia filmar literalmente o que quisesse. E sempre quis "King Kong". Disse isso a eles: quero terminar o filme que comecei a fazer aos 12 anos.

Folha - A Amazônia brasileira foi realmente uma inspiração para a flora da Ilha da Caveira, como disseram seus dois especialistas em efeitos especiais, Richard Taylor e Joe Letteri?
Jackson -
Sim e não. Na verdade, a principal inspiração foi mesmo o filme de 1933. Quisemos recriar com meios de hoje o que aparecia então. Era artificial, mas ao mesmo tempo impressionante, pelo conhecimento que se tinha de cinema na época. A floresta era pintada em lâminas de vidro, e os atores eram filmados em frente a elas. O que fazemos hoje em dia é colocá-los em frente a uma parede verde e depois acrescentamos o resto por computador. Ou seja, os meios mudaram, mas o princípio é o mesmo.

Folha - Em termos de efeitos especiais, qual foi a importância do filme de 1933?
Jackson -
Um marco. Nada parecido tinha sido feito até o estúdio RKO bancar a idéia -e sair da falência por isso, mas isso é um detalhe... Pouco se sabia então dos gorilas, daí a idéia do roteirista Edgar Wallace (1875-1932) de usar um como tema principal da história, recorrendo ainda ao conto do século 18 ("A Bela e A Fera", escrito por Jeanne-Marie Leprince de Beaumont em 1756).
Pouca gente tinha visto um avião no ar, daí a batalha final do gorila com eles no topo do Empire State Building. E a era dos arranha-céus chegava ao ápice com o aquele edifício, que aliás foi concluído naquele ano. O "King Kong" de 1933 era o que mais moderno o cinema poderia mostrar, sem esquecer a ousadia, que é uma mulher dividida entre o amor de um animal e o de um homem, no caso um dramaturgo que é roteirista nas horas vagas.

Folha - Há ainda a paixão pelo cinema, também, que o sr. retrata com muita... bem, paixão.
Jackson -
Pelo cinema, pelo teatro e pelas artes em geral. Quando a atriz Ann Darrow (Fray Wray no original, Naomi Watts no atual) é convencida a trabalhar no filme que Carl Denham (Robert Armstrong então, Peter Black agora), o produtor inescrupuloso, quer rodar nos trópicos, trabalha no vaudeville e quase cede ao burlesco, que era o equivalente ao striptease da época.

Folha - O seu Kong, no entanto, é mais humano, concorda?
Jackson -
Bem, ele é um gorila gigante, sanguinário e amedrontador, mas um gorila com um coração, digamos assim. Tem emoções. Andy Serkis [o ator cuja "interpretação" facial e corporal é a base para a construção digital do monstro, também a criatura Gollum de "Senhor dos Anéis"] estudou muito esses animais antes de "compor" seu personagem. E eles são surpreendentemente parecidos conosco. Mas tentamos não humanizá-lo muito, o que o tornaria infantil. Não se esqueça de que este é o "king" (rei) Kong, com toda sua nobreza, mas é diferente, e tem a imprevisibilidade selvagem que o torna verdadeiramente assustador.

Folha - Há também cenas-homenagens ao clássico de 1933 e a outros filmes e algumas piadas que só serão entendidas por quem se interessa por ou conhece o funcionamento da indústria do cinema hoje, não?
Jackson -
Bem... Sim, é verdade, colocamos uma ou outra a mais que não constava do roteiro original de Wallace. Quisemos dar algumas risadas por último.

Folha - Sua última aventura no cinema rendeu 17 Oscars. "King Kong", no entanto, é um filme estritamente de ação e efeitos especiais, não exatamente o gênero preferido da Academia. Alguma expectativa quanto à cerimônia de 2006?
Jackson -
Não, mas espero que pelo menos os prêmios técnicos sejam ganhos por "King Kong". Se o de efeitos especiais, por exemplo, for para qualquer outro será uma injustiça.

Folha - E, depois de terminar o épico do épico, que é a engrenagem colocada para funcionar na divulgação de um filme desse valor, o que o sr. vai fazer?
Jackson -
Essa engrenagem deve me tomar mais um ano, com o filme, o DVD, os extras do DVD etc. etc. Então, quero descansar. Entre o ponto final da trilogia "Senhor dos Anéis" e o início do processo de "King Kong" se passarem exatamente três dias. Temos alguns filmes que queremos fazer, mas vamos tirar um ano de folga e recarregar os neurônios, nossos pobres neurônios... (finge estar ficando cada vez mais fraco) Reenergizar... (risos). Falando sério, parar e pensar em novas idéias.



Categoria: Eu na Folha e na Revista
Escrito por Sérgio Dávila às 09h29
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

MENINOS, EU VI: KING KONG

Prestigiado pela trilogia "O Senhor dos Anéis", o diretor fala sobre "King Kong", filme que tenta fazer desde a infância


Peter Jackson sobe ao topo do mundo

SÉRGIO DÁVILA
ENVIADO ESPECIAL A NOVA YORK

"King Kong", o novo, começa com a voz de Al Jolson cantando "I'm Sitting on the Top of the World" (estou sentado no topo do mundo), um aviso óbvio do que está por vir (o gorilão no alto do Empire State Building), uma ironia com a situação que é mostrada então na tela (a Nova York de 1933, em plena Depressão) e um recado do diretor: depois da trilogia de "O Senhor dos Anéis", que levou para casa US$ 1 bilhão só nos Estados Unidos e ganhou 17 Oscars, quem está sentado no topo do mundo hollywoodiano é ele, Peter Jackson.
Com o sucesso de público e crítica, o neozelandês de 43 anos nascido em Pukerua Bay conquistou o que mais queria depois de penar três anos com hobbits e anéis: liberdade de escolha.
E liberdade de escolha em Hollywood se resume a duas perguntas, feitas por um dos grandes estúdios, que diretores de mais qualidade que Peter Jackson passam a vida esperando ouvir em vão: qual filme você quer fazer e quanto quer gastar? A resposta já estava na ponta das línguas dele e de sua mulher, Fran Walsh, parceira desde os tempos da universidade, mãe de seus dois filhos: a refilmagem de "King Kong".
Não o pastiche de 1976, mas o original, de 1933, em que uma equipe de filmagem parte de navio de Manhattan em direção a uma locação no Oriente, que acaba sendo a Ilha da Caveira, ainda não-descoberta, onde encontrarão um povo primitivo, dinossauros e um gorila imenso, Kong, que trarão de volta a Nova York para apresentá-lo como "A Oitava Maravilha do Mundo". "Disse a eles (o estúdio Universal): quero terminar o que comecei a filmar aos 12 anos", contou o diretor em entrevista exclusiva à Folha, feita no sábado pela manhã.
Quanto ao dinheiro, extra-oficialmente fala-se em US$ 208 milhões, dos quais US$ 35 milhões teriam vindo do bolso do próprio Jackson no final das filmagens, quando o estúdio fechou as torneiras e o diretor se recusou a deixar de lado todos os recursos imaginados pela empresa de efeitos especiais Weta, de sua propriedade, aliás. A Universal se limita a dizer que houve "um acordo financeiro final". Jackson afirma que "é complicado".
Mesmo assim, é muito dinheiro -"Titanic", de 1997, a maior bilheteria da história do cinema, custou US$ 200 milhões. Quando ganhou o Oscar então, o diretor James Cameron repetiu uma fala de Leonardo DiCaprio no filme: "Eu sou o rei do mundo". Peter Jackson aguarda o dia 14 de dezembro, a estréia mundial, com ansiedade, para saber se o seu rei, o "King Kong", é o novo nobre do pedaço. A seguir, a entrevista.



Categoria: Eu na Folha e na Revista
Escrito por Sérgio Dávila às 09h29
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Outra América de domingo, 4.12


04/12/2005

 
Pat Morita, George Best e dona Jenny

por Sérgio Dávila

No dia 25 de novembro último, morreram o ator Pat Morita, o ex-jogador de futebol George Best e dona Jenny.

Pat Morita tinha 73 anos e entrou para o folclore do cinema recente ao interpretar o sr. Miyagi, o sábio instrutor de Daniel San (o ator Ralph Machio) da cinessérie "Karatê Kid". Foi enviado a um campo de concentração para japoneses durante a Segunda Guerra Mundial nos Estados Unidos e fez sua estréia no cinema como "Oriental Número 2", no filme "Positivamente Millie", de 1967.

George Best foi um dos maiores ídolos do futebol britânico e morreu aos 59 anos em decorrência do alcoolismo. Estrela do Manchester United nos anos 60, chegou a ser chamado de "quinto Beatle", por sua popularidade e por dividir o mesmo sobrenome do sujeito mais arrependido da história, o ex-baterista Pete Best, que deixou o quarteto para ser funcionário público.

Dona Jenny tinha cem anos. Nasceu no dia 1º de janeiro de 1905 na cidade de Soledad (depois Soledade), no Acre, quando aquela parte do Estado ainda estava ocupada pelos peruanos –ela é de depois do Tratado de Petrópolis, que delimitava as fronteiras do Acre com a Bolívia, mas antes do Tratado Brasil/Peru, que é de 8 de setembro de 1909, quando já tinha quatro anos.

O resto aqui.



Categoria: Eu na Folha e na Revista
Escrito por Sérgio Dávila às 09h27
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

O Jardineiro Fiel" ganha Bifa, "Oscar" alternativo britânico

 

O filme "O Jardineiro Fiel", dirgido pelo brasileiro Fernando Meirellles e baseado em livro de John LeCarré, ganhou três prêmios no Bifa (British Independent Film Awards) 2005: melhor filme, melhor ator (Ralph Fiennes) e melhor atriz (Rachel Weisz). Está esquentando a corrida para o Oscar... Veja a lista.

Best British independent film:
The Constant Gardener

Best actor:
Ralph Fiennes - The Constant Gardener

Best actress:
Rachel Weisz - The Constant Gardener

Best supporting actor/actress:
Rosamund Pike - The Libertine

Most promising newcomer:
Emily Barclay - In My Father's Den

Best director:
Neil Marshall - The Descent

Best screenplay:
Frank Cottrell Boyce - Millions

Douglas Hickox Award (for debut director):
Annie Griffin - Festival

Best technical achievement:
Jon Harris - The Descent

Best achievement in production:
Gypo

Best foreign film:
Downfall

Best documentary:
The Liberace of Baghdad

The Raindance Award:
Evil Aliens

Variety UK Personality of the Year:
Keira Knightley

Special Jury Prize:
Sandy Lieberson

Richard Harris Award for Outstanding Achievement:
Tilda Swinton

Best British short film:
Six Shooter



Escrito por Sérgio Dávila às 10h50
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Tem mais "Brasil" em Sundance 2006

 

"Alpha Dog", novo filme de John Cassavetes, filho do grande John Cassavetes e da também grande Gena Rowlands, que vai ter sua estréia mundial em Sundance 2006, conta a história de Jesse James Hollywood, 25, a pessoa mais jovem a ser colocada na lista dos mais procurados do FBI, capturado no Rio de Janeiro depois de se envolver com traficantes locais.



Escrito por Sérgio Dávila às 10h39
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Ainda Hillary e os games

A cena polêmica:



Escrito por Sérgio Dávila às 10h10
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Hillary Clinton quer proibir game

 

Depois que uma cena de sexo explícito foi descoberta no popular (e violento) game "Grand Theft Auto: San Andreas" os senadores democratas Hillary Clinton (Nova York) e Joe Lieberman (Connecticut) sçao os toques finais numa proposta de lei que proíbe a venda de jogos do tipo --de classificação M ou AO, o equivalente no cinema americano a R e NC-17-- para menores.

 

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h09
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Faço palestra hoje (quinta) sobre cinema e guerra

 

como gentilmente lembraram os colegas da ilustrada, abaixo:

São Paulo, quinta-feira, 01 de dezembro de 2005

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

PANORÂMICA

EVENTO


Debate e novo livro discutem guerra e cinema
Paulo Arantes, Ruy Sardinha, Ricardo Bonalume Neto e Sérgio Dávila participam de debate sobre guerra e cinema, hoje, às 19h30, na livraria Cultura do shopping Villa-Lobos (av. das Nações Unidas, 4777, tel. 0/ xx/11/3875-7285); o evento acontece por ocasião do lançamento do livro "Guerra e Cinema", do intelectual francês Paul Virilio (Boitempo, 208 págs., R$ 33).


Escrito por Sérgio Dávila às 10h04
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]