EUA, Washington, homem, de 36 a 45 anos, português, inglês, espanhol e francês

Leia mais

  





01/02/2010 a 15/02/2010
16/01/2010 a 31/01/2010
01/01/2010 a 15/01/2010
16/12/2009 a 31/12/2009
01/12/2009 a 15/12/2009
16/11/2009 a 30/11/2009
01/11/2009 a 15/11/2009
16/10/2009 a 31/10/2009
01/10/2009 a 15/10/2009
16/09/2009 a 30/09/2009
01/09/2009 a 15/09/2009
16/08/2009 a 31/08/2009
01/08/2009 a 15/08/2009
16/07/2009 a 31/07/2009
01/07/2009 a 15/07/2009
16/06/2009 a 30/06/2009
01/06/2009 a 15/06/2009
16/05/2009 a 31/05/2009
01/05/2009 a 15/05/2009
16/04/2009 a 30/04/2009
01/04/2009 a 15/04/2009
16/03/2009 a 31/03/2009
01/03/2009 a 15/03/2009
16/02/2009 a 28/02/2009
01/02/2009 a 15/02/2009
16/01/2009 a 31/01/2009
01/01/2009 a 15/01/2009
16/12/2008 a 31/12/2008
01/12/2008 a 15/12/2008
16/11/2008 a 30/11/2008
01/11/2008 a 15/11/2008
16/10/2008 a 31/10/2008
01/10/2008 a 15/10/2008
16/09/2008 a 30/09/2008
01/09/2008 a 15/09/2008
16/08/2008 a 31/08/2008
01/08/2008 a 15/08/2008
16/07/2008 a 31/07/2008
01/07/2008 a 15/07/2008
16/06/2008 a 30/06/2008
01/06/2008 a 15/06/2008
16/05/2008 a 31/05/2008
01/05/2008 a 15/05/2008
16/04/2008 a 30/04/2008
01/04/2008 a 15/04/2008
16/03/2008 a 31/03/2008
01/03/2008 a 15/03/2008
16/02/2008 a 29/02/2008
01/02/2008 a 15/02/2008
16/01/2008 a 31/01/2008
01/01/2008 a 15/01/2008
16/12/2007 a 31/12/2007
01/12/2007 a 15/12/2007
16/11/2007 a 30/11/2007
01/11/2007 a 15/11/2007
16/10/2007 a 31/10/2007
01/10/2007 a 15/10/2007
16/09/2007 a 30/09/2007
01/09/2007 a 15/09/2007
16/08/2007 a 31/08/2007
01/08/2007 a 15/08/2007
16/07/2007 a 31/07/2007
01/07/2007 a 15/07/2007
16/06/2007 a 30/06/2007
01/06/2007 a 15/06/2007
16/05/2007 a 31/05/2007
01/05/2007 a 15/05/2007
16/04/2007 a 30/04/2007
01/04/2007 a 15/04/2007
16/03/2007 a 31/03/2007
01/03/2007 a 15/03/2007
16/02/2007 a 28/02/2007
01/02/2007 a 15/02/2007
16/01/2007 a 31/01/2007
01/01/2007 a 15/01/2007
01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005

VOTAÇÃO
Dê uma nota para meu blog




Congresso dos EUA varre 12 milhões de imigrantes para debaixo do tapete

 

Veja em meu programa de hoje no UOL News.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 17h37
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Saiu primeira crítica do novo Harry Potter - positiva

 

A Variety acaba de colocar no ar a primeira crítica do quinto filme da cinessérie de Harry Potter. Todd McCarthy gostou do filme e elogia principalmente as cenas de ação, mas acha que comercialmente a bilheteria pode ser prejudicada com o lançamento, no final do mês, do sétimo e último livro da saga. A ver. Leia crítica abaixo, em inglês.

Extravagantly produced in the expected manner, pic nevertheless marks a notable departure in tone from those that preceded it. From the opening scene, portents of bad tidings ahead hang over everyone and everything connected to the wizarding world, even as the magical establishment insists there is no threat at large in the land.

Altered feel this time around stems in large measure from the new blood recruited to push the franchise into ever-darker domains. Director David Yates, heretofore known mostly for his television work (and already engaged to helm the sixth film); screenwriter Michael Goldenberg, replacing series perennial Steve Kloves; and composer Nicholas Hooper, whose vigorously dramatic music uses only a smidgen of John Williams' themes, make the most decisive difference in steering the focus away from flights of fancy and in-house intrigue in favor of elaborate and sometimes heavy-handed foreshadowing of the inevitable showdown between Harry and Lord Voldemort.

Concentrated focus results in an unsettling mood and dramatic scenes of unusual intensity. But condensing the book, which at 870 pages is the longest J.K. Rowling has written, into the shortest film in the series has come at a price. Many viewers won't at all mind that this is the first "Potter" picture without a Quidditch match, nor that house elves and cutesy ghosts are largely absent as well.

But more serious is the diminishment of the myriad intrigues among individuals and factions that comprise so much of the stories' delightfully complicated fabric. Interplay detailing the fluctuating relationships involving Harry, Hermione, Ron (particularly slighted here), Cho Chang and intriguing newcomer Luna Lovegood (Evanna Lynch) is sacrificed in favor of repeated group scenes of Harry teaching his clandestine band of teenage warriors the finer points of wand work. Classroom scenes are scanted and a sense of the school year passing is minute, giving the film a flattened-out feel compared to the wondrous eventfulness of Mike Newell's "Goblet of Fire," the last and most successful series installment.

Current yarn commences at the end of a parched English summer, when Harry (Daniel Radcliffe, back with a clean-cut look) lands in hot water with the Ministry of Magic for issuing a forbidden curse to fend off an attack by two Dementors. Harry's Inquisition-like hearing, where he narrowly escapes expulsion from Hogwarts thanks to the unexpected intervention of Dumbledore (Michael Gambon), sets out the central conflict: The Ministry refuses to accept Harry's contention that Lord Voldemort is back and, in fact, is prepared to put all its propaganda muscle into discrediting Harry and Dumbledore.

To this end, the Ministry imposes one of its own as this year's professor of the Dark Arts. Dolores Umbridge is one of Rowling's most delicious -- and resonantly named -- creations; a stout, toad-like woman reliably clad in shades of pink, Umbridge is a party functionary par excellence, a rules-and-regulations fanatic with a whim of iron who cloaks her proscriptive edicts in dulcet tones and manufactured smiles. Imelda Staunton was the perfect choice for the part and unsurprisingly emerges as one of the film's greatest pleasures.

Umbridge wastes no time clamping down on Harry, the other kids and the Hogwarts staff; assuming more power virtually by the day, she puts her most outspoken student in painful detention, prohibits the learning of practical curses, begins firing wayward teachers and ultimately confronts Dumbledore to assert complete Ministry control over the school.

In response, Harry assembles an underground rebel band known as Dumbledore's Army. The intense way these passages are staged lead one to believe they are the scenes that most engaged the interest of director Yates, who seems to relish the image of Harry and Hermione as nascent revolutionary leaders.

Similarly prominent are Harry's renewed relationship with his beloved godfather Sirius Black (Gary Oldman), hiding away in the secret family homestead in London, and his nightmarish visions of Voldemort (Ralph Fiennes), with whom he increasingly feels a disturbingly strong connection. It gets so bad that he is forced to receive private tutoring from the dreaded Professor Snape, whose distaste for the task could not be more pronounced. Until shortly before the end, Snape has very little to do, but Alan Rickman may have outdone himself; seldom has an actor done more with less than he does here.

Climactic showdown between Harry's crew and Voldemort's henchmen, led by Lucius Malfoy (Jason Isaacs), is strikingly played out in a huge Ministry storeroom filled with shelved grapefruit-sized globes containing prophecies. One such sphere concerning Harry is of vital interest to Voldemort, and performing especially well on his behalf is Sirius' malignant cousin Bellatrix Lestrange, embodied by Helena Bonham Carter with a particularly maniacal glee.

It doesn't take much of a leap to connect the ill winds afflicting Hogwarts, along with the sweaty anticipation of inevitable conflict, with the present situation in the world at large. The metaphors are all implicit and have a lot to do with just growing up and facing unpleasant realities, but they increasingly contribute to the feeling of nervousness and unease creeping into the series. It will be interesting to see if general anticipation for the two remaining films holds fast or tails off once the epic series' conclusion is revealed in the final book.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 16h02
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Triste dia para o jornalismo brasileiro - o NoMínimo sai do ar

Aqui jaz o NoMínimo

Editores, blogueiros, colunistas, funcionários, colaboradores assíduos ou ocasionais, enfim, todos os nomes abaixo relacionados que ajudaram a criar o site de jornalistas mais querido do Brasil comunicam sua morte súbita neste 29 de junho de 2007, vítima de inanição financeira decorrente do desinteresse quase geral de patrocinadores e anunciantes em sua sobrevida na web. NoMínimo deixa órfãos cerca de 150 mil assinantes entre os mais de 3 milhões de visitantes que, em média, se habituaram a passar por aqui todo mês nos últimos 5 anos. Seus realizadores também sentem muito o triste fim desse espaço livre, democrático e criativo de trabalho, mas se despedem com a sensação de dever cumprido com o jornalismo e a camaradagem que nos une. Foi bom, foi muito bom enquanto durou. Quantos no país têm a oportunidade de tocar seus próprios projetos com prazer, independência e alegria? Aos leitores, nossas desculpas pela falta de talento empreendedor, o que talvez pudesse transformar o site num bom negócio financeiro. Fica para a próxima. Até breve.



Escrito por Sérgio Dávila às 10h21
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Rodrigo de Rato, número 1 do FMI, deixa o Fundo em outubro

 

Em meio às crises de identidade e financeiras por que passa a instituição, o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), o espanhol Rodrigo de Rato, anunciou que deixará o comando do fundo depois das reuniões de outuno do banco, em outubro. Deixa o cargo sem completar seu mandato e ainda não há listas de sucessores, que devem ser europeus, conforme a tradição (um americano no Banco Mundial --Robert Zoellick, que acaba de assumir no lugar de Paul "Lambedor de Pente" Wolfowitz, um europeu no FMI). Alega razões pessoais.

Faça suas apostas sobre quem o sucederá (Tony Blair já tem emprego).

 



Escrito por Sérgio Dávila às 10h57
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Police para quem precisa

 

Quem ainda precisa de Police?
No sábado, fui assistir à etapa de Los Angeles da atual turnê de reunião do trio pensando no título da Ilustrada de 19 de março ("Police para quem precisa", uma brincadeira com a música dos Titãs), que anunciava a volta em comemoração dos 30 anos da banda.
Aparentemente, não o próprio trio. Segundo relatos de pessoas que acompanham a banda desde a reunião, no começo do ano, assim que voltaram a ensaiar, em Vancouver, no Canadá, as tensões que levaram o líder (e baixista) Sting, o baterista Stewart Copeland e o guitarrista Andy Summers a se separar prematuramente, 23 anos atrás, voltaram junto.
Depois do segundo show, ainda em Vancouver, no mês passado, Copeland escreveu em seu blog: "Isso é absolutamente vergonhoso. Nós somos os poderosos Police e estamos completamente perdidos". Faria ainda uma crítica feroz e completa à apresentação, apontando erros técnicos, desafinadas do vocalista e más escolhas musicais.
O criador do que viria a ser uma das bandas de rock mais influentes dos anos 80 foi também sempre um de seus maiores críticos. Tornaram-se históricos os bate-bocas entre esse norte-americano de 54 anos, filho de um ex-funcionário da CIA, e o ex-professor britânico Gordon Matthew Sumner, também conhecido como Sting ("ferrão"), 55, com o também britânico Andy Summers, 64, tentando apartar os dois.
Quem ainda precisa de Police?
Os três estão bem financeiramente, Sting à frente, sendo o que se deu melhor na carreira solo. Mas nenhum se encontra mais no auge. E o verdadeiro dinheiro da indústria musical hoje vem dos shows ao vivo. A venda de CDs nos EUA caiu de 785 milhões de unidades em 2000 para 588 milhões no ano passado; no mesmo período, o faturamento da indústria mundial foi de US$ 36,9 bilhões para US$ 31,8 bilhões.
Quem não faz shows não fatura. Seria essa a (única) explicação da volta? Aos poucos, os fãs vão chegando ao estádio do time de beisebol Dodgers, no centro de Los Angeles, e lotando os 56 mil lugares. Fiction Plane, a banda de abertura que é um caso flagrante de nepotismo (Joe Sumner, filho de Sting, é o líder), já se apresentou -e não mudaria os rumos da noite ou do rock.
Agora, Dave Grohl grita os versos de "Best of You", música que o ex-Nirvana compôs para o quinto álbum de sua banda, Foo Fighters, a segunda a se apresentar na noite de hoje. Enquanto isso, quarentões e cinqüentões que mostram na cabeça os sinais da batalha entre pele e pêlo começam a se acomodar nas cadeiras.

Poucas alterações
Então, às 21h10, um gongo e os primeiros acordes de "Message in a Bottle": "Just a castaway/an island lost at sea-ô". É como voltar a fumar ou andar de bicicleta. Reaparece tudo que esteve sempre ali, adormecido. Os versos terminados em "ô", os "i-ô-ô", "i-ô-ô". O vocal metálico, pouca coisa mais aveludado nas bordas devido aos anos.
Serão quase 30 músicas, que o trio faz o favor de não "desconstruir" muito e tocar mais ou menos como as originais. Quando muda, geralmente é para melhor. Vem "Sinchronicity II" ("Many miles away/Something crawls from the slime/At the bottom of a dark/ Scottish lake -Scottish laaaaaake!"). Sting em melhor forma que 90% do público.
"Walkinkg on the Moon" ("Some/ may say/I'm wishing my days away/No way"), o sotaque forçado (jamaicano? de alguma das ilhas?), a batida ska de Copeland imitada à exaustão até hoje e que levou muita gente boa a dizer que os Paralamas eram o Police brasileiro.
"Voices Inside My Head", que começa com um baixo que lembra o de "Maracatu Atômico" a esse brasileiro, com Sting sendo um baixista melhor do que era e a guitarra de Summers, menos dura. O susto de "Don't Stand So Close to Me" modificada, uma das únicas da noite. Os primeiros fãs começando a sentar, pois ninguém é (mais) de ferro.
"Every Little Thing She Does Is Magic" ("everylittle, everylittle, everylittlethingshedoes!" e no final "is magicmagicmagic, magicmagicmaaagic, i-ô-ô, i-ô-ô, i-ô-ô-ô-ô-ô..."). Há dois momentos Raoni ("Walking in Your Footsteps" e "Wraped Around Your Finger"), o arrepio de lembrar que pós-Police Sting teve a fase "world music".
Mas tudo logo passa com "Roxanne", numa versão melhor que a tocada nos Grammys, "Can't Stand Losing You", "King of Pain" ("There's a little black spot on the sun todaaaaay", o "todaaaaay" com toda a melancolia possível).
Quem ainda precisa de Police? Talvez a resposta esteja no mesmo post que Copeland escreveu em seu blog ainda em Vancouver. "Dane-se, é apenas música." E os fãs gostam.

FOTO DE ÉPOCA




Escrito por Sérgio Dávila às 12h27
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Bloomberg, o primeiro presidente maconheiro?

Por que não há uma epidemia de câncer no pulmão como conseqüência de mais de uma geração inteira de norte-americanos que vêm usando a maconha para fins "recreativos" desde os anos 60? Essa pergunta martela há anos a cabeça do médico Len Horovitz, especialista em doenças do pulmão do renomado hospital nova-iorquino Lenox Hill, chamado por pacientes agradecidos de "Lenox Hilton".

Parte da resposta que ele buscava pode ter sido dada numa conferência que aconteceu am abril, em Los Angeles. Ali, um grupo de cientistas da Universidade Harvard apresentou estudo segundo o qual ratos de laboratório que foram enxertados com câncer pulmonar humano e então receberam THC, uma das substâncias da marijuana, tiveram seus tumores reduzidos 50%, em média.

Não só isso: a aplicação do tetrahidrocanabinol também evitou que o tumor se espalhasse pelo organismo dos roedores. A medição foi feita em três semanas e em comparação com outro grupo de cobaias que não recebeu a droga. "Claro que você não vai recomendar a fumantes de cigarros, que são os prováveis pacientes de câncer de pulmão, que adicionem a maconha a seus hábitos, mas a descoberta é fascinante", disse Horovitz, que não esteve envolvido no grupo de estudos de Harvard.

Dos dois anos que passei no norte da Califórnia, na Universidade Stanford, guardo várias lembranças. Duas fortes são ligadas à marijuana. Explico. Uma são os "clubes de maconha", lugares autorizados a vender a droga para fins medicinais. Sendo São Francisco a cidade que é, claro que não se trata de lugares sóbrios, aonde vão pacientes de câncer ou doentes de glaucoma ou diabetes (e outras doenças que permitem a cobiçada "carteirinha oficial" liberada pelo governador Arnold Schwarzenegger).

São -como dizer?- o que você espera de um "clube da maconha".

Num deles, era muito popular um "pirulito" feito da erva que passarinho não fuma -ainda vale escrever sobre a fixação dos adultos norte-americanos com os pirulitos, na saúde ou na doença; no primeiro caso, há pirulitos gourmets feitos por chefs como sobremesas de restaurantes estrelados; no segundo, o mais recente vício dos "glitterati" de Hollywood é chupar um pirulito de opiáceo originalmente dado em leitos de hospitais a pacientes terminais que estão sentindo muita dor.

A outra lembrança é uma entrevista que fiz com o economista Milton Friedman, morto em novembro último. O Nobel de Economia (1912-2006) defendia a legalização da maconha "já". Por motivos econômicos, claro. Se isso acontecesse, dizia, os EUA economizariam os US$ 7,7 bilhões gastos anualmente em policiamento, e aumentaria em até US$ 6,2 bilhões a arrecadação de impostos. Ele se baseava em cálculos feitos por um colega, Jeffrey A. Miron, também de Harvard.

Os dois encabeçaram abaixo-assinado pró-maconha enviado a George W. Bush por 500 economistas e organizado pela ONG Marijuana Policy Project (MPP), daqui de Washington. O republicano ignorou os apelos, como se esperava, mas o debate reacendeu um rastilho de pólvora: o da legalização Estado a Estado. Hoje, 12 dos 50 Estados norte-americanos têm leis que regularizam o uso da maconha medicinal, e outros dois estão em processo. São Connecticut e Nova York.

O primeiro aprovou a lei por maioria, e a governadora vetou na quarta. Serão precisos dois terços dos deputados estaduais para derrubar o veto. O segundo está em pleno debate, mas a proposta conta com o apoio do governador. E do prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, que acaba de anunciar que agora é independente (o que pode ser um primeiro passo para concorrer à presidência em 2008). Pois ele já disse que, diferentemente de Bill Clinton, fumou, tragou e gostou.

Um presidente maconheiro? Bem, teoricamente seria tão impossível quanto uma mulher ou um negro...


Escrito por Sérgio Dávila às 14h41
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

O dia em que O.J. Simpson virou ombudsman

 

Tudo por conta da Paris Hilton. Veja no meu programa de hoje no UOL News.



Escrito por Sérgio Dávila às 19h37
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Lembra-se da Lonelygirl15? Virou xampu

 

Ou quase: lembra-se da webserie, sobre a menina que fazia depoimentos de seu quarto direto para a câmera, como se fossem confissões digitais, virou fenômeno do YouTube e depois descobriu-se que era trabalho de atores profissionais, incluindo a própria, na verdade uma atriz de 20 e poucos anos, Jessica Lee Rose?

Pois agora os criadores da web série fecharam com a Neutrogena. Nos próximos episódios, que continuam a ir ao ar no site, a jovem Bree receberá a visita de um "jovem cientista" da fabricante de comséticos, que a ajudará a criar um "soro" que combaterá um dos personagens conhecido como The Order.

E vem mais aí: os criadores da lonelygirl preparam o lançamento de uma nova série, katemodern, no site Bebo.com a partir de julho, dessa vez voltada para os internautas do Reino Unido, Irlanda, Austrália e Nova Zelândia.




Escrito por Sérgio Dávila às 12h14
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

É o fim da TV como a conhecemos

As sagas de três famílias que marcaram aspectos diferentes da minha e da vida de muita gente chegam ou chegaram ao fim: os Bush, os Potter e os Soprano.

Sobre a única de não-ficção estou condenado a escrever pelo resto da vida, mesmo com a saída de cena do republicano prevista para dentro de pouco mais de 18 meses. A Guerra do Iraque e, de maneira mais ampla, a chamada "guerra ao terror" são e serão a "pauta de minha geração", como dizia o grande jornalista David Halberstam (1934-2007) sobre o conflito do Vietnã e suas conseqüências.

Para a segunda confesso que não tenho a mínima paciência (já tive), embora reconheça a importância da série bibliográfica de J.K. Rowling, principalmente o mérito de fazer milhões de moleques colocarem de lado, por um pouco que seja, o console do videogame para ler um livro de verdade, de papel e capa dura. Essa também acaba, no próximo dia 21, com a chegada às livrarias do sétimo e último livro.

Mas é a última que interessa hoje. (Vários articulistas da imprensa norte-americana tiveram a sagacidade de perceber que, enquanto o pai assistia aos "Sopranos" na sala, o filho lia Harry Potter no andar de cima -a duração de ambas é mais ou menos parecida, do final do século passado a este ano- e que, a partir de agora, estão ambos desamparados...)

Chegou ao fim no último domingo aqui nos EUA a melhor telessérie dramática de todos os tempos. A que fez o público médio norte-americano, e, por conseqüência, os milhões sob a esfera de influência desse aceitarem na TV o conceito do anti-herói ou do herói sem nenhum caráter como protagonista, sem finais felizes nem lições de moral. Sem "Família Soprano" não haveria "24 Horas", "Lost", "Heroes", para citar alguns.

Lembro-me de ver o primeiro episódio em 1999, em São Paulo, com minha namorada, numa madrugada de sexta-feira, depois do "pescoção" (gíria jornalística para o trabalho de sexta à noite, quando parte da edição de domingo é feita). Nós dividíamos um nhoque com molho rosê (!) do restaurante do Pedrão, o único que entregava uma refeição forte, pesada e malvada de madrugada.

Achamos curioso aquele primeiro capítulo, com um ritmo meio lento, entrecortado por cenas de violência e alguns diálogos sem lé nem cré entre os mafiosos da "famiglia" algo decadente de Nova Jersey. Continuei assistindo às fitas VHS que um amigo gravava nas outras madrugadas, fui gostando um pouco mais, mas ainda não acreditava que seria aquele o seriado que faria a TV voltar a ser vista como um veículo de idéias inovadoras, o que parecia improvável desde o final de "Seinfeld", no ano anterior.

Desde então, tudo mudou.

Na minha vida, na TV e no mundo. Casei (com a mesma menina daquelas madrugadas), mudei (e infelizmente fui induzido a parar de comer primeiro molho rosê, depois nhoque, pelo menos os de farinha de trigo. Não queira saber). Enquanto assistia ao final dos anos Clinton-barra-Giuliani, dois dos políticos mais carismáticos e cínicos da história recente dos EUA, "Sopranos" foi ganhando corpo.

O diminuto Bloomberg virou prefeito de Nova York, em seguida Bush não foi eleito, mas virou presidente, veio a guerra, fui à guerra (não queira saber). O seriado sobreviveu a tudo, inclusive ao 11 de Setembro, sem um arranhão -só uma "lavagem" virtual na abertura, em que as torres foram apagadas. Domingo passado, 87 episódios depois, tudo acabou, não com um "bang", mas com uma tela escura e muda que há dias mobiliza críticos, fãs e acadêmicos numa discussão empolgada.

"It's the end of the world as we know it." É o fim do mundo tal como o conhecíamos. Ouça a música do REM para ter uma idéia.


Escrito por Sérgio Dávila às 23h32
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Gay Talese e os Sopranos/Bonannos

 

Para aproveitar a comoção do fim do seriado Os Sopranos, a Newsweek de hoje publica relato do escritor/jornalista literário Gay Talese, que revisitou a família Bonnano, tema de seu livro "Honrados Mafiosos", 40 anos depois. Longo (e em inglês), mas imperdível.

Then and Now: Left, the Bonanno family, from New York, in 1970; left to right: Charles, Salvatore, Rosalie (mother), Felippa, Bill (father) and Joseph; right, members of the Bonanno family together again in Arizona in 2007

Then and Now: Left, the Bonanno family, from New York, in 1970; left to right: Charles, Salvatore, Rosalie (mother), Felippa, Bill (father) and Joseph; right, members of the Bonanno family together again in Arizona in 2007
 


Escrito por Sérgio Dávila às 09h07
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]