EUA, Washington, homem, de 36 a 45 anos, português, inglês, espanhol e francês

Leia mais

  





01/02/2010 a 15/02/2010
16/01/2010 a 31/01/2010
01/01/2010 a 15/01/2010
16/12/2009 a 31/12/2009
01/12/2009 a 15/12/2009
16/11/2009 a 30/11/2009
01/11/2009 a 15/11/2009
16/10/2009 a 31/10/2009
01/10/2009 a 15/10/2009
16/09/2009 a 30/09/2009
01/09/2009 a 15/09/2009
16/08/2009 a 31/08/2009
01/08/2009 a 15/08/2009
16/07/2009 a 31/07/2009
01/07/2009 a 15/07/2009
16/06/2009 a 30/06/2009
01/06/2009 a 15/06/2009
16/05/2009 a 31/05/2009
01/05/2009 a 15/05/2009
16/04/2009 a 30/04/2009
01/04/2009 a 15/04/2009
16/03/2009 a 31/03/2009
01/03/2009 a 15/03/2009
16/02/2009 a 28/02/2009
01/02/2009 a 15/02/2009
16/01/2009 a 31/01/2009
01/01/2009 a 15/01/2009
16/12/2008 a 31/12/2008
01/12/2008 a 15/12/2008
16/11/2008 a 30/11/2008
01/11/2008 a 15/11/2008
16/10/2008 a 31/10/2008
01/10/2008 a 15/10/2008
16/09/2008 a 30/09/2008
01/09/2008 a 15/09/2008
16/08/2008 a 31/08/2008
01/08/2008 a 15/08/2008
16/07/2008 a 31/07/2008
01/07/2008 a 15/07/2008
16/06/2008 a 30/06/2008
01/06/2008 a 15/06/2008
16/05/2008 a 31/05/2008
01/05/2008 a 15/05/2008
16/04/2008 a 30/04/2008
01/04/2008 a 15/04/2008
16/03/2008 a 31/03/2008
01/03/2008 a 15/03/2008
16/02/2008 a 29/02/2008
01/02/2008 a 15/02/2008
16/01/2008 a 31/01/2008
01/01/2008 a 15/01/2008
16/12/2007 a 31/12/2007
01/12/2007 a 15/12/2007
16/11/2007 a 30/11/2007
01/11/2007 a 15/11/2007
16/10/2007 a 31/10/2007
01/10/2007 a 15/10/2007
16/09/2007 a 30/09/2007
01/09/2007 a 15/09/2007
16/08/2007 a 31/08/2007
01/08/2007 a 15/08/2007
16/07/2007 a 31/07/2007
01/07/2007 a 15/07/2007
16/06/2007 a 30/06/2007
01/06/2007 a 15/06/2007
16/05/2007 a 31/05/2007
01/05/2007 a 15/05/2007
16/04/2007 a 30/04/2007
01/04/2007 a 15/04/2007
16/03/2007 a 31/03/2007
01/03/2007 a 15/03/2007
16/02/2007 a 28/02/2007
01/02/2007 a 15/02/2007
16/01/2007 a 31/01/2007
01/01/2007 a 15/01/2007
01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005

VOTAÇÃO
Dê uma nota para meu blog




Bo = B.O. = Barack Obama

 

Num dia em que Irã, Coréia do Norte, (sutil) recuperação econômica e rescaldo de Cuba ocupam a agenda do presidente Barack Obama, as TVs todas daqui param para registrar a chegada oficial de Bo, o "primeiro-cachorro", à Casa Branca. Presente do senador Ted Kennedy, o cão d'água português tem como nome de "batismo" Amigo's New Hope. Viraria depois Charlie, esse dado pela primeira família que o comprou e logo desistiu da compra --o cachorro era muito animado.

Foi rebatizado de Bo pelos novos donos. Bo é igual a B.O., as iniciais do nome do presidente. Mas B.O., com pontos, é sigla em inglês para "body odor", o nosso popular cecê. Daí simplesmente Bo.

*

Outra coisa: Obama não cumpriu promessa de campanha. Havia dito que o cachorro seria um "vira-lata como ele". Bo custou US$ 2 mil e tem pedigree.



Escrito por Sérgio Dávila às 18h03
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Começa a cair o "muro" entre EUA e Cuba

 

* Se os Irmãos Castro toparem fazer um gesto grandioso --do tipo soltarem parte dos prisioneiros políticos cubanos--, começou a cair hoje o embargo econômico dos EUA a Cuba. Funcionaria assim: se Obama garantir que não veta, os democratas e republicanos no Congresso apresentam medida para a derrubada, que seria aprovada (já há número para isso). E não há porque Obama não garantir que não veta;

* Mas a iniciativa de derrubada do veto não será dele. O presidente democrata pode ser acusado de tudo, menos de planejar com MUITA antecedência cada passo de sua carreira política. Ele sabe que precisará da Flórida em 2012 para ser reeleito, principalmente se o déficit público de então estiver batendo recorde atrás de recorde como todas as previsões dizem que estará, o que deve causar certo estrago em sua popularidade e dar munição para os republicanos;

* Para ter a Flórida, ele não pode entrar para a história como o presidente que derrubou o embargo econômico que já dura dez ocupantes da Casa Branca. O Congresso tem menos a perder, até porque a autoria da medida seria diluída --e provavelmente não terá representantes floridianos;

* É pela razão acima que Obama não veio a público hoje fazer o anúncio das medidas de relaxamento das restrições a Cuba. Deixou o trabalho para seu porta-voz, Robert Gibbs, e o número 1 do Conselho de Segurança Nacional para a América Latina, Dan Restrepo. Os republicanos não terão imagens de Obama anunciando o fim das restrições aos cubanos para exibir em comerciais de TV...

* Por fim, segundo a própria Casa Branca, pela primeira vez na entrevista coletiva diária que o porta-voz faz, outra língua que não o inglês foi falada do púlpito. Foi o espanhol de Dan Restrepo, meio-colombiano, que traduziu algumas das respostas em relação a Cuba. Histórico.

***

O memorando com as medidas, que acaba de sair [em inglês]:

THE WHITE HOUSE

Office of the Press Secretary

For Immediate Release April 13, 2009

April 13, 2009

MEMORANDUM FOR THE SECRETARY OF STATE THE SECRETARY OF THE TREASURY THE SECRETARY OF COMMERCE

SUBJECT: Promoting Democracy and Human Rights in Cuba

The promotion of democracy and human rights in Cuba is in the national interest of the United States and is a key component of this Nation's foreign policy in the Americas. Measures that decrease dependency of the Cuban people on the Castro regime and that promote contacts between Cuban-Americans and their relatives in Cuba are means to encourage positive change in Cuba. The United States can pursue these goals by facilitating greater contact between separated family members in the United States and Cuba and increasing the flow of remittances and information to the Cuban people.

To pursue those ends, I direct the Secretary of the Treasury and the Secretary of Commerce, in consultation with the Secretary of State, to take such actions as necessary to:

(a) Lift restrictions on travel-related transactions for visits to a person's family member who is a national of Cuba by authorizing such transactions by a general license that shall:

Define family members who may be visited to be persons within three degrees of family relationship (e.g., second cousins) and to allow individuals who share a common dwelling as a family with an authorized traveler to accompany them;

Remove limitations on the frequency of visits;

Remove limitations on the duration of a visit;

Authorize expenditure amounts that are the same as non-family travel; and

Remove the 44-pound limitation on accompanied baggage.

(b) Remove restrictions on remittances to a person's family member in Cuba by:

more

(OVER)

 

2

Authorizing remittances to individuals within three degrees of family relationship (e.g., second cousins) provided that no remittances shall be authorized to currently prohibited members of the Government of Cuba or currently prohibited members of the Cuban Communist Party;

Removing limits on frequency of remittances;

Removing limits on the amount of remittances;

Authorizing travelers to carry up to $3,000 in remittances; and

Establishing general license for banks and other depository institutions to forward remittances.

(c) Authorize U.S. telecommunications network providers to enter into agreements to establish fiber-optic cable and satellite telecommunications facilities linking the United States and Cuba.

(d) License U.S. telecommunications service providers to enter into and operate under roaming service agreements with Cuba's telecommunications service providers.

(e) License U.S. satellite radio and satellite television service providers to engage in transactions necessary to provide services to customers in Cuba.

(f) License persons subject to U.S. jurisdiction to activate and pay U.S. and third-country service providers for telecommunications, satellite radio, and satellite television services provided to individuals in Cuba, except certain senior Communist Party and Cuban government officials.

(g) Authorize, consistent with national security concerns, the export or reexport to Cuba of donated personal communications devices such as mobile phone systems, computers and software, and satellite receivers through a license exception.

(h) Expand the scope of humanitarian donations eligible for export through license exceptions by:

Restoring clothing, personal hygiene items, seeds, veterinary medicines and supplies, fishing equipment and supplies, and soap-making equipment to the list of items eligible to be included in gift parcel donations;

Restoring items normally exchanged as gifts by individuals in "usual and reasonable" quantities to the list of items eligible to be included in gift parcel donations;

Expanding the scope of eligible gift parcel donors to include any individual;

more

 

3

Expanding the scope of eligible gift parcel donees to include individuals other than Cuban Communist Party officials or Cuban government officials already prohibited from receiving gift parcels, or charitable, educational, or religious organizations not administered or controlled by the Cuban government; and

Increasing the value limit on non-food items to $800.

This memorandum is not intended to, and does not, create any right or benefit, substantive or procedural, enforceable at law or in equity by any party against the United States, its departments, agencies, or entities, its officers, employees, or agents, or any other person.

BARACK OBAMA

# # #

 

 



Escrito por Sérgio Dávila às 20h38
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Depois de reconquistar Europa, Obama tem de redescobrir América

Veja minha análise no programa semanal do UOL Notícias, a propósito da 5a Cúpula das Américas, que acontece na semana que vem em Trinidad e Tobago e reúne 34 líderes do continente, entre eles Obama e Lula.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 18h19
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Michelle --não Obama-- é "a cara"

Só dá a primeira-dama.

No Madame Tussaud de Washington:

E nas capas de nove em dez revistas (a porcentagem é o cálculo feito pelo Gawker de quanto a presença da primeira-dama aumentou as vendas das revistas --ou prejudicou):



Escrito por Sérgio Dávila às 18h53
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Quatro em dez americanos já se "googlaram"

 

Da série E-Narciso:

Pergunta da pesquisa: Me diga se você já fez um dos abaixo:

Googlou a si mesmo (por "googlar" entenda usar o Google para pesquisar)

Sim 41%

Não 59%

 

Googlou alguém com quem já saiu

Sim 18

Não 82

 

Googlou seus vizinhos

Sim 11

Não 89

 

Fonte: Fox News/Opinion Dynamics/ março de 2009.



Escrito por Sérgio Dávila às 19h42
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Em giro pela Europa, Obama é "o cara"

Veja minha análise no programa semanal do UOL Notícias.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 03h53
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Monte sua própria capa

Na Esquire de abril. 



Escrito por Sérgio Dávila às 17h14
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Tem líder do G20 ganhando mais do que merece...

O cálculo inicial dos salários é do Financial Times -- vencimentos anuais, em euros. O de Lula, que não entra na lista dos mais bem pagos, é de R$ 11.420,21 mil por mês --mais benefícios. Esse blog nota que há uma discrepância na comparação salário/PIB, principalmente nos vencimentos do russo e do irlandês. Minha conclusão: tem líder ganhando mais do que merece, um pecado mortal nos tempos atuais, de caça aos bônus.

Os seis maiores PIBs, segundo o FMI (em trilhões de dólares):

1 United States13,840,000
2 Japan4,381,576
3 Germany3,320,913
4 China (PRC)3,280,224h
5 United Kingdom2,804,437
6 France2,593,779

Os seis maiores salários, segundo o diário econômico:

 

world leaders' salaries ft magazine



Escrito por Sérgio Dávila às 16h43
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Ronaldo, quem diria, foi parar em "President Prudent"

 

O jogador brasileiro é tema de reportagem na edição de hoje do Wall Street Journal, que há algumas semanas estreou sua página diária de esportes. Assinado pelo correspondente do diário econômico no Brasil, é um perfil em geral positivo de Ronaldo, que "costumava ficar em hotéis cinco-estrelas em Londres e Istambul" e "hoje divide quartos de US$ 89 com jogadores em vilarejos brasileiros remotos com nomes como 'President Prudent'."

A torcida corinthiana é chamada de "The Faithful" --sim, a Fiel.



Escrito por Sérgio Dávila às 15h03
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Nas prioridades, sai Rio de Janeiro, entra Paquistão

 

A decisão é da NPR, a rede de emissoras de rádio mezzo-pública, mezzo-fundação dos Estados Unidos, que produz jornalismo da melhor qualidade. A partir de segunda, a atual correspondente no Rio de Janeiro, Julie McCarthy, começa a despachar de Islamabad, no Paquistão. O escritório do Rio de Janeiro será fechado, e o Brasil será coberto por um free-lancer baseado na Colômbia. "Estamos colocando nosso dinheiro onde ele é mais necessitado", disse Loren Jenkins, editor de internacional.

Pelo menos para a NPR, é o Paquistão, não o Brasil, que "é o cara".



Escrito por Sérgio Dávila às 14h53
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Onde está dona Marisa?

The wives of global leaders attending the G-20 summit pose at London's Royal Opera House. From left: 1. Ban Soon-taek, wife of U.N. Secretary General Ban Ki-moon; 2. Chikako Aso, wife of Japanese Prime Minister Taro Aso; 3. Laureen Harper, wife of Canadian Prime Minister Stephen Harper; 4. Gursharan Kaur, wife of Indian Prime Minister Manmohan Singh; 5. Michelle Obama; 6. Kim Yoon-ok, wife of South Korean President Lee Myung-bak; 7. Sarah Brown, wife of British Prime Minister Gordon Brown; 8. Margarita Zavala, wife of Mexican President Felipe Calderón; 9. Svetlana Medvedeva, wife of Russian President Dmitry Medvedev; 10. Emine Erdogan, wife of Turkish Prime Minister Recep Tayyip Erdogan; 11. Margarida Barroso, wife of Jose Manuel Barroso, president of the European Commission; 12. Therese Rein, wife of Australian Prime Minister Kevin Rudd; and 13. Pimpen Vejjajiva, wife of Thai Prime Minister Abhisit Vejjajiva.



Escrito por Sérgio Dávila às 14h37
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

A propósito da "bancada brazuca"...

 

A propósito da criação da "bancada brasuca", de deputados eleitos por brasileiros que vivem no exterior, acho que vale republicar um post meu sobre uma espécie de reverso da moeda, a "bancada brasuca" que supostamente cuida dos interesses do Brasil nos EUA.

*

18/03/2009 18:42 - publicado por Sérgio Dávila  [ Alterar ]   [ Excluir ]  

Assim caminha a "bancada brasileira" no Congresso dos EUA

Até o Congresso passado, o Brasil contava com uma bancada, o Congressional Brazil Caucus. Era formada por representantes (deputados federais) norte-americanos "amigos" do Brasil --quer dizer, políticos que supostamente se interessam pelo país e que na medida do possível olham pelos interesses brasileiros no Legislativo norte-americano. Ela se reunia com o Congressional Black Caucus, e seu presidente era William J. Jefferson, democrata de Lousiana. O FBI achou um pacote com US$ 90 mil no freezer da casa do deputado, e ele acabou sendo indiciado por corrupção. Perdeu a reeleição em 2008 para um republicano, e seu sucessor natural no comando da bancada seria Eliot Engel.

Acontece que a bancada foi dissolvida na atual legislatura --faltam amigos ao país?-- e voltou a se encaixar na vala comum do Subcomitê do Hemisfério Ocidental, esse sim presidido por Eliot Engel, que já visitou o Brasil em "viagens de apuração de informação", com apssagem por hotel turístico de Manaus. E o que acontece com esse deputado democrata pelo Bronx? É acusado de ter ludibriado o Fisco norte-americano ao receber desconto de imposto por declarar que mora em Maryland, vizinho de Washington, e não em seu domicílio eleitoral nova-iorquino...



Escrito por Sérgio Dávila às 11h53
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Bush e Cheney comandavam "círculo de assassinatos"

 

A afirmação é de um dos maiores jornalistas investigativos do país, o veterano Seymour Hersh, da revista New Yorker, e foi feita durante palestra na Universidade de Minnesota no dia 10 do mês passado --ouça a íntegra da conversa aqui, em inglês. Hersh afirma que depois de 11 de Setembro uma divisão da comunidade de operações especiais do governo norte-americano passou a operar o que ele chama de "essencialmente um círculo de assassinatos", então sob o comando dos republicanos Dick Cheney e George W. Bush.

Chamada Joint Special Operations Command, ou JSOC, é independente e se reportava diretamente ao escritório do vice-presidente de então. "Não passava pelo comando conjunto das Forças Armadas ou por Gates", diz Hersh, referindo-se ao secretário de Defesa, que continua no cargo sob Barack Obama. Não passava pelo Congresso, também.

Segundo o jornalista, o almirante William H. McRaven mandou recentemente que a operação parasse, por conta do alto número de mortes "colaterais". "Sob a autoridade do [ex-] presidente Bush, eles têm ido a países, sem falar com os embaixadores ou com o chefe local da CIA, encontrado as pessoas listadas, as executado e partido. Isso vem acontecendo, em nome de todos nós."

Hersh diz ainda que a CIA, a agência de inteligência norte-americana, espionou cidadãos norte-americanos nos EUA. Ambas as práticas --os assassinatos e a espionagem doméstica-- são proibidas por lei nos EUA. Um porta-voz da CIA negou as espionagens. Um ex-assessor de Segurança Nacional de Cheney, John Hannah, confirmou que havia uma lista de pessoas que, "em guerra" e sob certas condições, poderiam ser mortas.

Seymour Hersh, 71, é mais conhecido por ter revelado o Massacre de My Lai, em 1969, durante a Guerra do Vietnã, e ter detalhado os abusos ocorridos na Prisão de Abu Ghraib, em 2004, durante a Guerra do Iraque. Em entrevista posterior, ele confirmou as informações da palestra e disse que escreve um livro a respeito. Estranhamente, a grande mídia norte-americana vem evitando tocar no assunto...

*

Os trechos principais do que ele diz, em inglês:

"After 9/11, I haven't written about this yet, but the Central Intelligence Agency was very deeply involved in domestic activities against people they thought to be enemies of the state. Without any legal authority for it. They haven’t been called on it yet. That does happen.

"Right now, today, there was a story in the New York Times that if you read it carefully mentioned something known as the Joint Special Operations Command -- JSOC it’s called. It is a special wing of our special operations community that is set up independently. They do not report to anybody, except in the Bush-Cheney days, they reported directly to the Cheney office. They did not report to the chairman of the joint chiefs of staff or to Mr. [Robert] Gates, the secretary of defense. They reported directly to him. ...

"Congress has no oversight of it. It’s an executive assassination ring essentially, and it’s been going on and on and on. Just today in the Times there was a story that its leaders, a three star admiral named [William H.] McRaven, ordered a stop to it because there were so many collateral deaths.

"Under President Bush’s authority, they’ve been going into countries, not talking to the ambassador or the CIA station chief, and finding people on a list and executing them and leaving. That’s been going on, in the name of all of us.

 

 

"It’s complicated because the guys doing it are not murderers, and yet they are committing what we would normally call murder. It’s a very complicated issue. Because they are young men that went into the Special Forces. The Delta Forces you’ve heard about. Navy Seal teams. Highly specialized.

"In many cases, they were the best and the brightest. Really, no exaggerations. Really fine guys that went in to do the kind of necessary jobs that they think you need to do to protect America. And then they find themselves torturing people.

"I’ve had people say to me -- five years ago, I had one say: ‘What do you call it when you interrogate somebody and you leave them bleeding and they don’t get any medical committee and two days later he dies. Is that murder? What happens if I get before a committee.?’

"But they’re not gonna get before a committee.”

 



Escrito por Sérgio Dávila às 01h29
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]