EUA, Washington, homem, de 36 a 45 anos, português, inglês, espanhol e francês

Leia mais

  





01/02/2010 a 15/02/2010
16/01/2010 a 31/01/2010
01/01/2010 a 15/01/2010
16/12/2009 a 31/12/2009
01/12/2009 a 15/12/2009
16/11/2009 a 30/11/2009
01/11/2009 a 15/11/2009
16/10/2009 a 31/10/2009
01/10/2009 a 15/10/2009
16/09/2009 a 30/09/2009
01/09/2009 a 15/09/2009
16/08/2009 a 31/08/2009
01/08/2009 a 15/08/2009
16/07/2009 a 31/07/2009
01/07/2009 a 15/07/2009
16/06/2009 a 30/06/2009
01/06/2009 a 15/06/2009
16/05/2009 a 31/05/2009
01/05/2009 a 15/05/2009
16/04/2009 a 30/04/2009
01/04/2009 a 15/04/2009
16/03/2009 a 31/03/2009
01/03/2009 a 15/03/2009
16/02/2009 a 28/02/2009
01/02/2009 a 15/02/2009
16/01/2009 a 31/01/2009
01/01/2009 a 15/01/2009
16/12/2008 a 31/12/2008
01/12/2008 a 15/12/2008
16/11/2008 a 30/11/2008
01/11/2008 a 15/11/2008
16/10/2008 a 31/10/2008
01/10/2008 a 15/10/2008
16/09/2008 a 30/09/2008
01/09/2008 a 15/09/2008
16/08/2008 a 31/08/2008
01/08/2008 a 15/08/2008
16/07/2008 a 31/07/2008
01/07/2008 a 15/07/2008
16/06/2008 a 30/06/2008
01/06/2008 a 15/06/2008
16/05/2008 a 31/05/2008
01/05/2008 a 15/05/2008
16/04/2008 a 30/04/2008
01/04/2008 a 15/04/2008
16/03/2008 a 31/03/2008
01/03/2008 a 15/03/2008
16/02/2008 a 29/02/2008
01/02/2008 a 15/02/2008
16/01/2008 a 31/01/2008
01/01/2008 a 15/01/2008
16/12/2007 a 31/12/2007
01/12/2007 a 15/12/2007
16/11/2007 a 30/11/2007
01/11/2007 a 15/11/2007
16/10/2007 a 31/10/2007
01/10/2007 a 15/10/2007
16/09/2007 a 30/09/2007
01/09/2007 a 15/09/2007
16/08/2007 a 31/08/2007
01/08/2007 a 15/08/2007
16/07/2007 a 31/07/2007
01/07/2007 a 15/07/2007
16/06/2007 a 30/06/2007
01/06/2007 a 15/06/2007
16/05/2007 a 31/05/2007
01/05/2007 a 15/05/2007
16/04/2007 a 30/04/2007
01/04/2007 a 15/04/2007
16/03/2007 a 31/03/2007
01/03/2007 a 15/03/2007
16/02/2007 a 28/02/2007
01/02/2007 a 15/02/2007
16/01/2007 a 31/01/2007
01/01/2007 a 15/01/2007
01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005

VOTAÇÃO
Dê uma nota para meu blog




Bebel Gilberto mostra seu playlist no NYTimes

 

Marcelo D2 é um dos escolhidos. Ela queria ser "amiga" e "namorada" dele.

Playlist

Spellbound by a Whisperer and Romanced by a Whistler

 
Guillermo Arias/Associated Press

The Brazilian singer Bebel Gilberto is pioneering her own style, “Bebelmusic.” She is beginning a world tour this month in connection with the release of her new album, “Momento.” 

By BEBEL GILBERTO

CALL it what you will: individuality, perhaps contrarianism? The narrow confines of established music categories seem to bring out the defiance in artists. The Brazilian singer Bebel Gilberto, daughter of the well-regarded musicians João Gilberto and Miúcha, suggests she is pioneering her own style: “Bebelmusic.” Ms. Gilberto’s second album was nominated for a Grammy. Her third, “Momento” (Six Degrees), is being released April 24. Ms. Gilberto compared putting out an album to raising a child: “The baby is now walking.” Songs on her album freewheel between English and Portuguese. Her lyrics of love and longing flutter and repeat in a blend of Brazilian beats, with alternating pulsating and breathy electronica. This month Ms. Gilberto, 40, begins a world tour, starting in London and stopping in the United States in May. From her apartment in Manhattan, she spoke with Winter Miller about what she’s listening to now and why.

Marcelo D2

I am a big fan of his, and I would love to be his friend. (I’m not.) I would love to be his girlfriend actually. (Tomorrow.) Marcelo’s music is like samba rock; he’s the one who first started doing this stuff about eight years ago. It’s not something to just listen to or to make love or cook to; it’s really great to dance to. It’s really up. It has a bit of rap, but in a way that I’ve never seen any Brazilian doing rap. With rap you can approach it so traditionally, but he does it with layers and sounds. He works a lot with samples, and he uses things that most people don’t even know. He mixes everything together, and simultaneously it sounds so rough and so sophisticated. It would be hard to pick one song as my favorite because I just love all of “Meu Samba É Assim” (Sony).

Kassin + 2

This is the third disc in a trilogy with Kassin and his band mates, Moreno Veloso and Domenico Lancellotti. “Futurismo” (Luaka Bop) is a beautiful mix of modern, experimental electronica and more classical Brazilian sounds. Kassin has a big following with the young generation today in Brazil, and he is a great bass player too. The song I cannot stop listening and singing along to is “Ya Ya Ya,” which is lovely; it is inspired by the music we always used to hear on Rio’s beaches of Ipanema and Copacabana.

Charlotte Gainsbourg

I just love the whisper of her voice. I am absolutely spellbound by “5:55” (Because/Atlantic). I saw her play a long time ago when I was young and wondering what I would do with my life. This album has such intense material. The production by Air is unbelievable; it brings her persona to the forefront. I love the birds at the beginning of “Little Monsters.” The song has this piano line that goes from the top to the end, with a beautiful bridge. I remember the first time I heard this song; I was really enjoying it and then the bridge came along, and I was like wooooo! I like “AF607105”; it’s a song about flying. The music is just so intense I didn’t even pay attention to the lyrics, but there’s humor hiding inside the words. But first I got hypnotized by it. The more times you hear this album, the more you discover how incredible it is. I haven’t stopped listening to it since I got it.

‘Marie Antoinette’

This film is intense. I am a big Sofia Coppola fan. This is a good example of when feminism comes across in a film directed by a woman. It really hit me how she came up with a soundtrack that’s so modern and by so many different people against this historical story that we all know; it’s such a good contrast. “Marie Antoinette” (Verve Forecast) is a soundtrack you can listen to nonstop. It will remind you of the ’80s. As you listen, you say: “I’ve heard this before. How can this be paired with Marie Antoinette? It sounds perfect together.” I don’t know how she could have done it better. I am someone who loves soundtracks. There are many CDs that I love because I’ve seen the films.

Arling & Cameron

“Hi-Fi Underground” (Challenge Records) is an album I’m still getting to know. They did an album about 10 years ago, and now they’re back again. They go off and work with different people, and then they come back and work as a duo. I love the cover. It’s a simple picture, but it’s so well taken. Their faces are shadowed, Veronica Lake-style, but you can feel their presence. I bought this album last week, and I have listened to the song “Open” 30 times already. It has a synthesizer and whistling; the arrangement is so catchy. All I have to do is think about this song, and I start grooving. In “Open” one of them is singing on top of this whistling sound; it’s superromantic. The lyrics could be the tackiest thing, but it’s so charming and beautiful. He has this deep great voice. It really touched me.



Escrito por Sérgio Dávila às 14h14
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

De Sanjaya Malakar a Barack Obama

Você tinha de prestar atenção ao contexto para perceber que não se tratava de mais um programa de calouros ou outro "reality-show", desses que infestam a TV norte-americana atualmente. Na porta de um tribunal em Nassau, nas Bahamas, dois homens aguardavam a divulgação de um resultado. Com eles, a mídia do mundo inteiro. Em minutos, foi declarado o "vencedor".

Pelo teste de DNA, reconhecido como oficial pela corte, era o ex-namorado Larry Birkhead, e não o advogado Howard Stern, o pai biológico da menina de sete meses que a ex-coelhinha Anna Nicole Smith deixou ao morrer de overdose acidental em fevereiro. Os dois esperavam como numa competição. Ao ouvir seu nome, Birkhead jogou os braços ao alto e comemorou.

Tinha motivos. Com a filha, pode herdar os milhões do ex-marido de Anna Nicole, um milionário do petróleo idoso com quem ela se casou e que bateria as botas meses depois. Essa briga ainda está na Justiça e é uma outra história. Mas foi o gesto de Birkhead o que mais chamou a atenção. Depois de celebrar, abraçou o "competidor", num clima de "venceu o melhor", e partiu para sua coletiva.

Era puro "American Idol".

Que é aonde eu queria chegar. Em sua sexta edição, o programa de calouros ocupa o primeiro e o segundo lugares entre os mais vistos da TV aberta dos EUA hoje em dia. Atrai em duas noites seguidas por semana uma média de 50 milhões de espectadores, que votam nos cantores que devem ser eliminados, até que sobre um -o "Ídolo Americano". Ano após ano, o programa toma o país.

Já se tornou lugar-comum dizer que mais pessoas votam no "American Idol" do que no "American President" -ao contrário do Brasil, o voto aqui não é obrigatório. As eleições presidenciais de 2004, consideradas "boas de público" pela polarização por que passava e passa o país, levaram 116 milhões às urnas. Apenas quatro semanas de "American Idol" batem esse número, e o show dura cinco meses.

Seu sucesso se ampara no fato de que, diferentemente dos nossos programas de calouros dos anos 70 e 80 -vêm à mente dos trintões e quarentões a figura do mal-humorado José Fernandes dando zero a todos os competidores e a desbocada Aracy de Almeida oferecendo "três mangos, pra você não voltar a pé pra casa" ao coitado que acabava de se apresentar-, é o "povo" quem vota. As opiniões do trio de "juízes" servem apenas de indicador, e nem sempre o preferido deles é o mesmo da escolha popular.

Tudo isso para falar de Sanjaya Malakar. Guarde esse nome. É um norte-americano de 17 anos, filho de indiano e ítalo-americana, que ganha fama no programa por mudar o cabelo a cada semana. Já se apresentou de corte pastinha, liso, anelado, a cabeleira presa em vários rabos-de-cavalo no meio da cabeça formando um moicano falso. Canta pessimamente. É o competidor mais popular hoje.

Foi adotado por Howard Stern, não o advogado de Anna Nicole, mas o radialista boca-suja homônimo, que abomina "Idol" e pede aos seus (milhões) de ouvintes que votem em Sanjaya, mesmo slogan encampado pelo site "Vote for the Worst" (vote no pior), que se dedica a boicotar o "sistema eleitoral" do programa. Como cantor, Sanjaya não tem "consistência". Sua fama vem de ele se apresentar como "diferente de tudo o que está aí", sentimento que no mundo da política já levou muita gente medíocre ao poder.

Se "American Idol" é uma metáfora da democracia norte-americana, Barack Obama será o Sanjaya Malakar das eleições do ano que vem.



Escrito por Sérgio Dávila às 12h20
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Política desbanca sexo no site do NYTimes

 

A eleição se aproxima, o público se politiza. Das dez, quatro são reportagens políticas (inlcusive a primeira) ou sobre a guerra. Das outras seis, "vida pessoal" --sexo, saúde, comportamento-- lidera com três, seguida por educação (dois) e economia, um. A mais divertida? A capa do caderno de Ciência de ontem, claro.

 

1) Ex-Aide Says He's Lost Faith in Bush
By JIM RUTENBERG
Published: April 1, 2007
The chief 2004 campaign strategist for President Bush said he was disappointed with Mr. Bush's leadership.
2) For Girls, It's Be Yourself, and Be Perfect, Too
By SARA RIMER
Published: April 1, 2007
At one high school, dozens of girls are high achieving, ambitious and confident (if not immune to the insecurities of adolescence).
3) It's Not You, It's Your Apartment
By JOYCE WADLER
Published: March 29, 2007
Whether it's mildew, materialism or Mom, what some dates' homes reveal about them have been romantic deal breakers.
4) Lessons of Heart Disease, Learned and Ignored
By GINA KOLATA
Published: April 8, 2007
The toll from the nation's No. 1 killer could be reduced if the medical system delivered care that is known to make a difference.
5) A Great Year for Ivy League Schools, but Not So Good for Applicants to Them
By SAM DILLON
Published: April 4, 2007
It was the most selective spring in modern memory at America's elite schools, according to college admissions officers.
6) Birds Do It. Bees Do It. People Seek the Keys to It.
By NATALIE ANGIER
Published: April 10, 2007
The definitions of sexual desire can be as quirky and personalized as the very chromosomal combinations that sexual reproduction will yield.
7) Panel Said to Alter Finding on Voter Fraud
By IAN URBINA
Published: April 11, 2007
The revised findings echoed complaints made by Republican politicians of widespread voter fraud.
8) Injured in Iraq, a Soldier Is Shattered at Home
By DEBORAH SONTAG
Published: April 5, 2007
Sam Ross's story, with its heart-rending arc from hardscrabble childhood to hardscrabble adulthood.
9) Bare-Knuckle Enforcement for Wal-Mart's Rules
By MICHAEL BARBARO
Published: March 29, 2007
Wal-Mart is known internally for its no-expense-spared investigations of employees who break its ironclad ethics rules.
10) Prosecutors Assail Gonzales During Meeting
By MICHAEL BARBARO
Published: March 29, 2007
Wal-Mart is known internally for its no-expense-spared investigations of employees who break its ironclad ethics rules.



Escrito por Sérgio Dávila às 19h58
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Desperate Housewives bota episódio vergonhoso no ar contra Sopranos

Rita Castro Alves, colaboradora do blog, agora conta como foi a reestréia de Desperate Housewives, ontem à noite, nos EUA.

"A briga não ia ser fácil de qualquer maneira -- a atriz Marcia Cross, a Bree Van De Kamp, acabou de dar a luz a uma dupla de bebezinhas gêmeas e ainda não voltou a Wisteria Lane. E é em torno dela que acontece o grande suspense da terceira temporada do seriado que começou ótimo, teve uma segunda temporada boba e agora ameaçava acertar o tom.

Aí, a atriz de 44 anos engravidou (aliás, qual o problema dessas atrizes de seriado, que não podem arrumar um emprego estável que decidem procriar imediatamente?). No começo, era até engraçado perceber os truques de câmera para esconder a barriga que crescia em ritmo de aventura. Mas nos últimos episódios, Bree só aparecia na cama, e os roteiristas foram obrigados a enfiar a qualquer custo novos personagens e novas situações para driblar o problema.

E, depois de várias semanas de reprises, um novo episódio foi ao ar ontem, para não abrir completamente o caminho para Sopranos, que voltou e fez a mídia inteira enlouquecer --foi capa do 'New York Times', da 'Entertainment Weekly', reportagem na 'Time', na 'Newsweek', no 'Washington Post', no 'Wall Street Journal'.

Só que o novo episódio da mulherada enlouquecida 'sucked', como dizem por aqui. Foi uma bobagem atrás de outra, sem nenhum momento divertido ou realmente interessante. Edie decide seduzir Carlos, o ex de Gabrielle, que se mostrou um bom baby sitter (sim, apareceu do nada um filho da Edie, um garoto de uns 6, 7 anos de que não se tinha notícia até então). Gabrielle arruma um paquera rico, bonito, poderoso e solteiro e decide que é melhor não ficar com ele. Lynette está uma fera porque a camiseta que seu marido comprou para ser o uniforme de sua pizzaria é laranja, cor que ela odeia.

E Susan Meyer conhece os pais metidos e ingleses de seu noivo Ian, que insistem que ela assine um pre-nup para proteger a fortuna da família. Mas ela tem um arma de barganha: no primeiro encontro, pega seu futuro sogro experimentando sua lingerie e um roupão de plumas no banheiro de sua casa. E esse foi o ponto alto do episódio.

Não é mau [e não "mal", corrigido graças ao simpático internauta], a cena foi divertida, mas depois da volta de Sopranos, ficou tudo com cara de novela das seis da Globo. Ninguém merece!"

 



Escrito por Sérgio Dávila às 14h11
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Quer saber o que aconteceu no Sopranos de hoje?

 

Rita Castro Alves, colaboradora do blog que andava sumida, reaparece para contar como foi a esperada volta dos Sopranos, hoje, nos EUA.

"Começou a contagem regressiva. Acabou de ir ao ar o primeiro episódio da última parte da última temporada de Sopranos, e ja deu para sentir o gosto amargo na boca que o fim da série vai deixar. Foi um episódio dos mais lentos, com poucas cenas, poucos cenários, poucos personagens. Mas tudo que aconteceu pareceu definitivo, as discussões envolvem vidas e mortes, começos e fins.

Pronto, acabou a análise, agora vou contar o episódio --E LÊ QUEM QUISER. Na primeira cena, o seriado volta para 2004, quando Tony testemunha a chegada de um grupo de policiais do FBI à casa de seu rival, Johnny Sack, chefão da Máfia do Brooklyn. Sai correndo pela neve, abandona sua arma e consegue fugir. Um adolescente vê a cena pela janela e vai correndo pegar a arma.

Volta para 2007, com o clássico jornal do dia atirado na entrada da casa dos Sopranos. Logo, um grupo imenso de FBIs toca a campainha, acorda Tony e Carmela, que diz "é isso?". Nao é "isso" ainda, mas seu marido vai preso por conta daquela arma abandonada na casa onde hoje em dia mora sua irmã, Janice, e seu marido, Bobby Baccala.

Meadow tambem acorda -- a garota voltou da Califórnia, esta mais apegada do que nunca a sua família e considerando a idéia de se tornar uma pediatra. A.J. quase não dorme mais em casa, esta namorando sério. Tony passa uma noite na cadeia, volta para casa e ouve o seguinte comentário da namorada porto-riquenha de A.J. "Já deixaram ele ir embora?". A.J. explica: "Onde a gente mora, as pessoas demoram bem mais para voltar pra casa quando sao presas".

Entâo, Tony e Carmela decidem passar o fim de semana na casa na beira do lago de Bobby e Janice, para comemorar o aniversário do chefão, que faz 47 anos. Lá, os quatro conversam, os irmãos brigam por conta de um segredo que Janice conta sobre o pai deles e que Tony acha que mancha a imagem da família (o pai deu um tiro para cima dentro do carro para botar o ponto final em uma das intermináveis brigas que tinha com a mãe).

Na noite seguinte ao aniversário, os quatro cantam karaokê, bebem demais e jogam Monopoly, uma espécie de Banco Imobiliário. Tony rouba, não admite perder. Bobby fica nervoso porque os irmãos Sopranos mudam as regras do jogo. E perde a cabeça quando Tony faz uma piada com a irmã. Os dois brigam violentamente, e Bobby dá um golpe sujo -- um soco na barriga de Tony, no lugar onde levou um tiro no começo desta temporada.

Acaba jogado no chão, tendo perdido a briga. Vai dormir ensanguentado e humilhado e no dia seguinte não consegue esquecer que não conseguiu bater em um 'funcionário' seu, dos que ele menos respeita, mais gordo e mais novo, e imensamente menos poderoso. "I'm old, Carm", ele diz, "e meu corpo sofreu um trauma do qual provavelmente nunca vai se recuperar completamente". Bobby pede desculpa, Tony diz que sim, mas deixa claro que não vai favorecer o cunhado em nada.

Os dois vão a um encontro de negócios na fronteira do Canadá e combinam de comprar um carregamento de remédios vencidos para osteoporose, que pode ser revendido nos EUA por muito dinheiro. Tony consegue um desconto prometendo resolver um problema pessoal de um dos canadenses, que conta que sua irmã perdeu a guarda dos filhos para o ex-marido. Tony deixa o serviço nas maos de Bobby, que mata o garoto em uma lavanderia.

Enquanto isso, na casa no lago, Janice insinua que Tony deve ser violento em casa. Carmela se irrita e diz que ele nunca bateu nos filhos ou nela, e que nao é um homem vingativo. Os dois voltam a Nova Jersey em silêncio. Em casa, na frente da TV, Tony assiste aos filmes de quando era criança, presente de sua irmã. Então, recebe a notícia: o FBI vai juntar a acusação de porte ilegal de arma ao caso que esta montando contra ele.

Uuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu. Agora tchau, vou ver 'Desperate Housewives', só para ver o que a mulherada aprontou pra tentar roubar a audiência. Daqui a pouco eu escrevo a respeito."



Escrito por Sérgio Dávila às 22h48
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

"24 Horas" e a tortura - sexta temporada estréia hoje no Brasil

 

O amigo do blog Lucio Ribeiro lembra que estréia hoje no Brasil a sexta temporada de "24 Horas". Aos incautos, repito abaixo a coluna que fiz a respeito da relação da série e o incentivo à tortura. E vale dar uma olhada na análise que a autoria do artigo da "New Yorker", Jane Mayer, faz das cenas de tortura da série (só no online, com vídeos.)

*

Na coluna de 21 de janeiro, num texto intitulado "‘24’, o sonho de consumo dos neocons", escrevi sobre "24 Horas" e a impressão que me dava de que a série servia cada vez mais ao ideal neoconservador, que o agente Jack Bauer se consolidava como o James Bond da era Bush, tamanha a facilidade com que recorria a métodos "não-convencionais" em sua luta global contra o terror.

Falava ainda de evento na Heritage Foundation, uma entidade não-governamental conservadora, que reuniu parte da equipe da série (aproveito para fazer a correção: Kiefer Sutherland, o agente Bauer, não estava lá, diferentemente do que escrevi) e o "quem é quem" do establishment neocon. O tema era "‘24 Horas’ e a Imagem dos EUA na Luta contra o Terrorismo - Fato, Ficção ou Não Importa?".

Fui inundado por e-mails de fãs da série dizendo que eu exagerava, que ficção é ficção, e realidade é realidade.

Há duas semanas, na reportagem principal da "New Yorker", Jane Meyer escreve um perfil da série focado principalmente no co-criador e produtor executivo Joel Surnow. Longo perfil, mais de sete mil palavras, como só a revista semanal nova-iorquina e poucas outras ainda conseguem publicar em papel. Surnow, 52, revela que "o governo adora sua série". Os militares também.

"É patriótico", diz ele. "Tinham mais é que gostar mesmo." O produtor conta que é amigo de Ann Coulter e Rush Limbaugh, duas das cabeças da hidra ultraconservadora norte-americana; que entre seus planos está fazer um filme que mostre "o outro lado" do senador Joseph McCarthy, uma espécie de "anti-Boa Noite e Boa Sorte"; e que o secretário de Segurança Doméstica dos EUA, Michael Chertoff, um fã da série, disse que "24 Horas" "reflete a vida real".

Um amigo de Surnow conta que a sala de roteiristas do programa é chamada de "o anexo televisivo da Casa Branca" e o próprio diz que no evento da Heritage estavam também Mary e Lynn Cheney, filha e mulher do vice-presidente, Tony Snow, porta-voz de Bush, e Karl Rove, seu estrategista político, "todos fãs". O leitor fica sabendo ainda que um manual de interrogatório da CIA, a agência de inteligência norte-americana, é uma das fontes para que as cenas de tortura tenham mais veracidade.

Mas é um telefonema que o produtor recebeu em novembro último que mais chama a atenção. Era do general-brigadeiro Patrick Finnegan, reitor da Academia de West Point, a escola que forma a elite militar dos EUA. O show, disse ele, estava causando problemas. "Os garotos assistem e dizem: ‘Se tortura é errado, como você explica ‘24 Horas’?". Tudo o que Finnegan pedia era que os roteiristas pegassem mais leve nas cenas, porque estava difícil controlar futuros soldados que em meses estariam no Iraque e quereriam aplicar os mesmos "princípios éticos" que aprendiam na série.

O sentimento foi corroborado por outro membro da equipe do general-brigadeiro, Tony Lagouranis, ex-interrogador da CIA no Iraque. Ele disse que um dos DVDs mais populares dos soldados dos EUA na ativa naquele país era justamente o de "24 Horas". "As pessoas assistem ao seriado, entram nas cabines de interrogatório e fazem exatamente o que acabaram de assistir", disse ele.

Na semana passada, Kiefer Sutherland aceitou o convite de Finnegan para dar uma palestra para os aspirantes a soldados norte-americanos. "Jack Bauer" foi ensinar aos futuros combatentes da democracia que torturar era errado.

Como dizia um amigo, "siamo tutti fregatti".



Escrito por Sérgio Dávila às 12h55
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Até 2008, será "Hillzilla" versus "Obambi"

Se as primárias do Partido Democrata acontecessem hoje, a disputa seria a do título acima.

Primárias são o processo pelo qual os dois partidos majoritários norte-americanos escolhem seus candidatos à Presidência. Como a disputa do ano que vem é inédita em vários aspectos -o vice, Dick Cheney, já avisou que não concorrerá, George W. Bush não pode por lei, por estar em segundo mandato, e passa por fase em que não tem influência política suficiente para garantir que seu preferido seja o escolhido pelo partido-, há três dezenas de candidatos a candidatos.

Os mais bem colocados entre os republicanos, o partido de Bush, são o ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani e o senador pelo Arizona John McCain. Entre os democratas, a disputa está ponto percentual por ponto percentual entre a senadora Hillary Clinton (NY) e seu colega Barack Obama (Illinois). O estilo "take no prisoners" (expressão em inglês que eu traduziria para o nosso "atira para matar") da ex-primeira-dama e sua obsessão pelo poder lhe valem o apelido de "Hillzilla".

É uma contração de seu primeiro nome e de Godzilla, o monstro de ficção japonês mais conhecido e o que mais vezes invadiu Tóquio pelo mar -uma das melhores frases do cinema americano é "I am Godzilla, you are Japan" (eu sou Godzilla, você é o Japão), que o psicopata interpretado por Treat Williams ("Hair") diz em "Coisas para Fazer em Denver quando Você Está Morto" (1995).

Aliás, os americanos idolatram o gigantesco mutante. Quando uma noiva enlouquece nos preparativos para o casamento, é apelidada de "bridezilla" ("bride", noiva em inglês). Há até um reality show sobre o tema, "Bridezillas". A "Wikipedia" me informa que a primeira citação do termo é do jornal "Boston Globe" de 29 de junho de 1995 e que há uma banda australiana e um vídeo no YouTube homônimos.

Já Obambi é, óbvio, a junção do nome do senador com o personagem do clássico filme de animação de Walt Disney de 1942, por sua vez baseado no conto "Bambi - Ein Leben im Walde" (Bambi - Uma Vida na Floresta, 1923), do austríaco Felix Salten (1869-1945). Nos EUA, a palavra não carrega a conotação homossexual que tem no Brasil; no caso de Obama, tem a ver com seu ar estudadamente desamparado e a busca quase patológica pelo politicamente correto.

Como todo estereótipo, nenhum dos dois é totalmente verdadeiro.

Mas é da disputa "Hillzilla x Obambi" que viveremos pelos próximos 12 meses -parte significativa das primárias acontecerá nos primeiros três meses de 2008. A primeira anunciou na terça-feira que havia arrecadado US$ 26 milhões no primeiro trimestre do ano, um recorde. No dia seguinte, o segundo veio a público e declarou seus US$ 25 milhões -só que US$ 6,9 milhões vieram de doações de internautas, eleitorado estratégico e importante.

"Você é Hillary ou Obama?" é a pergunta que mais se ouve, um clima de Fla x Flu que toma a imprensa, a TV, a indústria do entretenimento. "30 Rock", uma das melhores sitcoms no ar hoje em dia, tomou partido de Obama num episódio -para depois elogiar Hillary no seguinte. Chris Rock disse que não havia o que pensar no último "Saturday Night Live". "Os EUA estão em dúvida entre um homem negro e uma mulher branca? Até os homens negros preferem mulheres brancas", afirmou o comediante -que é negro.

Por falar nisso, uma modesta sugestão: "Godzillary". Não seria melhor?



Escrito por Sérgio Dávila às 10h59
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Veja o que Bush está comendo agora no jantar de Páscoa

Texas Grapefruit, Avocado, and Mozzarella Salad

 

Fire-Glazed Ham

 

Green Chili Cheese Grits Soufflé

 

Roasted Orange Molasses Sweet Potatoes

 

Roasted Asparagus

 

Brazos Valley Cheeses

 

Fresh Yeast Rolls

 

Coconut Cake and Blue Bell Ice Cream



Escrito por Sérgio Dávila às 20h14
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

É cada vez mais fácil ser "verde"

É o contrário do que pregava o refrão da música que Caco, o melancólico sapo do "Muppet Show", cantava no programa "Vila Sésamo", que dominava as manhãs de muito marmanjo de minha geração, nos anos 70. Nunca foi tão fácil ser verde, no sentido de ecologicamente correto. Ainda mais nos Estados Unidos, o país das culpas identificadas e expiadas em tempo recorde e ritmo industrial.

A última delas é a culpa ambiental, que criou uma legião dos tais ecologicamente corretos.

Você conhece o tipo: adora freqüentar eventos de gala a favor da reprodução assistida dos leões-marinhos do Oregon, aos quais vai usando smoking feito de fibra de cânhamo e a bordo de uma limusine híbrida -a nova onda em Hollywood-, que consome apenas três litros de gasolina por quilômetro, em vez do 1,5 litro habitual, ou algo ineficaz e beberrão assim.

Retrato acabado da hipocrisia local, tem na garagem um Prius e um Humvee. A combinação é o equivalente ambiental da frase celebrizada por Theodore Roosevelt a partir de um ditado africano, "Fale macio e leve um porrete", usada pelo presidente para definir a Doutrina Monroe, que dava aos EUA a primazia de "zelar" pela América Latina, "direito adquirido" que Chávez ameaça e Bush tenta reaver.

Mas divago.

Falei em Hollywood e lembro que Al Gore é o profeta da turma. No último Oscar, ao lado de Leonardo DiCaprio, anunciou que aquela cerimônia tinha virado oficialmente "verde". Como escrevi no dia seguinte à madrugada da festa, isso queria dizer que as cédulas de votação foram feitas parcialmente com papel reciclado, parte das celebridades chegou em veículos híbridos, as comidas do Baile do Governador eram orgânicas e as sobras seriam distribuídas para entidades beneficentes, segundo explicou a organização da festa.

Depois, foi revelado que o organizador tinha comprado também créditos do equivalente do total de gás carbônico que teria emitido na ocasião (há um cálculo convencionado para chegar à soma). Pois existe um mercado mundial florescente de corretores de emissão de gás carbônico e até entidades, como a Organização das Nações Unidas, com programas voltados para iniciativas semelhantes.

Resumindo grosseiramente, você (pessoa física, instituição, país) polui à vontade e depois compra os tais créditos, que certificam que o total de poluição lançada por você na atmosfera será economizado ou compensado em algum lugar do planeta, geralmente um país pobre ou em desenvolvimento, que deixará de poluir o mesmo tanto ou plantará o equivalente em árvores e ganhará parte do seu dinheiro para isso.

É aqui que eu queria chegar. Esse tipo de "peque-e-pague" não é novidade nos Estados Unidos, nem no mundo; a venda dos indultos celestiais foi o gatilho que levou Lutero a fazer aquela confusão toda em 1517 (a comparação foi feita primeiro pelo colunista Charles Krauthammer na revista "Time" de algumas semanas, no ótimo artigo sobre esse tema intitulado "Hipocrisia liberal da limusine").

Além disso, o sistema todo cria distorções hilariantes, não fosse a gravidade do assunto. Segundo reportagem recente do "New York Times", há fazendeiros africanos sendo expulsos das terras em que criam gado, como faziam seus antepassados por milhares de anos, para que possam ser plantadas as árvores que vão pagar pela poluição do jato do executivo de Wall Street.

Para voltar aos anos 70, sugiro um tema para a iniciativa: "Plante, que o Al Gore garante".


Escrito por Sérgio Dávila às 11h28
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]