EUA, Washington, homem, de 36 a 45 anos, português, inglês, espanhol e francês

Leia mais

  





01/02/2010 a 15/02/2010
16/01/2010 a 31/01/2010
01/01/2010 a 15/01/2010
16/12/2009 a 31/12/2009
01/12/2009 a 15/12/2009
16/11/2009 a 30/11/2009
01/11/2009 a 15/11/2009
16/10/2009 a 31/10/2009
01/10/2009 a 15/10/2009
16/09/2009 a 30/09/2009
01/09/2009 a 15/09/2009
16/08/2009 a 31/08/2009
01/08/2009 a 15/08/2009
16/07/2009 a 31/07/2009
01/07/2009 a 15/07/2009
16/06/2009 a 30/06/2009
01/06/2009 a 15/06/2009
16/05/2009 a 31/05/2009
01/05/2009 a 15/05/2009
16/04/2009 a 30/04/2009
01/04/2009 a 15/04/2009
16/03/2009 a 31/03/2009
01/03/2009 a 15/03/2009
16/02/2009 a 28/02/2009
01/02/2009 a 15/02/2009
16/01/2009 a 31/01/2009
01/01/2009 a 15/01/2009
16/12/2008 a 31/12/2008
01/12/2008 a 15/12/2008
16/11/2008 a 30/11/2008
01/11/2008 a 15/11/2008
16/10/2008 a 31/10/2008
01/10/2008 a 15/10/2008
16/09/2008 a 30/09/2008
01/09/2008 a 15/09/2008
16/08/2008 a 31/08/2008
01/08/2008 a 15/08/2008
16/07/2008 a 31/07/2008
01/07/2008 a 15/07/2008
16/06/2008 a 30/06/2008
01/06/2008 a 15/06/2008
16/05/2008 a 31/05/2008
01/05/2008 a 15/05/2008
16/04/2008 a 30/04/2008
01/04/2008 a 15/04/2008
16/03/2008 a 31/03/2008
01/03/2008 a 15/03/2008
16/02/2008 a 29/02/2008
01/02/2008 a 15/02/2008
16/01/2008 a 31/01/2008
01/01/2008 a 15/01/2008
16/12/2007 a 31/12/2007
01/12/2007 a 15/12/2007
16/11/2007 a 30/11/2007
01/11/2007 a 15/11/2007
16/10/2007 a 31/10/2007
01/10/2007 a 15/10/2007
16/09/2007 a 30/09/2007
01/09/2007 a 15/09/2007
16/08/2007 a 31/08/2007
01/08/2007 a 15/08/2007
16/07/2007 a 31/07/2007
01/07/2007 a 15/07/2007
16/06/2007 a 30/06/2007
01/06/2007 a 15/06/2007
16/05/2007 a 31/05/2007
01/05/2007 a 15/05/2007
16/04/2007 a 30/04/2007
01/04/2007 a 15/04/2007
16/03/2007 a 31/03/2007
01/03/2007 a 15/03/2007
16/02/2007 a 28/02/2007
01/02/2007 a 15/02/2007
16/01/2007 a 31/01/2007
01/01/2007 a 15/01/2007
01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005

VOTAÇÃO
Dê uma nota para meu blog




Exclusiva: Fernando Meirelles

 

O blog fez quatro perguntas rapidinhas para Fernando Meirelles assim que ele soube das quatro indicações de "O Jardineiro Fiel":

1. O que significam para você e para o filme as três indicações e uma vitória no Globo de Ouro e, agora, as quatro  indicações ao Oscar?

FM: Mais do que eu esperava. Entrei neste projeto meio de sopetão. O resultado saiu melhor do que a encomenda.

2. Você esperava mais do oscar? Pretende ir à cerimônia?

FM: Esperava três indicações, montagem, roteiro e atriz coadjuvante, tivemos uma a mais. Estou no lucro. Vale dizer que entre o primeiro roteiro e o que "foi ao ar" ha uma enorme diferença. As grandes mudanças foram propostas pelo Braulio Mantovani e pela Cris Riera, que estão creditados no filme. Sem as idéias deles não sei se teríamos chegado lá.

3. Há quem diga que o filme é "complicado demais", no bom sentido, para o votante médio da academia, que geralmente prefere filmes mais lineares, água com açucar e de final feliz. Você concorda?

FM: Este foi um ano de filmes complexos. A turma lá está se sofisticando.

4. O que você vai fazer agora? Continua a se dedicar à temporada de prêmios ou já se prepara para seu próximo projeto?

FM: Vou ao BAFTA daqui a duas semanas e depois tiro um tempo para mim. Volto a pensar em cinema só lá pelo meio do ano. Preciso dar uma reciclada.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 22h22
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

A lista completa


List of Annual Academy Award Nominations

By The Associated Press 4 minutes ago

List of the 78th annual Oscar nominations announced Tuesday in Beverly Hills, Calif., by the Academy of Motion Picture Arts and Sciences:

1. Best Picture: "Brokeback Mountain," "Capote," "Crash," "Good Night, and Good Luck," "Munich."

2. Actor: Philip Seymour Hoffman, "Capote"; Terrence Howard, "Hustle & Flow"; Heath Ledger, "Brokeback Mountain"; Joaquin Phoenix, "Walk the Line"; David Strathairn, "Good Night, and Good Luck."

3. Actress: Judi Dench, "Mrs. Henderson Presents"; Felicity Huffman, "Transamerica"; Keira Knightley, "Pride & Prejudice"; Charlize Theron, "North Country"; Reese Witherspoon, "Walk the Line."

4. Supporting Actor: George Clooney, "Syriana"; Matt Dillon, "Crash"; Paul Giamatti, "Cinderella Man"; Jake Gyllenhaal, "Brokeback Mountain"; William Hurt, "A History of Violence."

5. Supporting Actress: Amy Adams, "Junebug"; Catherine Keener, "Capote"; Frances McDormand, "North Country"; Rachel Weisz, "The Constant Gardener"; Michelle Williams, "Brokeback Mountain."

6. Director: Ang Lee, "Brokeback Mountain"; Bennett Miller, "Capote"; Paul Haggis, "Crash"; George Clooney, "Good Night, and Good Luck."; Steven Spielberg, "Munich."

7. Foreign Film: "Don't Tell," Italy; "Joyeux Noel," France; "Paradise Now," Palestine; "Sophie Scholl - The Final Days," Germany; "Tsotsi," South Africa.

8. Adapted Screenplay: Larry McMurtry & Diana Ossana, "Brokeback Mountain"; Dan Futterman, "Capote"; Jeffrey Caine, "The Constant Gardener"; Josh Olson, "A History of Violence"; Tony Kushner and Eric Roth, "Munich."

9. Original Screenplay: Paul Haggis & Bobby Moresco, "Crash"; George Clooney & Grant Heslov, "Good Night, and Good Luck."; Woody Allen, "Match Point"; Noah Baumbach, "The Squid and the Whale"; Stephen Gaghan, "Syriana."

10. Animated Feature Film: "Howl's Moving Castle"; "Tim Burton's Corpse Bride"; "Wallace & Gromit in the Curse of the Were-Rabbit."

11. Art Direction: "Good Night, and Good Luck.," "Harry Potter and the Goblet of Fire," "King Kong," "Memoirs of a Geisha," "Pride & Prejudice."

12. Cinematography: "Batman Begins," "Brokeback Mountain," "Good Night, and Good Luck.," "Memoirs of a Geisha," "The New World."

13. Sound Mixing: "The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe," "King Kong," "Memoirs of a Geisha," "Walk the Line," "War of the Worlds."

14. Sound Editing: "King Kong," "Memoirs of a Geisha," "War of the Worlds."

15. Original Score: "Brokeback Mountain," Gustavo Santaolalla; "The Constant Gardener," Alberto Iglesias; "Memoirs of a Geisha," John Williams; "Munich," John Williams; "Pride & Prejudice," Dario Marianelli.

16. Original Song: "In the Deep" from "Crash," Kathleen "Bird" York and Michael Becker; "It's Hard Out Here for a Pimp" from "Hustle & Flow," Jordan Houston, Cedric Coleman and Paul Beauregard; "Travelin' Thru" from "Transamerica," Dolly Parton.

17. Costume: "Charlie and the Chocolate Factory," "Memoirs of a Geisha," "Mrs. Henderson Presents," "Pride & Prejudice," "Walk the Line."

18. Documentary Feature: "Darwin's Nightmare," "Enron: The Smartest Guys in the Room," "March of the Penguins," "Murderball," "Street Fight."

19. Documentary (short subject): "The Death of Kevin Carter: Casualty of the Bang Bang Club," "God Sleeps in Rwanda," "The Mushroom Club," "A Note of Triumph: The Golden Age of Norman Corwin."

20. Film Editing: "Cinderella Man," "The Constant Gardener," "Crash," "Munich," "Walk the Line."

21. Makeup: "The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe," "Cinderella Man," "Star Wars: Episode III Revenge of the Sith."

22. Animated Short Film: "Badgered," "The Moon and the Son: An Imagined Conversation," "The Mysterious Geographic Explorations of Jasper Morello," "9," "One Man Band."

23. Live Action Short Film: "Ausreisser (The Runaway)," "Cashback," "The Last Farm," "Our Time Is Up," "Six Shooter."

24. Visual Effects: "The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe," "King Kong," "War of the Worlds."

___

Academy Award winners previously announced this year:

Honorary Award (Oscar statuette): Robert Altman.

The Gordon E. Sawyer award (Oscar statuette): Gary Demos.



Escrito por Sérgio Dávila às 11h01
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

"O Segredo de Brokeback Mountains" tem oito indicações no total

 

O drama gay do tawainês Ang lee é o grande indicado do oscar 2006 (mas não chega perto de recordes de indicações de anos anteriores), entre elas filme e direção.



Escrito por Sérgio Dávila às 10h55
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

"O Jardineiro Fiel" tem quatro indicações

 

O filme de Fernando Meirelles recebeu quatro indicações: atriz coadjuvante (Rachel Weisz) e roteiro adaptado, trilha sonora e edição. Merecia mais, incluindo diretor, filme e ator --mas o filme é muito intricado para os tiozinhos da Academia...

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h53
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Os Estrangeiros

 

O blog não quer se gabar, mas a escolha da academia bateu com os palpites daqui (e "2 Filhos de Francisco", do brasileiro Breno Silveira, está fora):

Don't Tell -  Cristina Comencini - Itália
Feliz Natal -  Christian Carion - França
Paradise Now -  Hany Abu-Assad - Palestina
Sophie Scholl -  Marc Rothemund - Alemanha
Tsotsi - Gavin Hood - África do Sul

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h52
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Filmes e diretores do Oscar 2006

Melhor Diretor

Ang Lee - O Segredo de Brokeback Mountain
Bennett Miller - Capote
George Clooney - Boa Noite, Boa Sorte
Paul Haggis - Crash - No Limite
Steven Spielberg - Munique

Melhor Filme

Boa Noite, e Boa Sorte - George Clooney
Capote - Bennett Miller
Crash - No Limite - Paul Haggis
Munique - Steven Spielberg
O Segredo de Brokeback Mountain - Ang Lee



Escrito por Sérgio Dávila às 10h49
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Brasil começa mal no Oscar 2006

 

"2 Filhos de Francisco" não está entre os cinco indicados a filme estrangeiro; "O jardineiro Fiel", de Fernando meirelles", não está entre os cinco diretores nem entre os cinco filmes...

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h47
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Os outros brasileiros que "concorrem" ao Oscar amanhã

 

Como bem lembrou meu amigo e blogueiro de primeira linha Marcelo Bernardes, pela lista oficial dos filmes elegíveis ao Oscar, não é só Fernando Meirelles e seu "O Jardineiro Fiel" nem "2 Filhos de Francisco", de Breno Silveira, que podem ser indicados amanhã. A lista é grande:

MELHOR DIRETOR

Fernando Meirelles, O Jardineiro Fiel


MELHOR ATRIZ

Fernanda Montenegro, O Outro Lado da Rua


MELHOR ATOR

Raul Cortez, O Outro Lado da Rua


MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Morena Baccarin, Serenity
Laura Cardoso, O Outro Lado da Rua


MELHOR ATOR COADJUVANTE

Charles Paraventi, Domino

Luis Carlos Persy, O Outro Lado da Rua


MELHOR TRILHA SONORA

Antonio Pinto, O Senhor das Armas


MELHOR FOTOGRAFIA

César Charlone, O Jardineiro Fiel (César nasceu no Uruguai)


MELHOR FILME ESTRANGEIRO

2 Filhos de Francisco



Escrito por Sérgio Dávila às 10h06
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Woody Allen fala de Brasil

 

A seguir, o cineasta norte-americano Woody Allen fala do Brasil, de Machado de Assis a Walter Salles, passando por Capitu.
 

Folha - Numa das cenas de "Ponto Final", o casal vai assistir a "Diários de Motocicletales. Por quê?
Woody Allen -
Eu não conheço o diretor, mas assisti ao filme e achei que era uma excelente obra. Aliás, sempre que me indicam filmes brasileiros eu vejo, assim como de qualquer diretor europeu, sul-americano ou asiático.

Folha - Então, diferentemente do espectador médio norte-americano, o sr. não tem problema com legendas?
Allen -
Não. Na verdade, eu tenho problema é com os filmes americanos, porque existem tão poucos que são realmente bons. Adoro ir ao cinema, mas, num ano, consigo ver três, quatro, no máximo cinco bons filmes americanos. Depois disso, tenho de passar para os estrangeiros, aos quais sou muito agradecido.

Folha - O sr. já disse ser leitor de Machado de Assis. Continua?
Allen -
Sim, ele é maravilhoso. Muito inteligente. O último que eu li é aquele sobre o marido ciumento que desconfia da traição do melhor amigo com a mulher, que tem um nome curioso...

Folha - Capitu. O sr. leu "Dom Casmurro".
Allen -
Esse mesmo! É maravilhoso! Não muito conhecido nos Estados Unidos, infelizmente, embora a tradução que eu tenha lido seja primorosa.

Folha - O sr. declarou nos anos 80 que não vinha ao Brasil porque não visitaria um país em que as crianças eram mortas nas ruas. O pensamento ainda vale?
Allen -
Não acredito que eu tenha dito isso. Provavelmente eu disse que eu não iria ao país porque tinha medo do clima no Brasil então, violento, ameaçador. Agora, como isso seguramente mudou, claro que eu visitaria o país. Bem, como sou um covarde no tocante a viagens, provavelmente não iria nem assim...
Para falar a verdade, eu nunca estive ao sul da fronteira dos Estados Unidos com o México. Só viajo quando os estúdios me mandam para algum lugar e eu não posso recusar. Ou, muito de vez em quando, para tocar jazz.



Escrito por Sérgio Dávila às 09h34
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Minha entrevista com Woody Allen

Pelas lentes de Woody

François Guillot/France Presse
Woody Allen, que estréia "Ponto Final", seu 35º longa


Em entrevista exclusiva à Folha, Woody Allen fala de "Ponto Final", seu filme mais sexual, que estréia dia 10, e do que o levou a filmar em Londres

SÉRGIO DÁVILA
DA REPORTAGEM LOCAL

"Mr. Allen? Mr. Woody Allen?." A voz, do outro lado da linha, é inconfundível, mesmo entre os barulhos de uma Redação em pleno trabalho do lado de cá da linha, na tarde da última sexta-feira. Do lado de lá, em Londres, o nova-iorquino Woody Allen, 70, um dos mais importantes e autorais cineastas em atividade.
Em Londres? Sim, o autor de "Manhattan" (1979) e outras odes fílmicas a Nova York cansou da penúria que Hollywood o impõe e foi atrás "de onde o dinheiro está", como disse em entrevista exclusiva à Folha.
Assim, fez "Ponto Final" ("Match Point"), que concorreu a quatro Globos de Ouro, tem chances nas indicações do Oscar amanhã e estréia no Brasil no dia 10; acaba de concluir "Scoop", comédia ligeira que abre no verão dos EUA; e prepara-se para o terceiro, todos na capital britânica.
"Ponto Final", seu 35º longa e um dos melhores, traz um "quadrado amoroso", como define o próprio Allen, em que os dois principais lados são interpretados pela pós-ninfeta norte-americana Scarlett Johansson, 21, e o irlandês Jonathan Rhys-Meyers, 28, respectivamente nos papéis de namoradinha-de-um-amigo-meu e tenista-em-crise.
Scarlett, nova-iorquina como Allen, caiu nas graças do diretor: está também em "Scoop" e, segundo revelou, tinha de responder a perguntas indiscretas de Allen nos intervalos da filmagem. "Ele gritava "corta", virava-se para mim e dizia: "E então, como você perdeu sua virgindade?" Era engraçado", revela ela à próxima edição da revista "Spin".
Leia os principais trechos da entrevista com Woody Allen.
 

Folha - A cada filme que o sr. lança, a crítica diz "É o melhor filme de Woody Allen" ou "Finalmente, Woody Allen volta à boa forma". Como o sr. reage a isso?
Woody Allen -
Não pensando nisso. Faço meus filmes, se as pessoas gostam, muito bem, se não gostam, muito bem também. Mas nunca leio nada sobre mim ou os filmes, nunca tomo conhecimento, na verdade, do que estão dizendo. Só faço filmes. Sei que às vezes faço filmes bons e, às vezes, não. [Woody Allen declarara que considera "bons" três filmes seus: "A Rosa Púrpura do Cairo", de 1985, "Maridos e Esposas", de 92, e "Ponto Final".]

Folha - E por que fazer um melodrama que se passa em Londres, seu primeiro filme aí?
Allen -
A razão da locação é bastante simples: foi Londres que deu o dinheiro para que o filme fosse feito (risos). Quanto à história, é uma idéia com a qual eu venho brincando faz tempo e que eu sempre achei que fosse uma boa idéia, a do "quadrado amoroso" com um tenista profissional.

Folha - "Ponto Final" é seu filme mais sexy e violento desde os anos 90. É a idade?
Allen -
Não, é a idéia. Eu nunca penso nesses termos. Não em sexo ou violência, mas que tal filme é mais quente, outro, mais cerebral. Uso qualquer meio que seja necessário para que a idéia saia do papel e conte a história (risos).

Folha - Há também um clima dostoievskiano, especialmente de "Crime e Castigo", que já inspirou outro filme seu, não?
Allen -
Certamente o filme tem uma discussão filosófica que pode ser encontrada no livro russo, sim. Mas eu só introduzo o tema, não chego a desenvolver tão bem quanto Dostoiévski. Nem tinha essa pretensão.

Folha - Seu próximo filme, "Scoop", também foi feito em Londres. Assim como "Ponto Final". O sr. está virando londrino, como Madonna?
Allen -
Não, não (risos). É aqui é que me dão dinheiro...

Folha - Hollywood não o está tratando direito?
Allen -
Até que eles me tratam bem, quando acham que eu posso trazer dinheiro para eles, o que nem sempre é o caso. Mas eu nunca fiz parte do chamado sistema hollywoodiano, eu trabalho no "sistema nova-iorquino", ou seja, independente, sozinho. Acho, porém, que é justo que eles não queiram perder dinheiro num filme e só me dêem orçamento quando pensam que eu possa dar lucro.
A indústria do cinema norte-americana sempre foi norteada por lucros, não tem nada a ver com arte ou conteúdo. Por isso que todo cineasta americano que se preze têm de sofrer.

Folha - O sr. tem mais liberdade em Londres do que nos Estados Unidos?
Allen -
Não, isso não, eu sempre tive liberdade total, seja onde for, desde que comecei a filmar, 40 anos atrás. Nunca ninguém me disse o que escrever, quem escolher para o elenco, sempre tive a palavra final na edição. Se fosse de outra maneira, eu não iria mais ser cineasta. Seria dramaturgo.

Folha - O fato de seu país ter dado uma guinada conservadora sob duas administrações consecutivas do republicano George W. Bush tem algo a ver com esta sua mudança de país?
Allen -
Não acho que Bush esteja fazendo um bom trabalho como presidente, mas creio que, não importa quem fosse o presidente, ainda assim eu teria dificuldades em conseguir financiamento para meus filmes nos Estados Unidos.

Folha - Seu filme mereceu quatro indicações do Globo de Ouro; as indicações ao Oscar saem na terça-feira [amanhã]. O sr. se importa com prêmios? Dessa vez, iria à cerimônia da Academia? [Allen foi indicado a 20 Oscar; ganhou três; no primeiro, não apareceu na cerimônia pois acontecia no mesmo dia em que tocava clarinete com sua banda de dixieland, em Nova York.]
Allen -
Não me envolvo muito nisso, geralmente não vou a esses eventos porque eu desgosto deles. Acontecem na Califórnia, eu moro em Nova York, tenho de pegar avião, viajar milhares de quilômetros, atrapalhar minha rotina, uma chatice, prefiro ignorar.
Artisticamente, não significam nada, mas os estúdios acham que é importante para a bilheteria. Então, pode ser que eu vá, se me convencerem que aumentará a venda de ingressos...



Escrito por Sérgio Dávila às 09h33
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Os concorrentes mais fortes...

 

...às cinco vagas, na opinião deste modesto blogueiro:

* Paradise Now, o favorito, filme palestino não condescendente sobre homens-bomba, que levou o Globo de Ouro

* "Réquiem da Neve", só por ser iraquiano

* "Uma Mulher contra Hitler", drama alemão premiado no festival de Berlim

* a comédia tcheca "Stesti"

* o épico chinês "A Promessa", de Chen Kaige, perdedor do Globo de Ouro 

e

* "Tsotsi", da África do Sul, que ganhou Toronto

Com isso, não quero dizer que Breno Silveira não tem chances. Tem: ganhou Palm Springs, foi capa do caderno de cultura do "NYTimes", está com uma campanha forte de publicidade, enfim, a comunidade cinematográfica sabe do que se trata.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 20h30
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Os concorrentes do Brasil nesta terça

 

Estes são os filmes que concorrem oficialmente às cinco vagas de Oscar estrangeiro. Entre eles, o brasileiro "2 Filhos de Francisco", de Breno Silveira.

Argentina, "El Aura," Fabian Bielinsky, director;

Bangladesh, "Shyamol Chaya," Humayun Ahmed, director;

Belgium, "The Child," Jean-Pierre and Luc Dardenne, directors;

Bolivia, "Say Good Morning to Dad," Fernando Vargas, director;

Bosnia & Herzegovina, "Totally Personal," Nedžad Begović, director;

Brazil, "Two Sons of Francisco," Breno Silveira, director;

Bulgaria, "Stolen Eyes," Radoslav Spassov, director;

Canada, "C.R.A.Z.Y.," Jean-Marc Vallée, director;

Chile, "Play," Alicia Scherson, director;

China, "The Promise," Chen Kaige, director;

Colombia, "La Sombra del Caminante," Ciro Guerra, director;

Costa Rica, "Caribe," Esteban Ramírez, director;

Croatia, "A Wonderful Night in Split," Arsen Anton Ostojić, director;

Cuba, "Viva Cuba," Juan Carlos Cremata Malberti, director;

Czech Republic, "Something Like Happiness," Bohdan Sláma, director;

Denmark, "Adam's Apples," Anders Thomas Jensen, director;

Estonia, "Shop of Dreams," Peeter Urbla, director;

Fiji, "The Land Has Eyes," Vilsoni Hereniko, director;

Finland, "Mother of Mine," Klaus Härö, director;

France, "Joyeux Noel," Christian Carion, director;

Georgia, "Tbilisi-Tbilisi," Levan Zakareishvili, director;

Germany, "Sophie Scholl – The Final Days," Marc Rothemund, director;

Hong Kong, "Perhaps Love," Peter Ho-Sun Chan, director;

Hungary, "Fateless," Lajos Koltai, director;

Iceland, "Ahead of Time," Ágúst Gudmundsson, director;

India, "Paheli," Amol Palekar, director;

Indonesia, "Gie," Riri Riza, director;

Iran, "So Close, So Far," Reza Mir Karimi, director;

Iraq, "Requiem of Snow," Jamil Rostami, director;

Israel, "What a Wonderful Place," Eyal Halfon, director;

Italy, "La Bestia Nel Cuore," Cristina Comencini, director;

Japan, "Blood and Bones," Yoichi Sai, director;

Korea, "Welcome to Dongmakgol," Kwang-hyun Park, director;

Luxembourg, "Renart the Fox," Thierry Schiel, director;

Mexico, "Al Otro Lado," Gustavo Loza, director;

Mongolia, "The Cave of the Yellow Dog," Byambasuren Davaa, director;

The Netherlands, "Bluebird," Mijke de Jong, director;

Norway, "Kissed by Winter," Sara Johnsen, director;

Palestine, "Paradise Now," Hany Abu-Assad, director;

Peru, "Días de Santiago," Josué Méndez, director;

Poland, "The Collector," Feliks Falk, director;

Portugal, "Noite Escura," João Canijo, director;

Puerto Rico, "Cayo," Vicente Juarbe, director;

Romania, "The Death of Mr. Lazarescu," Cristi Puiu, director;

Russia, "The Italian," Andrei Kravchuk, director;

Serbia & Montenegro, "Midwinter Night's Dream," Goran Paskaljević, director;

Singapore, "Be with Me," Eric Khoo, director;

Slovak Republic, "The City of the Sun," Martin Šulík, director;

Slovenia, "The Ruins," Janez Burger, director;

South Africa, "Tsotsi," Gavin Hood, director;

Spain, "Obaba," Montxo Armendáriz, director;

Sweden, "Zozo," Josef Fares, director;

Switzerland, "Tout un Hiver sans Feu," Greg Zglinski, director;

Taiwan, "The Wayward Cloud," Tsai Ming-liang, director;

Tajikistan, "Sex & Philosophy," Mohsen Makhmalbaf, director;

Thailand, "The Tin Mine," Jira Maligool, director;

Turkey, "Lovelorn," Yavuz Turgul, director;

Vietnam, "Buffalo Boy," Nguyen Vo Nghiem Mihn, director.



Escrito por Sérgio Dávila às 20h13
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Pobre menina rica

 

Athiona Onassis, casada com o cavaleiro brasileiro Doda , tem US$ 600 milhões, mas quer US$ 1 bilhão. É o que diz reportagem da "Time" de hoje.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 20h02
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Coluna Outra América de hoje


29/01/2006

 
'Crime Delicado' e 'jóias íntimas de defesa'

por Sérgio Dávila

No difícil filme “Crime Delicado”, do grande Beto Brant, que estreou na última sexta em São Paulo, um crítico teatral é acusado de estuprar uma modelo por quem está apaixonado. O suposto crime pode ou não ser mais cruel porque a garota em questão não tem uma das pernas.

Uma das cenas mais intricadas do filme, que ainda está sendo deglutido por quem viu e continua sem saber exatamente se adorou ou odiou (reação que é mais do que se pode pedir de 90% das fitas em cartaz), é a do depoimento da garota.

O advogado de defesa tenta mostrar como pode ser tênue a linha entre o fato e a memória do fato. Já a menina fala do que aconteceu, ou ela imagina que aconteceu, com a propriedade dos agredidos. Se uma mulher apenas pensa que foi estuprada, mas na verdade não foi, ela deve ser tratada como uma vítima menor?

Por coincidência, chega na mesma semana a informação de um trabalho desenvolvido pela designer Flávia Mesquita em sua defesa de tese numa faculdade paulistana. São o que ela batizou de “jóias íntimas de defesa”.

Jóias íntimas de defesa? Como assim? Assim: são jóias que ela desenvolveu para que as mulheres se protejam de ataques sexuais. Uma delas, por exemplo, é colocada no interior da vagina. Se alguém quiser fazer uma penetração indesejada, o objeto impede.

Batizada de “jóia intravaginal”, lembra a cabeça de um besouro e vem com uma pinça, que faz as vezes de aplicador. Há uma “jóia sublingual”, na verdade uma ponta perfurante em formato de espermatozóide, para a mulher levar debaixo da língua e usar quando for necessário. Há um porta-comprimidos.

A diferença fundamental entre as criações de Flávia e os cintos de castidade é que nos segundos as mulheres são passivas, “trancadas” por terceiros; com as jóias, não; usa no próprio corpo quem quiser. O mostruário revela que se está diante de algo não convencional: são chapas de raio-X da própria designer usando as jóias.

De certa maneira, a idéia de Flávia foi abordada pela exposição “Retrato Íntimo”, da fotógrafa Cris Bierrenbach, em 2003. Lembra também as chamadas “linhas femininas” lançadas pelas fábricas de pistolas e de armas brancas. Já é um clássico da cultura popular o anúncio com uma Beretta ou outro modelo qualquer cravejado de brilhantes. Ou a foto de uma delegada paulistana com seu revólver todo enfeitado.

Outra diferença fundamental: as pistolas, mesmo que usadas na defesa pessoal contra um possível agressor sexual, podem matar; as jóias de autor de Flávia, que ela chama também de “jóias de protesto”, não. Impedem e, no limite, ferem. De quebra, enfeitam.

Será que agora, ex-tudo, pós-tudo, nasce um novo tipo de feminismo? A ver.

Quem quiser conhecer as criações de Flávia Mesquita, que tem 34 anos e mora em São Paulo, ou entrar em contato com ela pode visitar o site www.fasm.edu.br/index.php/162.


E-mail: sdavila@folhasp.com.br



Categoria: Eu na Folha e na Revista
Escrito por Sérgio Dávila às 12h31
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Popozao ganha os EUA

 

Que o sr. Britney Spears, Kevin federline, tinha feito uma versão gringa da batida funk carioca "Popozão", lá chamada "Popozao", voc~e já sabia. O que não sabia é que Conan O'Brien, um dos apresentadores de talk-show mais engraçados da TV dos EUA, chamou o empedernido James Lipton, de "Inside The Actor´s Studio", para recitar as letras da música (basicamente uma ode à bunda grande) como se fosse Shakespeare. Impagável, aqui.



Escrito por Sérgio Dávila às 22h42
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Filme de Andrucha ganha prêmio em Sundance

 

O filme "Casa de Areia", do brasileiro Andrucha Waddington, ganhou o prêmio Alfred P. Sloan no Festival de Sundance, que se encerrou no sábado. O Sundance, criado por Robert redford no meio da neve, em Park City, Utah, é o, o.k., Oscar do cinema independente. Andrucha leva para casa US$ 20 mil da fundação Alfred P. Sloan, que premia todos os anos um filme cujo foco principal ou tema seja ciência ou tecnologia ou retrate um cientista, engenheiro ou matemático em um dos papéis principais.

No caso de "Casa de Areia", o que encantou o júri foi "a meditação poética da física do tempo e da biologia da variedade humana". O roteiro do filme do brasileiro já tinha sido premiado no mesmo Sundance, por um patrocinador diferente, a japonesa NHK, que deu US$ 10 mil em 2002 para ajudar na realização de "Casa de Areia".

 



Escrito por Sérgio Dávila às 22h33
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Jennifer Aniston entrega seu primeiro Oscar

 

Jennifer Aniston, a musa do blog, vai ser uma das "entregadoras" do Oscar 2006. Ela acaba de aceitar convite da produção e fará sua primeira aparição no palco da premiação. A categorias ainda não foi divulgada.

Segundo relatos, a ex-"Friend" foi o assunto do festival de Sundance. O filme de que participa, "Friends with Money", abriu o festival (o trailer acaba de cair na rede, aqui). E ela foi flagrada duas vezes atrás de jabá: foi uma das primeiras a chegar à Marquee Hospitality Suite, onde as "goodie bags" são distribuídas aos artistas. Ela ganhou uma sacola de jóias da Lia Sophia Black Diamond Collection valendo US$ 5 mil e uma sacola de produtos de beleza Kooba.

Na sexta, estréia aqui no Brasil a comédia da qual participa, "Rumor has It" (Dizem por Aí). Fraquinha, fraquinha.

Jennifer Aniston Praised by Clive Owen at Derailed Premiere



Escrito por Sérgio Dávila às 16h40
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Fotos inéditas de X-Men 3

 

Cairam na rede fotos da terceira parte da cinessérie "X-Men", baseada nos quadrinhos. Nelas, pecebe-se que a personagem Phoenix (a boa atriz holandesa radicada em NY Famke Janssen, que eu encontrava sempre com seu cahcorrinho aos domingos no Café Habana, no SoHo), que havia morrido para salvar seus colegas mutantes no final de X2, volta --e não parece nada feliz. X-3 tem previsão de estréia no Brasil no dia 26 de maio. As fotos:

 



Escrito por Sérgio Dávila às 11h28
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Coluna "Outra América" de hoje


22/01/2006

 
'BBB', ou por que Brasil não é EUA

por Sérgio Dávila

Quem chegava ao Brasil no meio dos anos 80 depois de uma temporada no exterior tinha a impressão de que caiu em outro planeta. Só se falava "da lata" -o lendário contrabando de maconha que teria sido despejado em latas pelos tripulantes do "Solano Star", fazendo a alegria de muita gente nas praias do litoral norte paulista- e das tais "pirâmides", esquemas armados para pegar otários atrás de dinheiro rápido e fácil.
Pois quem, como eu, voltava ao Brasil eventualmente em férias no começo do século atual sentia a mesma sensação. Lembro-me de um verão em que os assuntos por aqui eram dois: "Casa dos Artistas" e "Big Brother Brasil". Não sem um leve rubor na face, confesso que assisti vidrado ao último capítulo da "Casa", em que Supla e Bárbara Paz disputavam o prêmio.
Mas o "BBB", por algum motivo, nunca me pegou. Uma vez, jantando no Spot, testemunhei o restaurante paulistano parar para ver passar uma tal "Manu do Big Brother", acompanhada do namorado, também um "Fulano do Big Brother".
E continua não pegando. Na semana passada, porém, enquanto esperava começar o "JK" -que, se bem trabalhado pelo marqueteiro da temporada, pode ser para o futuro candidato do PSDB o que outra minissérie global, "Anos Rebeldes" (1992), foi para o movimento dos caras-pintadas-, assisti ao tal "paredão".
Eu morava em Nova York quando o primeiro "reality show" da era moderna virou mania e mudou a TV. "Survivor" pegava os elementos que davam certo do pai dos programas deste tipo, o "Na Real", da MTV, e transformava em ouro puro. A premissa de todos os shows dessa nova linhagem, "BBB" incluído, é a mesma, cuja origem última pode ser encontrada no manual de política de Nicolau Maquiavel (1469-1527).
O competidor deve mostrar habilidades específicas para superar obstáculos propostos pela produção e -mais importante- ter um talento enorme de articulação e negociação para fazer alianças, derrotar os outros concorrentes e ser o único vencedor da bolada. É uma campanha presidencial sem a chatice do povo e das acusações posteriores de caixa 2.
Se o modelo é o mesmo, o "modus operandi" varia de acordo com o país. Nos EUA, era uma ode à competência. Ali, o primeiro vencedor foi o homossexual Richard Hatch. Ele era odiado e/ou sofria preconceito de quase todos no começo da disputa, incluindo um fuzileiro naval bronco e aposentado. Ardiloso, astuto, mas carismático, foi derrubando uma a uma as resistências e conquistou a equipe inteira -e, de quebra, o país.
Aqui, pelo que acompanhei brevemente, estimula-se o cartorialismo, o sentimentalismo baixo e a pena. As duas meninas que foram ao tal paredão tentavam ganhar a permanência com frases parecidas, na linha "foi tão difícil entrar aqui" ou "eu preciso tanto ficar", como se pedissem emprego a um vereador. Como argumento, choravam e choravam.
Em "Big Brother Brasil", sai o brasileiro cordial, entra o brasileiro lacrimal. O verdadeiro "Survivor" vem depois, em "JK".

sdavila@folhasp.com.br



Categoria: Eu na Folha e na Revista
Escrito por Sérgio Dávila às 10h56
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Diretor de Batman Begins faz filme de época

 

Completando as novidades sobre o trio de jovens diretores preferidos da coluna, Christopher Nolan (do inesquecível "Memento" e, o.k., de "Batman Begins"), ele começa a tocar "The Prestige", drama com Christian Bale (o último Batman), Michael Caine, Hugh Jackman e Piper Perabo. Também é um filme de época, que se passa na Londres de 1880 e fala da competição entre dois mágicos.

Curioso como tanto PT Anderson como Darren Aronofsky e Christopher Nolan, as três últimas grandes revelações de Hollywood, se voltam para filmes de época em seus novos projetos. Sincronicidade?

 



Escrito por Sérgio Dávila às 11h17
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Fotos do novo filme de Michel Gondry

 

Caíram na rede as primeiras fotos do próximo filme do inventivo diretor Michel Gondry, do excelente "Brilho Eterno de Uma Mente sem Lembranças". Vai se chamar "Science of Sleep" e tem o mexicano (e jovem Che Guevara) Gael Garcia Bernal como protagonista.

Duas fotos, uma do filme, outra do making of:

scienceofsleep.jpg

 



Escrito por Sérgio Dávila às 11h10
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Indiana Jones 4 pode sair em 2007

 

George Lucas e Harrison Ford vêm dando entrevistas que sugerem que o tão esperado quarto episódio de "Indiana Jones", em que o caçador de aventuras passa o cetro de vez para algum jovem ator, deve sair do papel neste ano e estrear em 2007. Nem mesmo a direção de Steven Spielberg está descartada. Pelo menos é o que os dois primeiros disseram ao site da MTV americana.



Escrito por Sérgio Dávila às 11h07
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Atriz de "O Jardineiro Fiel" está em novo filme de Aronofsky

 

O grande Darren Aronofsky termina seu novo filme, o primeiro de ficção científica, "The Fountain", depois de seis anos sem dirigir. A obra do autor de "Requiem for a Dream" se passa em três épocas: a Espanha do século 16, os Estados Unidos de hoje e algum lugar do futuro. No elenco, Hugh Jackman, Ellen Burstyn (excelente em "Requiem") e Rachel Weisz, que acaba de ganhar o Globo de Ouro por "O Jardineiro Fiel", do brasileiro Fernando Meirelles.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 11h04
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

HQ em que Gwen Stacy, a primeira namorada de Peter Parker, aparece



Escrito por Sérgio Dávila às 10h57
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

PT Anderson fará filme de época

 

Paul Thomas Anderson, um dos melhores diretores de sua geração ("Magnolia", "Boogie Nights", "Punch Drunk Love") está em negociações para fazer "There Will be Blood", em que Daniel Day-Lewis (um dos melhores atores de sua geração) interpreta um negociante de petróleo na virada do século passado. Será baseado no romance "Oil!", de 1927, de Upton Sinclair, e custará US$ 25 milhões. PT Anderson escreve e reescreve o roteiro há anos.



Escrito por Sérgio Dávila às 10h55
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Cerimônia pré-Oscar aumenta meia hora

 

A Academia avisa que a transmissão oficial do tapete vermelho aumentou de meia hora para uma hora. Começará às 16h (de Los Angeles), em vez de às 16h30, como sempre. Já a cerimônia continua no mesmo horário: a partir das 17h (23h de Brasília) do dia 5 de março.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h50
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Homem-Aranha reencontra primeira namorada

 

O episódio três da cinessérie "Homem-Aranha" trará a atriz Bryce Dallas Howard como o primeiro amor e a primeira namorada de Peter Parker, que reaparece em sua vida. Bryce é a filha do cineasta Ron Howard que trabalhou nos excelentes "The Village", de M. Knight Shyamalan, e "Manderlay", de Lars von Triers. "Homem-Aranha 3" estréia em 2007, com direção de Sam Raimi e o mesmo elenco dos outros dois.

Bryce Dallas Howard em cena de Manderlay



Escrito por Sérgio Dávila às 10h35
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Resenha - Canções da Terra de Minha Mãe - Exílios no Iraque

"CANÇÕES DA TERRA DE MINHA MÃE - EXÍLIOS NO IRAQUE"

Filme curdo tem valor histórico

DA REPORTAGEM LOCAL

Logo ao chegar a Bagdá, horas antes da invasão liderada pela invasão anglo-americana, em 2003, este repórter percebeu que, além da falta de gente nas ruas (àquela altura estavam todos escondidos, esperando pelo pior, que veio), não havia cinemas.
Na verdade, havia dois ou três, mas eram lugares de "pegação", que os homossexuais masculinos, proibidos de existir por lei, usavam para namorar, não se importando que as telas e os projetores permanecessem em silêncio.
Saddam Hussein e seus filhos controlavam a produção cultural do país, da TV à literatura, ao teatro -e, para má sorte do povo, não ligavam para cinema. Viam produções egípcias (a Hollywood do mundo árabe é o Egito) quando visitavam incógnitos Amã, na Jordânia, ou Damasco, na Síria.
Entra em cena o cineasta curdo Bahman Ghobadi, 37. Autor de "Tempo de Embebedar Cavalos" (2000), já exibido no Brasil, ele estava em Bagdá no dia da queda de Saddam Hussein, no começo de abril. Fez o que pode ser chamado de primeiro filme de ficção realizado em solo iraquiano no pós-guerra, "Tartarugas Podem Voar" (2004), também exibido aqui.
Hoje, estréia o filme que fez entre esses dois, "Canções da Terra de Minha Mãe - Exílios no Iraque". Road movie dramático, com toques humorísticos, se passa na década de 80, no Curdistão, durante a Guerra Irã-Iraque.
Um músico abandonado pega seus filhos, um solteirão inveterado e outro casado com sete mulheres, mas infeliz por não ter nenhum herdeiro, e parte em busca da amada. Para tanto, terá de cruzar a fronteira Irã-Iraque.
Como filme não é grande coisa, e a platéia ocidental pode estranhar o ritmo lento; como registro histórico, é imperdível.
(SÉRGIO DÁVILA)

Canções da Terra de Minha Mãe - Exílios no Iraque
Gomgashtei dar Aragh
   
Direção: Bahman Ghobadi
Produção: Irã, 2002
Com: Shahab Ebrahimi, Faegh Mohamadi, Allah-Morad Rashtian
Quando: a partir de hoje, nos cines Espaço Unibanco, Frei Caneca Unibanco Arteplex e Sala UOL



Escrito por Sérgio Dávila às 10h46
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Entrevista Jim Carrey

CINEMA

"As Loucuras de Dick e Jane", refilmagem de "Adivinhe Quem Vem para Roubar", atualiza crítica aos Estados Unidos


Dos dilemas de Jim Carrey nasce a graça

SÉRGIO DÁVILA
ENVIADO ESPECIAL A NOVA YORK

Se você não pode derrotar seus inimigos, diz o clichê, una-se a eles. Os de Jim Carrey são seu público, os críticos e ele próprio. Os primeiros não dão bilheteria a seus filmes sérios. Os segundos não o elogiam em tais longas. E isso o impede de ganhar prêmios como o Oscar, seu sonho.
E Jim Carrey retroalimenta a máquina, fazendo comédias cada vez mais engraçadas. É o caso de "As Loucuras de Dick e Jane" ("Fun With Dick And Jane"), refilmagem da sátira política "Adivinhe Quem Vem para Roubar", de 1977, com George Seagall e Jane Fonda, que estréia hoje.
Se o original criticava o Sonho Americano ao mostrar um casal que subitamente é excluído da classe média e tem de recorrer a assaltos para manter o estilo de vida, o de hoje atualiza a história para a crise da América Corporativa, que começou na virada do século, com a série de escândalos de grandes empresas que abusavam da chamada "contabilidade criativa", encabeçadas pela Enron.
Dick (Carrey) é um funcionário de terceiro escalão transformado à revelia em laranja do CEO inescrupuloso Jack (Alec Baldwin, excelente), que desaparece com a bolada e deixa o pepino nas mãos do ex-subordinado. Desempregado e sem dinheiro, ele convence a mulher, Jane (Téa Leoni, hilariante), que o remédio é cair no crime.
Para falar sobre esse e outros assuntos, o comediante canadense de 44 anos, o mais bem-pago de Hollywood (US$ 25 milhões é seu cachê mais alto), recebeu a Folha em sua suíte no hotel Waldorf-Astoria, em Nova York, para uma entrevista exclusiva.

 

Folha - Você acha que a corrupção no mundo corporativo norte-americano terminou ou pelo menos diminuiu com a onda de denúncias e algumas prisões dos últimos anos?
Jim Carrey -
Não só não acho como tenho certeza de que não diminuiu. A diferença é que agora nós estamos mais atentos e sabendo de mais casos. Mas, nesse momento, aqui nesse prédio, tem alguém fazendo "contabilidade corporativa". É um mal que se instalou no país e que a atual administração federal só estimula.

Folha - Seu filme é uma crítica bem-humorada a tudo isso. Você acha que o público médio vai perceber a mensagem ou estará distraído rindo de suas graças?
Carrey -
Pode estar rindo de minhas graças, e é bom que ria, mas a mensagem estará lá, em algum lugar do cérebro do espectador.

Folha - Você desistiu dos filmes sérios como "Majestic" (2001)?
Carrey -
Na verdade, eles desistiram de mim. Digo isso porque recebo cada vez mais scripts muito bons de filmes cômicos e cada vez menos de dramas com a mesma qualidade. Mas não desisti, não. E, se você pensar bem, "O Show de Truman" e "Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças" unem os dois, têm graça mas têm drama. E conteúdo. Eis um caminho.

Folha - Você poderia chamar um diretor brasileiro. Eles são sérios...
Carrey -
Conheço alguns. Mas sou um ignorante do cinema que é feito em seu país. De qualquer maneira, quando eu era adolescente, tinha de fazer um trabalho de fim de ano sobre alguma cidade do mundo. Escolhi o Rio de Janeiro. Montei um mapa da cidade em que os principais monumentos saltam quando você abre. Ou seja, quando eu for visitá-los, ao menos não vou me perder [risos].

Folha - Voltando a "As Loucuras", é um de seus filmes mais físicos, lembra por exemplo o Fletcher Reede de "O Mentiroso" (97). Quanto do que aparece na tela estava no roteiro e quanto é você?
Carrey -
A maior parte estava escrita, mas tenho muita liberdade para improvisar. Gosto de testar as cenas com a própria equipe. Se eles estão rindo, é provável que a platéia ria também.

Folha - Você fantasiado de Cher, por exemplo, estava escrito?
Carrey -
Na verdade, não. Exigi em contrato porque tenho essa fantasia secreta de me vestir de mulher (risos). Falando sério, este é um exemplo de como os filmes que aceito fazer são maleáveis. O roteiro previa que eu me vestisse de Sonny [Bono, 1935-1998, ex-marido de Cher, com quem ela fazia dupla musical, e ex-congressista republicano] e que Téa Leoni se vestisse de Cher, na fase anos 70 deles, num dos assaltos que nós fazemos fantasiados. Eu só achei que ficaria mais engraçado se invertêssemos as fantasias...

Folha - O que você vai fazer agora?
Carrey -
Dar outra entrevista [risos]. Falando sério, ainda não sei.


O jornalista Sérgio Dávila teve parte de suas despesas paga pela Sony


Escrito por Sérgio Dávila às 10h45
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Jennifer Aniston no Sundance

 

O novo filme que tem Jennifer Aniston como atriz principal aber hoje o Festival de Sundance, em Park City, Utah. É o independente "Friends With Money", que nem site oficial ainda tem. Aniston é veterana do festival mais legal dos EUA --abriu a edição de 2002 com o excelente "The Good Girl". Ao lado de Lisa Kudrow única ex-Friends que tem futuro no cinema, a atriz vai surpreendo em suas escolhas, que lembram a de George Clooney: um block buster com um cheque gordo alternado por um independente para credibilidade. E uma produtora que banca um monte de projetos legais. Ah, é claro, tem a cena em que ela usa uma fantasia de empregada doméstica...

 



Escrito por Sérgio Dávila às 18h40
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Meirelles no Bafta - Final

 

O Bafta será entregue no dia 19 de fevereiro, em Londres. Antes, portanto, do Oscar, que é dia 5 de março em Los Angeles.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 14h46
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

As dez categorias e os concorrentes do brasileiro

 

O filme de Fernando Meirelles concorre nas seguintes categorias:

FILME

BROKEBACK MOUNTAIN - Diana Ossana/James Schamus
CAPOTE - Caroline Baron/William Vince/Michael Ohoven
THE CONSTANT GARDENER - Simon Channing Williams
CRASH - Credits TBC
GOOD NIGHT, AND GOOD LUCK - Grant Heslov

FILME BRITÂNICO 

A COCK & BULL STORY - Andrew Eaton/Michael Winterbottom/Martin Hardy
THE CONSTANT GARDENER - Simon Channing Williams/Fernando Meirelles/Jeffrey Caine
FESTIVAL - Christopher Young/Annie Griffin
PRIDE & PREJUDICE - Tim Bevan/Eric Fellner/Paul Webster/Joe Wright/Deborah Moggach
WALLACE & GROMIT: THE CURSE OF THE WERE-RABBIT - Peter Lord/David Sproxton/Nick Park/
Steve Box/Mark Burton/Bob Baker

DIREÇÃO

BROKEBACK MOUNTAIN - Ang Lee
CAPOTE - Bennett Miller
THE CONSTANT GARDENER - Fernando Meirelles
CRASH - Paul Haggis
GOOD NIGHT, AND GOOD LUCK - George Clooney

ROTEIRO ADAPTADO

BROKEBACK MOUNTAIN - Larry McMurtry/Diana Ossana
CAPOTE - Dan Futterman
THE CONSTANT GARDENER - Jeffrey Caine
A HISTORY OF VIOLENCE - Josh Olson
PRIDE & PREJUDICE - Deborah Moggach

ATOR

DAVID STRATHAIRN - Good Night, And Good Luck
HEATH LEDGER - Brokeback Mountain
JOAQUIN PHOENIX - Walk the Line
PHILIP SEYMOUR HOFFMAN - Capote
RALPH FIENNES - The Constant Gardener

ATRIZ

CHARLIZE THERON - North Country
JUDI DENCH - Mrs. Henderson Presents
RACHEL WEISZ - The Constant Gardener
REESE WITHERSPOON - Walk the Line
ZIYI ZHANG - Memoirs of a Geisha

TRILHA

BROKEBACK MOUNTAIN - Gustavo Santaolalla
THE CONSTANT GARDENER - Alberto Iglesias
MEMOIRS OF A GEISHA - John Williams
MRS. HENDERSON PRESENTS - George Fenton
WALK THE LINE - T Bone Burnett

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA

BROKEBACK MOUNTAIN - Rodrigo Prieto
THE CONSTANT GARDENER - César Charlone
CRASH - J Michael Muro
MARCH OF THE PENGUINS - Laurent Chalet/Jerôme Maison
MEMOIRS OF A GEISHA - Dion Beebe

EDIÇÃO

BROKEBACK MOUNTAIN - Geraldine Peroni/Dylan Tichenor
THE CONSTANT GARDENER - Claire Simpson
CRASH - Hughes Winborne
GOOD NIGHT, AND GOOD LUCK - Stephen Mirrione
MARCH OF THE PENGUINS - Sabine Emiliani

EDIÇÃO DE SOM

BATMAN BEGINS - David G Evans/Stefan Henrix/Peter Lindsay
THE CONSTANT GARDENER - Joakim Sundström/Stuart Wilson
CRASH - Richard Van Dyke/Sandy Gendler
KING KONG - Hammond Peek/Christopher Boyes/Mike Hopkins/ Ethan Van der Ryn
WALK THE LINE - Paul Massey/D M Hemphill/Peter F Kurland/Donald Sylvester

 



Escrito por Sérgio Dávila às 14h40
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

O Jardineiro Fiel lidera indicações ao Oscar britânico

 

Não deu para ninguém. O Jardineiro Fiel, dirigido pelo brasileiro Fernando Meirelles, é o filme mais indicado do Bafta, o Oscar do cinema britânico: concorre em 10 categorias, seguido de perto pelos pesos-pesados "O Segredo de Brokeback Mountains" e "Crash".

 



Escrito por Sérgio Dávila às 14h35
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Scarlett Johanson tem peitos apertados no Globo de Ouro

 

Ponto Final (Match Point), o novo longa de Woody Allen, chega às telas daqui dia 10 de fevereiro e ganha algumas pré-estréias a partir do dia 3. Por falar em novo filme do Woody Allen, alguém viu este vídeo do Isaac Mizrahi do apertando os peitos da Scarlett Johansson? Eu vi no E!, antes da festa, e já tem em vídeo, aqui.

johansson-gg-squeeze.jpg

 



Escrito por Sérgio Dávila às 18h40
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Globo de Ouro - final

 

Muito engraçadas (e esperadas, na verdade) as reações aos "acertos parciais". O blog fica honrado com a presença de internautas tão cartesianos.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 11h15
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Ainda o Globo de Ouro - Análise

 

O Globo de Ouro sai do armá­rio

A madrugada de ontem entrará para a história como o dia em que o Globo de Ouro saiu do armário. A 63ª edição do prêmio, considerado um termômetro mais liberal do Oscar, foi assumidamente gay.

¦Se não, vejamos: dos cinco prêmios principais, todos foram dados para filmes com temática homossexual. "O Segredo de Brokeback Mountain", a história de dois caubóis americanos que se apaixonam nos anos 60, baseada em conto publicado na "New Yorker", levou filme/drama, diretor Ang Lee) e roteiro (Larry McMurtry e Diana Ossana).

¦Já "Capote", que reconstitui a vida do jornalista abertamente homossexual Truman Capote durante o período em que escreveu a reportagem de sua vida, "A Sangue Frio", rendeu o merecido prêmio de melhor ator/drama a Philip Seymour Hoffman, reconhecido já em seu primeiro papel principal num filme importante.

¦E "Transamerica", sobre um transsexual masculino em vias de fazer operação de mudança de sexo, deu o prêmio de melhor atriz/ drama a Felicity Huffman, que difere de seu companheiro de premiação apenas uma vogal no sobrenome: também ela é uma excelente profissional nunca antes reconhecida no cinema.

¦Até a premiação televisiva teve um toque GLS: o elenco principal de "Will & Grace", série que tem sua última temporada nesse ano, subiu ao palco para dar o principal prêmio da área, melhor série/ drama, que acabou merecidamente nas mãos de "Lost".

¦Mesmo assim, se a apresentação foi liberal no conteúdo, continua conservadora na forma. Exibido pela TV aberta NBC, o prêmio não mostrou nem uma cena mais polêmica do grande vencedor da noite: para os telespectadores (cerca de meio bilhão em mais de 170 países, segundo os organizadores), o segredo de "Brokeback Mountain" continua um segredo.

¦O resto foi o resto. Dos três prêmios a que concorria "O Jardineiro Fiel", dirigido pelo brasileiro Fernando Meirelles, saiu apenas o de melhor atriz coadjuvante, para Rachel Weisz, como era esperado _nem o filme nem Meirelles tinham grandes chances.

¦O que não quer dizer que "Jardineiro" não seja lembrado nas indicações ao Oscar, que serão anunciadas no dia 31. Ao contrário: com a exposição do Globo, os prêmios de menor importância já ganhos e a presença freqüente em diversas listas dos dez melhores de 2005, o filme do brasileiro pode ampliar o número de indicações, incluindo roteiro adaptado e ator.

¦Mas "Brokeback" pode se prejudicar por motivos diferentes. Quem vota no Globo de Ouro é jornalista estrangeiro que vive em Los Angeles e só cobre cinema _são 84, que formam uma espécie de Academia Brasileira de Letras de Hollywood; os eleitores do Oscar passam de seis mil, são mais diversificados mas tendem a ser mais conservadores.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 11h13
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Agora,

 

rumo ao Oscar, que solta seus indicados no dia 31.



Escrito por Sérgio Dávila às 09h28
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Ou seja...

 

...a falta de tempo para ver TV pegou: três acertos, duas abstenções, três acertos parciais e três erros...

 



Escrito por Sérgio Dávila às 09h25
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Globo de Ouro - televisão

Série Dramática

"Lost" (ABC) - ACERTEI

Série cômica:

"Desperate Housewives" (ABC) - NÃO DEI PALPITE FECHADO

Minissérie ou telefilme:

"Empire Falls" (HBO) - ERREI

Atriz em drama:

Geena Davis ("Commander in Chief") - ACERTEI

Ator em drama:

Hugh Laurie ("House") - ACERTEI

Atriz em comédia

Mary-Louis Parker ("Weeds") - NÃO DEI PALPITE FECHADO

Ator em comédia:

Steve Carell ("The Office") - ACERTEI, PARCIALMENTE

Atriz em minissérie ou telefilme:

S. Epatha Merkerson ("Lackawanna Blues") - ERREI

Ator em minissérie ou telefilme:

Jonathan Rhys Meyers ("Elvis") - ERREI

Atriz coadjuvante em série, minissérie ou filme:

Sandra Oh ("Grey’s Anatomy") - ACERTEI, PARCIALMENTE

Ator coadjuvante em série, minissérie ou filme:

Paul Newman ("Empire Falls") - ACERTEI, PARCIALMENTE



Escrito por Sérgio Dávila às 09h23
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Ou seja....

 

... em cinema , tive sete acertos, dois acertos parciais, uma abstenção e três erros.

(Quanto a minha previsão realista de Fernando Meirelles e "O Jardineiro Fiel", deu exatamente o que eu esperava: atriz coadjuvante, mas não filme ou diretor --o que não quer dizer que ambos não sejam indicados ao Oscar. Podem ser, sim.)



Escrito por Sérgio Dávila às 09h19
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Globo de Ouro - o blog acertou quase tudo

 

Conforme o prometido, faço um balanço das previsões e dos resultados.

Cinema:

Melhor filme (drama):

"O Segredo de Brokeback Mountain", de Ang Lee - ACERTEI

Melhor filme (musical ou comédia):

"Johnny e June" (‘Walk the Line‘) - ERREI

Melhor ator dramático:

Philip Seymour Hoffman ("Capote") - ACERTEI, EM TERMOS

Melhor ator de comédia ou musical:

Joaquin Phoenix ("Johnny e June") - ACERTEI

Melhor atriz dramática:

Felicity Huffman ("Transamerica") - ACERTEI

Melhor atriz de musical ou comédia:

Reese Witherspoon ("Johnny e June") - ACERTEI, EM TERMOS

Melhor ator coadjuvante:

George Clooney ("Syriana") - ACERTEI

Melhor atriz coadjuvante:

Rachel Weisz ("O Jardineiro Fiel") - ACERTEI

Melhor diretor:

Ang Lee ("O Segredode Brokeback Mountain") - ACERTEI

Melhor roteiro:

Larry McMurtry e Diana Ossana ("O Segredo de Brokeback Mountain") - NÃO DEI PALPITE FECHADO

Melhor trilha sonora:

John Williams ("Memórias de uma Geixa") - ERREI

Melhor música:

"A Love That Will Never Grow Old" ("O Segredo de Brokeback Mountain") - ERREI

Melhor filme estrangeiro:

"Paradise Now" (Palestina) - ACERTEI

 



Escrito por Sérgio Dávila às 09h16
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Ainda a "Mulher-Maravilha"

 

Segundo o site IMDb, ainda não há data de estréia e o filme ainda está na fase de pré-produção, mas é provável que o filme fique pronto a tempo do verão de 2007.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 15h50
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Atriz brasileira pode ser Mulher-Maravilha

 

Pela segunda vez em menos de um ano, o roteirista e diretor Joss Whedon ("Buffy, a Caça-Vampiros") deixou escapar que a atriz brasileira Morena Baccarin (foto abaixo) pode interpretar a personagem-título de "Mulher-Maravilha", a esperada adaptação da HQ para as telas. Nos comentários que faz no DVD de "Serenity", que acaba de ser lançado, Whedon primeiro diz que Baccarin "se parece muito com a Mulher-Maravilha" e depois afirma que a atriz não aparece tanto quanto ele gostaria no DVD e que muitas cenas dela foram cortadas, mas que ela será "recompensada em breve" por isso.

Antes, numa convenção no começo do ano passado, fez um comentário: "Onde eu poderia encontrar uma linda morena com pele cor de oliva?", quando indagado sobre quem seria a personagem, olhando para Baccarin, de 26 anos, que interpreta Inara Serra em "Serenity"...

 



Escrito por Sérgio Dávila às 13h56
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Quem leva o Globo de Ouro hoje - final

 

Podem começar a cobrança dos meus palpites errados a partir das 23h de hoje...

 



Escrito por Sérgio Dávila às 08h55
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Quem leva o Globo de Ouro hoje - TV

 

Com o fim da hegemonia da HBO (que passa por ano difícil, sem Sopranos e com o fim de Six Feet Under e Sex and the City), a premiação deve ser mais democrática (a lista completa em português aqui):

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA:
"Lost"
(Se houver justiça, o prêmio principal é da série que virou febre e gerou subprodutos)


MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA:
Geena Davis ("Commander in Chief")

(A "presidente" de Davis é o melhor da série, uma espécie de "West Wing" mais leve e feminista)


MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA:
Hugh Laurie ("House")
(O melhor ator da melhor série de TV, que, por injustiça, não concorre na categoria "drama")


MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA:
MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA:
"Curb Your Enthusiasm"
"Desperate Housewives"
"Entourage"
"Everybody Hates Chris"
"My Name is Earl"
"Weeds"

(é a categoria mais difícil, com seis concorrentes excelentes)


MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA:
Marcia Cross ("Desperate Housewives")
Teri Hatcher ("Desperate Housewives")
Felicity Huffman ("Desperate Housewives")
Mary-Louise Parker ("Weeds")
(Idem à anterior)


MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA:
Steve Carell ("The Office")
Larry David ("Curb Your Enthusiasm")
Jason Lee ("My Name is Earl")
(A disputa fica entre os três, com Carell em leve vantagem, pelo sucesso nos cinemas do ótimo "O Virgem de 40 Anos")


MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV:
"Sleeper Cell" (SHOWTIME)

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV:
Halle Berry ("Their Eyes Were Watching God")
(Já levou o Oscar, as concorrentes não são tão pesadas)


MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV:
Bill Nighy ("The Girl in the café")
(O roqueiro decadente de "Love Actually" está excelente)


MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV:
A briga deve ficar entre Candice Bergen ("Boston Legal") e Sandra Oh ("Grey's Anatomy")

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV:
Dois veteranos devem disputar o prêmio, Paul Newman (excelente em "Empire Falls") e Donald Sutherland ("Commander in Chief")

 



Escrito por Sérgio Dávila às 08h55
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Quem leva o Globo de Ouro de hoje - cinema

 

Abaixo, quem eu acho que vai ganhar hoje à noite, quando o Globo de Ouro divulga seus premiados em cerimônia a partir das 23h (de SP). Dos três a que concorre o filme do brasileiro Fernando Meirelles, incluindo melhor diretor, acho que a única chance concreta é da atriz coadjuvante... Cinema (lista completa dos indicados em português aqui:

MELHOR FILME - DRAMA
O Segredo de Brokeback Mountain
(O Jardineiro Fiel, de fernando meirelles, é um dos concorrentes, mas não acho que tenha chances)


MELHOR FILME - MUSICAL OU COMÉDIA
Os Produtores
(O megasucesso da Broadway deve ser irresistível para os críticos)


MELHOR DIRETOR
Ang Lee - O Segredo de Brokeback Mountain
(De novo, o brasileiro Meirelles deve perder para a obra-prima de Ang Lee, embora Woody Allen esteja no páreo)


MELHOR ATOR - DRAMA
Heath Ledger - O Segredo de Brokeback Mountain
(Acho que a noite vai ser mesmo de Brokeback Mountain, embora o Capote de Philip Seymour Hoffman possa surpreender)


MELHOR ATRIZ - DRAMA
Felicity Huffman - Transamerica
(Se há alguma justiça, o prêmio já é da "Desperate Housewife" em papel masculino)


MELHOR ATOR - COMÉDIA OU MUSICAL
Joaquin Phoenix - Johnny e June
(A chave do prêmio aqui é musical: Phoenix é a única coisa boa da cinnebiografia de Johnny Cash)


MELHOR ATRIZ - COMÉDIA OU MUSICAL
Laura Linney - A Lula e a Baleia
(A Lula e a Baleia é o fenômeno do boca-a-boca deste ano; mas Reese Witherspoon, de Johnny e June, pode surpreender)


MELHOR ATOR COADJUVANTE
George Clooney - Syriana
(Não tem para ninguém - além disso, Clooney tem de levar algo)


MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
(A briga deve ficar entre Rachel Weisz, por O Jardineiro Fiel de Meirelles, e Scarlett Johansson, pelo Ponto Final de Woody Allen)


MELHOR ROTEIRO
(Esta é a categoria mais difícil de previsão, pois todos os candidatos são excelentes e favoritos)

Larry McMurtry e Diana Ossana
O Segredo de Brokeback Mountain
Paul Haggis e Robert Moresco - Crash - No Limite
George Clooney e Grant Heslov - Boa Noite e Boa Sorte
Tony Kushner - Munique
Woody Allen - Ponto Final

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
"There's Nothing Like a Show on Broadway" - Os Produtores
(O óbvio...)


MELHOR TRILHA ORIGINAL
James Newton Howard - King Kong
(Talvez seja o único prêmio do macaco na noite)


MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Palestina - Paradise Now

(por todos os motivos do mundo)


 



Escrito por Sérgio Dávila às 08h44
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]