EUA, Washington, homem, de 36 a 45 anos, português, inglês, espanhol e francês

Leia mais

  





01/02/2010 a 15/02/2010
16/01/2010 a 31/01/2010
01/01/2010 a 15/01/2010
16/12/2009 a 31/12/2009
01/12/2009 a 15/12/2009
16/11/2009 a 30/11/2009
01/11/2009 a 15/11/2009
16/10/2009 a 31/10/2009
01/10/2009 a 15/10/2009
16/09/2009 a 30/09/2009
01/09/2009 a 15/09/2009
16/08/2009 a 31/08/2009
01/08/2009 a 15/08/2009
16/07/2009 a 31/07/2009
01/07/2009 a 15/07/2009
16/06/2009 a 30/06/2009
01/06/2009 a 15/06/2009
16/05/2009 a 31/05/2009
01/05/2009 a 15/05/2009
16/04/2009 a 30/04/2009
01/04/2009 a 15/04/2009
16/03/2009 a 31/03/2009
01/03/2009 a 15/03/2009
16/02/2009 a 28/02/2009
01/02/2009 a 15/02/2009
16/01/2009 a 31/01/2009
01/01/2009 a 15/01/2009
16/12/2008 a 31/12/2008
01/12/2008 a 15/12/2008
16/11/2008 a 30/11/2008
01/11/2008 a 15/11/2008
16/10/2008 a 31/10/2008
01/10/2008 a 15/10/2008
16/09/2008 a 30/09/2008
01/09/2008 a 15/09/2008
16/08/2008 a 31/08/2008
01/08/2008 a 15/08/2008
16/07/2008 a 31/07/2008
01/07/2008 a 15/07/2008
16/06/2008 a 30/06/2008
01/06/2008 a 15/06/2008
16/05/2008 a 31/05/2008
01/05/2008 a 15/05/2008
16/04/2008 a 30/04/2008
01/04/2008 a 15/04/2008
16/03/2008 a 31/03/2008
01/03/2008 a 15/03/2008
16/02/2008 a 29/02/2008
01/02/2008 a 15/02/2008
16/01/2008 a 31/01/2008
01/01/2008 a 15/01/2008
16/12/2007 a 31/12/2007
01/12/2007 a 15/12/2007
16/11/2007 a 30/11/2007
01/11/2007 a 15/11/2007
16/10/2007 a 31/10/2007
01/10/2007 a 15/10/2007
16/09/2007 a 30/09/2007
01/09/2007 a 15/09/2007
16/08/2007 a 31/08/2007
01/08/2007 a 15/08/2007
16/07/2007 a 31/07/2007
01/07/2007 a 15/07/2007
16/06/2007 a 30/06/2007
01/06/2007 a 15/06/2007
16/05/2007 a 31/05/2007
01/05/2007 a 15/05/2007
16/04/2007 a 30/04/2007
01/04/2007 a 15/04/2007
16/03/2007 a 31/03/2007
01/03/2007 a 15/03/2007
16/02/2007 a 28/02/2007
01/02/2007 a 15/02/2007
16/01/2007 a 31/01/2007
01/01/2007 a 15/01/2007
01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005

VOTAÇÃO
Dê uma nota para meu blog




Autora de "Brokeback Mountain" comenta o Oscar

´

Annie Prouxl, autora do conto publicado na "New Yorker" que deu origem ao filme "Brokeback Mountain" descasca de maneira engraçadíssima a cerimônia do Oscar, à qual compareceu, neste artigo no britânico "The Guardian" (infelizmente, só em inglês):

Blood on the red carpet

Annie Proulx on how her Brokeback Oscar hopes were dashed by Crash

On the sidewalk stood hordes of the righteous, some leaning forward like wind-bent grasses, the better to deliver their imprecations against gays and fags to the open windows of the limos - the windows open by order of the security people - creeping toward the Kodak Theater for the 78th Academy Awards. Others held up sturdy, professionally crafted signs expressing the same hatred.

The red carpet in front of the theatre was larger than the Red Sea. Inside, we climbed grand staircases designed for showing off dresses. The circular levels filled with men in black, the women mostly in pale, frothy gowns. Sequins, diamonds, glass beads, trade beads sparkled like the interior of a salt mine. More exquisite dresses appeared every moment, some made from six yards of taffeta, and many with sweeping trains that demanded vigilance from strolling attendees lest they step on a mermaid's tail. There was one man in a kilt - there is always one at award ceremonies - perhaps a professional roving Scot hired to give colour to the otherwise monotone showing of clustered males. Larry McMurtry defied the dress code by wearing his usual jeans and cowboy boots. The people connected with Brokeback Mountain, including me, hoped that, having been nominated for eight Academy awards, it would get Best Picture as it had at the funny, lively Independent Spirit awards the day before. (If you are looking for smart judging based on merit, skip the Academy Awards next year and pay attention to the Independent Spirit choices.) We should have known conservative heffalump academy voters would have rather different ideas of what was stirring contemporary culture. Roughly 6,000 film industry voters, most in the Los Angeles area, many living cloistered lives behind wrought-iron gates or in deluxe rest-homes, out of touch not only with the shifting larger culture and the yeasty ferment that is America these days, but also out of touch with their own segregated city, decide which films are good. And rumour has it that Lions Gate inundated the academy voters with DVD copies of Trash - excuse me - Crash a few weeks before the ballot deadline. Next year we can look to the awards for controversial themes on the punishment of adulterers with a branding iron in the shape of the letter A, runaway slaves, and the debate over free silver.

After a good deal of standing around admiring dresses and sucking up champagne, people obeyed the stentorian countdown commands to get in their seats as "the show" was about to begin. There were orders to clap and the audience obediently clapped. From the first there was an atmosphere of insufferable self-importance emanating from "the show" which, as the audience was reminded several times, was televised and being watched by billions of people all over the world. Those lucky watchers could get up any time they wished and do something worthwhile, like go to the bathroom. As in everything related to public extravaganzas, a certain soda pop figured prominently. There were montages, artfully meshed clips of films of yesteryear, live acts by Famous Talent, smart-ass jokes by Jon Stewart who was witty and quick, too witty, too quick, too eastern perhaps for the somewhat dim LA crowd. Both beautiful and household-name movie stars announced various prizes. None of the acting awards came Brokeback's way, you betcha. The prize, as expected, went to Philip Seymour Hoff-man for his brilliant portrayal of Capote, but in the months preceding the awards thing, there has been little discussion of acting styles and various approaches to character development by this year's nominees. Hollywood loves mimicry, the conversion of a film actor into the spittin' image of a once-living celeb. But which takes more skill, acting a person who strolled the boulevard a few decades ago and who left behind tapes, film, photographs, voice recordings and friends with strong memories, or the construction of characters from imagination and a few cold words on the page? I don't know. The subject never comes up. Cheers to David Strathairn, Joaquin Phoenix and Hoffman, but what about actors who start in the dark?

Everyone thanked their dear old mums, scout troop leaders, kids and consorts. More commercials, more quick wit, more clapping, beads of sweat, Stewart maybe wondering what evil star had lighted his way to this labour. Despite the technical expertise and flawlessly sleek set evocative of 1930s musicals, despite Dolly Parton whooping it up and Itzhak Perlman blending all the theme music into a single performance (he represented "culchah"), there was a kind of provincial flavour to the proceedings reminiscent of a small-town talent-show night. Clapping wildly for bad stuff enhances this. There came an atrocious act from Hustle and Flow, Three 6 Mafia's violent rendition of "It's Hard Out Here for a Pimp", a favourite with the audience who knew what it knew and liked. This was a big winner, a bushel of the magic gold-coated gelded godlings going to the rap group.

The hours sped by on wings of boiler plate. Brokeback's first award was to Argentinean Gustavo Santaolalla for the film's plangent and evocative score. Later came the expected award for screenplay adaptation to Diana Ossana and Larry McMurtry, and only a short time later the director's award to Ang Lee. And that was it, three awards, putting it on equal footing with King Kong. When Jack Nicholson said best picture went to Crash, there was a gasp of shock, and then applause from many - the choice was a hit with the home team since the film is set in Los Angeles. It was a safe pick of "controversial film" for the heffalumps.

After three-and-a-half hours of butt-numbing sitting we stumbled away, down the magnificent staircases, and across the red carpet. In the distance men were shouting out limousine numbers, "406 . . . 27 . . . 921 . . . 62" and it seemed someone should yell "Bingo!" It was now dark, or as dark as it gets in the City of Angels. As we waited for our number to be called we could see the enormous lighted marquee across the street announcing that the "2006 Academy Award for Best Picture had gone to Crash". The red carpet now had taken on a different hue, a purple tinge.

The source of the colour was not far away. Down the street, spreading its baleful light everywhere, hung a gigantic, vertical, electric-blue neon sign spelling out S C I E N T O L O G Y.

"Seven oh six," bawled the limo announcer's voice. Bingo.

For those who call this little piece a Sour Grapes Rant, play it as it lays.



Escrito por Sérgio Dávila às 12h45
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Diretor de Hostel em SP

 

Chega a SP dia 20 de março o diretor Eli Roth, de O Albergue (Hostel), terrorzão produzido por Quentin Tarantino. O filme estréia no Brasil na semana seguinte. Abaixo, o diretor, a atriz do filme Barbara Nedeljakova e, na ponta, o cabeção Tarantino himself.



Escrito por Sérgio Dávila às 12h10
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Coluna "Outra América" de domingo


12/03/2006

 
De mudanças, lá e cá

por Sérgio Dávila

Na semana passada, finalmente a Casa Branca assumiu publicamente que, sim, o Iraque está em pior situação agora do que antes da invasão anglo-americana -não com tantas palavras, é óbvio. Dias antes, o Reino Unido avisou que suas tropas deixarão o país em 2008 (as eleições gerais britânicas devem acontecer em junho de 2010).

O inelegível George W. Bush já perdeu a tal Guerra do Iraque. Por tabela, foi derrotado também seu principal parceiro mundial hoje em dia, Tony Blair, que diz que não concorrerá a um quarto termo. O clima de "fim de festa" que emana do poder pode explicar em parte o renascimento recente da insurreição iraquiana.

Resta agora achar uma saída honrosa -com data marcada, que são as próximas eleições iraquianas, em que fatalmente um opositor dos invasores deve ser eleito. A cortina de fumaça para desviar o foco da atenção mundial em direção ao Irã não deve funcionar.

Há dois caminhos, que a Casa Branca já ensaia. O primeiro é redefinir os conceitos de "vitória" e "derrota", à Vietnã. O segundo é, como no jingle de Raul Gil, pegar seu banquinho e ir saindo de mansinho, que é o que deve prevalecer, acompanhado do discurso "cumprimos a nossa parte: derrubamos o ditador, demos democracia à tigrada, agora o problema é deles".

O cinema, como o povo e a insurgência, não é bobo, e já capta este zeitgeist. Filmes recentes como "Syriana", "Jarhead" e "Boa Noite e Boa Sorte" começam a malhar o judas bushiano. Mas a pá de cal chega agora, na semana que vem nos EUA,

em abril no Brasil, com o filmaço "V de Vingança" (V for Vendetta, EUA, 2005).

Dirigido por um títere (James McTiegue), o filme é todo irmãos Wachowski, em sua primeira obra pós-trilogia "Matrix". Eles assinam a produção e o roteiro, baseado na graphic novel homônima de Alan Moore dos anos 80 (que aliás brigou e desautorizou a versão cinematográfica).

No dia 5 de novembro de 1605, o católico Guy Fawkes foi preso num "plot" frustrado para matar o rei James 1º. Isso é fato. Séculos depois, numa Britânia futurista, um herói que usa a máscara de Fawkes planeja explodir o Parlamento inglês como maneira de interromper a escalada do governo autoritário. Isso já são os quadrinhos.

No filme, o governo é uma mistura da Alemanha nazista com o pior da América bushista. Estão lá referências a Hitler, sim, mas também ao vice-presidente Dick Cheney e seus interesses pouco transparentes na iniciativa privada, ao secretário Donald Rumsfeld e sua sede belicosa, até às imagens dos presos de Abu Ghraib.

Tirada toda a gordura adolescente e hollywoodiana (afinal, trata-se de um filme de US$ 50 milhões bancado pela gigante Warner), o que sobra é revolucionário: em pleno pós-11 de Setembro, a indústria do entretenimento mais poderosa do mundo coloca nas ruas um provável blockbuster em que o vilão é o governo de direito e o herói é um terrorista que explode prédios.

Alguma coisa está mudando na América...

***

Alguma coisa muda na coluna, também. Enquanto você lê essas mal traçadas, o autor transfere-se para Washington para uma temporada por lá. Chego a tempo de assistir George W. Bush assinando a renovação do Ato Patriótico. Conto como foi nas próximas colunas.

sdavila@folhasp.com.br



Categoria: Eu na Folha e na Revista
Escrito por Sérgio Dávila às 13h00
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Pequena pausa para mudança de ares

 

Viajo hoje para um período de dois anos em Washington. Condições metreológicas permitindo, volto a blogar amanhã, da capital do Império. O primeiro assunto: a estréia da sexta e última temporada dos Sopranos, que acontece amanhã, às 22h, horário local. Até já.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 09h07
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Sai "Aprendi com Meu Pai"

 

O jornalista e editor Luís Colombini convidou 53 personalidades e este blogueiro para que escrevessem sobre uma lição aprendida com seu pai. O resultado é o belíssimo "Aprendi com Meu Pai", que sai agora na Bienal do Livro. Como diria Emerson Fitipaldi (filho do inesquecível Barão, já morto), "eu recomendo".



Escrito por Sérgio Dávila às 09h05
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Os Simpsons na vida real

 

Muito bom: http://youtube.com/watch?v=49IDp76kjPw



Escrito por Sérgio Dávila às 08h52
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

A maldição de Super-Homem

 

"Superman Returns" estréia mundialmente neste verão do hemisfério norte. O mesmo Popbitch lista os fatos para comprovar uma suposta "maldição de Super-Homem" --e diz que o ator que interpreta o herói, Brandon Routh, dirá que é gay publicamente até a estréia do filme, como parte do lançamento publicitário do filme. A maldição:

* Superman Christopher Reeve, was paralysed
    and died aged 52. Wife Dana died aged 44.

* Lois Lane - Margot Kidder stopped working
    when a car crash in 1990 left her bankrupt,
    had a mental breakdown in 1996, broke her
    pelvis in 2002.

* Richard Pryor starred in Superman III,
    diagnosed with multiple Sclerosis three years
    later, died December 2005.

* George Reeves played Superman in 1950s
     TV, The Adventures of Superman. Was found
    dead in 1959 with a bullet through his head. 

* Kirk Alym was Superman in 1940s. Claimed it
    ruined his life and he never got another job.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 08h50
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

DVDs piratas de Brokeback na Turquia

 

De acordo com a newsletter Popbitch, a Turquia já vende DVDs piratas de "O Segredo de Brokeback Mountain" nas ruas. A tradução local? "Cowboys homossexuais".

 



Escrito por Sérgio Dávila às 08h45
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Sobre os comentários

 

Por alguns dias, experimentarei a função de aprovar os comentários antes de publicá-los. Por dois motivos: excesso de calúnia, injúria, difamação e textos preconceituosos nas mensagens e ataques pessoais (não confundir com críticas, que continuam sempre bem-vindas) a mim e aos outros visitantes do blog.

Vamos ver se vale a pena.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 11h04
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

E a última

O filme estreía dia 7 de abril no Brasil.



Escrito por Sérgio Dávila às 10h47
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Mais uma



Escrito por Sérgio Dávila às 10h46
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Imagens de V de Vingança

 

Assisti finalmente ao filme --é muito bom, um tapa na cara da banda podre da maça mundial pós-11 de Setembro, em que ninguém e nenhum fato são poupados, de George W. Bush a Abu Grahib. E realmente tem duas faixas do clássico primeiro CD de Stan Getz, João Gilberto e Astrud Gilberto como trilha de duas cenas, conforme adiantou meu amigo Marcelo Bernardes. Já comento mais. Por enquanto, fotos inéditas, em partes:

 



Escrito por Sérgio Dávila às 19h52
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Academia não sai do armário

São Paulo, terça-feira, 07 de março de 2006

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

OSCAR 2006

Academia não sai do armário ao preterir "Brokeback Mountain" e evita a polêmica política de "Paradise Now"

Hollywood amarela e pulveriza seus prêmios

SÉRGIO DÁVILA
DA REPORTAGEM LOCAL

Hollywood pulverizou e, ao fazê-lo, amarelou. A edição de 2006 do Oscar vai entrar para a história como a mais fragmentada das últimas décadas. Cada estatueta das seis principais categorias (filme, diretor, ator, atriz e coadjuvantes) foi para um filme diferente. As duas de roteiro foram as únicas que importam de verdade a reforçar filmes nas categorias principais, respectivamente "O Segredo de Brokeback Mountain" (diretor e adaptado) e a zebra "Crash - No Limite" (filme e original) -zebra, sim, mas um excelente filme.
Levaram ainda o bom "Capote" (ator), o péssimo "Johnny e June" (atriz), o "brasileiro" "O Jardineiro Fiel" (atriz coadjuvante, para Rachel Weisz, eleita a "rainha do hexa" pela mídia canarinho) e o importante "Syriana - A Indústria do Petróleo" (George Clooney, em seu único prêmio da noite). Ou seja, os tiozinhos da Academia de Sombra e Água Fresca não tiveram, com o perdão da expressão, bolas para premiar o "filme gay". Ficaram no armário da indecisão. Assim, "O Segredo de Brokeback Mountain" levou o tapinha nas costas (direção para Ang Lee), mas ficou sem o abraço do gol (filme).
(É importante relembrar que não existe exatamente esta entidade una chamada "A Academia". São mais de 6.000 os votantes, influenciados por um sem-número de fatores, de presentinhos a palpites de parentes, o que os assemelha de certa forma ao colegiado que elege a melhor escola do Carnaval carioca.)
Amarelaram também em outra categoria importante, filme estrangeiro, ao deixar de lado o importante e urgente "Paradise Now", palestino, cedendo assim ao poderoso lobby judaico da indústria do entretenimento norte-americana, que chegou a exigir que o filme nem sequer fosse considerado como "da Palestina", uma vez que a existência do país não é unanimemente reconhecida pela comunidade internacional. Avestruzes, as centenas de votantes nessa categoria foram com o mediano "Tsotsi".
De qualquer maneira, foi um bom ano para os filmes. Não há registro também na história recente de um Oscar com longas de tanta qualidade, com cinco títulos polêmicos e independentes dominando a categoria principal. Zeitgeist gay à parte, em termos estritamente cinematográficos, qualquer um ("Capote", "O Segredo de Brokeback Mountain", "Crash", "Boa Noite e Boa Sorte" e "Munique") poderia ser escolhido com justiça.
E foi um bom ano ainda para a transmissão de TV. Jon Stewart lembrou Chris Rock no ano passado na qualidade das piadas, no teor político e no propósito de desrespeitar o politicamente correto que domina os eventos desse gênero. Assim como Rock, não deve ser mais convidado.
De resto, é pertinente que Paul Haggis seja a zebra na mesma noite em que outro eterno azarão de Hollywood -o diretor Robert Altman- ganha reparação histórica e é o homenageado, aos 81 anos e sem nunca ter ganho um Oscar. Seu "Crash" paga tributo ao "Short Cuts" (1993) de Altman, mesmo que salpicado com pitadas de "Traffic" (2000), de Steven Soderbergh. Só faltou alguém dizer que a vitória de Higgis é por tabela a vitória da cientologia, polêmica religião criada pelo escritor L. Ron Hubbard, da qual o canadense e centenas de celebridades hollywoodianas são simpatizantes/seguidores. Tom Cruise deve ter ido para a cama feliz.



Categoria: Eu na Folha e na Revista
Escrito por Sérgio Dávila às 08h42
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Crash sai em DVD no Brasil

 

O vencedor do Oscar de 2006 de melhor filme chega às locadoras do Brasil no dia 31 de março. O filme reestreou em algumas grandes cidades (SP incluída) no dia 17 de fevereiro e deve aumentar o circuito agora, com a vitória. No DVD brasileiro, "featurete" com os bastidores da produção, especialmente o papel fundamental do ator Don Cheadle (Hotel Ruanda), que se entusiasmou pelo projeto, virou um dos produtores do filme e acabou por garantir sua realização.



Escrito por Sérgio Dávila às 15h34
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

E ateh jah

,

Escrito por Sérgio Dávila às 00h28
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Alias, nas minhas previsoes...


... lah no comeco, eu dizia que Crash era zebra.


Escrito por Sérgio Dávila às 00h26
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

ZEEEEEEEEEEEEEEEBRA


Melhor filme para Crash. Zebra do ano, e pulverizacao sacramentada: diretor para Ang Lee, filme para Crash, ator para Capote, atriz para Johnnie e June. Mas, quer saber? Merecido. Crash eh filmaco.


Escrito por Sérgio Dávila às 00h25
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

"Brasil" perde os outros Oscars


Com o Oscar de roteiro adaptado a Brokeback, "O Jardineiro Fiel", de Fernando Meirelles, ficou mesmo soh com atriz coadjuvante (Rachel Weisz, merecido).


Escrito por Sérgio Dávila às 00h16
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Oscar justo - roteiro original para Crash


Encaixa na noite em que o homenageado eh Robert Altman --Crash eh puro Short Cuts, com pitadas de Traffic.


Escrito por Sérgio Dávila às 00h14
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

O segundo de Brokeback da noite


Faltam tres categorias para o final, e o oscar 2006 caminha para ser o mais pulverizado da historia recente. Mesmo que Brokeback ganhe filme e direcao, terah conseguido quatro estatuetas --ou menos que King Kong (apesar de este ter levado as tecnicas).


Escrito por Sérgio Dávila às 00h12
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Deu a mala


O unico filme em que Reese Whiterspoon foi atriz eh o grande Election (1999), de Alexander Payne, o mesmo de Sideways. Antes e depois, soh fez bobagem ou estragou bons filmes. Outra pedra cantada da noite, outro Oscar desperdicado.


Escrito por Sérgio Dávila às 00h03
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Gueixa eh o grande premiado da noite ateh agora


!!!!!?????????!!!!!!!!!!!!!


Escrito por Sérgio Dávila às 23h57
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Pausa para nossos comerciais


O blog completa 1.000.000 de page views.


Escrito por Sérgio Dávila às 23h55
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Finalmente uma categoria importante


Mas deu o obvio? Philip Seymour Hoffman, a pedra mais cantada do Oscar 2006. Merecido, tanto pelo trabalho em Capote quanto pelo conjunto de obra, de um grande ator ateh hoje ignorado como protagonista e nos premios que importam.


Escrito por Sérgio Dávila às 23h49
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Montagem vai para Crash


Merecido, um dos grandes filmes de 2005, que deve ser injustamente ignorado nas categorias mais importantes. E, com a categoria, vai se desenhando uma cerimonia extremamente pulverizada, sem grandes vencedores.


Escrito por Sérgio Dávila às 23h43
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

O Oscar amarelou


Os eleitores de filme estrangeiro (nao sao todos os seis mil) amarelaram e cederam ao lobby judaico da industria do entretenimento. Paradise Now eh de longe o melhor filme estrangeiro entre os indicados. Tsotsi eh apenas correto. Decisao politica --no caso, antipolitica. E a Palestina fica para o ano que vem.


Escrito por Sérgio Dávila às 23h40
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Balanco parcial


Quatro King Kong, dois Gueixa, um Brokeback. Eh um Oscar, definitivamente, estranho.


Escrito por Sérgio Dávila às 23h37
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Enrolacao


Falando serio (de novo): eh meia noite e 35 minutos de segunda-feira e NENHUM Oscar importante foi entregue ateh agora. Depois reclamam da audiencia da TV.


Escrito por Sérgio Dávila às 23h32
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

O melhor do Oscar de efeitos sonoros


Eh a apresentadora, Jennifer Garner. (alias, mordo minha lingua? King Kong faturou todos os premios tecnicos ateh agora...)


Escrito por Sérgio Dávila às 23h29
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Numa noite de pessimas musicas...


...levou a menos pessima, o rap de Ritmo de um Sonho. Bateu a sub-Enya In the Deep (tambem conhecida como musica para alongamento) e a inescutavel Travelin Thru, com a inescutavel Dolly Parton.


Escrito por Sérgio Dávila às 23h25
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]


Robert Altman, 81 anos, tres vezes indicados ao Oscar de melhor diretor, nunca premiado, recebe agora seu Oscar honorario, a maneira de a Academia corrigir suas burradas (como fez, por exemplo, com Alfred Hitchcock). Antes tarde do que nunca. No caso dele, raro, ainda em atividade: seu A Prairie Home Companion chega ao Brasil no segundo semestre. Curiosidade: ele morava no Hotel Delmonico, em Nova York, tambem conhecido como "hotel dos brasileiros", hoje comprado por Donald Trump e transformado em condominio de luxo. De certa maneira, o que Hollywood fez com Robert Altman ateh agora eh o mesmo que Donald Trump fez com o que predio em que ele morava.

Escrito por Sérgio Dávila às 23h22
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]


Robert Altman, 81 anos, tres vezes indicados ao Oscar de melhor diretor, nunca premiado, recebe agora seu Oscar honorario, a maneira de a Academia corrigir suas burradas (como fez, por exemplo, com Alfred Hitchcock). Antes tarde do que nunca. No caso dele, raro, ainda em atividade: seu A Prairie Home Companion chega ao Brasil no segundo semestre. Curiosidade: ele morava no Hotel Delmonico, em Nova York, tambem conhecido como "hotel dos brasileiros", hoje comprado por Donald Trump e transformado em condominio de luxo. De certa maneira, o que Hollywood fez com Robert Altman ateh agora eh o mesmo que Donald Trump fez com o que predio em que ele morava.

Escrito por Sérgio Dávila às 23h10
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Erramos:


King Kong levou mais um Oscar: som. E a pergunta que nao quer calar: quem liga?


Escrito por Sérgio Dávila às 23h03
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Por que os clipes?


Concordo com Jon Stewart: qual o gancho de todos esses clipes? TODOS os filmes feitos por Hollywood? Nao ha o menor criterio. E ja eh o terceiro clipe.


Escrito por Sérgio Dávila às 23h00
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Sai o primeiro Oscar para Brokeback Mountain


E eh trilha sonora, feita por um argentino? Estranho....


Escrito por Sérgio Dávila às 22h59
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Sai o primeiro Oscar para Brokeback Mountain


E eh trilha sonora, feita por um argentino? Estranho....


Escrito por Sérgio Dávila às 22h54
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Sai o primeiro Oscar para Brokeback Mountain


E eh trilha sonora, feita por um argentino? Estranho....


Escrito por Sérgio Dávila às 22h50
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Apelido de Salma Hayek aqui na plateia


Salmao.


Escrito por Sérgio Dávila às 22h44
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Outro Oscar obvio


Melhor direcao de arte para Memorias de uma Gueixa (mas o filme continua chaaaaaaaaaato).


Escrito por Sérgio Dávila às 22h38
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Outro Oscar obvio


Melhor direcao de arte para Memorias de uma Gueixa (mas o filme continua chaaaaaaaaaato).


Escrito por Sérgio Dávila às 22h37
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Outro Oscar obvio


Melhor direcao de arte para Memorias de uma Gueixa (mas o filme continua chaaaaaaaaaato).


Escrito por Sérgio Dávila às 22h35
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

J-Lo continua com tudo em cima...


... mas, como acabei de ouvir aqui, pesou na maquiagem --estah a cara do Oscar (a estatueta, eu digo).


Escrito por Sérgio Dávila às 22h25
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Documentario longa - deu o obvio


A longa marcha rumo a direita --quer dizer, A Marcha dos Pinguins- leva um dos Oscars mais obvios da noite. O que nao apaga o servico prestado pelo documentario a longa marcha rumo a direita promovida por George W. Bush e seus neocons.
Cartas para a Redacao.


Escrito por Sérgio Dávila às 22h24
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Saiu melhor documentario curta


E....?


Escrito por Sérgio Dávila às 22h20
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Apesar dos pesares, o Oscar esta engracado

Concordam? Se voce estah vendo no som original, percebeu que as piadas neste ano estao otimas. A ultima, satirizando as propagandas politicas da epoca das eleicoes presidenciais, levadas para o universo das melhores atrizes, eh a melhor. "Dames for the truth" nao existe...

Escrito por Sérgio Dávila às 22h19
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Deu Brasil (ok, Reino Unido) no Oscar!


Ok, eh importante para Fernando Meirelles o fato de sua atriz principal ter ganho o Oscar e dedicado a estatueta a ele em primeiro lugar, mas vamos colocar as coisas em perspectiva: chamar este Oscar de "brasileiro" eh forcar um pouco a barra. Nao que o filme nao mereca o premio, merece muitos mais (e merecia muitas outras indicacoes), mas o premio eh dela, Rachel Weisz. E deve ser o unico da noite para Jardineiro Fiel...


Escrito por Sérgio Dávila às 22h17
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Deu Brasil (ok, Reino Unido) no Oscar!


Ok, eh importante para Fernando Meirelles o fato de sua atriz principal ter ganho o Oscar e dedicado a estatueta a ele em primeiro lugar, mas vamos colocar as coisas em perspectiva: chamar este Oscar de "brasileiro" eh forcar um pouco a barra. Nao que o filme nao mereca o premio, merece muitos mais (e merecia muitas outras indicacoes), mas o premio eh dela, Rachel Weisz. E deve ser o unico da noite para Jardineiro Fiel...


Escrito por Sérgio Dávila às 22h14
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Deu Brasil (ok, Reino Unido) no Oscar!


Ok, eh importante para Fernando Meirelles o fato de sua atriz principal ter ganho o Oscar e dedicado a estatueta a ele em primeiro lugar, mas vamos colocar as coisas em perspectiva: chamar este Oscar de "brasileiro" eh forcar um pouco a barra. Nao que o filme nao mereca o premio, merece muitos mais (e merecia muitas outras indicacoes), mas o premio eh dela, Rachel Weisz. E deve ser o unico da noite para Jardineiro Fiel...


Escrito por Sérgio Dávila às 22h13
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Deu Brasil (ok, Reino Unido) no Oscar!


Ok, eh importante para Fernando Meirelles o fato de sua atriz principal ter ganho o Oscar e dedicado a estatueta a ele em primeiro lugar, mas vamos colocar as coisas em perspectiva: chamar este Oscar de "brasileiro" eh forcar um pouco a barra. Nao que o filme nao mereca o premio, merece muitos mais (e merecia muitas outras indicacoes), mas o premio eh dela, Rachel Weisz. E deve ser o unico da noite para Jardineiro Fiel...


Escrito por Sérgio Dávila às 22h12
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Deu Brasil (ok, Reino Unido) no Oscar!


Ok, eh importante para Fernando Meirelles o fato de sua atriz principal ter ganho o Oscar e dedicado a estatueta a ele em primeiro lugar, mas vamos colocar as coisas em perspectiva: chamar este Oscar de "brasileiro" eh forcar um pouco a barra. Nao que o filme nao mereca o premio, merece muitos mais (e merecia muitas outras indicacoes), mas o premio eh dela, Rachel Weisz. E deve ser o unico da noite para Jardineiro Fiel...


Escrito por Sérgio Dávila às 22h08
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Ateh agora, soh categorias menores


E parabens ao Amir Labaki, que por enquanto acertou todas na Ilustrada de hoje.


Escrito por Sérgio Dávila às 22h03
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Ateh agora, soh categorias menores


E parabens ao Amir Labaki, que por enquanto acertou todas na Ilustrada de hoje.


Escrito por Sérgio Dávila às 21h57
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Melhor figurino vai para...


... Jennifer Aniston --quer dizer, memorias de uma Gueixa. A atriz estreia no Oscar entregando uma categoria menor, mas rouba acena com seu vestido preto semitransparente (alem de ser a musa do blog, claro)


Escrito por Sérgio Dávila às 21h55
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Melhor figurino vai para...


... Jennifer Aniston --quer dizer, memorias de uma Gueixa. A atriz estreai no oscar entregando uma categoria menor, mas rouba acena com seu vestido preto semitransparente (alem de ser a musa do blog, claro)


Escrito por Sérgio Dávila às 21h53
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Melhor figurino vai para...


... Jennifer Aniston --quer dizer, memorias de uma Gueixa. A atriz estreai no oscar entregando uma categoria menor, mas rouba acena com seu vestido preto semitransparente (alem de ser a musa do blog, claro)


Escrito por Sérgio Dávila às 21h51
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Curta de animacao eh A Lua e o Filho


E a pergunta persiste: quem liga?


Escrito por Sérgio Dávila às 21h48
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Sis Shooter eh o melhor curta


Quem liga?


Escrito por Sérgio Dávila às 21h44
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Mais Dolly Parton


"Verdadeira mae de Angelina Jolie" eh um dos apelidos que acabo de ouvir. Realmente, as duas estao com a mesma boca, na linha "baboon's ass"...


Escrito por Sérgio Dávila às 21h39
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Dolly Parton leva trofeu


botox do ano, ateh agora. Mas a concorrencia eh forte...


Escrito por Sérgio Dávila às 21h35
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Animacao - deu o mais certinho


Wallace e Gromit nesse ano eh o establishment. Ousado teria sido premiar Tim Burton por seu excelente A Noiva-Cadaver. Nem tudo esta mudado na Academia, afinal...


Escrito por Sérgio Dávila às 21h34
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

King Kong leva


Sai o primeiro (e talvez unico) Oscar para um sucesso de bilheteria - King Kong, efeitos visuais. O Oscar 2006 eh o Oscar independente, nenhum dos dez filmes mais vistos do ano passado concorre em nenhuma categoria importante. Dai a piada que George Clooney fez ao receber seu premio de coadjuvante: "Tenho orgulho de estar fora de contato com a realidade" (a principal acusacao da direita eh a de que Hollywood esta "fora de contato" com a "verdadeira America"...


Escrito por Sérgio Dávila às 21h32
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Ator coadjuvante


Brokeback Mountain perde seu primeiro oscar da noite. Deu George Clooney, o que pode ser um mau sinal para o ator, que concorre em outras categorias mais importantes, como diretor e filme...


Escrito por Sérgio Dávila às 21h20
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Monologo decepciona


Jon Stewart foi mais lento, mais cerebral e menos engracado do que deve ser um apresentador do Oscar. Mau come;o. O cenario imitando sala de cinema tambem nao ajuda...


Escrito por Sérgio Dávila às 21h16
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Segunda vitima:


Angelina Jolie e seus filhos adotivos...


Escrito por Sérgio Dávila às 21h06
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

A cerimonia comeca, eh claro,


com piadas as custas de Brokeback Mountains. Os gays devem ser o alvo das gracas na noite de hoje.


Escrito por Sérgio Dávila às 21h06
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Vai começar...

 

...o live blogging do Oscar.

Antes, porém, os palpites (dessa vez sem os polêmicos "acertos parciais" e "erros parciais":

As cinco principais:

FILME - Boa Noite e Boa Sorte (com chances para Brokeback e zebra para Crash) - Oscar paera Brokeback seria muita ousadia, mesmo num ano de Oscar ousado

DIRETOR - Ang Lee - Uma maneira de compensar o não-Oscar para filme (com zebra para George Clooney, por todos os motivos)

ATOR - Philip Seymour Hoffman - Sem segunda chance nem zebra. É ele e acabou

ATRIZ - Reese Witherspoon (quem ainda aguenta a Legalmente Loira?) - Idem ibidem ao caso de Philip Seymour, apesar de minha antipatia pessoal. (Ok, zebra para Felicity Huffman)

FILME ESTRANGEIRO - Ok, não é uma das cinco principais para os americanos, mas é para nós estrangeiros. Paradise Now deve levar fácil.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 20h45
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Coluna "Outra América" hoje na Revista da Folha

language=javascript type=text/javascript>

05/03/2006

 
O 'complexo de bunda-suja'

por Sérgio Dávila

"E aí, bunda-suja!" Quem assistiu a Madonna no Rio de Janeiro em 1993, durante a turnê "The Girlie Show", lembra do "típico palavrão brasileiro" que algum mané da comitiva local da cantora norte-americana deve ter ensinado antes de a diva entrar no palco -diz a lenda que foi um desavisado dançarino brasileiro, ou pelo menos o próprio andou espalhando essa versão.

A gafe da cantora é o equivalente musical do que fez uma década antes Ronald Reagan (1911-2004), durante jantar em sua homenagem em Brasília, em 1982. A certa altura, o então presidente norte-americano se levantou e propôs um brinde ao "povo da Bolívia". Depois se justificaria dizendo que o país era o próximo de seu périplo pela América Latina -mentira: ele só iria para Colômbia, Costa Rica e Honduras.

Os anos passam, e continuamos os bundas-sujas d’antanho -ou pelo menos mantemos o complexo. Colonizados culturais, a cada ano ou dois recebemos de braços abertos o gringo de ocasião para nos deitar regra. Os do verão 2005-2006 atendem pelos nomes de Mick Jagger e Bono (ou Bono "Vox", na versão Brasil, o único lugar do mundo em que o apelido de adolescência do vocalista do U2 ainda vigora; o que demonstra certa coerência léxico-fonética, uma vez que também somos o único povo que diz "Bãsh" ao se referir ao atual presidente dos EUA, George W. Búúúúúúúúúsh).

Em entrevista à mãe de um de seus filhos, Mick Jagger incorporou Sting na pior fase Raoni e soltou a ladainha de que o mundo tem de salvar a Amazônia, mesmo que isso desagrade os brasileiros. Durante o show do U2, os telões mostravam fotos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o vocalista pedia a volta do Fome Zero, um letreiro exortava o fim de esquerda, direita e centro.

Vem cá, essa gente que vem dar contas e miçangas para a indiada daqui -que responde aos mimos com pulinhos, gritinhos de u-rru e mostra a luz do celular- não tem espelho em casa, não? Como o irlandês médio, esse sujeito historicamente equilibrado, reagiria se Gilberto Gil colocasse fotos da rainha Elizabeth durante um show ou pedisse o fim do ex-IRA (atual PIRA)? E por que Mick Jagger não falou das vantagens de transar com camisinha para os adolescentes que o ouviam? Ou justificou a ida do Reino Unido à falaciosa Guerra do Iraque?

O Brasil como quintal do imaginário coletivo não é tema novo. Já rendeu até um interessante documentário, "Olhar Estrangeiro", de Lúcia Murat, concluído no ano passado, que a Rede Sesc-Senac de Televisão (STV) vem exibindo durante este Carnaval. A cineasta analisa mais de duas centenas de filmes não-brasileiros que se passam aqui (supostamente ou não) ou citam o país como destino. O Brasil se sai pior do que o judeu da piada no quesito estereotipagem.

Se você já viu alguma das produções, de "Interlúdio" (1946), de Alfred Hitchcock, ao recentíssimo "Os Produtores" (2005), que por questões cronológicas não está no documentário, passando pelo inimputável "Blame It on Rio" (1984), com Michael Caine e uma jovem Demi Moore, sabe do que Lúcia Murat está falando. Quem já pisou nos EUA e dialogou com os nativos também sentiu na pele o calor da ignorância misturada com admiração pelos motivos errados.

E não é só o tal "americano médio", essa figura que hoje em dia é mais mítica que o "sasquatch", a versão americana do abominável homem das neves. Ouvi recentemente de jornalistas experientes, de grandes veículos norte-americanos, detentores de cobiçadas bolsas, absurdos como o caso do marido de uma delas que estudou espanhol cinco anos porque era apaixonado por bossa nova e queria muito conhecer o país de seus criadores.

Só descobriu a gafe quando avistou o Pão de Açúcar da janelinha do avião.

sdavila@folhasp.com.br

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice



Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.



Categoria: Eu na Folha e na Revista
Escrito por Sérgio Dávila às 10h23
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Pela primeira vez, premiados no Indie Spirit podem ser prévia do Oscar

 

O Oscar e o Independent Spirit Awards, pela primeira vez na história dos dois prêmios, podem pensar igual. Os premiados de hoje no Indie Spirit podem estar amanhã no palco do Oscar. Veja a lista dos premiados: "Brokeback Mountain" "Capote" e "Crash". A exceção fica por conta de "Transamerica", que, embora concorra amanhã, não deve levar nada. Todos os citados ganharam dois prêmios cada um.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 21h12
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Omelete rules

 

Bloguei duas notícias do site Omelete (um dos melhores brasileiros sobre cinema e cultura pop em geral) reproduzindo-as na íntegra. Por algum motivo, saiu tudo como eu queria --o texto, a foto, a assinatura do autor, o link--, menos o logo do site, conforme eu havia salvado em meu computador. Fica o pedido de desculpa, o link para as duas matérias e o logo do site, aquele que não foi publicado:

* Épico 10000 a.C. tem brasileira entre protagonistas

* Courteney Cox volta à TV em série dramática

HomeHome

 

 

 



Escrito por Sérgio Dávila às 19h36
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Por falar em Oscar...

 

Como já disse, se você quiser ler os palpites, comentários e pensamentos soltos deste que vos tecla sobre a premiação do Oscar, "ligue" aqui no domingo, a partir das 22h (horário de São Paulo). Assistirei à cerimônia com o laptop ao meu lado e farei um "live blogging". Até lá.



Escrito por Sérgio Dávila às 20h44
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Definidos todos os apresentadores do Oscar

 

A organização do Oscar definiu todos os atores e diretores que entregarão alguma estatueta neste domingo, comandados, claro, pelo apresentador oficial, o comediante Jon Stewart. Os últimos nomes definidos são Jack Nicholson, Jake Gyllenhaal, Eric Bana, Samuel L. Jackson, Ben Stiller, John Travolta e Ziyi Zhang. Os outros nomes:

Hilary Swank, Jamie Foxx, Morgan Freeman, Jessica Alba, Owen Wilson, Luke Wilson, Jennifer Aniston, Tom Hanks, Sandra Bullock, Keanu Reeves, Will Ferrell, Queen Latifah, Terrence Howard, Meryl Streep, Will Smith, Steve Carell, Nicole Kidman, Chris "Ludacris" Bridges, Uma Thurman, Charlize Theron, Naomi Watts, Lily Tomlin, Reese Witherspoon, George Clooney, Jennifer Lopez e Salma Hayek.



Escrito por Sérgio Dávila às 20h42
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Os dez artigos mais vistos no site do NYTimes em fevereiro

1. White House Knew of Levee's Failure on Night of Storm
By ERIC LIPTON, Published: February 10, 2006
The Bush administration was alerted to broken levees and flooding in New Orleans hours after their collapse, documents show.

2. Fellow Hunter Shot by Cheney Suffers Setback
By ELISABETH BUMILLER and ANNE E. KORNBLUT, Published: February 15, 2006
The downturn in the 78-year-old's health significantly changed the tone of the White House reaction to the hunting accident.

3. Low-Fat Diet Does Not Cut Health Risks, Study Finds
By GINA KOLATA, Published: February 8, 2006
A large study has found that a low-fat diet has no effect in reducing the risk of getting cancer or heart disease.

4. U.S. Reclassifies Many Documents in Secret Review
By SCOTT SHANE, Published: February 21, 2006
At the National Archives, intelligence agencies have been removing from public access thousands of historical documents.

5. To: Professor@University.edu Subject: Why It's All About Me
By JONATHAN D. GLATER, Published: February 21, 2006
E-mail has made college professors more approachable, but many say it has made them too accessible, erasing boundaries that had kept students at a healthy distance.

6. The Freshman
By CHIP BROWN, Published: February 26, 2006
Rahmatullah Hashemi was the Taliban's chief spokesman abroad. So how did he end up at Yale?

7. After Neoconservatism
By FRANCIS FUKUYAMA, Published: February 19, 2006
A former neoconservative theorist argues that with the Iraq conflict, the ideology that won the cold war has come to threaten peace. Can a movement turn away from militarism and toward a more durable use of power?

8. Cyberthieves Silently Copy Your Passwords as You Type
By TOM ZELLER Jr., Published: February 27, 2006
Software that copies users' keystrokes and sends the information to crooks may be the next big trend in cybercrime.

9. No End to Questions in Cheney Hunting Accident
By ANNE E. KORNBLUT and RALPH BLUMENTHAL, Published: February 14, 2006
The White House sought to explain why it took most of a day to disclose that the vice president accidentally shot a fellow hunter.

10. Some Democrats Are Sensing Missed Opportunities
ADAM NAGOURNEY and SHERYL GAY STOLBERG, Published: February 8, 2006
Heading into this year's elections, senior Democrats said that they sense they had failed to exploit Republican vulnerabilities.


Escrito por Sérgio Dávila às 16h42
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

JT Leroy ganha "biografia"

 

A "vida" do escritor JT Leroy --na verdade uma criação coletiva de um ex-casal de San Francisco-- vai virar "cinebiografia". Quem anuncia são os irmãos Weinstein, em parceria com o produtor Tom "Stay" Lassally. O roteiro, de Captain Mauzner, será baseado na série de três artigos de Warren St. John, jornalista do NYTimes que desmascarou o caso. Jesse Peretz deve dirigir.

Leroy enganou a imprensa do mundo inteiro, o NYTimes inclusive, este blogueiro inclusive, tendo vindo ao Brasil lançar seu livro.



Escrito por Sérgio Dávila às 15h18
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Homem-Aranha 3 terá uniforme preto

 

Peter ParkER (na pressa de postar, errei o sobrenome de nosso amiguinho...) usará um traje preto no terceiro filme da cinessérie Homem-Aranha, que estréia mundialmente em maio de 2007. Pelo menos é o que mostra esta foto do filme que caiu na rede. (e, não, a foto não é P&B, é colorida...)



Escrito por Sérgio Dávila às 18h47
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

ATivista gay compra camisas de "Brokeback" por US$ 100 mil

 

O ativista gay Tom Gregory comprou em leilão as duas camisas usadas pelos personagens principais no filme "O Segredo de Brokeback Mountain" or US$ 100 mil. Ele pretende mantê-las "como elas estavam, penduradas num cabide num armário. Eu nunca as usarei ou separarei as duas", disse à AP. Colecionador de artigos de cinema, ele comprou as peças pelo eBay, ali colocadas em benefício da ONG Variety -- The Children's Charity of Southern California. Ofereceu US$ 101.100,51 28 segundos antes de o leilão virtual de dez dias acabasse. Levou.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 09h55
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Blog fara "live blogging" na noite do Oscar

 

I´m back, baby.

Se você quiser ouvir os palpites, comentários e pensamentos soltos deste que vos tecla sobre a premiação do Oscar, "ligue" aqui no dia 5 de março, a partir das 22h (horário de São Paulo). Assistirei à cerimônia com o laptop ao meu lado e farei um "live blogging". Até lá.

 

 



Escrito por Sérgio Dávila às 09h46
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]