EUA, Washington, homem, de 36 a 45 anos, português, inglês, espanhol e francês

Leia mais

  





01/02/2010 a 15/02/2010
16/01/2010 a 31/01/2010
01/01/2010 a 15/01/2010
16/12/2009 a 31/12/2009
01/12/2009 a 15/12/2009
16/11/2009 a 30/11/2009
01/11/2009 a 15/11/2009
16/10/2009 a 31/10/2009
01/10/2009 a 15/10/2009
16/09/2009 a 30/09/2009
01/09/2009 a 15/09/2009
16/08/2009 a 31/08/2009
01/08/2009 a 15/08/2009
16/07/2009 a 31/07/2009
01/07/2009 a 15/07/2009
16/06/2009 a 30/06/2009
01/06/2009 a 15/06/2009
16/05/2009 a 31/05/2009
01/05/2009 a 15/05/2009
16/04/2009 a 30/04/2009
01/04/2009 a 15/04/2009
16/03/2009 a 31/03/2009
01/03/2009 a 15/03/2009
16/02/2009 a 28/02/2009
01/02/2009 a 15/02/2009
16/01/2009 a 31/01/2009
01/01/2009 a 15/01/2009
16/12/2008 a 31/12/2008
01/12/2008 a 15/12/2008
16/11/2008 a 30/11/2008
01/11/2008 a 15/11/2008
16/10/2008 a 31/10/2008
01/10/2008 a 15/10/2008
16/09/2008 a 30/09/2008
01/09/2008 a 15/09/2008
16/08/2008 a 31/08/2008
01/08/2008 a 15/08/2008
16/07/2008 a 31/07/2008
01/07/2008 a 15/07/2008
16/06/2008 a 30/06/2008
01/06/2008 a 15/06/2008
16/05/2008 a 31/05/2008
01/05/2008 a 15/05/2008
16/04/2008 a 30/04/2008
01/04/2008 a 15/04/2008
16/03/2008 a 31/03/2008
01/03/2008 a 15/03/2008
16/02/2008 a 29/02/2008
01/02/2008 a 15/02/2008
16/01/2008 a 31/01/2008
01/01/2008 a 15/01/2008
16/12/2007 a 31/12/2007
01/12/2007 a 15/12/2007
16/11/2007 a 30/11/2007
01/11/2007 a 15/11/2007
16/10/2007 a 31/10/2007
01/10/2007 a 15/10/2007
16/09/2007 a 30/09/2007
01/09/2007 a 15/09/2007
16/08/2007 a 31/08/2007
01/08/2007 a 15/08/2007
16/07/2007 a 31/07/2007
01/07/2007 a 15/07/2007
16/06/2007 a 30/06/2007
01/06/2007 a 15/06/2007
16/05/2007 a 31/05/2007
01/05/2007 a 15/05/2007
16/04/2007 a 30/04/2007
01/04/2007 a 15/04/2007
16/03/2007 a 31/03/2007
01/03/2007 a 15/03/2007
16/02/2007 a 28/02/2007
01/02/2007 a 15/02/2007
16/01/2007 a 31/01/2007
01/01/2007 a 15/01/2007
01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005

VOTAÇÃO
Dê uma nota para meu blog




Obama deixa Igreja da Trindade

 

É o que acaba de dizer a CNN, em informação do repórter Roland Martin, ainda não desenvolvida. A polêmica do segundo pastor teria sido a gota d'água.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 19h23
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Hillary Clinton entornando o caneco?

 

É o que sugerem essas fotos tiradas em vôo da campanha da senadora que saiu de Rapid City, na Dakota do Sul, Estado onde ela fazia campanha na semana passada e que realiza suas prévias nessa terça. Hillary continua atrás de Barack Obama em delegados, superdelegados, votos populares e dinheiro arrecadado. Há rumores cada vez maiores de que pode reconhecer a derrota na semana que vem.

O que ela bebe é uísque, oferecido por um dos repórteres que viajavam com ela.

hills

hills



Escrito por Sérgio Dávila às 14h56
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

"Amante" de Hillary assume namoro com deputado

 

Quem acompanha as andanças da ex-primeira-dama pelo país já sabe: assim que acaba o comício, Hillary Clinton sai para falar com os eleitores, receber presentinhos, dar autógrafos e tirar fotos com todos. Essa última tarefa geralmente cabe à bela Huma Abedin. A nativa do Michigan de 32 anos, filha de indiano com paquistanesa, é assessora da senadora desde que tinha 20 anos, ainda na Casa Branca.

Desempenha o papel do que se chama de "body woman". A proximidade das duas, a beleza da assessora e o casamento complicado dos Clinton deu margem a toda sorte de suposições --a mais freqüente de que as duas seriam, na verdade, amantes. A insinuação sempre foi negada veementemente por toda a equipe de Hillary.

Agora, vem à tona que ela namora o congressista democrata Anthony Weiner, de Nova York, um dos nomes cotados à sucessão de Michael Bloomberg na prefeitura da cidade. Ele confirmou a história ao ser flagrado em Porto Rico no mesmo dia em que Hillary e equipe faziam campanha lá. O que estava fazendo ali, perguntou a Associated Press? "A razão principal? Porque estou namorando Huma."

Weiner, 42, é também o autor da chamada "lei das supermodels": em proposta que nunca foi a lugar nenhum no Congresso, ele pede que seja facilitada a burocracia de vistos para modelos estrangeiras que venham desfilar nos EUA...

As duas

Huma em ensaio na Vogue America e o congressista Anthony Weiner

 



Escrito por Sérgio Dávila às 13h41
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

EUA têm de melhorar educação se quiserem competir com países como Brasil -- é o que diz Rupert Murdoch

 

Leia abaixo transcrição (EM INGLÊS) da entrevista que o dono do império de mídia capitaneado pela Fox News e o diário econômico Wall Street Journal deu hoje cedo no evento D: All Things Digital, em que ele diz que John Mccain tem "muitos problemas" e também mostra interesse em conhecer Barack Obama (como noticiou antes a coluna Toda Mídia).

KARA SWISHER: How do you look at the political scene right now? And not so much the Fox impact because I think that's sort of [unintelligible].

RUPERT MURDOCH: Well the Fox impact is--people laugh when I say it's fair and balanced. Well it does, it gives both sides which the others haven't done in the past.

SWISHER: Both sides?

WALT MOSSBERG: You really believe that? You really believe that it's totally neutral? [Audience laughter]

MURDOCH: Yes. [Cut]

MOSSBERG: We're going to have for the first time in a long time somebody who isn't a Bush or a Clinton, probably, as president. What's your assessment of the situation? You know--

MURDOCH: --I think you have two candidates, Obama and McCain [cut] I think you've got probably the making of a complete phenomenon in this country. Politicians and Washington are at an all-time low. They are despised by 80 percent of the public [audience applause], they're just sick to death.

And you've got a candidate who's putting himself--trying to put himself above it all and saying he's not the average politician. And he's become a rock star, it's fantastic. [Cut]

He has other problems. He may not carry Florida because Jewish people are suspicious of him and so are the Hispanics. So he's got problems there. But he'll probably win Ohio and who knows. If it's a close election, you can start adding different states and so on. And--he'll probably win. [Cut]

MOSSBERG: I mean assuming he doesn't screw up somehow, the tide is against the Republicans because they've been out of power [Democrats].

MURDOCH: Oh, absolutely. You've got the Obama phenomenon. You have got, undoubtedly, a recession, everybody getting hurt. The average American is really getting hurt financially and that all bodes well for him. [Cut]

SWISHER: What is the McCain issue from your perspective?

MURDOCH: He's been in Congress a long time and you've got to make a lot of--you've gotta make too many compromises. So what's he really stand for? He's a patriot, he's a friend of mine, he's a very decent guy but he's unpredictable. He's--

SWISHER: Yeah, we met him here last year.

MURDOCH: --He doesn't know very much about the economy. I think he has, and I say this sympathetically, I think he has a lot of problems.

SWISHER: Who are you backing?

MURDOCH: I'm not backing anyone. Personally?

SWISHER: Yeah.

MURDOCH: I don't know, I want to meet Obama. I want to know is he going to walk the walk. Have you read his education policy, what it is? It's just great. He's got to revolutionize--the education system in this country is a total disgrace. [Audience applause]

If we're going to compete with the rest of the world, we've got the rising China, India, Brazil--

MOSSBERG: Does he have to smash the teachers' unions to do that or does he just have to take them on?

MURDOCH: Look, he can pay them all he likes, double their salary, but they've got to do different things. He's got to take control of the curriculum, everything. There's a lot that's got to happen. [Cut]

MOSSBERG: Why is she [Hillary Clinton] still in it, in your opinion?

MURDOCH: Everybody, every one of her friends is saying 'for God's sake, get out.' Her husband is saying 'stay in there,' [unintelligible] is saying 'stay in there,' and she's not listening to anybody else. [Cut]

I think Obama would never, ever give her the number two spot. He doesn't want the Clintons around. He wants a break with the past.

MOSSBERG: You like that idea, that his notion of getting past--

MURDOCH: I'd like a complete break with the past. I do know that he's a highly intelligent man with a great record at Harvard as head of the--

MOSSBERG: Law review.

MURDOCH: Law review and so on. I just hope that he's as good as he promises.

MOSSBERG: Did you have anything to do with the New York Post endorsing him in the Democratic primary in New York state?

MURDOCH: Yeah.

MOSSBERG: Okay! [Mossberg and audience laugh]



Escrito por Sérgio Dávila às 20h23
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Pausa para refresco - o "Mozart do rock" de oito anos

 

Conheça Yuto Miyazawa, o garotinho japonês de oito anos que toca guitarra melhor do que muito marmanjo. Atente para o solo em "Crazy Train", de Ozzy Osbourne, repare na primeira guitarra, de bolinhas brancas, e perceba o embromation rápido que ele fala nas letras.

Nasce uma estrela.



Escrito por Sérgio Dávila às 19h04
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Saiu a ficha médica de Obama - colesterol de 173

 

A íntegra da carta do médico pessoal dele segue abaixo. O resumo: triglicérides de 44 (o normal é abaixo de 150), colesterol de 173 (o desejável é abaixo de 200), colesterol "bom" de 68 (normal é acima de 40) e  "ruim", de 96 (o normal é abaixo de 130). A do McCain saiu há poucos dias e revelou que não há recorrência do câncer de pele --por conta da idade do concorrente republicano, a saúde dos candidatos virou um tema importante na atual corrida eleitoral. Agora só falta a da Hillary, que comprovará ou não se sua dieta a base de pimenta tem dado resultado... 


DAVID L. SCHEINER,
M.D. Hyde Park Associates in Medicine, Ltd.
1515 East 52nd Place,
Chicago, IL 60615

To Whom It May Concern:

I am David L. Scheiner, a board certified general internist licensed to practice in the State of Illinois. I am on staff at the University of Chicago Hospitals and Rush University Medical Center. I have been Senator Barack Obama's primary care physician since March 23, 1987. The following is a summary of his medical records for the past 21 years.

During that period of time, Senator Obama has been in excellent health. He has been seen regularly for medical checkups and various minor problems such as upper respiratory infections, skin rashes and minor injuries.

His family history is pertinent for his mother's death from ovarian cancer and grandfather who died of prostate cancer. His own history included intermittent cigarette smoking. He has quit this practice on several occasions and is currently using Nicorette gum with success.

Senator Obama's last medical checkup was on January 15, 2007; he had no complaints. He exercised regularly often jogging three miles. His diet was balanced with good intake of roughage and fluids. A complete review of systems was unremarkable. On physical examination, his blood pressure was 90/60 and pulse 60/minute. His build was lean and muscular with no excess body fat. His physical examination was completely normal.

Laboratory studies included triglycerides of 44(normal under 150), cholesterol 173 (normal under 200), HDL 68 (normal over 40), and LDL 96 (normal under 130). Chem 24, urinalysis and CBC were normal, PSA was 0.6, very good. An EKG was normal.

In short, his examination showed him to be in excellent health. Senator Barack Obama is in overall good physical and mental health needed to maintain the resiliency required in the Office of President.

Sincerely, David L. Scheiner, M.D.



Escrito por Sérgio Dávila às 14h27
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Bloomberg defende fim de taxa sobre etanol brasileiro

 

Indiretamente, mas defende. Em palestra dada ontem à noite na Universidade Columbia, em Nova York, o prefeito Michael Bloomberg defendeu o fim de todas as tarifas que os EUA impõem na importação de biocombustíveis e elogiou o governador da Flórida, Charlie Crist, por ter feito campanha especificamente pelo fim da tarifa aplicada ao etanol brasileiro.

Crist, um dos três nomes mais cotados para compor a chapa do candidato republicano John McCain como vice-presidente, voltou de visita ao país em outubro passado elogiando o programa brasileiro e pedindo o fim do imposto ao Congresso dos EUA.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 03h33
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Ex-porta-voz de Bush fala hoje

 

Scott McClellan, o ex-propagandista que acusou o governo Bush de usar propaganda e que parece ter "visto a luz" dois anos depois de deixar o poder, dá entrevista hoje ao "Today Show", matinal mezzo-noticioso mezzo calabresa da NBC, e ao "Countdown With Keith Olbermann", noturno noticioso do canal a cabo MSNBC --aquele a quem os republicanos estão acusando de ser "de esquerda". 

O ex-porta-voz da Casa Branca (2003-2006) falará do livro em que acusa George W. Bush de não ter sido sincero sobre os motivos que levaram o mundo à Guerra do Iraque. "What Happened -Inside the Bush White House and Washington's Culture of Decepcion" acaba de saur. Como disse um jornalista norte-americano que é setorista do governo Bush, "finalmente o cara aprendeu a se comunicar".

McClellan era considerado um porta-voz medíocre.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 03h09
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Mas os republicanos contra-atacam

 

Também no ar o anúncio do grupo Vets for Freedom, veteranos (de guerra) pela liberdade, que ataca Barack Obama e o fato de que ele pouco apareceu no comitê do senado que discute a guerra e que nunca se encontrou a sós com o atual comandante-chefe das forças armadas dos EUA, David Petraeus.

No filme, um sargento diz que comandou uma expedição de veteranos para se encontrar com o pré-candidato democrata, mas ele não os recebeu. Afirma ainda que Obama nunca colocou os pés no Iraque --McCain já esteve no país algumas vezes. Tudo também documentadinho.

Com menos dinheiro que a poderosa MoveOn, a Vets For Freedom termina pedindo dinheiro.



Escrito por Sérgio Dávila às 17h52
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

ONG democrata enfia dois pés no peito de McCain

 

Entrou no ar aqui nas TVs dos EUA o anúncio mais violento contra a campanha de John McCain até agora. Bancado pela ONG de esquerda MoveOn.org, pede que o candidato republicano demita o principal assessor político de sua campanha, o lobista Charles Black.

Depois de mostrar imagens de ditadores ou líderes políticos estrangeiros com relações complicadas com a democracia --gente do naipe do filipino Ferdinand Marcos ou Maputo Sese Seko, do Zaire--, o filme pede: "Ligue para Mccain, demita Charles Black". O filme é agressivo, sim, mas traz tudo documentadinho.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 17h45
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Recontar para não mudar

 

Enquanto esperávamos pelo discurso de Barack Obama em Des Moines, no Iowa, na última terça-feira, uma amiga e eu discutíamos se John Edwards afinal é ou não um superdelegado. Ex-senador pela Carolina do Norte, ex-candidato a vice- presidente na chapa de John Kerry em 2004, ex-pré-candidato a presidente na corrida democrata atual, o político-coxinha de 54 anos tinha tudo para ser um deles.

"Superdelegados" são uma invenção dos anos 80 e designam os cerca de 800 membros do partido de oposição a George W. Bush que votam de acordo com a própria veneta, sem dar satisfação a ninguém e desvinculados do voto popular.

Foram criados como um mecanismo de segurança, para impedir que um concorrente ultrapopulista ou que fuja muito da cartilha do partido seja sagrado candidato.

Pergunta daqui, pesquisa dali, apura acolá, a conclusão: John Edwards não é um superdelegado.

No caminho, no entanto, fui pensando como os norte-americanos gostam de complicar as coisas simples. A escolha do candidato presidencial é um exemplo. Os "superdelegados" foram criados, na verdade, para salvar o povo de sua própria vontade. É uma das inúmeras travas e freios entre o ato de votar em um nome e esse nome assumir a Casa Branca. Há quem argumente -pessoas mais inteligentes do que eu, concedo- que o sistema todo serve para dar mais transparência a esse processo de escolha.

Pode até ser. Eu respondo com uma frase: eleições de 2000. Como já contei aqui, saí de casa em Manhattan naquele novembro para passar um fim de semana em West Palm Beach, na Flórida, para reportar os problemas aparentemente simples e de fácil solução que envolviam umas cédulas eleitorais. Fiquei mais de um mês. No período, aprendi mais do que qualquer ser humano normal, inclusive eu, desejaria jamais saber sobre "chads pendurados", "chads estufados" ou "grávidos" e quetais.

("Chad" é o retangulozinho de papel que a cédula solta ao ser perfurada; o estufado revelaria a intenção do eleitor, não-realizada por um problema da física; o pendurado, idem, mas com intensidades diferentes, dependendo de por quantas beiras está pendurado, se uma, duas ou três -pendurado por quatro volta à categoria de "chad estufado".)

Meus dois neurônios fizeram a sinapse e relacionaram os dois eventos, o das tecnicalidades envolvendo os "superdelegados" das eleições atuais e o das tecnicalidades envolvendo os pedacinhos de papel que, em última análise, acabaram por dar a Presidência a George W. Bush. Eles (os neurônios) foram estimulados pelo anúncio, da HBO americana, de que exibe hoje o filme "Recount", que reconta justamente esse processo das eleições presidenciais de 2000.

Vai ser engraçado encontrar na TV toda a turma daquela época -Katherine Harris, a então secretária de Estado da Flórida, uma arrecadadora dos Bush tão parcial quanto importante no caso, já que era a responsável pela condução do processo eleitoral, interpretada aqui pela atriz Laura Dern; James Baker, o ex-secretário de Estado de Bush pai e enviado do time de Bush filho, interpretado pelo britânico Tom Wilkinson; quem será que fará a jornalista Greta Van Susteren pré-operação plástica, que dividia os plantões conosco e hoje, convertida à causa ultraconservadora, é uma das estrelas da Fox News?

Mas já sei o que vou achar: quanto mais esse país roda, mais fica no mesmo lugar.

Recount



Escrito por Sérgio Dávila às 01h37
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Obama quer novo enviado às Américas e encontro anual com líderes

 

Pouco antes de divulgar sua política para a América Latina, na sexta, em que diz que apoiará a Colômbia em invasões territoriais atrás das Farc, Barack Obama conversou com Andres Oppenheimer, em Miami. O veterano jornalista acha que ele fez a lição-de-casa desde o último encontro dos dois, há dezoito meses, em que o candidato mal sabia os nomes dos presidentes do continente. Agora, não falou nada muito além do que discursaria logo depois, mas dois pontos da conversa chamam a atenção:

* o senador disse que pretende recriar o cargo de enviado especial para as Américas, que existiu até o governo Clinton. Na verdade, hoje esse posto é ocupado pelo secretário-assistente Thomas Shannon, mas ele responde a Condoleezza Rice, e o homem de Obama responderia ao próprio, segundo ele;

* tentaria fazer da Cúpula das Américas, que hoje se reúne a cada três anos, em um evento anual.

Além disso, urgiria a OEA a tomar alguma medida em relação aos arquivos encontrados nos computadores dos líderes das Farc que citam Hugo Chávez e Rafael Corrêa. Nesse ponto, Obama reforça uma certa guinada à direita em seus discursos anteriores. Os eleitores podem aguardar novas guinadas. O provável é que Obama e McCain se encontrem em algum lugar do centro, para atrair o maior número de independentes, que devem desempatar essa eleição.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 14h57
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Obama recua na "comemoração da vitória"

 

Ouça minha análise no UOL Notícias.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 17h00
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Para se lembrar de esquecer

 

Há uma mulher de 42 anos na Califórnia que se lembra de tudo o que aconteceu em todos os dias de sua vida desde que ela tinha oito anos. Não só dos eventos mas também da data e em que dia da semana caiu. Ela não tem uma memória fotográfica ou uma inteligência enciclopédica -como a do personagem-título do filme "Rain Man", por exemplo, que era capaz de recitar sem erro todos os campeões de todos os campeonatos de beisebol da história dos Estados Unidos, ou algo assim.

Ela só se lembra do que aconteceu com ela.

Jill Price, que acaba de lançar sua biografia, "The Woman Who Can’t Forget" ("A Mulher Que Não Consegue Esquecer", Free Press), sofre de uma doença raríssima e tão recentemente diagnosticada que não tinha nome até ela cruzar caminhos com o professor de neurobiologia James L. McGaugh, da Universidade da Califórnia. Depois de cinco anos de testes, ele escreveu sobre o caso num artigo da publicação especializada "Neurocase", em que chamava a paciente de "AJ".

McGaugh batizou o problema de "hyperthymestic syndrome", a inabilidade de esquecer de detalhes autobiográficos. Há pelo menos outros dois casos conhecidos. Um é o radialista Brad Williams, 51, do Wisconsin, que se lembra de tudo desde os quatro anos. O outro veio a público depois de a revista "Newsweek" e o jornal "USA Today" publicarem reportagens sobre Price e Williams.

É Rick Baron, 50, morador de Cleveland, em Ohio. Ele sabe dizer como foram todos os dias de sua vida "com detalhes" a partir dos 11 anos e a maior parte do período entre 7 e 11.

Atualmente desempregado, já trabalhou como pesquisador para revistas, locutor de rádio e ganhou algum dinheiro participando de concursos de conhecimento pelos Estados Unidos. Sua memória prodigiosa já lhe rendeu 14 viagens, conquistadas em concursos de conhecimentos gerais.

Até agora, o neurobiólogo McGaugh só percebeu um traço de personalidade que une os três: eles gostam de colecionar objetos de maneira organizada e catalogada. Discos, no caso do locutor, programas antigos gravados em VHS, no caso do desempregado, bonecas e brinquedos dos Flintstones, entre outros, no caso de Jill Price. O outro traço são partes do cérebro que parecem apresentar atividades anormais -McGaugh só revelará quais são e onde estão num artigo ainda inédito.

Os casos lembram um outro famoso, do escritor Augusten Burroughs, que aos 42 já lançou cinco (!) autobiografias. A mais conhecida é "Correndo com Tesouras" ("Running with Scissors", ed. Ediouro), que virou um filme homônimo subestimado. Mas é a mais recente a que tem levantado os pêlos das nucas dos críticos: em "A Wolf at The Table" ("Um Lobo à Mesa"), ele conta sua relação conflituosa com o pai em memórias detalhadas que vão tão longe quanto os seis meses de idade do autor...

Burroughs diz que é tudo verdade. Jill Price também. A diferença entre os dois é que o primeiro é escritor talentoso que conta histórias seletivas de tirar o fôlego, enquanto a californiana é apenas um caso curioso. Ou talvez seja isso o que incomoda em sua biografia. Sem o verniz literário, o que sobra é uma sucessão de dias mais ou menos sem graça, mais ou menos repetitivos, mais ou menos sem emoção. Como os dos que a lêem.

"La Persistencia de la Memoria" (1931), de Salvador Dali (1904-1989)

 



Escrito por Sérgio Dávila às 13h51
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Hillary e Obama - só pode haver um

 

No mesmo Saturday Night Live, que recuperou a graça e o peso na discussão política dos EUA na temporada que se encerrou anteontem, "Barack Obama" (Fred Armisen) e "Hillary Clinton" (Amy Poehler) aparecem numa versão satírica do famoso anúncio da NBA, "There Only Can Be One". 


NBC

 



Escrito por Sérgio Dávila às 18h57
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

John McCain acha que EUA precisam de alguém "muito, muito, muito velho"

 

John McCain, que completa 72 anos em agosto e, se eleito, será o presidente norte-americano mais velho a assumir a Casa Branca, brincou com sua idade em participação no Saturday Night Live de ontem. Era o encerramento da temporada atual do humorístico e a décima-terceira aparição do político no SNL --apenas uma como principal convidado--, que foi criado e é comandado por Lorne Michales, um amigo de McCain.

Contrariando o esperado, ele não abriu o programa --o "host" da noite, o humorista Steve Carell, apareceu como o professor de uma cerimônia de graduação em que os nomes de todos os alunos davam margem a frases de duplo sentido sexual.

No meio do SNL, o candidato republicano apareceu como se fosse numa propaganda política. Disse que sua plataforma se baseava no fato de ele ser idoso. "Eu pergunto, o que você deveria buscar no próximo presidente? Certamente, alguém que é muito, muito, muito velho".

Depois, diria que controlar os gastos do governo não é só política partidária, mas algo que faz com que você se sinta à vontade para "olhar sem vergonha nos olhos de seus filhos. Ou, no meu caso, dos meus filhos, meus netos, meus bisnetos, meus tataranetos" e seguiu adiante, para terminar: "o mais novo dos quais está quase na idade de se aposentar". Esperto, o republicano vai aos poucos desarmando um de seus calcanhares-de-aquiles, a idade avançada, já usado em ataque por Barack Obama.

Na segunda aparição, durante o "Weekend Update", brincou com a duração da disputa entre Barack Obama e Hillary Clinton: "Eu diria aos democratas para não se deixar levar pela impressão de que o nome do candidato deve ser decidido até a convenção [do partido, no final de agosto]. Se chegar novembro e vocês ainda não tiverem decidido, estou disposto a deixar de lado minhas diferenças com seu partido e dizer: "Ei, vamos colocar os dois nomes na cédula!"

 



Escrito por Sérgio Dávila às 18h37
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Presidente norte-americano diz que abandonou golfe em homenagem a brasileiro morto

 

Na mesma entrevista ao site Politico, George W. Bush diz que decidiu deixar de jogar golfe quando foi avisado do assassinato do brasileiro Sérgio Vieira de Mello, enviado da ONU a Bagdá, em 19 de agosto de 2003. Depois de dizer que não pegava bem um "presidente em tempo de guerra" aparecer jogando golfe, ele lembra do episódio:

- "Eu me lembro quando De Mello, que estava na ONU, foi morto em Bagdá como resultado desses assassinos tirando a vida de um homem bom. E eu estava jogando golfe --eu acho que no centro do Texas-- quando fui tirado às pressas do jogo [para ouvir a notícia] e eu disse, não vale mais a pena [jogar golfe]".

Muito nobre, mas o problema é que as contas não batem. Segundo revelou Al Kamen, ótimo colunista do Washington Post, Bush jogou golfe dois dias depois da morte do brasileiro, no Oregon, de novo dia 28 de setembro, na Base Aérea Andrews, e mais uma vez no dia 13 de outubro daquele ano...

 



Escrito por Sérgio Dávila às 18h47
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Bush faz sua imitação de Dr. Evil

 

Lembra-se do personagem de Mike Myers na cinessérie do Austin Powers? Quem primeiro revelou que George W. Bush gostava de imitá-lo foi o jornalista Robert Draper, da boa biografia "Dead Certain". Agora, em entrevista ao site Politico, o presidente fez sua primeira performance pública. Veja aqui.

É boa a vida do quase-ex-presidente norte-americano. Semanas antes, enquanto esperava John McCain na escadaria da Casa Branca, para anunciar o apoio ao candidato republicano, Bush sapateou para a imprensa...

 



Escrito por Sérgio Dávila às 18h36
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Hillary critica ação de empresa brasileira

 

Da série "Populismo é bom e nós gostamos", episódio 12: em passagem ontem por cidadezinhas rurais da Dakota do Sul, Hillary Clinton criticou a compra de uma processadora de carne por uma empresa brasileira. "Eu me oponho ao negócio e, como presidente, aprimorarei a lei agrícola para impedir a consolidação" do setor, disse a ex-primeira-dama. A "farm bill" foi aprovada ontem. 

O negócio a que ela se refere é a aquisição de divisão da Smithfield Foods, baseada na Virgínia, pela brasileira JBS-Friboi, por US$ 565 milhões. Isso faz da brasileira a maior processadora de carne dos Estados Unidos, à frente da gigante Tyson Foods, e acontece um dia depois de a brasileira anunciar a compra da National Beef Packing Co. por outro meio bilhão de dólares. O negócio depende ainda de aprovação federal.

Outro político se queixou da operação, dessa vez o senador republicano Chuck Grassley. "Honestamente, não sei até onde [o Departamento de Justiça] vai deixar essas consolidações acontecerem. Agora, os produtores poderão vender seu gado para apenas três grandes empresas", falou, em comunicado.

Nessa eleição, o voto rural vale ouro. A Dakota do Sul realiza suas prévias no dia 3 de junho.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 18h19
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]