EUA, Washington, homem, de 36 a 45 anos, português, inglês, espanhol e francês

Leia mais

  





01/02/2010 a 15/02/2010
16/01/2010 a 31/01/2010
01/01/2010 a 15/01/2010
16/12/2009 a 31/12/2009
01/12/2009 a 15/12/2009
16/11/2009 a 30/11/2009
01/11/2009 a 15/11/2009
16/10/2009 a 31/10/2009
01/10/2009 a 15/10/2009
16/09/2009 a 30/09/2009
01/09/2009 a 15/09/2009
16/08/2009 a 31/08/2009
01/08/2009 a 15/08/2009
16/07/2009 a 31/07/2009
01/07/2009 a 15/07/2009
16/06/2009 a 30/06/2009
01/06/2009 a 15/06/2009
16/05/2009 a 31/05/2009
01/05/2009 a 15/05/2009
16/04/2009 a 30/04/2009
01/04/2009 a 15/04/2009
16/03/2009 a 31/03/2009
01/03/2009 a 15/03/2009
16/02/2009 a 28/02/2009
01/02/2009 a 15/02/2009
16/01/2009 a 31/01/2009
01/01/2009 a 15/01/2009
16/12/2008 a 31/12/2008
01/12/2008 a 15/12/2008
16/11/2008 a 30/11/2008
01/11/2008 a 15/11/2008
16/10/2008 a 31/10/2008
01/10/2008 a 15/10/2008
16/09/2008 a 30/09/2008
01/09/2008 a 15/09/2008
16/08/2008 a 31/08/2008
01/08/2008 a 15/08/2008
16/07/2008 a 31/07/2008
01/07/2008 a 15/07/2008
16/06/2008 a 30/06/2008
01/06/2008 a 15/06/2008
16/05/2008 a 31/05/2008
01/05/2008 a 15/05/2008
16/04/2008 a 30/04/2008
01/04/2008 a 15/04/2008
16/03/2008 a 31/03/2008
01/03/2008 a 15/03/2008
16/02/2008 a 29/02/2008
01/02/2008 a 15/02/2008
16/01/2008 a 31/01/2008
01/01/2008 a 15/01/2008
16/12/2007 a 31/12/2007
01/12/2007 a 15/12/2007
16/11/2007 a 30/11/2007
01/11/2007 a 15/11/2007
16/10/2007 a 31/10/2007
01/10/2007 a 15/10/2007
16/09/2007 a 30/09/2007
01/09/2007 a 15/09/2007
16/08/2007 a 31/08/2007
01/08/2007 a 15/08/2007
16/07/2007 a 31/07/2007
01/07/2007 a 15/07/2007
16/06/2007 a 30/06/2007
01/06/2007 a 15/06/2007
16/05/2007 a 31/05/2007
01/05/2007 a 15/05/2007
16/04/2007 a 30/04/2007
01/04/2007 a 15/04/2007
16/03/2007 a 31/03/2007
01/03/2007 a 15/03/2007
16/02/2007 a 28/02/2007
01/02/2007 a 15/02/2007
16/01/2007 a 31/01/2007
01/01/2007 a 15/01/2007
01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005

VOTAÇÃO
Dê uma nota para meu blog




Obama na Rolling Stone é a capa do ano

Quem decidiu foi a American Society of Magazine Editors. Veja a vencedora e as melhores em outras categorias:

Melhor do ano (Barack Obama eleito presidente)

Melhor de revistas noticiosas e de negócios (Bernie Madoff como o Curinga)

Melhor de revistas de entretenimento e celebridade (Tina Fey no auge da fama do período das imitações da Sarah Palin)

Melhor de revistas de ciência, tecnologia e amebiente (o fenômeno do "birding", observação de pássaros nos EUA)

Melhor de revistas de esportes (antologia do ano em esportes)

A capa "mais deliciosa" (reportagem de comidas de verão)

Melhor de moda e beleza (Sarah Jessica Parker correndo na ponte do Brooklyn)

Melhor de decoração

Melhor de viagem

 



Escrito por Sérgio Dávila às 17h01
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Da série "prato frio": Hillary é mais popular que Obama

Em tempos em que a vingança é assunto de filme de Tarantino e suscita comentários, vale notar: segundo a mais recente pesquisa de opinião do Gallup, Hillary Clinton ultrapassou Barack Obama no quesito popularidade. A ex-concorrente do democrata na corrida presidencial de 2008 e atual secretária de Estado obamista tem 62% de avaliação positiva de acordo com o levantamento, ante 56% de Obama. O presidente perdeu 22 pontos percentuais desde seu auge na avaliação, logo após a posse.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 16h35
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

65 na lista dos concorrentes ao Oscar estrangeiro

São eles:

Albania, “Alive!,” Artan Minarolli, director;
Argentina, “El Secreto de Sus Ojos,” Juan Jose Campanella, director;
Armenia, “Autumn of the Magician,” Rouben Kevorkov and Vaheh Kevorkov, directors; 
Australia, “Samson & Delilah,” Warwick Thornton, director;
Austria, “For a Moment Freedom,” Arash T. Riahi, director;
Bangladesh, “Beyond the Circle,” Golam Rabbany Biplob, director;
Belgium, “The Misfortunates,” Felix van Groeningen, director;
Bolivia, “Zona Sur,” Juan Carlos Valdivia, director;
Bosnia and Herzegovina, “Nightguards,” Namik Kabil, director;
Brazil, “Time of Fear,” Sergio Rezende, director; 
Bulgaria, “The World Is Big and Salvation Lurks around the Corner,” Stephan Komandarev, director;
Canada, “I Killed My Mother,” Xavier Dolan, director;
Chile, “Dawson, Isla 10,” Miguel Littin, director; 
China, “Forever Enthralled,” Chen Kaige, director;
Colombia, “The Wind Journeys,” Ciro Guerra, director; 
Croatia, “Donkey,” Antonio Nuic, director;
Cuba, “Fallen Gods,” Ernesto Daranas, director;
Czech Republic, “Protektor,” Marek Najbrt, director;
Denmark, “Terribly Happy,” Henrik Ruben Genz, director; 
Estonia, “December Heat,” Asko Kase, director;
Finland, “Letters to Father Jacob,” Klaus Haro, director;
France, “Un Prophete,” Jacques Audiard, director;
Georgia, “The Other Bank,” George Ovashvili, director; 
Germany, “The White Ribbon,” Michael Haneke, director;
Greece, “Slaves in Their Bonds,” Tony Lykouressis, director;
Hong Kong, “Prince of Tears,” Yonfan, director;
Hungary, “Chameleon,” Krisztina Goda, director;
Iceland, “Reykjavik-Rotterdam,” Oskar Jonasson, director;
India, “Harishchandrachi Factory,” Paresh Mokashi, director;
Indonesia, “Jamila and the President,” Ratna Sarumpaet;
Iran, “About Elly,” Asghar Farhadi, director;
Israel, “Ajami,” Scandar Copti and Yaron Shani, director;
Italy, “Baaria,” Giuseppe Tornatore, director;
Japan, “Nobody to Watch over Me,” Ryoichi Kimizuka, director;
Kazakhstan, “Kelin,” Ermek Tursunov, director; 
Korea, “Mother,” Joon-ho Bong, director;
Lithuania, “Vortex,” Gytis Luksas, director;
Luxembourg, “Refractaire,” Nicolas Steil, director;
Macedonia, “Wingless,” Ivo Trajkov, director;
Mexico, “Backyard,” Carlos Carrera, director;
Morocco, “Casanegra,” Nour-Eddine Lakhmari, director; 
The Netherlands, “Winter in Wartime,” Martin Koolhoven, director;
Norway, “Max Manus,” Espen Sandberg and Joachim Roenning, directors;
Peru, “The Milk of Sorrow,” Claudia Llosa, director;
Philippines, “Grandpa Is Dead,” Soxie H. Topacio, director;
Poland, “Reverse,” Borys Lankosz, director;
Portugal, “Doomed Love,” Mario Barroso, director;
Puerto Rico, “Kabo and Platon,” Edmundo H. Rodriguez, director;
Romania, “Police, Adjective,” Corneliu Porumboiu, director;
Russia, “Ward No. 6,” Karen Shakhnazarov, director;
Serbia, “St. George Shoots the Dragon,” Srdjan Dragojevic, director;
Slovakia, “Broken Promise,” Jiri Chlumsky, director;
Slovenia, “Landscape No. 2,” Vinko Moderndorfer, director; 
South Africa, “White Wedding,” Jann Turner, director;
Spain, “The Dancer and the Thief,” Fernando Trueba, director;
Sri Lanka, “The Road from Elephant Pass,” Chandran Rutnam;
Sweden, “Involuntary,” Ruben Ostlund, director;
Switzerland, “Home,” Ursula Meier, director;
Taiwan, “No Puedo Vivir sin Ti,” Leon Dai, director;
Thailand, “Best of Times,” Yongyoot Thongkongtoon, director; 
Turkey, “I Saw the Sun,” Mahsun Kirmizigul, director;
United Kingdom, “Afghan Star,” Havana Marking, director; 
Uruguay, “Bad Day for Fishing,” Alvaro Brechner, director;
Venezuela, “Libertador Morales, El Justiciero,” Efterpi Charalambidis, director; 
Vietnam, “Don’t Burn It,” Dang Nhat Minh.

O Brasil concorre com Salve Geral/Time of Fear, de Sergio Rezende. Diferentemente de no ano passado, há poucas estrelas (Michael Haneke e Fernando Trueba entre as exceções). Os cinco indicados saem no dia 2 de fevereiro de 2010.



Escrito por Sérgio Dávila às 14h06
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Monty Python volta --por um tempo

Você conhece o Monty Python? A reunião do revolucionário grupo britânico, depois de décadas do fim, é o tema de meu programa semanal no UOL Notícias.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 20h27
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Obama come arrumadinho brasileiro

Nesse momento, a Casa Branca obamista realiza sua primeira "Fiesta Latina". A lista de convidados inclui Marc Anthony (senhor Jennifer Lopez), Eva Longoria Parker (de Desperate Housewives), Jimmy Smits (de Dexter, entre milhares de outros programas), Pete Escovedo, Gloria Estefan, José Feliciano, George Lopez, Thalía, Tito “El Bambino”, o grupo Aventura e a banda Los Lobos, com Sheila E. Veja ao vivo aqui: WhiteHouse.gov/live

O cardápio típico é de autoria da chef Maricel Presilla, dos restaurantes Zafra e Cucharamama, baseados em Hoboken, em Nova Jersey. Ela disse que procurou contemplar vários aspectos da cultura latina, do sanduíche de porco cubano às argentinas empanadas de carne com chimichurri, passando por um flã guatemalteca de chocolate com hibisco, enchiladas hondurenhas de frango e... o brasileiríssimo arrumadinho, na versão dela com feijão preto.

*

Para quem não conhece o prato típico, a receita aqui, do site Gastrolândia, e uma foto abaixo:

 




Escrito por Sérgio Dávila às 21h34
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Nobel de Obama é reconhecimento a multilateralismo

MAIS do que um prêmio a Barack Obama pessoa física ou à gestão de ainda poucos meses do presidente democrata, o Nobel da Paz reconhece a importância do multilateralismo no mundo depois de oito anos da dupla Bush/Cheney, da mentalidade "nós contra eles", das "guerras preventivas", da "guerra ao terror".


E nesse quesito -o multilateralismo, a iniciativa de privilegiar a diplomacia em vez da força, o diálogo com inimigos no lugar do isolamento e a participação em fóruns mundiais como um sinal positivo, não de enfraquecimento dos EUA-, Obama tem um trabalho de alguns anos para mostrar. Na verdade, o democrata fez sua campanha e se destacou dos concorrentes baseado nele.

Leia o resto aqui, para assinantes.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 15h30
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Honduras tem de ter eleições

A saída para a crise hondurenha é ter eleições presidenciais na data programada. Um novo líder assume, e esquece-se quem estava errado, se o presidente derrubado, Manuel Zelaya, ou o líder dos golpistas, Roberto Micheletti. Quem defende é John Negroponte, que acaba de assumir o cargo de presidente do Americas Society/Council of the Americas.

O diplomata conservador, 70, me recebe em seu escritório, em Washington, enfeitado com fotos tiradas durante os vários cargos que ocupou desde a gestão de Ronald Reagan (1981-1989). Quatro se destacam: primeiro diretor de Inteligência Nacional (2005-2007), subsecretário de Estado (2007-2009), embaixador no Iraque (2004-2005) e em Honduras (1981-1985).

Na última foto, Reagan desembarca em San Pedro Sula e caminha em direção a seu colega hondurenho, Roberto Suazo Córdova (1982-1986), sob o olhar de um apreensivo Negroponte. Leia a entrevista aqui, aberta a todos, assinantes e não-assinantes.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 15h28
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Letterman sem calças na EW

A montagem da capa da revista "Entertainment Weekly" ilustra reportagem sobre a polêmica que não quer morrer: quantos e quais casos teve o apresentador de TV? Ele usou seu poder para coagir as mulheres a se relacionar com ele? Ameaçou alguém com demissão? Protegeu e promoveu as que cederam às cantadas? Enfim, questões seminais numa semana em que Barack Obama decide a nova estratégia para a Guerra do Afeganistão, ganha o Nobel da Paz e luta por um sistema de saúde pública mais abrangente...

 



Escrito por Sérgio Dávila às 16h32
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Celso Amorim, "o melhor chanceler do mundo"

 

A afirmação não é do blog, mas de David Rothkopf, especialista em política externa. Na mais recente coluna que tem no site da renomada revista Foreign Policy, ligada ao Washington Post e à Newsweek, ele chama Celso Amorim de "autor intelectual da transformação do papel do Brasil no mundo que é quase sem precedentes na história moderna". Para ele, "é justo defender que ele é o mais bem-sucedido ministro de relações exteriores". Para não deixar dúvida, o título da coluna é "The world's best foreign minister". Rothkopf elogia FHC, dizendo que ele criou as bases para que Lula progredisse, e elogia bastante o atual presidente. Mas quem se sai melhor é mesmo Amorim.

Rothkopf é autor de dois livros sobre relações internacionais e é sócio de um escritório com interesses em biocombustíveis como o etanol (leia sua biografia aqui). Diz que esse deve ter sido o melhor mês para o Brasil desde o Tratado de Tordesilhas e que muito do crédito se deve a Lula, "quase um rock star". Elogia Dilma Rousseff, Guido Mantega mas diz que Amorim merece mais mérito. "Se eu fosse convidado hoje a votar no melhor ministro das relações exteriores do mundo, meu voto iria para esse nativo de Santos", conclui. A propaganda gratuita vem bem a calhar num momento em que o chancelere brasileiro se filia ao PT e pode se candidatar no ano que vem a deputado federal pelo Rio de Janeiro.

Leia a íntegra do texto, em inglês, aqui.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 18h57
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Órgão do Congresso dos EUA condena incentivo a etanol

Em estudo divulgado na sexta-feira, o Government Accountability Office disse que o governo dos Estados Unidos deveria derrubar o incentivo fiscal que dá aos produtores norte-americanos de etanol, atualmente de US$ 0,45 por galão do combustível (ou R$ 0,18 por litro), por ser ineficaz.

A não ser que o preço do petróleo volte a disparar como no verão do ano passado no hemisfério Norte, em que o barril chegou a passar dos US$ 140 em Nova York, o incentivo não deve estimular o consumo doméstico de etanol, defende o escritório de prestação de contas do governo, um braço investigativo e apartidário subordinado ao Congresso norte-americano. O valor atual do barril é de US$ 70.

Junto da tarifa cobrada atualmente sobre o produto importado, de US$ 0,54 por galão (R$ 0,21 por litro), o incentivo é um dos principais entraves à entrada do etanol brasileiro no mercado dos EUA. A prática é considerada arcaica por quase todos os setores da indústria, mas encontra defesa ardente na poderosa bancada ruralista do Congresso, que representa os interesses dos produtores de milho, a matéria-prima do biocombustível norte-americano.

"O etanol feito domesticamente é a estrela de nossos esforços para reduzir nossa dependência de combustíveis fósseis sujos e importados", disse o senador republicano Charles Grassley (Iowa), membro mais graduado de seu partido na Comissão de Finanças do Senado e líder dos esforços pró-subsídios, ao comentar o levantamento. "Encerrar o incentivo seria falta de visão nossa."



Escrito por Sérgio Dávila às 18h38
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Acaba a lua-de-mel entre humoristas e Obama

Marco do rompimento é o quadro do mais recente Saturday Night Live. Veja a análise em meu programa semanal do UOL Notícias.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 18h36
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Derrota de Chicago complica vida de Obama

Barack Obama já não era mais "o cara" domesticamente. Com a "derrota olímpica" da Dinamarca, termo de sentido duplo pelo qual o dia de ontem vem sendo chamado nos meios políticos dos EUA, ele caminha para deixar de ser "o cara" também no palco internacional.
O democrata assumiu em janeiro com a agenda da mudança, mas acreditou que só a agenda seria suficiente para que o país mudasse, assim como pensou que só dar as caras ontem em Copenhague seria suficiente para derreter os corações e os votos. Não é e não foi.
O caso de Copenhague é simbólico de uma jovem gestão que se esforça em fazer tudo ao mesmo tempo agora.
*

Leia a continuação de minha análise na Folha de hoje (para assinantes).



Escrito por Sérgio Dávila às 11h01
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Google homenageia Gandhi

Na ilustração do mecanismo de busca.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 23h20
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Vazou a capa da biografia de Sarah Palin

Todos os detalhes que a fizeram famosa em primeiro lugar estão aqui: o cenário (exterior, já que ela gosta de caçar e praticar esportes, o que o ex-futuro genro dela diz que é mentira, mas em todo o caso...); a roupa, mezzo-esportista, mezzo futura presidente dos EUA, com direito ao broche da bandeirinha (claro, já que ela gostava de repetir nos comícios a falácia de que Barack Obama não gostava de usar a bandeira do país); o look professorinha de filme softcore que encantou tanto marmanjo no mundo inteiro; e o olhar para o futuro (2012, quando ela pretende ser o nome mais forte do Partido Republicano para tentar bater Obama --o primeiro deve acontecer; sobre o segundo há dúvidas).

A autobiografia, escrita a quatro mãos com uma escritora ultraconservadora de San Diego, na Califórnia, sai em 17 de novembro pela Harper com tiragem de 1,5 milhão, tem 400 páginas e já está na lista dos mais pré-vendidos da Amazon e tem como título uma frase dita em tom de crítica por um membro da equipe de John McCain que foi destacado para ser a babá dos Palin durante a campanha presidencial: "Going Rogue - An American Life". Na época, o assessor disse que ela tinha "went rogue", no sentido de animal selvagem que se separa do resto do grupo ou alguém que se recusa a seguir ordens e o pré-combinado.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 15h07
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]

Um emprego perdido a cada dez segundos nos EUA

Os Estados Unidos perderam 263 mil vagas em setembro. Ok, o ritmo vem caindo, mas é muita coisa. 263.000 por mês é igual a 8.767 empregos por dia, 365 empregos por hora, 6 empregos por minuto, um emprego a cada dez segundos. Conte até dez: um americano perdeu o emprego. E o número é bem pior, diz Robert Reich, ex-secretário do Trabalho de Bill Clinton (1993-2001), se forem computados os que desistiram de procurar emprego, os que aceitaram subempregos e os que passaram a trabalhar menos horas ou por menos dinheiro.

 



Escrito por Sérgio Dávila às 14h52
[comente] [Regras para comentários] [envie esta mensagem]