EUA, Washington, homem, de 36 a 45 anos, português, inglês, espanhol e francês

Leia mais

  





01/02/2010 a 15/02/2010
16/01/2010 a 31/01/2010
01/01/2010 a 15/01/2010
16/12/2009 a 31/12/2009
01/12/2009 a 15/12/2009
16/11/2009 a 30/11/2009
01/11/2009 a 15/11/2009
16/10/2009 a 31/10/2009
01/10/2009 a 15/10/2009
16/09/2009 a 30/09/2009
01/09/2009 a 15/09/2009
16/08/2009 a 31/08/2009
01/08/2009 a 15/08/2009
16/07/2009 a 31/07/2009
01/07/2009 a 15/07/2009
16/06/2009 a 30/06/2009
01/06/2009 a 15/06/2009
16/05/2009 a 31/05/2009
01/05/2009 a 15/05/2009
16/04/2009 a 30/04/2009
01/04/2009 a 15/04/2009
16/03/2009 a 31/03/2009
01/03/2009 a 15/03/2009
16/02/2009 a 28/02/2009
01/02/2009 a 15/02/2009
16/01/2009 a 31/01/2009
01/01/2009 a 15/01/2009
16/12/2008 a 31/12/2008
01/12/2008 a 15/12/2008
16/11/2008 a 30/11/2008
01/11/2008 a 15/11/2008
16/10/2008 a 31/10/2008
01/10/2008 a 15/10/2008
16/09/2008 a 30/09/2008
01/09/2008 a 15/09/2008
16/08/2008 a 31/08/2008
01/08/2008 a 15/08/2008
16/07/2008 a 31/07/2008
01/07/2008 a 15/07/2008
16/06/2008 a 30/06/2008
01/06/2008 a 15/06/2008
16/05/2008 a 31/05/2008
01/05/2008 a 15/05/2008
16/04/2008 a 30/04/2008
01/04/2008 a 15/04/2008
16/03/2008 a 31/03/2008
01/03/2008 a 15/03/2008
16/02/2008 a 29/02/2008
01/02/2008 a 15/02/2008
16/01/2008 a 31/01/2008
01/01/2008 a 15/01/2008
16/12/2007 a 31/12/2007
01/12/2007 a 15/12/2007
16/11/2007 a 30/11/2007
01/11/2007 a 15/11/2007
16/10/2007 a 31/10/2007
01/10/2007 a 15/10/2007
16/09/2007 a 30/09/2007
01/09/2007 a 15/09/2007
16/08/2007 a 31/08/2007
01/08/2007 a 15/08/2007
16/07/2007 a 31/07/2007
01/07/2007 a 15/07/2007
16/06/2007 a 30/06/2007
01/06/2007 a 15/06/2007
16/05/2007 a 31/05/2007
01/05/2007 a 15/05/2007
16/04/2007 a 30/04/2007
01/04/2007 a 15/04/2007
16/03/2007 a 31/03/2007
01/03/2007 a 15/03/2007
16/02/2007 a 28/02/2007
01/02/2007 a 15/02/2007
16/01/2007 a 31/01/2007
01/01/2007 a 15/01/2007
01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005

VOTAÇÃO
Dê uma nota para meu blog




Tom Cruise - Amor e Ódio

 

E Tom cruise é o maior "astro" de todos os tempos, segundo pesquisa da revista britânica "Empire" -- mas também o mais irritante. A lista:

1. Tom Cruise
2. Robert De Niro
3. Harrison Ford
4. Al Pacino
5. Marilyn Monroe
 


Escrito por Sérgio Dávila às 11h50
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Os seriados que mais deixaram saudade

 

Segundo uma empresa britãnica, que ouviu 1.000 pessoas:

1 - Jornada nas Estrelas
2 - Buffy, a Caça-Vampiros
3 - Friends
4 - Fawlty Towers
5 - Blake's 7
6 - Arquivo X
7 - Babylon 5
8 - Stargate
9 - Seinfeld
10 - Esquadrão Classe A



Escrito por Sérgio Dávila às 11h44
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Reuters redescobre Brasil redescobrindo Carmem Miranda

December 28, 2005

Brazil Rediscovers Carmen Miranda 50 Years Later

Filed at 1:09 p.m. ET

RIO DE JANEIRO, Brazil (Reuters) - With her tropical-fruit headdresses and a smile as wide as Copacabana Beach, Carmen Miranda remains an instantly recognizable show business figure 50 years after her death.

Decades before Brazilian music and women became appreciated worldwide, she took the swing of samba from Rio de Janeiro to Hollywood and became one of the highest-paid entertainers in the United States.her into such a caricature that only now are Brazilians themselves rediscovering the powerful woman inside those bizarre costumes.

``Brazil has never understood the dimension of such a legend and sometimes was unable to accept her success in America,'' Ruy Castro, author of a new 600-page book ``Carmen -- Uma Biografia,'' (''Carmen -- a Biography'') told Reuters.

``Carmen suffered with this and created a Brazil of her own by her Beverly Hills poolside.''

As well as the biography, an exhibition entitled ``Carmen Miranda Forever'' is currently on at Rio de Janeiro's Museum of Modern Art.

It assembles more than 700 items related to Miranda, including original costumes such as those she wore in the movies ``Copacabana'' (1947) and ``Nancy Goes to Rio'' (1950).

The exhibition features documentaries and snippets from musicals including ``The Gang's All Here'' (1943) and ``That Night in Rio'' (1941), which brought her fame and fortune in the United States.

Miranda went to the United States in 1939 after a Broadway impresario saw her perform in Rio. She had just created her famous ``Bahian'' costume of a long colorful skirt and a turban adorned with fruit to go with the song ``O que que a baiana tem?'' (What the Bahian Lady Has) by Dorival Caymmi.

``When she adopted this costume, she realized it was powerful. When she signed to go to Broadway, it was because of this costume. And there in the United States, she exaggerated the Bahian outfit,'' Castro said.

The American studios transformed the costume into something more like a Cuban rumba dancer. To the chagrin of Brazilians, she became a cartoonish South American with her heavily-accented English. Her persona became a campy staple for female impersonators.

BACK IN THE FASHION

Born in Portugal in 1909, Miranda moved to Brazil with her parents when she was about 1 year old.

Before her transplant to the United States, she was a samba superstar in Brazil. She helped composers such as Caymmi and Ary Barroso become famous in samba's Golden Age.

As radio grew increasingly popular, she became the queen of Brazilian airwaves and recorded hit songs from Rio's Carnival.

Her move to the United States was well-timed. Technicolor had just been developed and 20th Century Fox loved her studio test.

When she filmed her Hollywood debut ``Down Argentine Way'' with Betty Grable in 1941 and sung ``Down South American Way,'' a star was reborn.

The movie was criticized in Brazil and banned in Argentina. But she went on to be hugely successful in the United States, where she was known as ``the Brazilian Bombshell.''

Despite her poor English, her charisma was huge.

``She could sing in Chinese, Japanese, English, any language. Her charisma and the way she moved her hands and danced hypnotized everyone,'' said her nephew Carmen de Carvalho.

She died aged just 46 from a heart failure.

Even the official Web site run by her estate acknowledges the mixed feelings her countrymen have about her.

``Her importance to the Brazilian historical and cultural context must be redeemed and appreciated,'' it says.

Certainly her legacy is now reemerging in Brazilian fashion trends. At the last Fashion Rio show -- one of the world's top fashion events -- many brands paid homage to her.

``Carmen was a star who designed her own clothes, her turbans, platform shoes, embroidery and jewelry,'' said museum curator Fabiano Canosa. ``A myriad of them are still being copied and remade.''

Carvalho likened the strength of her image to Charlie Chaplin's.

``For him, it was the bowler hat and cane. For her, it was the Bahiana style.''



Escrito por Sérgio Dávila às 11h36
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Filme de Walter salles sai hoje em DVD nos EUA

 

Chegou às lojas dos EUA hoje "Dark Water", a refilmagem que o brasileiro Walter Salles fez do thriller de Hideo Nakata, ícone do neoterror asiático, com Jennifer Connelly, que foi subestimado á época do lançamento nos cinemas do Brasil --é uma justa homenagem aos melhores terrores imobiliários, g~enero criado por Polanski.

Sai também a quinta e última temporada de "Além da Imaginação", talvez o melhor seriado de ficção científica de todos os tempos, e "2046", um dos melhores filmes do ano que acaba, ficção amorosa-futurista de Wong Kar-Wai, com Gong Li e Ziyi Zhang (as mesmas duas que não por coincidência estão em "Memórias de Uma Gueixa --comparar "2046" e "Gueixa" é comparar McDonald's e Alain Ducasse...)

Os extras do filme de Walter Salles, segundo a caixinha:

  • Deleted Scenes
  • Sound Design featurette "The Sound of Terror"
  • Making-of featurette
  • Analyzing key sequences with viewing options
  • "An Extraordinary Ensemble" featurette
  • A capa:

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 11h26
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Gueixa - 2

    CRÍTICA

    Filme revela aos EUA um Oriente "higienizado"

    DO ENVIADO A NOVA YORK

    "Memórias de uma Gueixa", o filme, é baseado em "Memórias de uma Gueixa", o best-seller, que sintetiza um dos aspectos mais perversos da hegemonia americana também na cultura: um escritor gringo "descobre" o universo fantástico e proibido que é o mundo das gueixas no Japão e resolve "revelá-lo" ao mundo. Sua "missão" é bem-sucedida: milhões de pares de olhos femininos se molham ao ler a versão japonesa da Cinderela.
    Faltava chegar ao cinema. Não mais. Rob Marshall passou ainda um pouco mais de detergente na versão já "higienizada" de Arthur Golden, deixando a trama toda palatável para a família de gordinhos do Meio-Oeste poder comer pipoca à vontade e ainda sair da sala com o sentimento de que conheceu "o mundo". Não conheceu. Ou conheceu tanto quanto conhece os canais de Veneza ao visitar seu simulacro nos hotéis de Las Vegas.
    Primeiro, pela escolha do elenco. Apesar de contar com um "dream team" do cinema chinês, Marshall não foi corajoso o suficiente para usar atrizes japonesas. Reuniu figuras já familiares do espectador médio dos EUA -Ziyi Zhang e Michelle Yeoh estrelaram o segundo filme em língua não-inglesa mais visto da história do país e o mais indicado ao Oscar, "O Tigre e o Dragão" (2000); Yeoh já foi "Bond Girl".
    Chinesas (e uma malasiana que fez sua carreira em Hong Kong) interpretando gueixas são como argentinos no papel de brasileiros. Aos olhos do império, no entanto, somos todos "eles", divididos por grandes áreas compreensíveis: "Os Orientais"; "Os Latinos"... Segundo, pela falta de ousadia ao tratar de um tema polêmico, ausência já sentida no best-seller. Mas há três aspectos do filme que valem uma vista. A interpretação das atrizes, a cenografia e o figurino. Os dois últimos são impecáveis. Não se podia esperar menos de um diretor que, até agora, só mostrou qualidade na Broadway. (SD)


    Memórias de uma Gueixa
    Memoirs of a Gueisha
      
    Direção: Rob Marshall
    Produção: EUA, 2005
    Com: Michelle Yeoh, Ziyi Zhang
    Quando: estréia no Brasil em 3/2



    Categoria: Eu na Folha e na Revista
    Escrito por Sérgio Dávila às 10h42
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Memórias de Uma Gueixa 1

    CINEMA

    Personagem que inspirou a obra processa o diretor Rob Marshall por desrespeito à privacidade; à Folha, ele defende suas escolhas


    "Memórias de uma Gueixa" cria polêmica

    David James/Divulgação
    As chinesas Ziyi Zhang e Gong Li em "Memórias de uma Gueixa", filme dirigido por Rob Marshall


    SÉRGIO DÁVILA
    ENVIADO ESPECIAL A NOVA YORK

    Se existe um filme errado, feito no lugar errado, pelas pessoas erradas, este título parece pertencer a "Memórias de uma Gueixa", que chega ao Brasil em fevereiro. A adaptação do best-seller de Arthur Golden, dirigida pelo norte-americano Rob Marshall, com as chinesas Ziyi Zhang e Gong Li e a malasiana Michelle Yeoh nos papéis principais, estreou no dia 9 de dezembro mundialmente para uma enxurrada de críticas.
    Não cinematográficas, embora estas também tenham existam. Críticas ao conceito, principalmente.
    O longa é dirigido por Rob Marshall, que fez carreira na Broadway, especialmente no elogiado musical "Chicago", o que o levou a ser chamado em 2002 para dirigir a versão cinematográfica do mesmo, com Catherine Zeta-Jones e Renée Zellweger, feito na esteira do renascimento dos filmes do gênero, iniciada por "Moulin Rouge" (2001), de Baz Luhrmann. "Chicago", o filme, seria um sucesso de público (US$ 300 milhões de bilheteria mundial) e crítica (indicado a um recorde de 13 Oscars, levou seis, incluindo melhor filme). Isso colocou Marshall no páreo para dirigir "Gueixa", depois de Steven Spielberg desistir do projeto.
    Em resumo, seu "Memórias de uma Gueixa" conta a vida da jovem Sayuri (Ziyi Zhang), menina de olhos azuis arrancada do convívio dos pais na vila de pescadores em que morava e levada para uma cidade grande, onde será treinada para ser gueixa com a experiente Mameha (Michelle Yeoh) e terá de enfrentar a rivalidade de Hatsumomo (Gong Li), ainda a profissional mais importante, mas claramente em fim de carreira. Ambas disputarão as atenções do Executivo (Ken Watanabe), e Saiyuri se apaixonará por ele, contrariando as regras.
    O parágrafo acima esconde mais polêmicas do que exibe palavras. A elas.
    Para a comunidade cinematográfica japonesa e chinesa, é um absurdo o fato de Marshall ter usado as três atrizes mais conhecidas do cinema chinês atual no papel de japonesas em vez de utilizar a mão-de-obra local. Foi criticado até pelo chinês Chen Kaige ("Adeus Minha Concubina"), que afirmou que suas conterrâneas não conseguiam captar as expressões faciais exigidas, "muito enraizados na cultura japonesa para serem interpretados por estrangeiras".
    "Fizemos centenas de testes com atrizes em Tóquio e simplesmente não achamos nenhuma boa o suficiente", foi a resposta de Rob Marshall, em entrevista à Folha na época do lançamento do filme, na última semana de novembro, em Nova York. "Al Jolson interpretou um negro no primeiro filme falado da história, "O Cantor de Jazz'; isso diminuiu seu valor histórico?"
    Para os chineses, o absurdo foi ver filhas da terra interpretando "prostitutas japonesas", num incidente diplomático que reavivou memórias pouco agradáveis da relação entre os dois países durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa (1937-1945), quando milhares de chinesas teriam sido estupradas por soldados japoneses. Pequim ameaçou proibir a exibição do filme em território nacional -o governo depois voltaria atrás e prometeria a estréia para fevereiro, ainda não se sabe se na versão integral ou não.
    Para Mineko Iwasaki, ex-gueixa que foi a principal inspiração para o livro de Arthur Golden, a revolta se deu em forma de um processo que ela move contra o autor e o diretor, por ter sua "privacidade desrespeitada". Ela não gostou de ver divulgada a prática da "mizuage", a venda da virgindade de uma jovem gueixa a quem der o lance mais alto, que teria contado "off the records".
    A verdadeira história, diz ela, está em na sua biografia "Geisha of Gion - The Memoir of Mineko Iwasaki" (gueixa de Gion - a biografia de Mineko Iwasaki), que acaba de lançar. "Fui fiel ao que ela me disse", afirmou o escritor Golden, cujo livro vendeu 4 milhões de exemplares. "O fato é que agora todos querem ganhar um pouco de dinheiro com a publicidade em torno do filme."
    Outros japoneses reclamaram da falta de compreensão dos ocidentais sobre a profissão. Gueixas, disseram críticos cinematográficos locais, não se vestiam da maneira mostrada no filme nem dançavam assim. Além disso, usavam uma camada espessa de pó branco no rosto, que foi abrandada por motivos comerciais por Marshall. "Seria um absurdo esconder da platéia os belos rostos das atrizes e suas inflexões", retrucou o americano.
    Pois os belos rostos também defenderam seu diretor. "O filme fala de uma história de amor proibida, e eu acho que isso tem um interesse universal, que vai além de nacionalidades", disse à Folha Ziyi Zhang. Com ela concorda Michelle Yeoh, que tenta colocar um ponto final na discussão: "Eu sou da Malásia, ganhei fama em Hong Kong e interpretei uma "Bond Girl", num filme de um agente secreto britânico. Por que não posso ser uma gueixa?".
    O fato é que, até agora, a polêmica mais tem ajudado os negócios do que atrapalhado. Segundo o site Box Office Mojo, "Memórias de Uma Gueixa" ficou em quinto lugar no feriado prolongado de Natal, com US$ 10 milhões acumulados, atrás apenas de blockbusters como "King Kong" e "Crônicas de Nárnia" e da refilmagem "Adivinhe Quem Vem para Roubar", com Jim Carrey, e a seqüência "Doze É Demais 2", com Steve Martin.

    O jornalista Sérgio Dávila viajou a Nova York com os custos parcialmente cobertos pela Columbia Pictures



    Categoria: Eu na Folha e na Revista
    Escrito por Sérgio Dávila às 10h42
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Ainda Woody Allen

     

    O fato de o longa do cineasta nova-iorquino ter uma data de estréia no Brasil (e menos de dois meses depois da estréia nos EUA) poderia ser incluída na categoria "boa notícia": na última década, os filmes de Woody Allen têm levado mais de ano para chegar por aqui --tanto que era prática comum entre os cinéfilos comprar o DVD norte-americano via Amazon antes mesmo que o título chegasse às telonas brasileiras, tamanho o "gap". Não mais, pelo jeito.

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 15h04
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Novo filme de Woody Allen ganha data de estréia no Brasil

     

    A distribuidora brasileira Playarte avisa que o novo (e esperado) filme de Woody Allen, "Match Point", já tem data de estréia no Brasil. Chega às telas daqui com o nome de "Ponto Final" no dia 17 de fevereiro de 2006. O suspense, inteiramente rodado em Londres (pela primeira vez na filmografia do cineasta) com Scarlett Johansson e Jonathan Rhys-Meyers e Emily Mortimer, tem sido qualificado pela crítica anglo-americana como a "volta de Woody Allen aos bons tempos" --o que levou a revista eletrônica a perguntar: "E nós queremos que ele volte à boa forma?". O fato é que o filme levou quatro indicações ao Globo de Ouro (drama, direção, roteiro, de WA, e atriz coadjuvante -Scarlett). Por falar na atriz, ela foi tema de extensa reportagem da revista quadrimestral de estilo do "NYTimes". Abaixo, uma palhinha:

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 15h01
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    311 filmes se qualificam para o Oscar 2006

     
    A Academia anuncia que 311 filmas se qualificam neste ano para as cinco vagas de melhor filme. O número é 16,5% maior do que o de 2004 e a primeira vez em 32 anos que mais de 300 filmes formam o total a ser escolhido pelos votantes.

    O aumento, para a entidade cinematográfica americana, se deve principalmente ao salto dos documentários de longa metragem (25 agora, ante 15 em 2004) e pelas mudanças entre o mercado exibidor. Amanhã, os mais de 6 mil eleitores começam a receber as cédulas por correio.

    Para poder ser indicado na categoria, segundo as regras da Academia, o filme deve ter duração superior a 40 minutos e ter sido exibido comercialmente no Condado (divisão administrativa) de Los Angeles entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 2005, em 35mm, 70mm ou em formato digital adequado, por no mínimo sete dias consecutivos.

    As categorias de filme estrangeiro, animação e documentário de curta metragem têm regras próprias.



    Escrito por Sérgio Dávila às 14h52
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    King Kong - Final

     

    É claro que, para se pagar totalmente, principalmente custos de marketing e divulgação, o filme tem de render duas vezes o que custou, o que só deve acontecer posteriormente, com as vendas de DVD etc. Por enquanto, o gorilão é tremenda decepção financeira, como me lembra minha fonte de NY, Marcelo Bernardes.

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 09h13
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Ou seja:

     

    "King Kong" demorou uma semana para se pagar.



    Escrito por Sérgio Dávila às 18h49
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Ainda a bilheteria

     

    A novidade? King Kong continua na frente, com US$ 21,3 milhões, US$ 108,6 mi nos EUA e US$ 207 no mundo --o últuimo número é exatamente o quanto custou para ser feito. Ou seja, a partir de hoje é só lucro. Mas caiu 57.5% em relação à contagem passada, o que é perigoso.



    Escrito por Sérgio Dávila às 18h47
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Sai a bilheteria do fim de semana prolongado

    TW LW Title (click to view) Studio Weekend Gross % Change Theater Count / Change Average Total Gross Budget* Week #
    1 1 King Kong Uni. $21,313,000 -57.5% 3,576 +8 $5,960 $108,617,000 $207 2
    2 2 The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe BV $20,379,000 -36.0% 3,853 +173 $5,289 $153,822,000 $180 3
    3 N Fun with Dick and Jane Sony $14,500,000 - 3,056 - $4,744 $22,061,000 $100 1
    4 N Cheaper by the Dozen 2 Fox $9,350,000 - 3,175 - $2,944 $14,632,000 - 1
    5 12 Memoirs of a Geisha Sony $6,800,000 +422.1% 1,547 +1,495 $4,395 $9,889,000 $85 3


    Escrito por Sérgio Dávila às 18h45
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Pulitzer terá categoria para blog

     

    O Prêmio Pulitzer, o mais importante do jornalismo norte-americano, anunciou que incluirá uma categoria em 2006 para jornalismo online, incluindo aí weblogs noticiosos, os blogs (como, modestamente, este) --sempre contemplando apenas os escritos em língua inglesa e baseados nos EUA. Boa idéia para uma nova categoria do Prêmio Comunique-se e do Prêmio Esso, não?

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 12h05
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Alain Ducasse vai criar comida espacial

     

    Alain Ducasse, talvez o chef francês mais conhecido e estrelado da atualidade --e que me rendeu uma crônica quando finalmente consegui passar uma tarde de banquete em seu então recém-aberto restaurante em Nova York, que tinha listas de espera de quatro meses, conforme contei aqui--, vai criar uma linha de refeições espaciais.

    O convite partiu da European Space Agency (Esa), e o cardápio será feito pensando em longas missões, para homens e mulheres que tiverem de ficar mais de mil dias no espaço. Os pesquisadores colocaram á disposição do chefe uma dezena de ingredientes, como tomate seco e arroz-doce, mas também cebola, batata, alface e espinafre, que poderiam ser cultivados na própria espaçonave, sobrando mais espaço para carga e combustível.



    Escrito por Sérgio Dávila às 17h54
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    "O Condicionado" - Final

    UOL        

    Primeira Página da Folha de S.Paulo
    Fac-símile da capa da edição de 25/12/2005

    Edição São Paulo


    Capa Folha de S.Paulo - Edição São Paulo



    Veja também a Edição Nacional




    Escrito por Sérgio Dávila às 13h39
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    "O Condicionado" - 3

    ILHA DA FANTASIA

    Sem-teto usa apenas um tipo de caneta e de papel e lembra a obra "O Pensador", de Rodin, ao escrever


    Metódico, Raimundo encaderna seus textos

    DA REPORTAGEM LOCAL

    O sem-teto Raimundo Arruda Sobrinho, 67, que escreve textos literários e assina "O Condicionado", tem um método rigoroso. Só calca suas canetas, que devem ser da marca Bic, tinta preta ou azul, em folhas de papel sulfite brancas e pautadas, tamanho padrão, que compra soltas, na papelaria. "A caneta custa R$ 0,58, mas a tinta dura pouco, ou escreveria mais."
    Escreveria o quê? Textos como "(O Maior Casamento na Ciência) é o do Pensamento com a Eletrônica. Ambos, abstratos. Só a Eletrônica pôde fazer a grandeza da Psiquiatria, que é pensamento. E este, é o responsável por toda a Civilização." Raimundo controla todas as etapas da produção: cria, escreve, costura os pedaços de papel, geralmente quartos da sulfite que formam livretes, e os dá (leia trechos nesta página).
    Mas também relatórios. Quem passa pela avenida, com visão melhor se na direção Lapa-Pinheiros, o verá no canto inferior direito, sentado sobre um caixote de madeira, as pernas cruzadas, a mão esquerda à cabeça, a mão direita segurando a Bic, o maço de papéis em seu colo esperando as idéias. Pela pose, é impossível não pensar no "Pensador" de Rodin.
    Pelo aspecto visual, porém, outra figura histórica vem à cabeça: Antônio Conselheiro. Barba branca amarelada e longa, cabelo idem, amarrado num rabo de cavalo, Raimundo tem certo senso estético. Amarra sacos de fios entrecruzados de diferentes procedências, um fazendo as vezes de calça, outro de camisa, outro ainda de saiote. Cobrindo tudo, uma capa de saco plástico preto -resistente à chuva- e um chapéu. O resto aqui.



    Escrito por Sérgio Dávila às 13h32
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    "O Condicionado" - 2

    MEMÓRIA

    Famoso nos anos 40 em Nova York, Joe Gould virou filme

    DA REPORTAGEM LOCAL

    Nos anos 40, ganhou fama no Greenwich Village, o então bairro boêmio de Manhattan, um personagem de nome Joe Gould, que dormia em albergues públicos, hotéis decadentes, pensões e, muitas vezes, nas ruas.
    Vivia sujo e com roupas rasgadas e sobrevivia da caridade dos amigos que fazia em noites de bebedeira e das histórias que contava. Aos poucos, foi adotado pela intelectualidade nova-iorquina, que achava exótico convidá-lo para festas e o ouvir declamar poemas e textos, que dizia ter escutado "das vozes que vêm das ruas".
    Joe Gould chamou a atenção do jornalista Joseph Mitchell, que o tornou internacionalmente conhecido ao escrever seu perfil para a revista "New Yorker" em 1942.
    Gould, escreveu Mitchell, lhe disse que preparava uma obra fundamental para a literatura americana, que ele batizara de "História Oral do Nosso Tempo", e planejava publicar assim que tivesse tempo de recolher todos os textos, espalhados por várias casas de várias cidades.
    O personagem morreu em 1957, aos 68 anos, vítima de uma arteriosclerose, e seus escritos nunca foram encontrados. Sete anos após a morte dele, Mitchell escreveu outro perfil para a mesma "New Yorker". Desta vez, o texto trazia como título "O Segredo de Joe Gould".
    Nele, o jornalista revelava o mistério do personagem. Foi a última reportagem publicada por Mitchell, que continuou a ir trabalhar diariamente na redação da revista nova-iorquina e a receber seu salário até morrer, vítima de câncer, em 1996.
    "O Segredo de Joe Gould" virou livro, reunindo ambos os perfis, e, em 2000, foi adaptado para o cinema, em filme dirigido por Stanley Tucci, que também interpreta Mitchell, com o inglês Ian Holm no papel do maltrapilho literário de Nova York.
    Como no segundo texto da revista, o longa revela qual era, afinal, o segredo de Joe Gould. Para saber, leia o livro, veja o filme. As obras estão disponíveis no Brasil: há o DVD e a Companhia das Letras lançou "O Segredo de Joe Gould" em 2003. (SD)



    Categoria: Eu na Folha e na Revista
    Escrito por Sérgio Dávila às 13h31
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    "O Condicionado" - 1

     

    ILHA DA FANTASIA

    Morador do canteiro de uma das vias mais movimentadas da cidade, ele doa histórias que escreve em papel sulfite


    Raimundo, sem-teto e cronista de São Paulo

    SÉRGIO DÁVILA
    DA REPORTAGEM LOCAL

    Raimundo Arruda Sobrinho, presumíveis 67 anos, nascido provavelmente em Goiânia, é um dos 12 mil sem-teto da cidade. Tem problemas mentais e fez sua casa sob lonas e plásticos na ilha que separa as duas vias da movimentada avenida Pedroso de Morais.
    Fica na altura da praça Ernâni Braga, Alto de Pinheiros (zona oeste de SP), na qual, do lado direito de quem vai para a praça Panamericana, mora um casal de catadores de papel apaixonados, ele Sérgio, ela anônima, e, do lado esquerdo, está um ponto de táxi que atende a moradores das casas de alto padrão daquela região.
    É vizinho do prefeito José Serra, cuja residência civil fica a 20 quadras. Não incomoda ninguém. Não quer ser incomodado. "Prefiro que ninguém me veja", costuma dizer. O que o diferencia são os textos de ficção, que assina como "O Condicionado". Raimundo Arruda Sobrinho é escritor.
    Ele está ali, no mesmo lugar, há pelo menos uma década. De certa maneira, é um Joe Gould funcional (leia texto à pág. C4), no sentido de que, diferentemente do maltrapilho literário nova-iorquino dos anos 40 que entrou para a história pela revista "New Yorker", ele realmente escreve.
    "Os moradores estão em paz com ele, e ele, em paz com os moradores", disse à Folha, via assessoria de imprensa, Sandra Galvão, coordenadora de assistência social da Subprefeitura de Pinheiros, à qual Raimundo e sua casa na ilha estão subordinados. "Seu único problema é de saúde, mas ele recusa todo tipo de ajuda."
    "O Condicionado" tem uma platéia diária de 60 mil olhos -segundo cálculos que a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) fez a pedido da Folha, passam por ele 30 mil carros por dia.
    Pouca gente o vê, no entanto.
    "Às vezes pára um, outras vezes outro fica olhando da janela", disse Raimundo à Folha, depois de alguma negociação, pois o sem-teto é arisco. Não admite esmola. Não quer comida. "Doações eu aceito de pouca gente", revela.
    Um dos que olham e o enxergam, "há 15 anos, pelo menos", é Danilo Waissmann, 25, da sinagoga Beit Menachem, vizinha de Raimundo. Em 2003, por iniciativa de um rabino, Danilo distribuiu cestas de alimento na ilha.
    "Raimundo era o único que não aceitava", disse Danilo. "Ele não é um sem-teto. Ele mora lá, lá é a casa dele. Você passa às 6h30, por exemplo, e ele está conversando aos berros com uma pessoa inexistente, depois de ter acordado e feito ele mesmo seu mingau."
    Outra das que olhavam, mas não o enxerga mais é Joana de Assis Porto, 82, que a Folha localizou em Goiânia. Ela e seu marido, Antônio de Souza Porto, já morto, adotaram Raimundo na infância e o colocaram para estudar. "Ele foi só até o ginásio, depois sumiu", disse Joana, por telefone.
    Ele diz ter nascido no dia 1º de agosto de 1938, na "zona rural de Goiás", chegou a São Paulo com 23 anos e, desde "um surto num hospital psiquiátrico em 1976", vive nas ruas. Está no mesmo lugar há "30 anos", "há 11 anos" ou "desde 27 de outubro de 1993", dependendo do interlocutor.
    Para esquecer -"para não se lembrar"-, ele escreve.



    Categoria: Eu na Folha e na Revista
    Escrito por Sérgio Dávila às 13h30
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Por fim, uma nova imagem do Superman

     

    Saiu na nova edição da revista "Premiere". "Superman Returns", dirigido por Bryan Singer, de "X-Men", estréia mundialmente dia 30 de junho de 2006, Brasil inclusive.



    Escrito por Sérgio Dávila às 16h55
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Imagens de 300, nova adaptação de HQ de Frank Miller

     

    Chegam à rede imagens de "300", nova adaptação de uma graphic novel de Frank Miller (o mesmo de "Sin City" e outras), "Os 300 de Sparta", lançada aqui pela Abril. O filme, ainda sendo feito, é dirigido por Zach Snyder, de "Dawn of the Dead". As imagens abaixo são do site oficial, que tem ainda um diário de filmagem.







     







     







     







     



    Escrito por Sérgio Dávila às 16h51
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    AFI escolhe os seis momentos mais significantes de 2005

     

    O American Film Institute escolheu os seis "momentos mais significantes" der 2005. A eles:

    1. O documentário ''March of the Penguins'' (que estréia no Brasil em janeiro), "por sua mensagem universal" --e é imper´divel (voltamos ao assunto depois)

    2. Filmes feitos sob o efeito do ataque terrorista de 11 de Setembro

    3. O boom dos DVDs e games e o impacto do mercado na queda das bilheterias de Hollywood

    4. A consolidação corporativa dos grandes estúdios de Hollywood (como a compra dos "pequenos" DreamWorks e MGM pela Paramount e Sony, respectivamente)

    5. |A migração da TV para outros meios, como iPods e celulares

    6. A cobertura do Furacão Katrina

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 16h00
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    American Splendor de volta

     

    Sabe o Harvey Pekar, o quadrinhista improvavelmente trágicômico que foi biografado em "American Splendor"? Acaba de lançar novo livro, sobvre sua (violenta) adolescência. Chama-se "The Quitter", e a resenha sai amanhã no NYTimes. Abaixo, um trecho:



    Escrito por Sérgio Dávila às 15h37
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Algumas palavras sobre os cinco mais vendidos

     

    Você tem a melhor série de TV da história ("Seinfeld") em uma de suas melhores temporadas; a mais hypada do ano ("Lost"); a que terminou em 2005 ("Friends"); um clássico ("Simpsons"); e o caso mais intrigante do ano: "Chappelle's Show: Season 2 Uncensored", do comediante negro David Chappelle, que era um dos maiores sucessos de audiência do Comedy Channel, estava ganhando rios de dinheiro e partindo para a terceira temporada quando "enlouqueceu", pediu demissão e sumiu.

    (Aliás, vale a pena comprar as duas temporadas de Chappelle pela Amazon, nem que seja só pela imitação de Prince que ele faz.)

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 14h53
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    DVD de programas de TV rendem US$ 3,3 bi em 2005 - veja os cinco mais vendidos

     

    Os programas de TV lançados em DVD em 2005 renderam US$ 3,3 bilhões aos cofrinhos dos estúdios só nos Estados Unidos --ou quase 25% do mercado inteiro. O motivo? Um analista arrisca que as pessoas preferem pagar US$ 30 por uma temporada inteira, com vários episódios, do que US$ 20 por um só filme (seja no cinema, a dois, ou em DVD, em média).

    Os cinco mais vendidos:

    1. "Chappelle's Show: Season 2 Uncensored" (2,84 milhões de cópias)

    2. "Lost: The Complete First Season" (1,04 milhão)

    3. "Seinfeld: Season 4" (860 mil)

    4. "The Simpsons: The Complete Sixth Season" (830 mil)

    5. "Friends: The Complete Ninth Season" (790 mil)

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 14h49
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Oscar terá mesmo chef de cozinha pelo 12o ano consecutivo

     

    O tradicional Baile do Governador (que é Arnold Schwarzenegger, não se esqueça), oferecido todos os anos após a cerimônia do Oscar, terá Wolfgang Puck como chef pelo décimo-segundo ano consecutivo. Puck (chamado de "Puke", "vômito", por seus detratores) já foi um cozinheiro inventivo; hoje, toca seu negócio como pouco mais que um McDonald's de alto luxo, com filiais, submarcas e bufês a perder de vista...

    No cardápio para 1.600 convidados, 450 pizzas de salmão defumado (marca registrada dele) e 4.200 réplicas de chocolate da estatueta.

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 14h41
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Mais "V de Vingança"

     

    A adaptação da graphic novel de Alan Moore em que os terroristas são os heróis já tem dois trailers, o segundo colocado no ar há poucos dias. O filme estréia nos EUA no dia 17 de março (a cópia que o crítico viu estava no festival texano Austin Butt-Numb-A-Thon) e em 14 de abril no Brasil.

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 14h35
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Sai a primeira crítica de "V de Vingança"

     

    Pelo menos é a primeira que eu vejo, aqui. John DeFore, da "Hollywood Reporter", viu e gostou. Seu resumo: os irmãos Wachowskis partem de "Matrix" para uma distopia tocantemente nua e crua e um refrão na linha "fight the power", gritado.




    Escrito por Sérgio Dávila às 14h29
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Os dez mais do Yahoo 2005 - só cinema

     

    O Yahoo soltou também seus itens mais buscados em 2005. Abaixo, os dez filmes que lideram a lista de cinema (e que não batem com as dez maiores bilheterias, até porque um deles, "Superman", só será lançado em 2006):

    1 Star Wars
    2 Napoleon Dynamite
    3 Batman Begins
    4 Superman Returns
    5 Spider-man
    6 Sin City
    7 Dukes of Hazzard
    8 The Incredibles
    9 Fantastic Four
    10 Harry Potter and the Goblet of Fire



    Escrito por Sérgio Dávila às 14h24
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Woody Allen fala ao "Guardian"

     

    O diretor Woody Allen dá uma de suas melhores entreviustas recentes ao "Guardian" inglês, aqui.

    Trecho:

    Pergunta: A vida é, esssencialmente, cômica ou trágica?

    Resposta: Sem dúvida nenhuma, trágica. Há oasis de comédia nela. Mas, quando acabam, sobram apenas más notícias.

    Woody Allen ca 2002

     



    Categoria: Li e gostei
    Escrito por Sérgio Dávila às 19h25
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Woody Allen fala ao "Guardian"

     

    O diretor Woody Allen dá uma de suas melhores entreviustas recentes ao "Guardian" inglês, aqui.

    Trecho:

    Pergunta: A vida é, esssencialmente, cômica ou trágica?

    Resposta: Sem dúvida nenhuma, trágica. Há oasis de comédia nela. Mas, quando acabam, sobram apenas más notícias.

    Woody Allen ca 2002

     



    Categoria: Li e gostei
    Escrito por Sérgio Dávila às 19h25
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Mais Mel Gibson

     

    Como no polêmico "A Última Paixão de Cristo", o filme será falado numa língua morta. No caso, o idioma maia yucateco --é que o filme se passa antes da descoberta da América. A estréia está prometida para o verão americano de 2006.



    Escrito por Sérgio Dávila às 19h04
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Saiu o trailer de "Apocalypto", novo filme de Mel Gibson

     

    Está na rede o clipe de "Apocalypto", novo filme de Mel Gibson. Veja aqui.

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 18h58
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Por fim, os dez termos "mais comprados" do Froogle em 2005

     

    Abaixo, os dez termos mais buscados pelo site especializado em compras do Google, o Froogle:

    1. ipod

    2. digital camera

    3. mp3 player

    4. ipod mini

    5. psp

    6. laptop

    7. xbox

    8. ipod shuffle

    9. computer desk

    10. ipod nano

    Aí, reina suprema a Apple, com o primeiro, o quarto, oitavo e o décimo itens --e, indiretamente, com o terceiro item. O que não é iPod é game ou computador. Repare a ausência, por exemplo, de TVs (mesmo as de tela plana, que são a coqueluche do ano no setor)...

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 18h38
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Os dez mais do GoogleNews em 2005

     

    Já o site noticioso do Google, em que um mecanismo movido a robôs agrupa e selkeciona as principais notícias do dia, chegou à seguinte lista:

    1. Janet Jackson

    2. Hurricane Katrina

    3. tsunami

    4. xbox 360

    5. Brad Pitt

    6. Michael Jackson

    7. American Idol

    8. Britney Spears

    9. Angelina Jolie

    10. Harry Potter

    Resumindo: dois desastres naturais, um console de videogame, um livro/filme infanto-juvenil, um programa de TV de quinta categoria e CINCO (metade) celebridades. Descoberta a receita para um jornal voltado aos jovens?

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 18h35
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Os dez mais do Google em 2005

     

    O Google revelou hoje os termos mais procurados em seu mecanismo de busca pelos internautas em 2005. Apesar de anglocêntricos, por razões óbvias, são reveladores do ano que termina. No Google.com, por exemplo:

    1. Myspace

    2. Ares

    3. Baidu

    4. wikipedia

    5. orkut

    6. iTunes

    7. Sky News

    8. World of Warcraft

    9. Green Day

    10. Leonardo da Vinci

    Ou seja, 80% dos termos são ligados ao próprio universo da rede: wikipedia, a enciclopédia virtual; Orkut, que é febre só no Brasil e no Irã, e seu equivalente "americano", o Myspace; iTunes, a loja de músicas online da Apple; Ares, que é um software; Baidu, que é um mecanismo de busca concorrente do Google, só que em chinês; e World of Warcraft, sobre games. Isso talvez revele como o mundo dos usuários do Google é fechado em si mesmo e não esteja em expansão.

    Há apenas um site noticioso (Sky News), mas justo um parcial e conservador. E dois itens culturais, o da banda Green Day (o.k.) e "Leonardo da Vinci", que é o único efeito benéfico dos milhões de exemplares venbdidos do livro "O Código da Vinci", de resto subliteratura da pior espécie: os leitores querem saber quem é afinal esse tal de Leonardo...

     

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 18h30
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Errei

     

    Minha fonte em Nova York me corrige na nota "Spielberg - Final", abaixo:

    * "Munich" não trata do atentado sofrido pelos atletas, mas sim do pós-atentado: a reação do governo de Israel e o pedido, via Golda Meir, da caçada aos terroristas responsáveis. 

    * e o filme estréia depois de amanhã, e não em janeiro.
     
    Está corrigido.
     


    Escrito por Sérgio Dávila às 17h46
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Spielberg - Final

     

    Enquanto isso, fique com o trailer de "Munique", sobre o atentado sofrido pelos atletas israelenses nas Olimpíadas de 1972, que estréia nos EUA dia 6 de janeiro e dia 27 aqui no Brasil.



    Escrito por Sérgio Dávila às 12h52
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Mais Spielberg

     

    Mas o próximo projeto dele será levar às telas a adaptação do livro "Team of Rivals" (Time de Rivais), sobre o décimo-sexto presidente norte-americano Abraham Lincoln, focando mais em sua atuação na Guera Civil --é baseado em best-seller biográfico escrito por Doris Kearns Goodwin. O filme deve ser lançado no final de 2007.

    Steven Spielberg has hired the man who masterminded Israel's withdrawal from the Gaza Strip to promote his new film Munich.



    Escrito por Sérgio Dávila às 12h48
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Spielberg dá cãmeras a meninos palestinos e judeus

     

    Um dos próximos projetos do diretor Steven Spielberg será resultado de uma decisão que ele tomou este ano: ele deu 250 câmeras digitais, 125 para meninos palestinos, 125 para meninos judeus, em Israel, para que eles filmem seu cotidiano. Do resultado, ele fará um filme cuja tese inicial (que pode ser refutada) é de que a vida em ambos os lados da questão israelo-palestina não é tão diferente assim --pelo menos do ponto de vista das crianças.

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 12h34
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Mais dados sobre "King Kong"

     

    * Segundo release da Universal, o estúdio do arrasa-quarteirão (ou arrasa-quarteirinho?), foi mesmo de US$ 66.2 mi a bilheteria doméstica de "King Kong" desde sua estréia, há 5 dias.

    * Só no fim-de-semana, o total foi de US$ 50,1 milhões. O estúdio disse que estava dentro das expectativas, mas analistas esperavam US$ 90 mi.

    * O primeiro filme da trilogia "O Senhor dos ANéis", do mesmo Peter Jackson, levou $75 mihões no mesmo período e também tinha mais de duas horas de duração.

    * A mulherada amou o gorilão: 47% da audiência até sábado era feminina.

    * No "resto do mundo" (55 países), a bilheteria conjunta foi de US$ 80 milhões. Assim, temos US$ 146 milhões, ou pouco menos do custo total do filme (US$ 207 mi), em cinco dias

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 19h58
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Mande e-mail a si mesmo --no futuro

     

    Um website deixa que seus assinantes mandem e-mail para eles mesmos --no futuro. É o http://www.FutureMe.org. No dia 25 de abril de 1009, Greg vai receber um e-mail lembrando-o quem é seu melhor amigo e seu pior inimigo, que uma vez ele namorou uma mulher chamada Michelle e que ele planejava se formar em ciência da computação. Reportagem simpática da AP.

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 19h50
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Revista tenta decifrar o código

     

    A Newsweek desta semana tenta decifrar O Código da Vinci, o filme, antes mesmo de ele ser feito.

    Tom Hanks e Audrey tatou em cena do filme



    Escrito por Sérgio Dávila às 17h27
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Por falar em Tom Cruise...

     

    ... ele visitou bombeiros vítimas de doenças provocadas pela respiração do ar intoxicado resultante da queda das torres do World Trade Center em 11.9 e disse que eles deviam deixar de tomar remédios "como caminho para a purificação. Leia abaixo, em inglês:

    Cruise Stands Firm on 9/11 Medication Comments at Gala

    Tom Cruise stood firm behind his controversial comments about September 11 rescue workers coming off their post-trauma medications when he visited New York City firefighters on Wednesday night. The movie star has been blasted by firefighters suffering the effects of smoke inhalation from the World Trade Center terrorist attacks after urging them to give up their medication as part of a 'purification rundown' favored by his Church of Scientology elders. But public criticism didn't stop Cruise and his pregnant fiancee Katie Holmes from visiting a New York City Rescue Workers Detoxification Project fundraiser, which he helped found in the wake of 9/11. The couple were joined by R&B star Usher. He says, "I started this project out of the great respect I have for the courage and service of the rescue workers. When I started this project I was in position where I knew I could help. I absolutely consider it an honor and a privilege to be here to help these men and women." The annual Tribeca gala raised $1.6 million. The project aids firefighters, emergency medical technicians, police Officers and the many first responders who were exposed to potentially dangerous materials circulating in the air after the collapse of the World Trade Center.

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 17h09
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Jornal conta como Tom Cruise virou cientologista

     

    Artigo no LATimes conta como o ator Tom Cruise se tornou a face pública da polêmica seita Cientologia.



    Escrito por Sérgio Dávila às 17h05
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Sim, existem caubóis gays

     

    E eles são mortos por isso. pelo menos no Wyoming, segundo reportagem do Styles, do NYTimes.



    Escrito por Sérgio Dávila às 17h02
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    "King Kong" fatura US$ 66 mi

     

    Estes são os primeiros números do fim de semana nos EUA, segundo o IMDb, via "Hollywood Reporter".

    16 December 2005 (Sunday Estimates)

    Rank Title Weekend Gross
    1. King Kong (2005) $50.1M $66.2M
    2. The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe (2005) $31.2M $113M
    3. The Family Stone (2005) $12.7M $12.7M
    4. Harry Potter and the Goblet of Fire (2005) $5.91M $253M
    5. Syriana (2005) $5.46M $22.3M
    6. Walk the Line (2005) $3.62M $82.5M
    7. Yours, Mine and Ours (2005) $3.42M $45.1M
    8. Brokeback Mountain (2005) $2.36M $3.33M
    9. Just Friends (2005) $1.95M $29.4M
    10. Aeon Flux (2005) $1.68M $23.1M



    Escrito por Sérgio Dávila às 17h01
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Eles vendem mais que Sinatra, Beach Boys e Eminem

     

    Você já ouviu falar em Mannheim Steamroller? Devia. É uma banda liderada por Chip Davis, 58, que já vendeu 27 milhões de álbuns, mais do que Frank Sinatra, Beach Boys, Stevie Wonder, R.E.M. e Eminem. Tem seu selo próprio, American Gramaphone, em Omaha, Nebraska (leia nota anterior). O que eles tocam? Música natalina...



    Categoria: Li e gostei
    Escrito por Sérgio Dávila às 16h51
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Bono suando a camisa antes de saber da Time

     

    Alias, Bono aproveitou um show do U2 em Omaha, Nebraska, e ficou um dia a mais para reunião com sua ONG, a DATA, segundo a AP --e ninguém fica um dia a mais em Omaha a não ser que seja um grande filantropo...

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 12h50
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Saiu a capa da Time

     

     

     

    E o vencedor é... um trio de filantropistas: o casal bilionário Bill e Melinda Gates (ele, dono da Microsoft, ambos à frente da fundação beneficente que leva seus nomes) e o líder do U2 (que só no Brasil ainda insistem em chamar de Bono Vox, nome que ele não usa desde os anos 80 --assim como só no Brasil dizem "Bãsh", em vez do correto "Búsh", referindo-se ao presidente norte-americano), que trabalha para quitar o débito de países africanos, entre outras iniciativas. Está na Time.



    Escrito por Sérgio Dávila às 12h41
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Coluna Outra América de hoje

    De Paçoca, Rita e boas ações

    por Sérgio Dávila

    Quando esta Folha me convidou para cobrir a invasão do Iraque se de fato ocorresse, naquele janeiro de 2003, eu havia acabado de voltar de Nova York, e a guerra era ainda uma “gathering storm” (tempestade em formação), para usar o título de um dos seis volumes que o ex-premiê britânico Winston Churchill (1874-1965) escreveu sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

    Tirei uma semana e, por indicação de um amigo, alugamos uma “palafita” estilizada no litoral norte paulista, para que eu pudesse me isolar e ler a pilha exagerada de livros e impressos que juntei a respeito de Saddam Hussein, Iraque, Oriente Médio e correspondência de guerra em geral.

    Numa noite, voltando para a tal palafita, durante uma daquelas tempestades que varrem aqueles lados no verão, ouvimos uma série de miados –ignoramos e seguimos em frente. Na noite seguinte, nova tempestade, novo miado. Resolvemos parar e, instado pela defensora de animais que me acompanha há dez anos, entrei no mato.

    Saí de lá com uma coisa nas mãos. Tinha pouco mais de um palmo de tamanho, menor ainda molhada, e dois olhos que se revelariam gigantes, como os do Gato de Botas, versão “Shrek 2”. Infestada de pulgas, com duas das pálpebras fechadas por uma doença, tinha sido abandonada por alguém –ou talvez pela própria mãe– e era a mais fraca de quatro irmãos.

    Levamos para casa, demos banho, compramos leite e peito de peru fatiado, entregamos a um dos dois veterinários existentes por ali então, quase a matamos ao passar um antipulgas exagerado para o seu tamanho. Ela dormia no alto de uma cesta de vime, para fugir de um cachorro que insistia em comer sua ração.

    Era Farofa no começo, virou Paçoca depois.

    Em março, já na guerra, em Bagdá, consegui fazer conexão em casa por um pouco confiável telefone por satélite. Paçoca tinha caído do terceiro andar do nosso prédio, em São Paulo. Duas vezes. Com os ossos da cara arrebentados, sangue no pulmão e dificuldade de respirar, sua probabilidade de sobreviver era mínima.

    Anestesiado pela adrenalina e pelo instinto de sobrevivência, eu ainda não tinha perdido o controle, mesmo depois de presenciar as atrocidades que vi impingidas estupidamente a civis inocentes durante a guerra. Perdi a couraça ali, durante o telefonema, pela primeira e penúltima vez até voltar ao Brasil.

    Sobrevivi. Paçoca também.

    Antes dela, era partidário da corrente que dividia o mundo entre os que gostam de gatos e os que gostam de cães, os que usam palito e os que não usam, os que “entendem” ópera e os que não. Depois, percebi que tais divisões são reducionistas e que pode haver descobertas interessantes na zona cinzenta –cor, aliás, do pêlo vagabundo de Paçoca.

    Que logo ganharia uma amiga. Rita. Pêlo alvo, olhos azuis, top-model das gatas vira-latas, que só toma água corrente (gatos preferem “achar” sua própria água do que bebê-la de um pote, uma das lições que aprendi), é algo cega e surda como todo felino branco (outra lição) e usa protetor solar para evitar câncer nas orelhas quando envelhecer (mais uma).

    A ela chegamos por uma entidade chamada Adote um Gatinho e mantida com doações de terceiros e a absoluta obstinação de duas heroínas do mundo animal, as voluntárias Susan Yamamoto e Juliana Bussab, 29 anos.

    Surgiu em janeiro de 2003, com as duas amigas resgatando gatos abandonados pelas ruas de São Paulo, e virou site (www.adoteumgatinho.com.br). Elas usam o conceito de “lar temporário”, com gatos nas casas das duas, de voluntários e uma veterinária, cada um responsável pela adoção dos que acolhe.

    Há histórias escabrosas, como a de pessoas que cimentaram uma gata e sua ninhada num bueiro do centro da cidade –só foram descobertos por uma denúncia anônima, quase mortos de fome. Juliana chegou depois do resgate e fez o que a dupla faz melhor, que é cuidar, dar vacinas, castrar e encaminhar.

    O Adote um Gatinho já encaminhou 1.440 felinos. E conta neste momento com outros 100, que esperam. Tem a Laila, o Pretinho, a Ametista, o Cláudio Augusto. A Talita, a Batatinha, o Júlio César. Todos esperando um dono.

    Qual será sua boa ação neste fim de ano?


    E-mail: sdavila@folhasp.com.br



    Categoria: Eu na Folha e na Revista
    Escrito por Sérgio Dávila às 11h20
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Oscar 2006 divulga pré-candidatos a efeitos especiais

     

    Dos abaixo, três serão escolhidos para concorrer à estatueta (se o vencedor não for King Kong, os EUA mudam a moeda de dólar para peso mexicano):

    "Batman Begins"
    "Charlie and the Chocolate Factory"
    "The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe"
    "Harry Potter and the Goblet of Fire"
    "King Kong"
    "Star Wars: Episode III Revenge of the Sith"
    "War of the Worlds"



    Escrito por Sérgio Dávila às 17h48
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Eu, King Kong

    São Paulo, sexta-feira, 16 de dezembro de 2005

    Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

    EU, KING KONG

    "As criaturas me perseguem", diz o ator-gorila

    DO ENVIADO A NOVA YORK

    Leia entrevista com o ator Andy Serkis, 41, o Gollum, de "O Senhor dos Anéis" e a base de Kong, de "King Kong". (SD)

     

    Folha - Qual o problema dos personagens "normais"?
    Andy Serkis -
    Não sei, as criaturas me perseguem... (risos). Falando sério, interpreto tudo o que Pete (Peter Jackson) me pedir.

    Folha - Como foi sua temporada em Ruanda?
    Serkis -
    Maravilhosa. Observar os gorilas na natureza é diferente de vê-los em cativeiro. É quando as semelhanças entre eles e nós ficam mais evidentes.

    Folha - E no zoológico?
    Serkis -
    Aí, a história é diferente. Eles são mais melancólicos, mesmo os que já nasceram em cativeiro. Indo visitá-los todos os dias, acabei me afeiçoando aos animais. E uma delas desenvolveu uma relação, digamos, mais amorosa por mim. Quando levei minha mulher, a gorila ficou louca, começou a gritar, se debater...

    Folha - Há quem diga que o sr. elevou a interpretação digital à categoria de "arte". Concorda?
    Serkis -
    É tudo interpretação. No caso de Kong, houve dois momentos. No primeiro, eu interagia com os outros atores normalmente, grunhindo e tendo as reações que o animal teria no filme. No segundo, eu usava um aparato que batizamos de "kongolizador", próteses dentárias, dezenas de fios e uma máquina que baixava o tom de minha voz -na verdade, meus grunhidos- em três oitavas. Foi interessante.



    Escrito por Sérgio Dávila às 12h01
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    King Kong na Folha

    São Paulo, sexta-feira, 16 de dezembro de 2005

    Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

    CINEMA

    Diretor neozelandês utiliza em profusão os efeitos especiais, mas constrói filme com bons roteiro e interpretações

    Jackson humaniza técnica em "King Kong"

    Divulgação
    O gorila King Kong passeia por Nova York, em cena do novo filme de Peter Jackson


    SÉRGIO DÁVILA
    ENVIADO ESPECIAL A NOVA YORK

    Há pouco mais de 700 gorilas (Gorilla gorilla) vivos na natureza hoje, a maioria nas florestas tropicais da África Equatorial. Não deixa de ser irônico que, há pelo menos seis meses, o mais falado, comentado e dissecado da espécie seja uma criação digital de oito metros que vive num estúdio digitalmente transformado na inexistente Ilha das Caveiras.
    Pois hoje estréia "King Kong", a mastodôntica versão de Peter Jackson para o clássico original de 1933, com três horas de duração, US$ 207 milhões de orçamento e em 10 mil telas espalhadas pelo mundo.
    Os números superlativos do arrasa-quarteirão e suas proezas tecnológicas, no entanto, não deixam a trama e a diversão em segundo plano, como só acontece quando Hollywood empenha tanto tempo e dinheiro em um filme dessas proporções.
    O diretor neozelandês aprendeu o segredo quando deixou de ser uma celebridade média da Oceania e pulou para o primeiro time da indústria mundial cinematográfica ao realizar a trilogia de "O Senhor dos Anéis", que rendeu 17 Oscars e US$ 3 bilhões: é a tecnologia digital, estúpido. "Aprendi isso com George Lucas e seus "Guerra nas Estrelas'", disse. "Atualmente, se você quer controlar seu filme, controle a tecnologia que o tornará possível."
    O diretor grisalho foi o pioneiro do cinema moderno a fazer isso. Suas empresas de efeitos digitais na Califórnia deram salto tecnológico atrás de salto tecnológico a cada filme da cinessérie, a ponto de hoje dividirem seu faturamento quase meio a meio com produtos e subprodutos criados por Lucas e prestação de serviços a terceiros. Outro que descobriu o filão e realiza seus próprio efeitos é Robert Rodriguez, de "Sin City" e "Spy Kids", que faz tudo a partir de um computador e um celeiro no Texas.
    "Resolvi ir pelo mesmo caminho", disse Jackson. Não sem um custo. Para colocar nas telas o que havia imaginado desde os nove anos, quando assistiu pela primeira vez o original numa sessão coruja da TV neozelandesa -e para não parecer "brega", como disse à Folha, como a versão de Dino de Laurentiis, de 1976, que "atualiza" a história de Kong-, o diretor teve de colocar do bolso os US$ 35 milhões que faltavam em efeitos especiais, pois a Universal se recusava em estourar o orçamento de US$ 170 milhões. O resto aqui.



    Categoria: Eu na Folha e na Revista
    Escrito por Sérgio Dávila às 12h00
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Música de "O Jardineiro Fiel" também concorre

     

    "Dicholo", uma das músicas de "O Jardineiro Fiel", dirigido pelo brasileiro Fernando Meirelles, também concorre. Quem interpreta é Ayub Ogada, um renomado músico queniano.

    Serão exibidos clipes de três minutos para os eleitores desta categoria nos dias 17 e 23 de janeiro. Nestes dias, os votantes escolhem de três a cinco músicas. As indicações serão anunciadas no dia 31, às 11h de SP; o Oscar será entregue no dia 5 de março, a partir das 23h de SP.

     



    Escrito por Sérgio Dávila às 11h35
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

    Sapiram as músicas que concorrem às vagas do Oscar 2006

    "Along the River" from "End of the Spear"
     
    "Angels Talk" from "Angels with Angels"
     
    "Butterfly" from "Because of Winn-Dixie"
     
    "Can't Take It In" from "The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch, and the Wardrobe"
                
    "Closer Every Day" from "Freezerburn"
     
    "Dicholo" from "The Constant Gardener"
     
    "Do the Hippogriff" from "Harry Potter and the Goblet of Fire"
     
    "Dreamer" from "Dreamer: Inspired by a True Story"
     
    "Face of Faith" from "Rumor Has It"
     
    "Fight for the Children" from "Palindromes"
     
    "Finding Home" from "Finding Home"
     
    "Great Big World" from "Hookwinked"
     
    "Have a Little Faith" from "The Theory of Everything"
     
    "Hustle & Flow (It Ain't Over)" from "Hustle & Flow"
     
    "(I'd Have It All) If I Had Drew" from "My Date with Drew"
     
    "If I Apologize" from "Mirrormask"
     
    "I'll Be Near You" from "Bee Season"
     
    "I'll Whip Ya Head Boy" from "Get Rich or Die Tryin'"
     
    "In the Deep" from "Crash"
     
    "It Ain't Over Yet” from "Racing Stripes"
     
    "It's Hard Out Here for a Pimp" from "Hustle & Flow"
     
    "I've Gotta See You Smile" from "Because of Winn-Dixie"
                                                                            
    "Mad Hot Ballroom" from "Mad Hot Ballroom"
     
    "Move Away and Shine" from "Thumbsucker"
     
    "My Brother, My People" from "Blues by the Beach"
     
    "Nobody Jesus But You" from "Palindromes"
     
    "One Blood" from "Green Street Hooligans"
     
    "One Little Slip" from "Chicken Little"
     
    "One Safe Place" from "The Upside of Anger"
     
    "Reachin' for Heaven" from "Ice Princess"
     
    "Remains of the Day" from "Tim Burton's Corpse Bride"
     
    "Same in Any Language" from "Elizabethtown"
     
    "Shine" from "Robots"
     
    "Shoulder to Shoulder" from "Pooh's Heffalump Movie"
      
    "So Long and Thanks for All the Fish" from "The Hitchhiker's Guide to the Galaxy"
     
    "Taking the Inside Rail" from "Racing Stripes"
     
    "Tell Me What You Already Did" from "Robots"
     
    "There's Nothing Like a Show on Broadway" from "The Producers"
     
    "These Days" from "Sisterhood of the Traveling Pants"
     
    "This Is the Way" from "Palindromes"
     
    "Travelin' Thru" from "Transamerica"
                            
    "You're Gonna Die Soon" from "Sarah Silverman: Jesus is    Magic"
     



    Escrito por Sérgio Dávila às 11h26
    [comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]