EUA, Washington, homem, de 36 a 45 anos, português, inglês, espanhol e francês

Leia mais

  





01/02/2010 a 15/02/2010
16/01/2010 a 31/01/2010
01/01/2010 a 15/01/2010
16/12/2009 a 31/12/2009
01/12/2009 a 15/12/2009
16/11/2009 a 30/11/2009
01/11/2009 a 15/11/2009
16/10/2009 a 31/10/2009
01/10/2009 a 15/10/2009
16/09/2009 a 30/09/2009
01/09/2009 a 15/09/2009
16/08/2009 a 31/08/2009
01/08/2009 a 15/08/2009
16/07/2009 a 31/07/2009
01/07/2009 a 15/07/2009
16/06/2009 a 30/06/2009
01/06/2009 a 15/06/2009
16/05/2009 a 31/05/2009
01/05/2009 a 15/05/2009
16/04/2009 a 30/04/2009
01/04/2009 a 15/04/2009
16/03/2009 a 31/03/2009
01/03/2009 a 15/03/2009
16/02/2009 a 28/02/2009
01/02/2009 a 15/02/2009
16/01/2009 a 31/01/2009
01/01/2009 a 15/01/2009
16/12/2008 a 31/12/2008
01/12/2008 a 15/12/2008
16/11/2008 a 30/11/2008
01/11/2008 a 15/11/2008
16/10/2008 a 31/10/2008
01/10/2008 a 15/10/2008
16/09/2008 a 30/09/2008
01/09/2008 a 15/09/2008
16/08/2008 a 31/08/2008
01/08/2008 a 15/08/2008
16/07/2008 a 31/07/2008
01/07/2008 a 15/07/2008
16/06/2008 a 30/06/2008
01/06/2008 a 15/06/2008
16/05/2008 a 31/05/2008
01/05/2008 a 15/05/2008
16/04/2008 a 30/04/2008
01/04/2008 a 15/04/2008
16/03/2008 a 31/03/2008
01/03/2008 a 15/03/2008
16/02/2008 a 29/02/2008
01/02/2008 a 15/02/2008
16/01/2008 a 31/01/2008
01/01/2008 a 15/01/2008
16/12/2007 a 31/12/2007
01/12/2007 a 15/12/2007
16/11/2007 a 30/11/2007
01/11/2007 a 15/11/2007
16/10/2007 a 31/10/2007
01/10/2007 a 15/10/2007
16/09/2007 a 30/09/2007
01/09/2007 a 15/09/2007
16/08/2007 a 31/08/2007
01/08/2007 a 15/08/2007
16/07/2007 a 31/07/2007
01/07/2007 a 15/07/2007
16/06/2007 a 30/06/2007
01/06/2007 a 15/06/2007
16/05/2007 a 31/05/2007
01/05/2007 a 15/05/2007
16/04/2007 a 30/04/2007
01/04/2007 a 15/04/2007
16/03/2007 a 31/03/2007
01/03/2007 a 15/03/2007
16/02/2007 a 28/02/2007
01/02/2007 a 15/02/2007
16/01/2007 a 31/01/2007
01/01/2007 a 15/01/2007
01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005

VOTAÇÃO
Dê uma nota para meu blog




Por falar em indecisos, Time em cima do muro

 

A principal revista semanal de informação norte-americana não declara voto --continuando sua tradição-- nem arrisca um palpite, diferentemente de na reta final das primárias, quando afirmou com todas as letras que Barack Obama seria o escolhido do Partido Democrata, não Hillary Clinton.

A capa de hoje

A capa de 19 de maio de 2008



Escrito por Sérgio Dávila às 19h26
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Indecisos decidirão?

 

Veja minha análise no UOL Notícias.



Escrito por Sérgio Dávila às 19h19
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Sarah Palin 2012?

Veja minha análise de hoje no UOL Notícias.
 


Escrito por Sérgio Dávila às 14h41
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Economist anuncia apoio a Obama

 

Embora ainda não esteja no site da prestigiosa revista semanal de economia, já está em release divulgado pela publicação. "Os EUA devem se arriscar", é o título, segundo o texto de divulgação. "Apesar de todas as deficiências da campanha, tanto John McCain quanto Barack Obama oferecem esperança de redenção nacional. Agora, os EUA devem escolher entre eles. A Economist não tem direito a voto, mas, se tivesse, votaria em Obama." Mais adiante, a publicação faz ressalva: o apoio é "sincero", mas reconhece que o nome é um "risco".

"Dada a inexperiência de Obama, a falta de clareza em relação a algumas de suas crenças e a perspectiva de um Congresso predominantemente democrata, votar nele é um risco". Mas, conclui, "um risco que os EUA deveria tomar, dado o caminho difícil que se apresenta adiante."

Com circulação de 1,3 milhão no mundo, dos quais 700 mil exemplares nos EUA, a Economist apoiou Ronald Reagan em 1980, ninguém em 1984 e 1988, Bill Clinton em 1992, Bob Dole em 1996, George W. Bush em 2000 e John Kerry em 2004 --ou seja, três vencedores e dois perdedores. O texto do apoio entrará no ar logo mais em  www.economist.com/USendorsement.
 
*
Atualização: acaba de entrar no ar texto e foto (abaixo). "It´s time" (está na hora), diz a Economist. "Os EUA deveriam se arriscar e fazer de Obama o próximo líder do mundo livre."
 
 
*
Atualização 2: saiu a capa.
 
 
 


Escrito por Sérgio Dávila às 12h08
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

The Economist prestes a anunciar seu apoio

 

Barack Obama ou John McCain? Ou nenhum dos dois? A prestigiosa revista sai amanhã, mas já colocou no ar seu histórico de apoios presidenciais nas eleições norte-americanas:

2004: John Kerry

“You might have thought that, three years after a devastating terrorist attack on American soil, a period which has featured two wars, radical political and economic legislation, and an adjustment to one of the biggest stockmarket crashes in history, the campaign for the presidency would be an especially elevated and notable affair. If so, you would be wrong. This year's battle has been between two deeply flawed men: George Bush, who has been a radical, transforming president but who has never seemed truly up to the job, let alone his own ambitions for it; and John Kerry, who often seems to have made up his mind conclusively about something only once, and that was 30 years ago. But on November 2nd, Americans must make their choice, as must The Economist. It is far from an easy call, especially against the backdrop of a turbulent, dangerous world. But, on balance, our instinct is towards change rather than continuity: Mr Kerry, not Mr Bush.”

See article: “The incompetent or the incoherent?

2000: George W. Bush

The Economist, if it had a vote, would choose George W. Bush. It prefers his small government, pro-market philosophy. And, on the simple test of the two crises, he wins on points: behind on a foreign crisis, but well ahead in a domestic one. The tenor of his presidency would depend crucially on Congress: to restrain the social illiberalism and occasional isolationism of other Republicans, the best outcome would be a divided one, with the Democrats back in control of the House of Representatives. Let’s see.”

See article: “Crunch time




1996: Bob Dole

“He [Bill Clinton] has, to be sure, learned from his mistakes. His foreign-policy touch has grown sharper. Brought to his knees by the 1994 mid-term congressional elections, he recast himself as a moderate Republican, keen to balance the budget by 2002, to declare that the “era of big government was over” and, at last, to begin reforming welfare. It is on that ticket that he has run this year, making many small pledges but no new big ones. If he sticks to that position, his second term might not be at all bad. Such a president would be a good balance to a Republican Congress, if (as is to be hoped) that party retains its control of it. Many of the ideas that such a Congress would stand for, including tax reform and further reform of the government safety net, are good ones; President Clinton could usefully restrain the Republicans' social-policy extremists.

But will he stick to that position? That is the question that will always surround him. If he does, this newspaper will congratulate him in 2000 when he retires. But the risk is that he will not. He will face financial constraints imposed by the bond markets, but none of the constraints of re-election. He may be beset by ethical problems, whether over campaign finance or Whitewater indictments, even conceivably of his wife. These might lead him in all sorts of new directions, especially if he has been re-elected on a landslide, and if the Democrats were to regain control of one or both of the houses of Congress. No one can be sure what he would do in such circumstances. And that is why The Economist feels unable to endorse him. We would not know what we were backing.

Would we know with Bob Dole? It is hard to be sure. We choose him on the assumption that the real Bob Dole is the one who spent three decades on Capitol Hill, not this year's dubious character; that he would be more prudent than his economic plan implies. That is an awkward basis for an endorsement. But the choice is a lousy one.”

1992: Bill Clinton

“What choice between these two [Bill Clinton and George Bush]? On past occasions The Economist has sometimes joined in with American elections and stated its preference; and it has sometimes opted out. In 1988, when George Bush faced Michael Dukakis, we felt we could recommend neither. Four years on, Mr Bush has done nothing to prove himself. The man is spent, and his party with him. The Republicans, tired to distraction, out of ideas, have become prey to a far right whose economic nostrums run to demonising taxes, and many of whose social ideas would rub salt in the country's wounds.

The issue of ideas is central. The Democratic Party, to be sure, has not yet proved that its new look goes beyond Mr Clinton and his circle. But it has been working for 12 years on how to become a plausible modern party of government, and should be given a chance to try. During the campaign, Mr Clinton has proved himself to be far more than a token candidate. He is intelligent; he is diligent; he is energetic; he has grasped most of the issues, and found persuasive solutions to some. He could mark an end to divided government and could, if he used the presidency well, begin to bring Americans, black and white, rich and poor, closer together. Despite the risks, the possibilities are worth pursuing. Our choice falls on him.”

1988: No endorsement

“The Economist would sometimes like to vote in American elections. In 1980 we saw the arguments for Mr Ronald Reagan and made them: he seemed to offer better solutions to the problems that then faced America, and the West generally, than did Mr Jimmy Carter. This year neither candidate has persuaded us that he has either the policies or, more important, the qualities that the times demand.

It is not that Mr Bush and Mr Dukakis are rapscallions. At the end of the primary season we wrote that they were "responsible, upright and experienced in their different ways". They still are. But what they are not, it seems, is presidential. Since the primaries, during which candidates can be forgiven some excesses, neither has once shown that he understands the threat that the budget deficit poses. Not once on this—or any other— issue has either shown one scrap of political courage.”

1984: No endorsement

“In the four years since America elected Ronald Reagan, the voters have felt their country change. Most think the change has been for the better. A new spirit of self-assurance and optimism prevails. As Mr Walter Mondale has sensibly acknowledged, Mr Reagan deserves some credit for this. The president whom America elects on November 6th will be able to build on the achievements of the past four years. He will also have to make good some shortcomings....

This is not to deny that Mr Mondale could make a fine president. Nothing he has said or done in the campaign suggests that, if Americans wanted him, the rest of the world would not find him acceptable too. He shows greater recognition of certain problems ahead. Although Mr Reagan's ultra-Keynesian America is barrelling along towards full employment, all its trading and budget accounts are frighteningly out of balance. A sound international economic order cannot be built on the assumption that the rumbustiously richest country will go on borrowing unprecedented amounts at enormous interest rates from everybody else for ever.”

1980: Ronald Reagan

“Are these the signs of a flexible man, a pragmatist rather than an ideologue? Or is Mr Reagan just empty, an actor who can speak the lines that go down best with the audience he happens to be addressing? The question will not matter if Mr Reagan has sound advisers and knows how to use their advice. This, surely, is the key to the whole choice. Many, though by no means all, of his current advisers are indeed sound, and the evidence from his time governing California and from what the more impressive of them say is that his greatest quality is to be a good listener—though not to the legislature, which he treated with disdain. Mr Carter is generally a bad listener. There can be no certainty that Mr Reagan, victorious at the age of nearly 70, would pick well, cut through his competing lieutenants and have the agility of mind to see the critical issues. If he did, however, he would probably be a more successful leader of opinion than Mr Carter, who has so often taken his cue from the latest poll.

There is a choice in this election: the two main candidates are not clones, and thoughtful Mr John Anderson, with no prospect of winning and no party to run congress if he did, is no real escape from the poverty of choice. Another four years of Mr Carter would probably be much like the past four—for there is nothing in the president's make-up to lead one to believe he is likely to change his ways. Mr Reagan brings with him some heavy ideological baggage. Some of that, though not all of it, will need to be quickly shed. But Mr Reagan also holds out the promise of a firmer line abroad, based on a sounder structure of advice. He would almost certainly bring in more new ideas, for the Republican party now shows more signs of intellectual vitality than the Democrats. The justification of a Reagan gamble is the prospect that the Republican governing establishment available from four years ago is, at almost every level, more impressive and more reassuring than the central coterie and the usually powerless cabinet generals Mr Carter has used these past four years in Washington. That, perhaps, is the most pressing reason why so many of America's friends want, unusually in a presidential election, to see a change at the top, even one laden with risk. We agree with them.”



Escrito por Sérgio Dávila às 00h25
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

McCain tem mais chance, diz o horóscopo chinês

 

McCain é rato, como George Washington, Nixon, Carter e Bush pai -com cobra e porco, os três mais freqüentes. Obama é boi, como Ford.



Escrito por Sérgio Dávila às 21h00
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Candidato nanico promete arma a quem arrecadar mais

 

O nanico Bob Barr, candidato do Partido Libertário à sucessão de George W. Bush, prometeu uma arma de presente a quem conseguir arrecadar mais para sua campanha até a meia-noite de hoje. Único candidato com porte de arma, ele oferece ao vencedor uma "espingarda Mossberg Model 590A, rara, nova e na caixa.

*

Da série "radicalização no ar": enquanto isso, em Ohio, um eleitor de John McCain disparou contra garotos que mexiam em suas placas de apoio ao candidato.



Escrito por Sérgio Dávila às 12h41
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Sr. Apocalipse volta a atacar

 

O economista Nouriel Roubini, conhecido como Sr. Apocalipse pelas previsões econômicas catastrofistas que fez no começo da crise e que acabaram por se confirmar todas, vai aos poucos revelando seu outro lado menos, digamos, apocalíptico. Em novas fotos de seu perfil no Facebook e em e-mails que mandou a amigos no site de relacionamento social, ele se gaba de ter comprado o loft em que mora no TriBeCa, em Manhattan, por quase um terço do que pagou a atriz Scarlett Johansson, sua vizinha de cima, fala de suas entrevistas e exibe-se na lista de viagens internacionais, com direito a passagens pelo Brasil.

A mensagem das viagens (via Gawker):

"Ciao bella. How are you fashionista glitterata glamorata?

I am in decadent St Trop now vacationing with Arab Sheiks, Russian oligarchs and assorted aristocratic Euro trash. More silicon here than in Silicon Valley...lol

I had to escape NYC as my Barron's interview (http://www.rgemonitor.com/roubini-monitor/253240/) on $2 trillion of losses made the markets swoon last week and angry mobs of investors were chasing me.

So life is a beach here and am studying Beach Economics and the IELs (International Elites of Leisure) with a grant from the Institute for Advanced Vacations; hard job but somebody gotta do it.

This coming Sunday August 17th the New York Times Magazine (http://www.nytimes.com/pages/magazine/index.html) will publish a long profile article (4 pages and 3000 words) about me. So beware of markets shivering the next day.

Want to come visit here in St Trop? I would be too lucky.

I will be back this weekend to NYC but off then to Brazil, UK and Sweden. But I will have parties over the coming weekends.

I hope to see you in nyc if not in St Trop. A drink some time too?

xoxo

Nouriel"

 

A mensagem do loft:

"Dear friends,
this Wednesday March 29th it is my birthday (in between a trip to Australia last week and one this coming weekend to Brazil)...I am almost sweet sixteen (time 2x or 3x)...So I will have some mellow drinks and desserts at my place starting at 9.15pm this Wednesday (this late hour as I have a wonky business dinner before, even on my b-day...)
Lovely if you can make it...and please No Gifts as your charming and friendly company would be plenty...
So, hope to see you Wednesday nite...
Ciao,
Nouriel
PS: Scarlett Johansson has just bought the loft above mine - same size/layout - for a price 2.5 times what I paid for 3 years ago (
http://www.nytimes.com/2006/03/26/realestate/26deal.html?_r=1&oref=slogin);
so very good taste/style on her part, but you got to pay a large premium to live above the very famous - or infamous? - Roubini...lol...so, be quiet on a week nite or my neighbours will lose their Beauty Sleep...not that...

As novas fotos:



Escrito por Sérgio Dávila às 11h58
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Vídeo pode custar Flórida a Obama

 

Um vídeo em que Barack Obama elogia o ativista e acadêmico palestino Rashid Khalid num jantar de 2003 pode custar o importante Estado da Flórida ao candidato democrata. O vídeo foi obtido pelo jornal "Los Angeles Times" e relatado em reportagem de abril, e desde então o jornal se recusa a publicá-lo, dizendo que feriria um compromisso com uma fonte se fizesse isso. Nas últimas horas, a campanha de John McCain passou a pressionar o diário para que coloque no ar em seu site as imagens.

No vídeo, o então senador estadual Obama participa de homenagem ao renomado crítico de Israel e defensor dos direitos dos palestinos. Nele, Obama cita conversas que teve na cozinha dos Khalid e que "desafiaram meus pontos de vista" em relação a Israel. Depois, diz que a conversa teria de continuar nos anos seguintes e ser "ampliada para o mundo inteiro". Diante de críticas mais agressivas feitas por participantes do jantar, no entanto, Obama defende um diálogo pacífico.

Hoje, Obama é ferrenho defensor dos interesses de Israel --ninguém é eleito presidente dos EUA se não o for. A comunidade mais influente da Flórida é de judeus. Dos indecisos, o Estado do Sul dos EUA é o que mais votos tem no colégio eleitoral: 27, ou 10% do total necessário.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 11h35
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Lembra dos Wassup? Voltaram em vídeo pró-Obama

 

Lembra-se da série de comerciais da Budweiser batizada Wassup?

Pois os atores refizeram o comercial original. Um deles está na Guerra do Iraque, o outro perdeu tudo na Bolsa, o terceiro foi vítima do Katrina, o quarto não tem dinheiro para pagar os remédios (mas veste uma camisa que lembra a da Seleção Brasileira --coincidência, mas no meio do caminho não custa lembrar que a Anheuser-Busch, fabricante da cerveja, foi comprada pela belgo-brasileira InBev).

No final, em vez do "True", que era o slogan do comercial original, "Change" e as imagens de Obama na TV. Já foi visto por dois milhões.



Escrito por Sérgio Dávila às 19h05
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Obama lidera em apoio de jornais dos EUA

 

Até agora, a contagem para o candidato democrata está 222 ante 93 que anunciaram apoio ao republicano John McCain. Os números são melhores do que os que obteve John Kerry ante George W. Bush em 2004, 213 a 205. Dos jornais que apoiaram o presidente republicano então, 38 "virararam a casaca" para o democrata agora. O levantamento é do Editor & Publisher, que traz a lista completa por Estado (veja mapa abaixo produzido pelo Gawker com alguns dos apoios -vermelho para McCain, azul para Obama).

A prática de anunciar o apoio a um candidato em eleições é comum na imprensa norte-americana, principalmente entre jornais diários. Entre as revistas, a New Yorker rompeu uma tradição de décadas ao anunciar que fechava com Obama e espera-se que o Wall Street Journal, agora sob direção de Rupert Murdoch, faça o mesmo --o mistério é quanto ao candidato apoiado.

O blog conservador Drudge Report especula que será para o democrata, que teria caído nas graças do publisher australiano-americano, mas o tom dos textos das páginas de opinião sugerem o oposto até agora...



Escrito por Sérgio Dávila às 18h54
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Aqui e ali, sinais da radicalização

 

Depois do golpe da menina-atacada-que-não-foi-atacada (leia em post anterior) por um simpatizante de Obama e no momento em que a polícia diz ter debelado plano para matar o democrata, mais dois efeitos da radicalização que ameaça tomar as horas finais das eleições norte-americanas:

* Em West Hollywood, simpatizante de Obama pendura boneco enforcado de Sarah Palin --era brincadeira de Dia das Bruxas, disse;

A mannequin hanging from a home in West Hollywood has been outfitted to look like Governor Sarah Palin.

* Na (insuspeita) Amazon, um programador desavisado colocou a máscara de Barack Obama na pasta "Fantasias árabes", subpasta "terrorista". Depois que a nota saiu no LATimes, o site de compras corrigiu a gafe. Mas, uma vez na rede sempre na rede, como você vê abaixo:

Democratic presidential candidate Barack Obama terrorist mask on Amazoncom  



Escrito por Sérgio Dávila às 21h52
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Bush teria perguntado: "O que é o G20"?

 

Leitura recomendada para os gabinetes de Brasília: segundo o jornal Australian, um dos maiores do país, em conversa telefônica com Kevin Rudd, primeiro-ministro australiano, George W. Bush teria perguntado: "O que é o G-20?". Os dois líderes discutiam a crise econômica, e Rudd levantou a hipótese de o grupo participar da reunião que o presidente norte-americano convocaria para o dia 15 de novembro. Seria uma maneira, argumentou Rudd, de incluir economias emergentes como Brasil, China e Rússia.

A resposta do republicano teria "embasbacado" o australiano, segundo relato publicado pelo jornal, que cita fontes não-identificadas. A partir daí, esquenta a temperatura do diálogo, sempre segundo o jornal, que cita Bush resistindo em incluir a China na reunião e Rudd dizendo que pediria ao brasileiro Luiz Inacio Lula da Silva para interferir a favor do grupo junto a Bush. Pelo jeito deu certo. O G20 foi convidado.

Aqui em Washington, a Casa Branca nega que tenha ocorrido tal diálogo, mas não oficialmente. Segundo funcionários não-identificados, quando Rudd mencionou o G20, Bush citou que outros líderes tinham falado do grupo em outras conversas e que ele ainda estava decidindo se convidava ou não.

O G20 foi criado em 1999, pós-crise asiática. Inclui o G7 (Estados Unidos, Japão, Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Canadá) e nações emergentes como Austrália, Brasil, China, Índia, México e Rússia. O Brasil é o atual presidente do grupo.



Escrito por Sérgio Dávila às 16h57
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Os cinco melhores presidentes negros dos EUA...

 

..em Hollywood. Levantamento da Slate. O meu preferido é Dennis Haysbert, o David Palmer de 24, que também faz comerciais de seguros. O primeiro a apresentar tamanha ousadia (para a época) foi o drama satírico The Man (1972), de Joseph Sargent, em que Douglass Dilman herdava a Casa Branca após a morte do presidente e do presidente do Congresso.

 

 
O primeiro, The Man, de 1972
 
 

24 (2001-atual)
Atores: Dennis Haysbert, D.B. Woodside
Presidentes: David Palmer, Wayne Palmer

Deep Impact (1998)
Ator: Morgan Freeman
Presidente: Tom Beck

O Quinto Elemento (1997)
Ator: Tommy "Tiny" Lister
Presidente Lindberg

Head of State (2003)
Ator: Chris Rock
Presidente: Mays Gilliam

Idiocracy (2006)
Ator: Terry Crews
Presidente: Dwayne Camacho

 



Escrito por Sérgio Dávila às 16h01
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

O boom das fezes

Você já ouviu falar do problema que a recente ascensão de camadas pobres da população ao mercado consumidor em países emergentes como Brasil, Rússia, Índia e China provocou e deve continuar provocando no suprimento mundial de energia, água, alimentação. Não falta alguma coisa nessa lista? Uma dica: se todo o mundo comer como os americanos comem, então...

Vamos chamar de boom das fezes?

Pois é desse assunto tabu que trata um dos livros mais curiosos lançados no ano. É "The Big Necessity - The Unmentionable World of Human Waste and Why It Matters" (A Grande Necessidade - O Mundo Não Mencionável dos Dejetos Humanos e Por que Ele Importa, Metropolitan Books, 304 págs.), que acaba de chegar às livrarias aqui nos EUA.

Nele, a jornalista britânica Rose George fala de um assunto no qual, como diz o título, poucos ousam tocar. O excremento está acabando com o mundo, e não é pelo motivo que você imagina. Há 2,6 bilhões de pessoas sem qualquer tipo de serviço de esgoto no mundo, quase metade do planeta que, quando precisa ir ao banheiro, faz ali no matinho ou na rua ou na calçada ou nas beiras dos rios.

O cocô humano é um dos mais tóxicos do reino animal. Uma, digamos, "amostra" tem bactérias, vermes, vírus e causa 50 infecções conhecidas. Se contamina a água a ser bebida, provoca, entre outras doenças, diarréia. Essa é a segunda causa de mortandade infantil no mundo, atrás só de problemas respiratórios. Por que todos falam de energia limpa, mas ninguém fala disso?

Rose George acha que a questão é, principalmente, de linguagem. "As pessoas não querem conversar sobre o tema, não temos palavras para tratar do assunto que não sejam tabu (merda), médicas (bolo fecal) ou técnicas (excremento) e já exaurimos as metáforas", escreve. Para a autora, é como se os países desenvolvidos tivessem "dado a descarga" no problema, em parte por achar o tema vexatório.

Ela cita como exemplo o fato de que nenhuma celebridade quer se ligar à causa -com exceção do ator Matt Damon, que milita por sanitários portáteis para a África. Esse foi um dos fatos que o livro dela me revelou.

Alguns outros:

* Na Idade Média, era uma honra ser recebido por um rei enquanto ele estava na privada;

* A invenção da privada adicionou 20 anos ao tempo de vida médio dos humanos; por isso, o "British Medical Journal" considerou o saneamento o maior avanço médico dos últimos dois séculos;

* O Japão era uma civilização do papel e mudou para a água recentemente; há privadas japonesas de milhares de dólares, com dezenas de jatos, controle da temperatura da água quente, desodorantes de ar, medidores de pressão sangüínea, música e até massagem das nádegas;

* Os muçulmanos, que se limpam com água, acham o uso do papel higiênico um dos hábitos mais incompreensíveis e sujos do Ocidente -o choque de civilizações de que fala Samuel Huntington começa na latrina.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 02h01
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Risco para Obama é atitude de "já ganhou"

 

Veja minha análise no UOL Notícias.



Escrito por Sérgio Dávila às 17h04
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

O estranho caso da eleitora espancada e a radicalização

 

Seguindo a discussão sobre o clima de radicalização de que falo em texto hoje na Folha, vale a pena contar o caso da estudante branca Ashley Todd, 20, do Texas. Na quarta, ela deu queixa na polícia de Pittsburgh, na Pensilvânia, dizendo que tinha sido espancada por um eleitor negro de Obama, que roubou seu dinheiro e deixou gravada a letra "B" em seu rosto após vê-la com um adesivo de McCain.

Ela trabalha como voluntária na campanha republicana e disse à polícia que o agressor tinha ficado bravo depois de ver o adesivo em seu carro --ele a teria roubado quando ela tirava dinheiro num caixa automático. O caso virou manchete do site conservador Drudge Report. Aos poucos, no entanto, conforme a história foi se mostrando fantasiosa --não havia registro dela no caixa que mencionou, ela continuava se contradizendo--, o site foi diminuindo o tamanho das letras de seu título.

A blogosfera conservadora se incendiou com a história. Na Fox News, um dos editores da emissora disse que se o caso fosse verdadeiro, roubaria votos de Obama; se inventado, era o fim da candidatura McCain. Agora, a polícia diz que a estudante confessou ter inventado tudo e que vai ser indiciada. De qualquer maneira, o caso serve para mostrar o clima a poucos dias das eleições...

Ashley Todd

Ashley Todd, a estudante



Escrito por Sérgio Dávila às 16h59
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Se quiser dinheiro de McCain, América Latina "late para árvore errada"

 

É o que diz Otto Reich, principal assessor de John McCain para a América Latina e renomado casca-grossa -ele ocupou o cargo de número 1 do Departamento de Estado norte-americano para a região no primeiro mandato do governo Bush, entre 2002 e 2003, até ser barrado pelo Senado. Indagado sobre qual seria a importância da América Latina num eventual governo John McCain, respondeu:

"Não interessa quem seja eleito em novembro, não vai haver nenhum dinheiro para a América Latina. Os latino-americanos que estiverem esperando fundos financeiros, qualquer tipo de ajuda dos Estados Unidos, estão latindo para a árvore errada." A expressão em inglês --barking up the wrong tree-- quer dizer cometer um erro.

Reich é cotado para ocupar o lugar de Thomas Shannon como número 1 da chancelaria americana no caso de uma vitória de McCain --no caso de Barack Obama, deve ser Dan Restrepo, a quem entrevistei aqui. Apesar de sua retórica dura, Reich tem razão: com o republicano ou com Barack Obama, o continente vai continuar sendo a última das prioridades.

E, mesmo quando e se entrar no radar da Casa Branca, o Brasil estará atrás de Colômbia, Venezuela e Cuba na lista de preocupações norte-americanas... 



Escrito por Sérgio Dávila às 16h28
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

E chega às bancas a Atlantic "modernizada"

 

Uma das revistas mais antigas em circulação nos EUA --e ainda hoje uma das melhores--, a veneranda Atlantic também mudou. Não de formato, mas de "rosto". Depois de 151 anos e 1.791 edições, ficou mais moderna, e, na opinião desse modesto blogueiro, mais feia. O designer gráfico Michael Bierut explica as mudanças, que procuraram unir as duas características da revista de idéias: "engajamento e entretenimento". No primeiro número novo, o grande Andrew Sullivan explica "por que bloga", e as principais reportagens da revista são "vendidas" na capa como perguntas.

Uma linha do tempo das capas.

November 2008 Cover

A capa atual

 



Escrito por Sérgio Dávila às 15h50
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Chega às bancas a Rolling Stone "encolhida"

 

A veterana Bíblia do pop em versão encolhida chega finalmente às bancas daqui dos EUA. O personagem da capa? Três chances para o internauta acertar... Barack Obama, em sua terceira aparição em sete meses, recorde antes detido por John Lennon, como conta na carta ao leitor o editor Jann S. Wenner. O texto traz o título "Change You Can Believe In" (mesmo slogan da campanha do democrata). Nele, o publisher explica a razão do encolhimento: basicamente, eles insistiam no formato anterior, maior, por "nostalgia". O formato mudou, mas o mote da revista continua o mesmo, garante ele: "We believe in the magic of rock & roll and that the magic can set you free". (Na entrevista, Obama não diz nada de novo)

 

 



Escrito por Sérgio Dávila às 15h33
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

E o rap da Sarah Palin, viu?

 

Por falar em W., Josh Brolin, o W. ficcional, foi o apresentador do SNL de sábado, aquele em que Sarah Palin fez participação especial. A inicial foi o.k., mas a melhor é ela chacoalhando o esqueleto na bancada do Weekend Update, enquanto Amy Poehler cantava o "Palin Rap", com direito a alce... Tem até um "making of" da visita toda. Veja os três abaixo.

 

A inicial

O rap

O "making of"



Escrito por Sérgio Dávila às 16h55
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

W., o filme, é melhor que W., o presidente

 

George W. Bush luta com todas as armas que ainda restam e o pouco tempo que sobra a sua Presidência para não entrar para a história apenas como aquele que deixará a seu sucessor não só a pior crise financeira das últimas décadas como duas guerras em andamento.

Pois o filme "W.", cinebiografia dirigida por Oliver Stone que estreou sexta nos EUA, não ajudará seu legado. Com foco na Guerra do Iraque, o longa pinta um retrato de um presidente despreparado que, movido por convicção religiosa e desejo de se livrar da sombra do pai, leva o país e o mundo a um dos conflitos mais equivocados da história recente.

Seria só mais uma crítica a Bush, não fosse o diretor uma voz ativa -polêmica e progressista, mas ativa- na discussão política norte-americana. Stone já mirou as lentes em outros dois presidentes americanos: "JFK", sobre o processo que se seguiu ao assassinato do democrata em 1963, e "Nixon", sobre o processo que levou à renúncia do republicano em 1974.

A repercussão em torno do primeiro levou uma comissão do Congresso a reexaminar as circunstâncias do crime. É pouco provável que algo tão dramático aconteça com "W.", pois os fatos não são inéditos e foram retirados, segundo Stone, de importantes livros de não-ficção -como a série do jornalista Bob Woodward sobre Bush.

Ainda assim, a obra já causa barulho. Jeb Bush, irmão do presidente, disse anteontem que a relação Bush pai-Bush filho tal como descrita no filme "não passa de uma porcaria de primeira qualidade". Reclamou ainda que ninguém o contatou para entrevistas prévias.

Em "W.", o ex-governador da Flórida é retratado como a primeira opção do clã para continuar a linhagem de políticos, e a eleição de seu irmão como governador do Texas é recebida quase como um acidente. Stone se defendeu dizendo que era um retrato "justo e equilibrado" sobre a família.

Na pré-estréia, o diretor agradeceu "aos jornalistas investigativos". "Muitos deles trabalharam muito, e esse primeiro rascunho que fizeram foi a base a partir da qual simplificamos e condensamos para fazer esse filme."

Seu longa é uma obra de ficção e abusa das liberdades do gênero, como entrar na cabeça do presidente ao tentar justificar atos que permanecem insuficientemente justificados. É a parte mais dispensável. O melhor é a maneira com que apresenta os fatos relatados em tais livros e reportagens.

Empacotados num roteiro bem-feito, surpreendem ao relembrar o espectador a sucessão de desmandos, falta de comunicação e ligeireza que cercou a Guerra do Iraque.

A julgar por "W.", a história não será grata com o presidente. Mas, como o Bush real disse e o Bush ficcional (o ator Josh Brolin, em grande atuação) repete no filme: "História? Todos nós já estaremos mortos".

*

Fernando Rodrigues, meu colega da Folha, não gostou. Patrícia Campos Mello, minha colega de Washington, achou forçado e caricatural, mas com boa história.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 16h32
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Joe, o Encanador, Obama e McCain, os populistas

Estamos no meio da maior crise econômica da história recente dos Estados Unidos. Durante a viagem de carro de 40 minutos do centro de Manhattan rumo ao último debate presidencial, que acompanhei ao vivo na Universidade Hofstra, em Hempstead, brincava com um amigo jornalista que não é só a falta de liquidez que ameaça o sistema financeiro: é a falta de comparações e metáforas.

Depois dos 700 pontos negativos na Bolsa na quarta, mais um de sucessivos recordes a que o mundo vem assistindo, começamos a imaginar o que sobrava de manchete para os jornais e sites do planeta nos dias vindouros. Uma: "Essa já é a pior crise desde a invenção do dinheiro pelos fenícios". Outra: "A maior desde que Ngu perdeu três pedras lascadas numa aposta com seu companheiro de caverna, acabando assim com 90% do PIB do mundo de então".

Imaginamos que Barack Obama e John McCain passariam os próximos 90 minutos discutindo a situação e propondo soluções para ela. Em suma, o que fariam em relação ao problema tão logo um dos dois assuma a Casa Branca no dia 20 de janeiro. Seguiriam em frente com o Plano Bush de US$ 700 bilhões? Manteriam no cargo o secretário do Tesouro, Henry Paulson, por um período de transição?

(Aliás, fiz essa pergunta ao principal assessor econômico de Obama, Jason Furman, numa teleconferência recente. Ele saiu pela tangente e não quis discutir a hipótese, dizendo que agora todos só pensavam no dia da eleição, 4 de novembro. A campanha de McCain age da mesma maneira.)

Pois não é que os dois candidatos passaram a maior parte da hora e meia falando do careca errado? Foi "Joe, o Encanador", que não é encanador licenciado nem se chama Joe -e deve US$ 11 mil ao Fisco-, quem dominou o debate, sendo citado 26 vezes. Henry Paulson, o careca certo, que terá torrado perto de US$ 2 trilhões entre hoje e o dia que um dos candidatos assumir o poder? Apenas uma menção. Ben Bernanke, o presidente do Federal Reserve (Fed), o outro careca no cerne do furacão? Nenhuma.

Essa guinada populista da atual campanha presidencial começou no verão norte-americano, quando o preço do litro da gasolina passou a bater recordes, e McCain, Obama e a então pré-candidata Hillary Clinton sacaram dos bolsos planos mirabolantes -e fictícios- para salvar a classe média.

Viu seu auge na escolha de Sarah Palin como companheira de chapa do republicano. Tão logo seu nome foi anunciado, a governadora do Alasca saiu falando em comícios que só pensava no "Joe Six-Packs", o eleitor comum, usando uma expressão em inglês que faz referência ao pacote de seis latas de cerveja que seria a bebida de escolha desse ser imaginário.

Que agora ganha um rosto, uma testa brilhante e um nome, com a coroação de "Joe, o Encanador", na noite de quarta. Derrapadas populistas são esperadas em qualquer eleição acirrada. Mas, quando o debate político de um país tão importante e observado pelo mundo abre mão de discutir propostas concretas em troca de jogadas para a platéia, perdem todos. Não só nos EUA.

De Joe, o encanador, e Joe das cervejas ao João da Silva e ao Zé das Couves.





Escrito por Sérgio Dávila às 16h02
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]